• Unimed
  • assinatura jornal

Notícias Itainópolis

07 de dezembro de 2017

População de Itainópolis realiza campanha em prol da família de Janaína

Um doador de um terreno e dois grupos de populares se unem numa só causa

Na sexta-feira (01), um grupo de crianças tomavam banho em um rio quando uma delas começou a se afogar. Na tentativa desesperada de salvar o irmão mais novo, a pequena Janaína, de sete anos, foi quem morreu. Veja: http://www.portalodia.com/municipios/itainopolis/crianca-de-7-anos-morre-afogada-no-rio-itaim-310212.html

A perda que teve a família de Anchieta (pai da menina) foi motivo para a população tomar conhecimento da situação financeira do gari e das condições em que vivem sete pessoas em um casebre de três cômodos e sem banheiro. Foi então que alguns jovens se mobilizaram e lançaram a campanha “Por um lar a Anchieta”, cujo objetivo, a princípio, era conseguir um terreno e construir nele uma casa, para que a família da pequena Janaína tenha um lar onde viva em condições mais decentes.

Essas mesmas pessoas estiveram ontem (06) na casa de Anchieta, para expressar sua solidariedade à família enlutada e anunciar-lhe a ajuda que pretendem dar. Eles observaram, inclusive, um pequeno pedaço de chão no morro Valentim Dantas, no qual Anchieta já fazia planos de construir uma casinha, já que aquela onde ele mora é cedida.

No entanto, antes mesmo de a campanha ser lançada oficialmente, o comerciante Tiago Alencar doou um terreno de 240 m2, situado a um quilômetro a partir da saída da cidade em direção ao Barroso. Os jovens agora tentam captar recursos para a construção do novo lar de Anchieta e sua família. Para tanto, planejam pedir doações a comerciantes e à população em geral. Além disso, estão organizando também um show de músicas religiosas, previsto para o dia 05 de janeiro, às 19h00, no ginásio poliesportivo.

As atrações que já estão confirmadas até agora são: a dupla Tony & Gleyici, de Novo Oriente; a cantora Larisse Sousa; as bandas Atitude de Louvor, de Jaicós; D3, Shalon e Cícero Augusto & Banda, de Itainópolis. Este último, já até doou cem CD’s para serem vendidos para ajudar na campanha. Quem quiser adquirir, já pode entrar em contato com ele, através do telefone 89 99420-6147.

Um outro grupo de pessoas também estava se mobilizando em prol da mesma causa. Após Tiago Alencar anunciar a doação do terreno, os dois grupos tomaram conhecimento das ações um do outro e resolveram se unir, numa espécie de corrente do bem.

O internauta interessado em contribuir com qualquer quantia, ainda que seja apenas R$ 1,00, pode depositar nas seguintes contas:

BANCO DO BRASIL
Agência: 0254-2
Variação: 51
Conta Poupança: 41.383-6
Favorecido: Lucas Ferreira de Azevedo

CAIXA ECONÔMICA
Agência: 0629
Operação: 023
Conta Poupança: 45147-2
Favorecido: Anderson Antonio Monteiro

30 de novembro de 2017

Professores do município reivindicam direito perdido em 2014

‘Vamos executar a administração na Justiça’, garante advogada do sindicato.

O diretório do Sintraemi – Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município de Itainópolis – se reuniu com os filiados ao órgão na tarde desta quarta-feira (29), para tratar de um direito que os professores perderam em 2014. O abono de férias, que até então (com arredondamentos) correspondia a 50% do salário do professor, agora representa apenas um terço do vencimento mensal do servidor. Hoje, a categoria reivindica a restituição do valor reduzido em aproximadamente 34% do abono nos anos de 2014, 2015, 2016 e 2017.

A reunião, acontecida no colégio Álvaro Rodrigues, contou com a presença também da Dr.ª Thaysa Feitosa Soares, a advogada que cuida do caso. Depois de a presidente do sindicato, Jesus Nascimento, fazer uma explanação acerca da questão, Dr.ª Thaysa explicou aos docentes a tramitação do processo, o procedimento de seu trabalho e as vantagens para o professorado.

A assessora jurídica do sindicato nessa causa explicou ao Portal O Dia o possível motivo da redução do benefício dos professores: “As férias de praxe dos servidores públicos são de trinta dias. Então, acaba-se tendo essa confusão, de que o terço de férias é sobre a remuneração mensal, mas não é. O terço de férias é em cima das férias, que, no caso dos professores, é de quarenta e cinco, e não trinta dias.”

A teoria de Dr.ª Thaysa sobre a justificativa do novo percentual do abono é confirmada pelo secretário de Educação. Procurado por nossa reportagem, Antônio Eusébio disse que, conforme a Constituição Federal, todo trabalhador tem direito a férias remuneradas com mais um terço de remuneração extra. Entretanto, considerando que as férias dos docentes são de quarenta e cinco dias, Eusébio admite a necessidade de “uma reflexão quanto ao valor a ser pago do abono de férias, o qual deixa de ser o valor normal de todos os trabalhadores”. E o secretário ainda acrescenta: “Acredito que se necessita de um olhar jurídico para analisar se, de fato, o valor a ser pago é 45 ou 50%. Dessa forma necessitamos nos aprofundar mais para garantir esse direito”.

O prefeito Paulo Lopes reiterou: "Pagamos o que determina a legislação”. Ele também disse que houve um pedido informal de pagamento de diferença de abono, por essa razão, solicitou uma formalização do pedido do sindicato. “Sugerimos que o Sindicato formalizasse o pedido de diferença para analisarmos melhor, o que ainda não ocorreu”, alega o prefeito.

O Sintraemi vem buscando resolver o problema desde o início, mas foram frustradas as tratativas informais com o prefeito e com o secretário de Educação, que não fizeram nenhuma proposta à categoria. Essa foi a versão da presidente do sindicato. Versão negada por Eusébio, que afirmou ter convidado informalmente o sindicato para conversar sobre o assunto. A conversa, no entanto, não aconteceu – segundo ele – devido “aos desencontros de agenda de ambas as partes”. Mas ele garante: “Estamos abertos a dialogar em busca de nossos direitos”, encerra.

Apesar de Antônio Eusébio considerar a possibilidade de um acordo a ser tratado nos próximos vintes dias de trabalho que ainda restam este ano, Jesus Nascimento, descarta qualquer negociação que não seja efetiva, pois, para ela, seria uma medida inócua. “Se fizéssemos um acordo agora, no ano que vem teríamos de negociar novamente. Já por força de sentença é diferente: a atual gestão será obrigada a pagar, e as gestões posteriores, também”, explica a presidente do Sintraemi.

A sindicalista diz ainda que não abre mão de solucionar o problema buscando os meios jurídicos e garante ir até o fim. “É uma causa que temos por direito, por isso vamos lutar e vamos conseguir”, conclui a líder da instituição que arcará com os custos iniciais do processo, caso não se consiga sua gratuidade.

Se a causa for ganha – como garante a presente assessoria jurídica do sindicato –, os professores terão um acréscimo de quinze dias de remuneração no terço do salário, correspondente ao abono de férias. “O abono de férias deve ser pago na casa da remuneração das férias, as quais, no caso dos professores, são de quarenta e cinco dias. E isso deveria ser proporcionado pela gestão municipal sem qualquer tipo de provocação.”

Assim como Jesus Nascimento, Dr.ª Thaysa também defende a reaquisição do benefício através de execução de sentença, pois só isso asseguraria que a administração continuasse cumprindo com a obrigação de pagar o terço de férias em cima dos quarenta e cinco dias de férias. E para a advogada, a Constituição favorece, na verdade, os docentes. “É um direito que os professores já têm. Eles só precisam fazer com que a administração cumpra o que determina a Constituição. É um direito que que a administração não está cumprindo. Então vamos executar essa ação na Justiça”, declara a advogada.

Dr.ª Thaysa informa aos interessados em recorrer à Justiça para reivindicar as perdas nesses quatro anos que eles devem apresentar à sua assessoria jurídica a xérox da seguinte documentação: RG, CPF, comprovante de residência, termo de posse, último contracheque e ficha financeira dos últimos quatro anos (a ser pega na prefeitura).

27 de novembro de 2017

Lauane Vieira fala sobre sua arte musical e dá dicas aos novos talentos

‘Sempre gostei do que eu não tinha aqui’, diz a amante da leitura e da MPB

Lauane Vieira está cursando Terapia Ocupacional na FACID, em Teresina. Mas ela se destaca também por duas virtudes culturais: a paixão que tem pela leitura, desde os doze anos, e pela música, desde a infância. “Sempre gostei do que eu não tinha aqui. As pessoas que conviviam comigo falavam que eu era diferente, porque buscava coisas que, para elas, naquele tempo, não era normal, por exemplo, a leitura de um livro ou uma música que elas não conheciam.”

Sua escritora favorita é a modernista portuguesa Florbela Espanca. A autora de poemas de cunho confessional e sentimental é a leitura que Lauane recomenda, tanto para adolescentes quanto para jovens. “Ela faz sonetos perfeitos. Ela me inspira, pois fala de uma forma que nos faz pensar.”

A jovem de vinte anos começou a perceber seu talento musical logo na infância, período no qual pedia ao pai instrumentos musicais de brinquedo. Mas aos doze anos, pediu de presente seu primeiro violão. O pai imaginava que era só para brincar, e essa desconfiança serviu para motivá-la. “Fiquei com isso na cabeça e pensei: ‘Vamos ver se é só para brincar!’”.

O desafio para Lauane foi muito dificultoso, já que ela quase não tinha a quem recorrer. “Nem por isso eu desisti. Tive ajuda de poucas pessoas, como Damon. Mas no geral, aprendi mais foi sozinha. Quando a gente gosta e tem vontade, a gente aprende. Só precisa correr atrás.” Foi então que a artista aprendeu o básico, vindo a se aperfeiçoar somente depois que passou a tocar na igreja. E hoje, além de violão, ela toca também baixo e teclado.

Mas não é só na igreja que Lauane exerce sua arte. Formando dupla com Wenzo Rocha, a também cantora disse que, mesmo sem pretensão de crescer, a dupla ficou conhecida e as pessoas passaram a convidar para tocar em bares e restaurantes. “Estamos com essa parceria e pretendemos levá-la por um bom tempo”, afirma Vieira.

Outros artistas que lhe serviram de inspiração foram Wanderson Ferreira – mais conhecido como Seu Wando – e o pai dele. “Ele me ajudou muito. Eu sou muito grata a ele. A ele e ao pai dele, o Kiko, outro que me influenciou, e ainda hoje me influencia. Tenho muita consideração a eles, sou muito grata aos dois.”

A admiradora de Florbela Espanca tem um gosto musical diferenciado. Os clássicos fazem parte de seu gênero favorito. “Eu gostava mais daquele rock pesado, só que fui começando a apreciar mais aquele rock calmo e, conforme fui gostando, fui começando a apreciar outros estilos musicais voltados mais para o clássico, como Bon Iver e Gregory Alan Isakov, que são músicas serenas.” Mas em se tratando de músicas nacionais, sua predileção tende a Mallu Magalhães, Banda do Mar, Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci.

E para quem deseja tomar gosto pela leitura e se tornar um bom leitor, a dica que nossa entrevistada dá é se tornar curioso. “Que tal você fazer uma leitura para analisar? Não adie, faça logo. É uma coisa boa, que faz você crescer. É uma viagem sem sair do lugar.” Mas para quem não tem acesso a livros impressos, ela sugere a busca pelas versões digitais.

Já para aqueles que desconfiam ter alguma inclinação para o campo da música, a fã de Mallu Magalhães aconselha persistência, pois ela mesma já pensou em desistir. E explica: “No começo é chato, e não dá para já ir tocando a música favorita”. Lauane conhece muitas pessoas com vontade de aprender, porém sem ter quem as ensine. “Se você quer, se você tem vontade, você vai conseguir. Se foi assim comigo, pode ser com qualquer pessoa. Não desista! Continue.”

Sendo uma pessoa que viaja muito, de certa forma, Lauane Vieira tem uma visão de mundo mais ampla, por isso sente falta de muita coisa em Itainópolis, em termos de cultura. Para uma cidade em que o único lazer são os paredões nos fins de semana, ela sugere eventos em praça pública, nos quais teriam um espaço os músicos anônimos itainopolenses, já que muitos deles só têm oportunidade de mostrar suas aptidões nas igrejas. “Nos fins de semana, poderíamos ter um espaço aberto onde nossos jovens tivessem a liberdade de se expressar, mostrando o que eles sabem fazer, pois aqui é uma cidade que tem muita gente talentosa.”

A estudante acadêmica não percebe em nosso município nenhum incentivo às culturas literária e musical, e lamenta a falta de políticas públicas voltadas para essas e outras artes. “O mundo de hoje está muito pobre de conhecimento, e não há oferta de cultura aos jovens, que estão se desviando para a mediocridade.” Ela ainda mostra, concretamente, como nossos representantes políticos poderiam investir na cultura: “Deveríamos ter bibliotecas e programas para incentivar os jovens a ler. Era para termos eventos que os estimulassem a buscar alternativas em caminhos diferentes, desde a música, a dança ou o esporte...”.

E para encerrar, a jovem entrevistada cita o exemplo de Daniela, que recentemente formou uma escolinha de futebol e uma companhia de música. “É uma menina muito talentosa, que desenvolveu um projeto muito bom. A garotada que não tinha o que fazer agora está praticando esporte. É disso que nossa cidade precisa, é disso que nossos jovens precisam: entretenimento saudável, para que não fiquem ociosos.”



Fotos: Lauane Vieira, Damon Ferreira, Wanderson Rodrigues, Wenzo Rocha e Daniela Silva

21 de novembro de 2017

11 de novembro de 2017

Colégio Álvaro Rodrigues realiza seu II Sarau Literário

Turma vencedora ganha uma viagem para parque aquático de Oeiras

A segunda edição do sarau literário do Álvaro Rodrigues foi realizada na noite de ontem (10), nas dependências da referida escola. Lá, foram feitas várias apresentações que abordavam a cultura nordestina e contemplavam a literatura regionalista.

Depois de composta a mesa de honra, um grupo de alunos vestidos de gibão homenagearam os vaqueiros de nosso estado, cantando o Hino do Piauí. Em seguida, o diretor Valdecleide Geraldo deu as boas-vindas ao público, e o professor Anderson Monteiro declamou a Canção do Exílio, poesia clássica de Gonçalves Dias, famoso escritor maranhense do século 19.

Daí em diante foi a vez de os alunos mostrarem seus talentos. Pautados no tema “Meu Nordeste é assim”, os discentes fizeram danças, declamaram poesias em cordel e encenaram peças teatrais. A maioria das manifestações artísticas foram criadas por eles mesmos.

Enquanto isso, cinco jurados avaliavam a melhor apresentação entre as turmas, que disputavam o prêmio de uma viagem. E quem ganhou um passeio para Oeiras foi o 3º ano A, turma que, orientada pelos professores Regivan Vera e Iara Feitosa, fará um turismo e terá um momento de lazer num parque aquático naquela que foi a primeira capital do Piauí.

A apresentação “Valores nordestinos através da dança e de poesia popular” – do 3º ano A – teve como destaque o aluno Francisco Nathaniel, o qual, caracterizado de Bráulio Bessa, mostrou uma poesia de temática regional.

Também foram montados estandes contendo utensílios típicos do artesanato nordestino; livros de escritores clássicos nordestinos; e vários livretos de literatura de cordel. Em um desses estandes, um aluno caracterizado de José de Alencar e uma aluna caracterizada da índia Iracema  expunham as obras do mais célebre escritor cearense.

04 de novembro de 2017

Membros da Associação de Artesanato de Itainópolis tomam posse

Diretoria é formada por Conselho Executivo e Conselho Fiscal

Tomou posse ontem (03) a diretoria da Associação de Artesanato de Itainópolis – Arte da Terra. A cerimônia aconteceu às 20h00, no auditório do Álvaro Rodrigues, e contou com a presença de Marilene Aguiar, diretora da Sec. Estatual do Empreendedor; dos vereadores João Batista e Remédios; do secretário de Empreendedorismo, Francisco Ferreira; e do prefeito Paulo Lopes.

Depois de composta a mesa de honra, foi exibido um vídeo mostrando o trabalho produzido pelos artesãos. Em seguida, os membros da associação foram apresentados, momento depois do qual componentes da mesa de honra fizeram uso da palavra.

Os membros empossados foram:

Conselho Executivo

Cristiane Maria Ferreira da Silva – presidente

Rosselâny de Lima Gomes Lopes Oliveira – vice-presidente

Francinete Feitosa – 1ª secretária

Joselane Maria da Silva – 2ª secretária

Maria Teresa Costa Lima – 1ª tesoureira

Laura Feitosa da Rocha – 2ª tesoureira

Conselho Fiscal

Maria Josenice Bezerra Costa – 1ª conselheira fiscal

Francilurdes Monteiro da Silva – 2ª conselheira fiscal

Vanúsia Geraldo da Silva – 3ª conselheira fiscal

Maria do Socorro de Oliveira –  1ª suplente de conselheiro fiscal

Elisa Maria da Cruz Jesus –  2ª suplente de conselheiro fiscal

Maria do Socorro Carvalho Andrade –  3ª suplente de conselheiro fiscal

Ali mesmo, no auditório da escola, foi montado um estande com algumas peças artesanais, como bonecas, canetas e sandália adornadas e vestido em crochê.

28 de outubro de 2017

Colégio Alayde Rodrigues realiza 2º Sarau Literário

De Ariano a Patativa, de Vinicius a Drummond, de Graciliano a Cecília...

Na noite desta sexta-feira (27), o colégio Alayde Rodrigues realizou seu 2º Sarau Literário, evento em que foram homenageados grandes nomes do Modernismo brasileiro e da literatura de temática regionalista.

A noite de culminância do projeto teve um mês de preparação e envolveu os alunos do Ensino Fundamental II (dos turnos manhã e tarde) e da EJA – Educação de Jovens e Adultos, (do turno da noite).

Depois de iniciado o evento com a execução do Hino Nacional, seguiram-se as apresentações com a interpretação da música Disparada, momento após o qual a professora Djacilda Maria fez um recital de poesias de sua própria autoria.

Ficaram em destaque no sarau peças, poesias e músicas de escritores consagrados. De Ariano Suassuna, foi encenado um trecho de O Auto da Compadecida. De Patativa do Assaré, a poesia Triste Partida, musicada por Luiz Gonzaga. De Carlos Drummond de Andrade, o poema E Agora José, cantado. De Vinicius de Moraes, os poemas Soneto da Felicidade e A Rosa de Hiroshima, bem como a música Garota de Ipanema, ao som da qual houve um desfile. Também tiveram suas obras explanadas Cecília Meireles e Graciliano Ramos.

E foi através de recital de poesias, encenações e danças que os referidos autores foram apresentados e suas obras, devidamente exploradas. Além disso, puderam demonstrar seu talento alguns músicos locais, todos do município de Itainópolis, tanto da zona urbana quanto da zona rural.

Vasco da Gama de olho em Itainópolis e cidades vizinhas

O clube carioca envia dois olheiros neste domingo em busca de talentos no futebol

O futebol amador de Itainópolis estará na vitrine neste domingo (29). A serviço do Vasco da Gama, dois olheiros farão uma avaliação, isto é, uma seleção de talentos anônimos para compor suas categorias de base. Quem nos traz os detalhes é Lourivaldo Felipe de Sousa, responsável pelo evento.

Os jogos em que crianças e jovens serão avaliados acontecerão no Campo Municipal de Futebol, a partir das 7h00 da manhã. As inscrições só serão realizadas minutos antes dos jogos, ou seja, a partir das 6h30, e terão uma taxa de R$ 30,00, para custear a vinda dos olheiros. Poderão participar jogadores com idade entre 8 e 20 anos. E é de acordo com a faixa etária que os times serão formados lá.

A escolha de jogadores acontece por etapas, e amanhã será apenas uma delas. Os selecionados aqui em Itainópolis irão para o Rio de Janeiro, onde passarão por pelo menos três "peneiras" (como é conhecido o processo seletivo) e serão observados por olheiros do Vasco e de outros clubes cariocas.

Louro de Mazé, como mais conhecido o organizador, recentemente assistiu a duas avaliações feitas pelo Vasco, uma em Francisco Santos e outra em Massapê. Para a primeira, ele levou alguns garotos de Itainópolis, entre eles, o próprio filho, Marcos Luan, de 14 anos, o qual foi selecionado para a próxima etapa, no Rio, onde passará 10 dias, depois dos quais aguardará o resultado em casa.

Já em Massapê, cerca de quatorze itainopolenses participaram da peneira. Dentre eles, dois foram selecionados: Danilo dos Santos e Felipe Feitosa, ambos do Riachão. “Itainópolis tem muito potencial na área de esportes, e senti a necessidade de uma peneira acontecer aqui”, afirma Louro.

Foi através dessas prévias – a de Francisco Santos e a de Massapê – que Louro teve o interesse de requisitar para sua cidade a vinda dos olheiros vascaínos. Ele conta que muitas pessoas o têm procurado, tanto de Itainópolis quanto de outras cidades, como Simplício Mendes, Bela Vista, Isaías Coelho, Floresta, Campinas, Conceição do Canindé e Santo Inácio.

22 de outubro de 2017

Tenente Sidney fala do trabalho da polícia e da segurança em Itainópolis

Inacabada, Praça da Juventude vira área de lazer, mas só para usuários de drogas

O Tenente Sidney conversou conosco na semana passada e falou sobre a segurança em nossa cidade. Respondendo como chefe do Grupamento Policial Militar de Itainópolis, ele deixou claro que o trabalho da Polícia Militar é mais preventivo, ficando a parte investigativa a cargo da Polícia Civil, responsável pelo registro de ocorrências e para quem são encaminhados os casos de roubos e furtos, como aqueles que aconteceram nas escolas Odete Ferreira Nunes, na cidade, e Mariano Borges Leal, no povoado Riachão.

Entretanto, além das rondas efetuadas costumeiramente, nas zonas urbana e rural, os policiais militares fazem as diligências em caso de uma urgência, como homicídios e assaltos, por exemplo. Foi o que aconteceu com o caso da moto de Josecy Feitosa, quando a polícia de Itainópolis e de cidades vizinhas se articularam na tentativa de recuperar o veículo do comerciante. Tentativa que terminou sem sucesso.

Apesar desse e de outros casos, Sidney avalia Itainópolis como uma cidade pacata e considera o efetivo de policiais suficiente para o dia-a-dia. São seis PM’s no total. O contingente, que pode parecer pouco, torna-se vantajoso, quando comparado ao de Ipiranga do Piauí, onde há um único policial. “Lá na minha cidade, a gente vê moleque empinando pneu de moto, e ninguém pode fazer nada. Dá vergonha. E quando há uma ocorrência, tem que ligar para Valença, para mandarem mais policiais”, declara o tenente.

Sidney lembrou os casos de duas motos roubadas as quais foram recuperadas pelo Sargento Campos, e disse que o êxito de muitas operações da PM se dá mediante denúncias feitas pela própria população. Contudo, a atuação da polícia tem suas limitações. Para desarticular uma boca de fumo, por exemplo, “os policiais não podem simplesmente entrar numa casa onde se sabe o que está acontecendo, pois podem responder processo por invasão de domicílio”, afirma o chefe da delegacia, que aponta ainda alguns pontos de atuação dos usuários: além do aeroporto, a praça do Portal – na principal entrada da cidade – e a Praça da Juventude. Esta última, local projetado para existir lazer e esportes, que, no entanto, se encontra abandonado pelo Poder Público, mas não por traficantes.

O GPM de Itainópolis hoje conta com uma viatura e aguarda chegar uma maior. Segundo o comandante do órgão, a Secretaria de Segurança Pública aumentou a cota de combustível, que não tem faltado no momento das diligências, como já aconteceu em outras ocasiões. Ainda assim, a situação em que se encontra a Delegacia de Polícia é precária, tanto na infraestrutura quanto na parte de material de expediente, e até mesmo de mobiliário. Alguns destes últimos itens que há ali foram adquiridos mediante multa em que a juíza converteu a pena de alguns que foram pegos conduzindo moto com cano barulhento.

Por fim, o Tenente Sidney ressaltou o apoio que a polícia tem recebido tanto da Dr.ª Mariana Machado, juíza da Comarca de Itainópolis, quanto da Dr.ª Romana Vieira, a qual, até poucos dias, representava o Ministério Público na mesma comarca.

20 de outubro de 2017

Escolinha de futebol é criada para itainopolenses infanto-juvenis

Surge de uma garota a iniciativa do projeto que beneficia garotos

A jovem Danyella Silva Sousa teve uma atitude inusitada. Há menos de três meses, ela criou em Itainópolis uma escolinha de futebol, que, apesar de recente, está fazendo sucesso. Neste feriado do Dia do Piauí, concedeu-nos entrevista a idealizadora do projeto, para o qual há expectativa de ampliação.

Antes de criar a Escolinha de Futebol FD (Faça a Diferença), Danyella promoveu a Copa do Comércio, cujo resultado – avaliado por ela como positivo – inspirou-lhe a ideia do projeto que hoje atende a cinquenta jovens entre 8 e 14 anos. “Muitas pessoas me perguntavam quando seria o próximo campeonato. Aí pensei: ‘vou abrir é uma escolinha de futebol’”, relata Danyella de Vevé, como é conhecida.

Os alunos com mais experiência ingressaram mais por participação do que por aprendizado, já que nem sempre têm oportunidades de praticar em quadra seu futebol amador. As instruções são dadas mais efetivamente para os menores, por não terem muita noção de certas jogadas. “Os maiores têm mais evolução, mas aos pequenos a gente tem que ensinar coisas como bater bola, por exemplo”, explica a entusiasta da escolinha.

Danyella reconhece que não tem formação profissional em futebol. Tudo é baseado na experiência. Ela jogava num time de futsal feminino em Itainópolis. Time que deixou de existir por falta de alguém para custear as despesas com transporte. Quando havia campeonatos em outras cidades, as jogadoras tiravam dinheiro do próprio bolso para pagar o frete. “Não tem condições de a gente montar um time, e não ter o transporte para sair. Estamos levando o nome da cidade, mas precisamos de apoio”, lamenta a jovem de 24 anos, atualmente jogando num time de Santa Cruz do Piauí.

Além das mensalidades, a escolinha sobrevive de patrocínios, surgidos praticamente só de comerciantes. Fora isso, a única colaboração recebida é o local onde os treinos são realizados, o ginásio poliesportivo, cedido pela prefeitura. Excepcionalmente nesta quinta-feira (19), os jogos aconteceram na quadra poliesportiva da Praça da Juventude, obra inacabada já mostrada aqui no Portal O Dia.

Depois de divulgar seu trabalho no Facebook, Danyella conta que sempre surgem pessoas de outros municípios pedindo-lhe orientação sobre como desenvolver a ideia. Além dessas interpelações, ela já recebeu convite para montar escolinhas em outras duas cidades. Entretanto, recusou as propostas, pois quer se dedicar exclusivamente a seus conterrâneos. “Chego até a me arrepiar! Fico muito feliz em saber que meu trabalho está dando resultado”, destaca com entusiasmo.

A novidade não para por aí. A Escolinha de Futebol FD vai entrar em férias a partir de dezembro, no entanto Danyella já  tem planos para o começo de 2018, quando pretende inserir outras modalidades esportivas e estender o futsal para o público feminino. Seus auspiciosos planos incluem danças para adolescentes e crianças. A fim de realizar tais planos, ela já começa a firmar parcerias. “Estou tentando juntar uma galera pra gente trazer mais coisas para nossa cidade”, revela a desportista.


Fotos: Anderson Monteiro, Andreia Ibiapino e Danyella Silva