• assinatura jornal

Notícias Habitar

04 de agosto de 2012

Pretinho básico, charmoso e elegante

Pretinho básico, charmoso e elegante

Na decoração, apesar da crença geral de que o preto é sinônimo de luto e que torna pesado qualquer ambiente, essa cor ganhou notórios destaques no mundo da moda e é utilizado em diversas composições na decoração, estando presentes no mobiliário e até nos revestimentos, imprimindo sofisticação singular a ambientes domésticos e empresariais.

Mas engana-se quem acha que o preto cabe em qualquer situação. Nas paredes, por exemplo, o tom confere profundidade, elegância e até sensualidade, mas muito cuidado para não pesar o espaço. Quando mal usado, o preto escurece e entristece, por isso deve ser utilizado apenas em ambientes com iluminação adequada. Bizet Castro, empresária do ramo da decoração atenta para outro fato importante: o calor típico do Nordeste. "Onde há muita incidência solar, deve-se ter cuidado para não deixar o ambiente muito quente, principalmente em apartamentos menores", pontua.

Em ambientes pequenos, o preto pode estar presente em um painel, um móvel, ou em uma das paredes do espaço. Em ambientes mais amplos, o preto pode ser fundamental para conferir elegância e requinte. De acordo com a arquiteta Renata Pádua, as limitações para o uso da cor são poucas. "O preto é um coringa, pode estar presente em todo tipo de objeto e móvel. Não há uma restrição, uma vez que vai se mesclar com vários outros tons. A ressalva serve apenas para peças maiores do mobiliário e no revestimento", relata.

Sobriedade e requinte dão o tom a essa sala de estar, ambientada basicamente com o branco e o preto. O contraste do sofá com os tons de cinza das almofadas dão um charme a mais ao living.

Nesta sala de jantar, o revestimento de madeira foi pintado com tinta ebanizada preta que, apesar da rusticidade, dialoga perfeitamente com o requinte conferido pelo lustre, também com detalhes em preto.

O painel com acabamento high gloss branco na cabeceira ganha destaque com a parede preta em segundo plano, mostrando que o preto não precisa ter o papel principal na decoração. Neste caso, ele é fundamental para evidenciar os detalhes do quarto.

Assim como o branco, o preto também denuncia a sujeira, logo a cor pode ser perfeitamente utilizada na ambientação da cozinha, tornando-a charmosa e bastante despojada.

Preto e branco compõem a vitrine desta loja, com móveis e objetos decorativos que imprimem elegância ao espaço. O preto aparece pontual na mesa lateral, no abajur e na poltrona.

A arquiteta Renata Pádua lembra que o lavabo também pode receber o preto. Neste caso, a cor está presente nas pastilhas que revestem todo o banheiro, evidenciando a bancada de mármore travertino bruto.

É inegável a contemporaneidade do mais escuro dos tons empregado em qualquer ambientação, sendo considerado um coringa que dialoga harmoniosamente com todas as outras cores e pode ser usado para dar nova roupagem a móveis danificados, como lembra Bizet Castro. "Um móvel antigo, por exemplo, ao ser pintado de preto ganha uma nova leitura bem mais contemporânea, garantindo um ar moderno. De uma forma geral, o preto é na decoração é chique e eterno, sempre esteve na moda e sempre estará", complementa.

Uso do preto na decoração para homens e mulheres

Uso do preto na decoração para homens e mulheres

Ao ouvir sobre esse tipo de decoração, a maioria das mulheres costuma rejeitá-la de imediato. Tradicionalmente, a decoração com o uso da cor preta no mobiliário, objetos de decoração e em revestimentos está atrelado à masculinidade, referente a uma atmosfera solitária e sóbria. No entanto, com alguns contrastes bem pensados e ideias de bom gosto, o preto pode ser um charme a parte para ambientes que reflitam a personalidade de homens e mulheres.

A arquiteta e consultora de vendas Renata Pádua explica que a cor é geralmente mais procurada por homens, que preferem aplicar papeis de parede em tons escuros com alguns grafismos e detalhes. "No apartamento de um homem busca-se criar uma atmosfera mais masculina e por terem receio de pintar a parede, sugerimos a aplicação de papel preto com alguns detalhes, principalmente na cor branca, uma combinação que nunca erra", explica.

Para as mulheres que querem ousar na decoração, a dica é optar por combinações de cores que imprimam um ar feminino e ao mesmo tempo descontração e sobriedade ao espaço decorado. Alguns exemplos são o uso do amarelo, azul turquesa, rosa, e várias outras que podem variar entre os tons claros aos mais chamativos. Outra opção é criar bases claras com muita presença do branco e com o preto presente apenas de forma pontual nos objetos ou em poltronas.

Sobre o preto no revestimento e no mobiliário de madeira, a empresária do ramo da decoração Lilia Castro conta que existem opções de acabamentos e tonalidades para todos os ambientes. "São inúmeras as tonalidades de preto que existem no mercado com incontáveis tons de cinza. Na madeira, temos diversos acabamentos que conferem características diferentes à tonalidade, que vão do fosco à laca preta mais brilhante", conta.

De uma forma geral, nobreza, distinção e elegância podem ser representadas pela cor preta, criando ambientes cujas atmosferas contemplam ambos os sexos. Para quem tem medo de arriscar, o aconselhado por arquitetos e designers de interiores é que, antes de pintar todas as paredes de preto, apostem em sofás nessa cor, seja em tecido ou de couro, sempre elegantes e versáteis. Além deles uma ótima pedida é usar mesas laterais, de centro, estantes, tapetes e outros objetos de decoração nesse tom.

28 de julho de 2012

Decoração industrial transforma o antiquado em despojado

Decoração industrial transforma o antiquado em despojado

Revestimentos cimentícios, fiação elétrica aparente e móveis de ferro. Esses atributos soam como a descrição do interior de uma fábrica ou um galpão, e na verdade é. Trata-se da decoração industrial, que após tantos anos desde o seu surgimento vem transformando a maneira tradicional de ambientar espaços, sendo uma ótima escolha para quem tem uma personalidade despojada e busca algo diferente da maioria dos conceitos de decoração.

Sua origem remete a meados dos anos 50, em Nova York, no atual Meatpacking District, onde funcionavam açougues, frigoríficos e depósitos de grãos. O arquiteto e engenheiro Mauro Lopes conta que estes espaços ficaram abandonados e famílias de classe média se instalaram no local, transformando os galpões em moradia. Aos poucos a atmosfera decadente dos antigos açougues foi se configurando como a origem desse estilo de ambientação que atende aos padrões mais sofisticados.

Atualmente, esse movimento deixou de ser uma exclusividade dos nova-iorquinos e tornou-se uma forte tendência na Europa e ganha força no Brasil com a popularização dos lofts, passando a influenciar a estética das novas construções e decorações.

Em Teresina, no entanto, o uso da decoração industrial ainda é tímido, segundo Mauro Lopes. "Esses acabamentos ainda são poucos utilizados em residências, estando presente em alguns espaços empresariais, seja em fachadas ou corredores, dependendo muito da proposta que o cliente busca imprimir ao espaço", conta.

Geralmente, no caso de apartamentos com esse tipo de decoração, o proprietário é um homem solteiro ou divorciado, que busca evidenciar sua individualidade com esses espaços amplos sem divisórias e com acabamentos que em outros contextos seriam considerados out. Mas o estilo não se restringe aos marmanjos. Com alguns toques de bom gosto, cores mais leves e objetos em tons mais neutros, o mesmo espaço pode se tornar um lar para uma mulher independente, um casal de namorados ou também recém-casados.

Neste loft, além das paredes apenas rebocadas e a fiação elétrica aparente, o teto alto é outra característica que imprime uma atmosfera industrial ao espaço. Móveis de madeira também podem ser utilizados, mas em menor quantidade. Neste living, o material está presente apenas no painel e no forro do teto, ganhando destaque os tons cinzas, preto e cores terrosas.

A mesma sala vista por este outro ângulo revela traços ainda mais requintados, em uma harmoniosa combinação entre o delicado e o agressivo, proporcionada entre o acabamento de concreto e o charmoso lustre de cristal. As diversas cores das almofadas e o arranjo de molduras na parede dão um toque extra de charme à decoração.

A mesma decoração está presente no quarto, cuja base é composta predominantemente pelos tons de cinza das paredes e pela colcha, com o vermelho pontual na estante e o amarelo tímido da luminária. O que, por regra, deveria ser escondido, aqui assume o papel principal na decoração: a fiação externa adorna o ambiente também com a função de cabeceira.

O teto e as luminárias chamam a atenção nesta cozinha justamente por seu forte aspecto industrial, conferido principalmente pelo metal. Um possível choque à tamanha presença desse material é evitada pela base em tons claros. O couro presente no encosto das cadeiras é mais um diferencial aplicado em decorações deste estilo.

O maior diferencial deste loft é o uso de linhas retas e formas geométricas, aspectos caracterísicos da decoração industrial. Também chama a atenção o uso de alvenarias expostas, outro ponto que, sendo bem utilizado, contribui positivamente com a proposta de criar um ambiente intimista e despojado, geralmente traduzindo a personalidade do proprietário do imóvel.

21 de julho de 2012

Castiçais proporcionam requinte a ambientes intimistas

Castiçais proporcionam requinte a ambientes intimistas

Em outras épocas, ele já foi apenas um utensílio doméstico de grande necessidade, sendo utilizado apenas para iluminar ambientes com velas quando ainda não existia luz elétrica. Com o passar do tempo, o castiçal foi ganhando novos formatos, passou a ser confeccionado com diversos materiais e ganhou uma importante função decorativa, que se sustenta até hoje. A arquiteta Ivone Nascimento lembra que essa função é a única atribuída às peças atualmente, uma vez que dificilmente as velas são acesas, colocadas no ambiente apenas para proporcionar uma atmosfera agradável e de acordo com a ocasião.

Os castiçais são usados para decorar casas, apartamentos, ambientes empresariais, casamentos e festas em geral. Ivone ressalta que nas mesas de jantar, o utensílio pode conferir bastante elegância em casos de reuniões familiares, de amigos ou festas mais elaboradas. "O único requisito é ter bom gosto na hora de usar. Um castiçal colocado na ocasião ou no lugar errado pode ser super deselegante", explica.

Segundo Ivone, a decoração com uso de castiçal imprime glamour ao ambiente, mas, lógico, requerendo um toque de delicadeza e sensibilidade no momento de pensar toda a ambientação. "Essas peças decorativas deixam o espaço com um charme sem igual. Em situações diversas, ele cria um clima intimista e aconchegante, desde um banho a dois numa banheira a uma refeição coletiva numa sala de jantar", assinala.

Castiçal X Candelabro

O candelabro também é um ótimo recurso decorativo, entretanto, este diferencia-se do castiçal no número de suporte para velas. O castiçal possui encaixe para apenas uma vela, ao passo que o candelabro dispõe de vários suportes. Alguns chegam a ser bem trabalhados e com detalhes tão requintados que assemelham-se a lustres. Todavia, alguns cuidados devem ser tomados ao utiliza-lo na decoração; eles jamais devem estar numa mesa para almoço. Como a peça geralmente é maior e mais chamativa, deve ser deixada em alguma mesa auxiliar, ou no living com as velas apagadas.

Modelos diversos

Existem castiçais de vários materiais. Na decoração, apenas um modelo era utilizado no mesmo ambiente. Ivone Nascimento explica que, hoje, vários tipos de castiçais podem ser empregados na decoração de um único espaço. "Usamos diversos modelos. Antigamente era apenas um castiçal, ou no máximo um de cada lado da mesa ou do aparador. Hoje podemos reunir cinco ou até seis de modelos diferentes, dependendo da organização e da proposta do ambiente.

Cuidado com as velas

No momento de escolher as velas, deve-se ter em mente que elas não podem exalar nenhum perfume, principalmente quando for para decorar a mesa de jantar. No ambiente, o único aroma que deve prevalecer é o da comida. Quando ao tamanho, as velas altas são indicadas para aparadores e mesas de centro baixas; para mesas de jantar, recomenda-se velas menores. A quantidade deve ser determinada pelo tamanho do móvel que será adornado pelos castiçais.

Onde usar

O uso de castiçais é condicionado na personalidade do proprietário da casa, ou da proposta do ambiente corporativo, no caso de ambientação empresarial. Castiçais de vidro, por exemplo, são coringas que podem ser usados para qualquer proposta de decoração. "Se a pessoa gosta de tendências modernas, pode-se colocar de cinco a seis castiçais contemporâneos, seja de vidro ou com bases espelhadas. Quando se busca uma leitura mais antiga, recomenda-se usar castiçais de prata, bronze ou latão, conferindo um ar de antiguidade acolhedora", argumenta a arquiteta.

Castiçal artesanal

Obviamente os castiçais vendidos em lojas são de encher os olhos, mas para quem quer economizar ou simplesmente prefere optar por trabalhos artesanais, pode confeccionar seu próprio cartiçal. Basta pegar alguns vidro e, com muito bom gosto, customizá-lo para receber uma vela. Uma ideia é utilizar vidros de conservas e enfeita-los com pedras no fundo ou com barbantes ao redor. Outra opção para um toque ainda mais charmoso é acrescentar água e, em seguida, uma vela flutuante. Neste caso, a vela acesa proporciona uma atmosfera super intimista e bem romântica.

16 de julho de 2012

Apartamentos pequenos ganham mais espaço com decoração adequada

Apartamentos pequenos ganham mais espaço com decoração adequada

Inversamente proporcional ao aumento no número de construções civis, principalmente em Teresina, tem se tornado cada vez mais comum a concepção de apartamentos com áreas menores e espaços super-reduzidos, mas, felizmente, pouca metragem não é sinônimo de aperto. É o que defende a designer de interiores Ana Lídia Melo, que evidencia a necessidade de driblar a falta de espaço com algumas soluções práticas, que envolvem uso de objetos de decoração específicos e uma organização adequada de toda mobília.

De acordo com Ana Lídia, é preciso atentar-se a todos os aspectos possíveis para que o espaço do apartamento seja totalmente aproveitado; o uso de móveis modulados é um dos pontos principais. "Cada vez mais tem sido um desafio planejar espaços menores, mas quando os móveis são feitos sob medida dá para organizar tudo do ponto de vista prático e ainda sobra espaço para trabalhar a estética", explica a designer.

Utilizar as cores certas é primordial para a decoração de espaços menores. Deve-se utilizar bases em cores neutras que aumentam o ambiente, como o branco, o bege, tonalidades terrosas e demais cores em tons claros. É preciso tomar cuidado com o uso de cores em tons chamativos, que tornam o cômodo mais pesado. Essas tonalidades podem ser usadas em cores pontuais na decoração, como vasos, almofadas, ou quadros.

Nas fotos acima, o espaço é o mesmo: um living integrado à sala de jantar. Entretanto, percebe-se na foto da direita um ambiente mais limpo e agradável. Isso se deve à escolha dos móveis, da decoração e a organização dos móveis, que fizeram toda a diferença para proporcionar um ambiente mais espaçoso e aconchegante.

Neste outro ambiente, Ana Lídia Melo destaca que a sala integra estar, jantar e cozinha gourmet. A base clara e as tonalidades terrosas conferem beleza e requinte ao reduzido espaço. "A sofisticação é visível na escolha de cores neutras, a mesa redonda facilita a circulação e a utilização do espelho é outro recurso utilizado por nós para imprimir uma sensação de amplitude", pontua.

Mais importante que os móveis, o fator principal no momento de escolher como organizar um espaço reduzido é a criatividade. Contanto que haja o máximo de aproveitamento dos ambientes, a integração e a funcionalidade dos espaços, pode-se esperar como resultado um apartamento charmoso e aconchegante.

14 de julho de 2012

Dicas para decorar adequadamente apartamentos pequenos

Dicas para decorar adequadamente apartamentos pequenos

Espelhos

A possível sensação de confinamento em espaços pequenos dá espaço para a leveza e amplitude proporcionada pelos espelhos. No caso desta sala estreita, foram utilizados espelhos na parede e na coluna que divide o ambiente que, além de conferir mais profundidade, torna a sala mais charmosa.

Pisos

Ambientes pequenos com piso em diagonal aparentam ter uma área ainda menor. O uso de pisos paralelos à parede proporcionam uma sensação de alongamento. Trata-se de um pequeno detalhe estético que faz a diferença no espaço.

Modulados

Móveis grandes, principalmente no caso de sofás e estantes, além de ocupar muito espaço, dificultam a movimentação por cômodos. Nestes casos, as melhor opção é o móvel feito sob medida, planejados de forma mais eficiente e funcional e que podem imprimir maior sofisticação.

Transparência

Fuja dos móveis opacos; no caso das mesas de jantar, por exemplo, deve-se optar por tampos de vidros, que aumentam o campo de visão e permitem a passagem de luz. Portas de vidros podem ser utilizadas na varanda, integrando o apartamento à área externa.

Banheiros

Dificilmente um apartamento pequeno terá um banheiro amplo. Sendo assim, nada de cerâmicas enfeitadas, dê preferência aos azulejos lisos. Se forem em tons claros, o banheiro também ganha um aspecto de limpeza.

Luminárias

Um enorme e elegante lustre são uma ótima pedida para decorar uma sala de jantar, por exemplo, mas apenas em ambientes amplos. Em apartamentos pequenos, principalmente com o pé direito baixo, os lustres dão a sensação de teto ainda mais baixo. Luminárias coladas ao teto são as mais indicadas.