• Anuário 2017
  • Unimed
  • assinatura jornal

Notícias Nas capitais

08 de outubro de 2012

Salvador terá segundo turno com ACM Neto e Pelegrino

Opositores dos partidos DEM e PT se enfrentarão no dia 28 de outubro

A eleição para a prefeitura de Salvador será decidida no segundo turno entre ACM Neto (DEM) e Nelson Pelegrino (PT).

Segundo a Justiça Eleitoral, ACM Neto recebeu 518.976 votos, o que corresponde a 40,17% dos votos válidos (excluindo brancos e nulos). Pelegrino teve 513.350 votos, o equivalente a 39,73%. A diferença entre os candidatos foi de 5.626 votos, menos de 1%.

"Nós fizemos o nosso trabalho e vamos manter no segundo turno. O Ibope mais uma vez errou na Bahia. Eu tenho que agradecer todo dia ao povo de Salvador por ter me dado essa votação",disse o candidato democrata em seu comitê de campanha em Salvador na noite deste domingo (7).

"A leitura é que nós saímos com 13% e chegamos empatados. Nós sempre apostamos que essa eleição seria definida no segundo turno. Acho que nós vamos ganhar a eleição", afirmou o candidato Nelson Pelegrino, do PT, em seu comitê de campanha, logo após resultado parcial da disputa.

ACM Neto é deputado federal pelo terceiro mandato. O candidato democrata disputou as eleições municipais em Salvador em 2008, quando João Henrique (PP) foi reeleito prefeito da capital baiana.

ACM Neto iniciou a campanha eleitoral aparecendo em primeiro lugar na primeira pesquisa Ibope divulgada em Salvador. Nas duas pesquisas seguintes, manteve-se na frente. Nas duas últimas edições da pesquisa, foi apontada possibilidade de segundo turno em Salvador.

Pelegrino afastou-se das atribuições como deputado federal (quarto mandato) para entrar pela quarta vez na disputa pelo cargo de prefeito de Salvador. Ele começou a aparecer na frente da pesquisa Ibope nas edições divulgadas em 27 de setembro e 6 de outubro.

Durante a corrida eleitoral, Pelegrino e ACM Neto trocaram uma série de críticas. A disputa foi marcada principalmente pelos direitos de respostas que cada candidato conseguiu junto à Justiça Eleitoral.

Propostas de ACM Neto
Dentre as principais propostas apresentadas pelo candidato do Democratas, está a criação das "prefeituras-bairros" com o objetivo de levar a gestão municipal para várias partes da cidade. O candidato apresentou também a proposta de criar o "Centro de Operações de Salvador" para viabilizar a melhoria da viabilidade urbana. Para os passageiros de ônibus, o candidato prometeu o "bilhete único integrado por três horas para que com apenas um bilhete o usuário possa usar trem, ônibus e metrô. Na área da saúde, o democrata afirmou pretender implantar um "Programa Integrado para a Infância" e expansão no sistema de atendimento de creches, além da construção de centros de educação integral.P

Propostas de Pelegrino
Dentre as principais propostas apresentadas pelo candidato do PT, está a campanha "Trânsito Livre", que visa construir viadutos e novas vias, como a Avenida 29 de Março. Na área da saúde, ele propôs implantar oito centros integrados de atenção à saúde, chamados também de policlínicas, que terão 13 especialidades médicas, além da criação da ambulância e helicóptero SOS no Ar. No quesito mobilidade urbana, ele apontou a implantação do sistema integrado de transporte coletivo, englobando as linhas 1 e 2 do metrô e recuperar os trens do subúrbio.

Veja o resultado completo:

ACM Neto (DEM) - 518.976 (40,17%)
Pelegrino (PT) - 513.350 (39,73%)
Mário Kertész (PMDB) - 121.894 (9,43%)
Márcio Marinho (PRB) - 84.094 (6,51%)
Hamilton Assis (PSOL) - 33.650 (2,60%)
Da Luz (PRTB) - 20.143 (1,56%)

Brancos - 72.972 (4,84%)
Nulos - 141.443 (9,39%)
Abstenção - 375.022 (19,93%)

Número de mulheres eleitas prefeitas aumenta 31,5% no país

As mulheres conquistaram 663 prefeituras, representando 12,03% do total de prefeitos

Com a quase totalidade de urnas apuradas, o número de mulheres eleitas para as prefeituras no 1º turno aumentou 31,5% nestas eleições em relação ao 1º turno de 2008, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Apenas uma candidata se elegeu prefeita de capital, Teresa Surita (PMDB), em Boa Vista. O percentual de candidatas do sexo feminino também aumentou, crescendo 21,3% neste ano, em relação a 2008.

Em 2012, as mulheres conquistaram 663 prefeituras, representando 12,03% do total de prefeitos eleitos. Em 2008, terminado a primeira etapa da eleição, haviam sido eleitas 504 prefeitas, ou, 9,12% do total.

É a primeira eleição municipal com a vigência da lei 12.034/2009, que estabelece que "cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% (trinta por cento) e o máximo de 70% (setenta por cento) para candidaturas de cada sexo".

Nas cidades com resultados já definidos, o estado com maior número de prefeituras que devem ser comandadas por mulheres é Minas Gerais, com 71 eleitas, como é o caso de Elisa Costa (PT) em Governador Valadares, seguido por São Paulo, com 67, Bahia (64), Paraíba (49) e Maranhão (41).

O Acre foi o único estado que não elegeu representantes do sexo feminino para o cargo de prefeito.

Nas capitais, apenas uma mulher foi eleita: Teresa Surita (PMDB) conquistou a prefeitura de Boa Vista, com 39,26% (57.066 dos votos válidos). Boa Vista não tem 200 mil eleitores e, portanto, as eleições não vão ao segundo turno.

No segundo turno, também apenas uma mulher tem chances de assumir uma prefeitura de capital: em Manaus, a candidata Vanessa Graziotin (PC do B) concorre com Artur Neto (PSDB).

Em 2008, nas capitais, duas prefeitas haviam sido eleitas no primeiro turno: Micarla Sousa (PV), em Natal, e Luizziane Lins (PT), em Fortaleza. Naquele ano, o segundo turno não teve eleitas do sexo feminino nas capitais.

Candidaturas

De um total de 15.128 candidatos registrados concorrendo ao cargo de prefeito em 2012, 2.026 (13,39%) eram do sexo feminino e 13.102 (86,61%), do sexo masculino.

Já em 2008, o número de candidaturas foi de 15.142. As mulheres foram 1.670 (11,02% do total), enquanto os homens tiveram 13.472 (90,88%).

Eduardo Paes comemora, com samba, sua reeleição no Rio de Janeiro

Cantor Arlindo Cruz fez show por volta das 21h30

Eduardo Paes (PMDB) foi reeleito prefeito do Rio de Janeiro neste domingo (7), em primeiro turno, em resultado confirmado às 18h40. Após se pronunciar na porta de sua casa, na Gávea Pequena, na Zona Sul, o prefeito seguiu acompanhado do governador Sérgio Cabral, de seu vice Adilson Pires e de sua família para o Parque de Madureira, no subúrbio do Rio, para comemorar a vitória (no vídeo, Paes samba ao som da bateria da Portela).

O cantor Arlindo Cruz fez show por volta das 21h30. Em seguida, quem subiu ao palco foi a bateria da Portela. O prefeito reeleito Eduardo Paes chegou ao local às 21h40 e ficou até 22h20.

Quando a bateria da escola de samba subiu ao palco, o próprio Eduardo Paes puxou o samba-enredo deste ano da escola de Madureira. Paes agradeceu aos votos que recebeu dos eleitores da Zona Norte do Rio de Janeiro. "Foram vocês que me elegeram. Vou fazer muito para vocês. Chega de cidade partida."

Segundo a PM, cerca de 6 mil pessoas acompanham a festa do Eduardo Paes no parque de Madureira.

O governador Sérgio Cabral disse que não se surpreendeu com a porcentagem que reelegeu Eduardo Paes. Ele disse que a reeleição é resultado da parceria entre o governo estadual, municipal e federal e das obras realizadas em áreas mais carentes da cidade.

Cabral afirmou que o candidato do PMDB para o governo do estado é o seu vice Luiz Fernando Pezão. No entanto, Pezão ainda não se considera candidato.

"Ainda temos muito o que fazer, 2013 será um ano que temos muitas coisas para entregar. Não tenho dúvidas de quem representar esta chapa sairá campeão nas próximas eleições", disse Luiz Fernando Pezão.

Com a apuração completa, pouco depois das 20h, o candidato do PMDB teve 64,60% dos votos válidos (2.097.733), e Marcelo Freixo (PSOL), 28,15% (914.082).

"Vou trabalhar muito. Dar a cara a tapa, sem receio de voltar atrás caso tome alguma atitude errada", disse Paes em seu discurso da vitória.

Paes esteve à frente da disputa eleitoral desde o início. Entre suas principais bandeiras de campanha estava a implantação novos corredores expressos BRTs, como a TransOeste, e a evitalização da Zona Portuária.

Freixo, que ficou em segundo lugar, teve o apoio de grandes artistas brasileiros - como Chico Buarque, Caetano Veloso e Wagner Moura - mas não conseguiu reverter o resultado. Após a derrota, eledesejou sorte ao prefeito reeleito, mas disse que vai fazer oposição. "Se alguém acha que fizemos muito, não imagina o que vamos fazer a partir de hoje", disse.

07 de outubro de 2012

Partidos ‘nanicos' elegem oito vereadores em Teresina

Siglas como o PTC saíram de um para três representantes na Câmara

Nem tão pequenos assim. Os partidos chamados de nanicos conquistaram oito das 29 vagas na Câmara dos Vereadores de Teresina. Siglas como PT do B, PHS e PPS terão representantes no parlamento municipal na próxima legislatura. E o PTC, que nas eleições de 2008 elegeu apenas um vereador, aumentou em 300% sua bancada.

A eleição desses vereadores é fruto de uma estratégia recente na política do Piauí. Ao invés de buscarem nomes de peso, conhecidos como "puxadores de votos", eles seguem o caminho exatamente inverso: lançam inúmeros candidatos para tentar atingir o coeficiente eleitoral.

A menos votada entre os pequenos foi a gerente comercial Celene Fernandes da Silva, do PT do B. Ela obteve somente 1736 votos. A coligação "Unidos por Teresina", da qual ela fez parte, também elegeu Ricardo Bandeira (PSDC). O empresário contabilizou 2318 votos.

O grupo formado por PPS e PSC também escolheu a melhor fórmula. Os votos obtidos pela coligação foram suficientes para eleger dois candidatos: Teresinha Medeiros (PPS), com 2240 votos, e Luís André, também do PPS, com 2008 votos.

Já o PHS, que formou uma frente com o PRP e o PSL, ficou com uma cadeira. Natural do Maranhão, Maria Aparecida Oliveira Moura Santiago, a Cida, conseguiu 2032 votos e entrou na 27ª vaga.

Entre os pequenos, o melhor desempenho foi o do PTC. O partido elegeu três representantes. A bancada será formada por Valdemir Virgino, Jeová Alencar e Edvan Silva. Este último atribui sua vitória a um esforço coletivo, que envolveu familiares e amigos. "Não sou de família tradicional, não sou conhecido em toda a cidade, mas consegui levar minha mensagem", diz o vereador eleito, que elege a educação como prioridade para o futuro mandato.

Mais votada

Entre os 29 vereadores eleitos nas eleições deste ano, 13 são atuais vereadores. A mais votada entre todos foi a petebista Graça Amorim, que parte para seu terceiro mandato com 9372 votos.

A votação expressiva aumenta a responsabilidade. É assim que a parlamentar encara o resultado das urnas. "Esse é o resultado de um trabalho em equipe e de muita dedicação. Tivemos que buscar mais apoios e agora vou trabalhar para honrar e representar a altura essas pessoas", declara.

Renovação

A Câmara de Teresina terá 16 novatos. São eles: Carlos Filho (PTB), Tiago Vasconcelos (PSB), Inácio Carvalho (PP), Antônio Aguiar (PTB), Aluísio Sampaio (PDT), Paulo Roberto da Iluminação (PTB), Dudu (PT), Paixão (PT), Jeová Alencar (PTC), Edvan Silva (PTC), Antônio José Lira (DEM), Ricardo Bandeira (PSDC), Teresinha Medeiros (PPS), Cida (PHS), Luís André (PPS) e Celene (PT do B).

Perderam mandatos

Para alguns vereadores da atual legislatura, o resultado das eleições foi amargo. Não conseguiram renovar o mandato sete deles. Estão na lista dos derrotados: Luiz Humberto, o Sebim (PSDB), R. Silva (PP), José Ferreira (PSD), Renato Berger (PSDB), Zé Nito (PMDB), Urbano Eulálio (PSDB) e Décio Solano (PT).

Divisão por bancadas

Partido do prefeito Elmano Férrer, o PTB terá a maior bancada, formada por quatro vereadores. Em seguida vêm PSB, PT e PTC, com três representantes, e PSD, PSDB, PPS e PV, com dois. Com apenas um vereador aparecem as bancadas do PRB, PP, PDT, PSDC, PT do B, PHS, DEM e PMDB.

Serra e Haddad disputam segundo turno em São Paulo

Candidatos do PSDB e PT receberam maior número de votos

O segundo turno das eleições para prefeito de São Paulo será disputado entre os candidatos José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT). Segundo a Justiça Eleitoral, com 99% dos votos apurados neste domingo (7), Serra teve 1.864.071 votos, o que corresponde a 30,80% dos votos válidos. Haddad recebeu 1.754.808 votos, o equivalente a 28,99%.

Serra foi governador do estado de São Paulo (2007 a 2010), prefeito da capital paulista (2005 e 2006), ministro do Planejamento (1995 e 1996) e da Saúde (1998 a 2002) no governo Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2002), senador (1995 a 2003), deputado federal (1987 a 1994) e candidato à presidência da República em 2002 e 2010.

Haddad foi chefe de gabinete da Secretaria de Finanças na gestão da prefeita Marta Suplicy em São Paulo e ministro da Educação entre 2005 e 2012, quando se licenciou para disputar a Prefeitura de São Paulo. O convite partiu do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defendeu a escolha de Haddad em detrimento de nomes tradicionais do PT, como o de Marta.


Propostas

Haddad destacou durante sua campanha a ideia de criação de um Bilhete Único Mensal, no valor de R$ 140, que permitirá ao usuário de transporte na capital fazer um número ilimitado de viagens, a construção de 150 km de corredores de ônibus e a parceria com Metrô para novas estações. Ele prometeu extinguir a taxa de inspeção veicular. Na área de educação, promete construir 20 CEUs e abrir 150 mil vagas em creches em parceria com União e 100 mil no Pronatec.

Serra se comprometeu, na área da saúde, a interligar os sistemas estadual e municipal, que contam com mais de 1 mil unidades; criar mais 30 AMAs 24h e formar 100 mil cuidadores de idosos e deficientes. Para aumentar a segurança, prometeu colocar mais câmeras de vigilância, investir na GCM e dobrar a Operação Delegada, colocando mais 8 mil PMs nas ruas. Em educação, pretende criar escolas técnicas, ampliar vagas em creches, aumentar a carga horária nas escolas e valorizar professores.

Campanha

Ao longo da campanha, pesquisas chegaram a não apontar a disputa entre os dois candidatos no 2º turno. As primeiras pesquisas de intenção de voto após a definição dos candidatos apontavam a liderança isolada de Celso Russomanno, do PRB.

Nas duas semanas que antecederam a votação, candidatos usaram o horário eleitoral e entrevistas para apontar problemas nas propostas de Russomanno. Haddad concentrou as críticas no bilhete proporcional. Ele afirmou que a ideia do candidato do PRB resultaria em mais despesas para famílias pobres que moram mais longe e benefício para as famílias ricas, que moram perto do Centro.

Questões religiosas pautaram parte da campanha deste ano. O pastor Marcos Pereira, presidente nacional do PRB e coordenador da campanha de Russomanno, havia publicado em seu blog em maio de 2011, um texto que associa o "kit anti-homofobia", que ficou conhecido como "kit gay", à influência da Igreja Católica. O texto voltou a circular durante a campanha e foi considerado pela Arquidiocese de São Paulo. Dom Odilo Scherer emitiu notas e chegou a realizar um encontro com Russomanno.

Nesta semana, o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal, divulgou em seu blog um texto contra Fernando Haddad. A mensagem, que associava o petista ao "kit gay", foi rebatida por Haddad. Pelo mesmo motivo, o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus, criticou Haddad ao declarar apoio a Serra.

Serra x Haddad

As polêmicas da disputa também envolveram os dois classificados para o segundo turno. Serra anunciou em fevereiro deste ano sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo em meio às prévias do PSDB para escolha entre outros quatro pré-candidatos do partido. Serra dedicou parte da campanha a explicar sua saída da Prefeitura de São Paulo para disputar o governo do estado, segundo ele, um meio de não deixar São Paulo cair nas mãos do PT.

Em relação a Haddad, a campanha começou com a polêmica aliança do PT com o PP de Paulo Maluf, aliado no governo federal, mas adversário histórico em São Paulo. A foto de Lula apertando a mão de Maluf para celebrar a aliança irritou a ex-prefeita Luiza Erundina (PSB), que diante do episódio desistiu de ser vice de Haddad, embora tenha permanecido na aliança.

Durante a campanha, Haddad também foi questionado sobre o impacto do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), cuja ação afeta lideranças petistas.

A senadora e ex-prefeita Marta Suplicy, que resistia a entrar na campanha de Haddad, foi convidada pela presidente Dilma Rousseff a assumir o Ministério da Cultura. Serra comentou diversas vezes sobre a indicação na campanha, pois considerou que houve uma contrapartida pelo apoio, sempre negada pelos petistas. Serra chegou a dizer que Dilma "vem aqui meter o bico em São Paulo". Em resposta, a presidente afirmou, em um comício de campanha de Haddad, que "não tem como dirigir o Brasil sem meter o bico aqui em São Paulo".

234 candidatos são detidos por crimes eleitorais, diz TSE

Corte Eleitoral divulgou balanço parcial de ocorrências na disputa municipal

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou neste domingo (7) que, até as 14h10, 234 candidatos a uma vaga nas prefeituras e Câmaras de Vereadores haviam sido detidos no país por terem cometido crimes eleitorais, entre eles uso de alto-falantes, boca de urna e transporte ilegal de eleitores. O estado com o maior número de detenções foi o Rio de Janeiro que, sozinho, registrou 72 prisões.

O motivo que mais levou os concorrentes a cargos públicos serem detidos nos 26 estados brasileiros foi a boca de urna, prática proibida pela legislação eleitoral. Ao todo, 151 pessoas acabaram detidas por terem tentado influenciar outros eleitores nas imediações dos locais de votação. No Rio, foram contabilizadas 54 prisões, equivalentes a 35% de todas as ocorrências do país pelo delito.

Rio lidera ranking de detenções
No ranking de detenções de eleitores, o Rio, mais uma vez, liderou as estatísticas. De acordo com o TSE, 322 pessoas haviam sido detidas nos municípios fluminenses até o início da tarde. Outros 133 incidentes, que não culminaram em prisões, foram registrados com cabos eleitorais de candidatos.

O segundo estado onde mais ocorreram prisões de não-candidatos foi Minas Gerais, onde 35 eleitores acabaram na cadeia, segundo relatou o Tribunal Superior Eleitoral.

Práticas ilegais
A Justiça Eleitoral também divulgou que outros 601 candidatos foram flagrados cometendo práticas ilegais, porém, não chegaram a ser presos. A soma das ocorrências envolvendo postulantes a prefeito e vereador no país alcançou 835 pessoas. No entanto, o número de ocorrências registradas nas eleições deste domingo envolvendo não-candidatos chegou a 1.730. Deste montante, 938 eleitores foram presos por infringir as regras eleitorais.

Assessoria de Elmano ingressa com ação contra panfletos anônimos

A denúncia foi protocolada nesta tarde na 63ª zona eleitoral

Os advogados do prefeito e candidato a reeleição Elmano Férrer (PTB) protocolaram junto a 63ª zona eleitoral, responsável pela fiscalização de propaganda, uma ação para que seja instaurado procedimento investigatório sobre a distribuição de panfletos contra o petebista na manhã deste domingo (7).

Os panfletos anônimos espalhados ainda durante a madrugada foram deixados em frente maiores seções eleitorais da capital, principalmente na região do Grande Dirceu, zona sudeste de Teresina. No folheto é associada a imagem de Elmano Férrer a um grupo empresarial, além de algumas figuras públicas, como senador Ciro Nogueira (PP), deputado Themístocles Filho (PMDB) e senador João Vicente Claudino (PTB).

"Os poderosos que dominam nossa cidade estão distribuindo milhões em dinheiro para comprar seu voto e ganhar esta eleição de qualquer jeito", diz o panfleto que traz imagem de Férrer ao lado de seus aliados junto ao símbolo do Armazém Paraíba.

E segue: "O sorriso, a felicidade e o sucesso de hoje será seu choro e tristeza de amanhã. Eles já são donos das empresas de Teresina e agora querem a prefeitura. Ta aí as obras paradas, pequenos empreiteiros falidos, a saúde que não funciona, as escolas sem merenda ou de péssima qualidade ou mal cuidadas. Teresina está quebrada!"

A promotora eleitoral, Clotildes Carvalho, informou que a denúncia será apurada. A assessoria jurídica de Elmano Férrer alega que o panfleto distribuído no dia da eleição configura-se realização de propaganda negativa e prática de atos criminosos de calúnia, injúria e difamação.

'Espero que o mensalão tenha muito peso' nas eleições, diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) votou no final da manhã deste domingo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) votou no final da manhã deste domingo de eleições em um colégio do bairro Higienópolis, em São Paulo. Bem humorado e aparentando muita disposição, FHC afirmou que espera que o julgamento do Mensalão tenha "muito peso" nas eleições deste ano e evitou criticas duras à presidente Dilma Roussef (PT) por tomar parte na campanha de Fernando Haddad (PT). "Eu não fiz isso porque acho que o presidente é de todos, mas se ela fez, por convicção ou pressionada pelo partido, é da democracia", declarou.

Aplaudido duas vezes pelo público que registrou seu voto, FHC criticou o também ex-presidente Lula, que declarou que o povo não está preocupado com o Mensalão. "Quem deveria estar preocupado é ele, que não deveria ter feito o que fez, negado", afirmou. FHC disse não ter preferência para um segundo turno entre Celso Russomanno (PRB) ou Haddad, mas ironizou a rejeição ao seu candidato, José Serra (PSDB). "É estranha esta rejeição, já que ele é líder", riu.

Outro número ironizado pelo cacique tucano foi o do Ibope, divulgado na noite de sábado dando empate em 26% nos todos válidos para Haddad, Russomanno e Serra. "Nunca vi isso", afirmou. FHC foi e voltou caminhando da zona eleitoral e votou acompanhado de José Henrique Reis Lobo, Andrea Matarazzo e Floriano Pesaro, além de seguranças.

FHC se prepara para registrar seu voto (Foto: Brito/Futura Press)

Wilson Martins anuncia nesta terça qual candidato irá apoiar em Teresina

Governador disse que o PSB terá uma posição clara no segundo turno

O governador Wilson Martins vai anunciar nesta terça-feira pela manhã qual a posição que terá na disputa pela prefeitura de Teresina, no segundo turno. A intenção inicial era fazer o anúncio já nesta segunda, mas Wilson terá que viajar a Brasília para reunião da Executiva Nacional do PSB, quando o partido avaliará o desempenho nas eleições e tomará decisões sobre os rumos dos socialistas no segundo turno, especialmente nas capitais.

O governador disse que o PSB terá uma posição clara no segundo turno, uma decisão que está sendo discutida internamente tendo em conta as afinidades políticas e, sobretudo, a integração administrativa que gere mais resultados para Teresina. "Temos vários fatores a considerar e vamos avaliar internamente, com a executiva municipal, com os vereadores e a executiva estadual", disse Wilson. Mas reafirmou que a cooperação administrativa será um fator fundamental, diante dos muitos projetos que o governo do Estado tem para Teresina.

Wilson Martins mostrou a confiança no desempenho do partido: o PSB sairá desta disputa municipal como a principal sigla do Estado, com mais de 60 prefeitos eleitos. É um crescimento de mais de 50% em relação a 2008, quando 40 prefeitos socialistas alcançaram a vitória. Para o governador, isso dá um papel importante ao partido. Mas adverte que há muito a ser considerado nos próximos dois anos.

Protagonismo nacional

Sobre a reunião em Brasília, o governador destacou o papel que o PSB vem assumindo no plano nacional. Na avaliação de Wilson Martins, os socialistas vão apresentar um crescimento extraordinário em todo o Brasil, com boa performance em capitais importantes. Citou os exemplos de Belo Horizonte, Recife e Fortaleza.

"É um desempenho que coloca o PSB em um lugar destacado nas articulações para 2014", ressaltou. Para ele, mostra ainda o reconhecimento das práticas adotadas pelo partido, com planejamento e definição de metas que resultam em melhor desmpenho adminsitrativo. "O cidadão está cobrando eficiência, cobrando melhorres resdultados das políticas públicas. E o PSB está correspondendo a essas cobranças", dfisse Wilson Martins.

Mesária se recusa a cumprimentar Russomanno em São Paulo

Russomanno chegou por volta das 10 horas ao colégio da Vila Sônia, na zona sul da capital,

O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, sofreu um constrangimento ao chegar para votar nesta manhã. Ao cumprimentar mesários de seu colégio eleitoral, uma mesária se recusou a dar-lhe a mão. "Deus me livre, não cumprimento, não", ela disse à equipe do UOL após o incidente. Mais tarde, ao chegar ao comitê de sua campanha, o candidato negou que o fato, presenciado pela reportagem do UOL, tenha acontecido.

Russomanno chegou por volta das 10 horas ao colégio da Vila Sônia, na zona sul da capital, acompanhado de sua família e do candidato a vice, Flávio D'Urso (PTB).

Enquanto sua mulher votava, Russomanno falou rapidamente à imprensa e voltou a lamentar as críticas, que chamou de mentirosas, sobre sua proposta de implementar a tarifa proporcional para o transporte público. Para ele, não foi um erro utilizar a proposta em sua campanha.

"Minha proposta foi alvo de mentiras e desinformação", afirmou o candidato. Após votar, o candidato saiu acompanhado também pelo presidente do PRB e coodernador da campanha, Marcos Pereira, e disse que não contava com sua queda nas últimas pesquisas eleitorais. No entanto, considerou o resultado normal "com tantos ataques" que sofreu.

Questionado, Russomanno negou que sua campanha esteja em crise e afirmou que não pretende excluir a proposta sobre a tarifa de ônibus de seu programa, tampouco substituir o marqueteiro Ricardo Bérgamo. "O que pode haver é uma ampliação da equipe para uma eventual campanha no segundo turno", disse. O candidato destacou que chegou onde chegou "apadrinhado pelos eleitores de São Paulo".

"Fiz uma campanha limpa, sem usar de padrinhos e sem desrespeitar a população com ataques mentirosos a outros candidatos", completou. Flávio D'Urso, candidato a vice de Russomanno, disse que é natural haver mudanças ao longo da campanha e negou qualquer crise entre PTB e PRB.

Após deixar o colégio, Russomanno foi até o Ipiranga acompanhar o pai na votação e seguiu para a sede de seu comitê, no Planalto Paulista, onde deve passar o dia e acompanhar a apuração dos votos.

Elmano: "Estou preparado para enfrentar segundo turno'

Segundo o petebista, possíveis alianças serão decididas após resultado de hoje

O candidato à reeleição para a Prefeitura de Teresina, o petebista Elmano Férrer, votou ao fim da manhã de hoje (07), na Unidade Escolar Darcy Araújo, localizada na Avenida Nossa Senhora de Fátima, zona leste de Teresina.

Elmano esteve acompanhado de sua esposa, Telessila Ferrer; de seu candidato a vice, o deputado federal Marllos Sampaio; do presidente da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), Themístocles Filho e do senador Ciro Nogueira.

Ele declarou que a campanha feita pelo PTB não foi difamatória e focou nas propostas. "Chegou a hora da verdade, entregamos a decisão ao povo. Não usamos panfletos difamatórios, foi campanha positiva, a população entendeu que estamos fazendo um projeto pra cidade e não pessoal, estamos tentando enfrentar os problemas e desafios da cidade".

O prefeito fez uma avaliação positiva de sua campanha e destacou o caráter propositivo. "Foi uma campanha feita só de propostas, estamos bastante confiantes", disse Elmano. E completou: "Mas vamos aguarda a abertura das urnas para podermos falar mais sobre os próximos passos".

Ainda assim, o petebista disse estar preparado para o segundo turno e, com relação a isso, ainda não pensa nas alianças, e declarou que vai esperar concluir o pleito para reunir os partidos e deixar a cargo deles as posições que serão tomadas.

Sobre as declarações de Firmino sobre a pesquisa divulgada pelo Ibope, apontando Elmano com 8 pontos percentuais à frente do tucano, Elmano disse que não vai entrar com nenhuma ação contra institutos e classificou a medida de Firmino como "coisa anti-democrática". Segundo ele, é preciso acreditar nos institutos de pesquisas e no que eles dizem.

Fotos: Assis Fernandes

Ao votar, Maklandel diz que campanha eleitoral aproximou PSOL da população

Durante a votação candidato do PSOL fez criticas ao processo eleitoral

Por volta das 10hrs da manhã o candidato a prefeito de Teresina Maklandel Aquino (PSOL) votou na Escola Joca Viera, zona leste da cidade. Maklandel esteve acompanhado do vice, Zilton Duarte e de candidatos a vereadores do partido. Durante a votação ele fez criticas ao processo eleitoral e destacou que a campanha aproximou o modelo do PSOL da população.

O candidato fez um balanço da campanha, que em sua avaliação, conquistou os corações dos eleitores. Para Maklandel o período foi importante para intensificar as propostas do partido e para levar os projetos mais perto dos teresinenses já que cotidianamente o PSOL já realizar política.

Fotos: Assis Fernandes

Durante a votação, Maklandel fez críticas ao processo eleitoral citando a falta de isonomia entre os partidos em relação a campanhas. O candidato citou que o horário eleitoral na televisão é um fator revelador da falta de igualdade na disputa pela prefeitura. Para ele o próprio sistema quebra o princípio de democracia. "O prefeito Elmano está concorrendo a um cargo ainda em exercício. Enquanto nos estamos dizendo propostas, o prefeito diz que esta fazendo, isto quebra violentamente o principio de igualdade dos candidatos", contesta.

Sobre um possível segundo turno, Maklandel afirma que o PSOL pretende recomendar a população vote nulo. Segundo ele, nenhum candidato atende ao que o partido entende de projeto pra Teresina, não havendo, portanto a possibilidade de apoiar quaisquer candidatos que as pesquisas estão apontando para um segundo pleito.

PM sobrevoará região metropolitana de Teresina para garantir segurança

Esse tipo de fiscalização, segundo o Coronel Jaime Oliveira, é mais efetivo que o terrestre

A Polícia Militar do Piauí, no intuito de garantir e reforçar a segurança durante o dia de hoje (07), vai realizar sobrevoos de helicóptero em todas as zonas eleitorais de Teresina, tanto urbanas quanto rurais, fiscalizando o andamento das eleições.

A informação é do Coronel Jaime Oliveira, comandante da Operação Eleições. Direto do Tribunal Regional Eleitora (TRE), ele informou que além de Teresina, os helicópteros vão percorrer toda a região metropolitana da capital, sobrevoando cidades como Pau D'Arco, Demerval Lobão, União, José de Freitas e Nazária.

Estarão também na rota das aeronaves as cidades de Campo Maior e Beneditinos, estas principalmente pelo receio dos juízes eleitorais, que estão apreensivos com o acirramento político e requisitaram reforço na fiscalização. Também será sobrevoado o município de Simões, por conta de denúncias de compra de voto e porte ilegal de armas.

"O objetivo do sobrevoo da PM é chegar próximo dos locais de votação para inibir ações como boca de urna e comrpa de voto. Esse tipo de fiscalização tem mais efeito que aquele realizado por terra, nessas situações", informou o coronel.

Ele comentou ainda que em todas as 5 zonas eleitorais da capital há oficiais da PM acompanhando os juizes e promotores eleitorais.

Foto: Assis Fernandes/O Dia.

Ocorrências

Segundo o coronel Jaime Oliveira, de uma forma geral, as eleições estão tranquilas em todos os municípios.

No município de São João da Canabrava, houve uma ocorrência. Durante discussão por motivos políticos, na manhã de hoje, um homem disparou contra o outro, que ficou ferido, mas foi socorrido e não corre risco de morte.

O coronel e comandante geral da PM informou que houve duas prisões, nos municípios de União e Miguel Alves, por porte ilegal de arma.

Ele também destacou que o pleito está acontecendo de forma normal, com a presença de 6 mil homens garantindo a segurança, sendo 4 mil no interior e 2 mil na capital, além dos oficiais da força nacional, presentes em 86 cidades piauienses, autorizados pelo TSE. Segundo ele, o clima de calma se dá pela união das esferas Civil, Militar e Federal, além da atuação do MP e dos juízes eleitorais nos municípios.

Presdiente Dilma vota em colégio do Rio Grande do Sul

Presidenta não teve atuação na campanha na cidade

A presidenta Dilma Rousseff votou, por volta das 9h30 deste domingo, no Colégio Estadual Santos Dumont, em Porto Alegre. Acompanhada da filha Paula e do neto Gabriel, ela levou quase 30 segundos para votar eleições municipais. Enquanto posava para fotos, Dilma encontrou o governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro, que vota no mesmo local.

A presidenta não quis revelar seu voto. "Vamos combinar, o voto é secreto. Eu sou presidenta, mas aqui estou exercendo a minha condição de cidadã", disse ela, que ainda ressaltou a importância do voto e da democracia.

"Sou da geração que não votou. Muita gente no Brasil já nasceu na democracia, mas tem uma quantidade de brasileiros que ainda se lembra do que é não ter o direito ao exercício do voto. Hoje é um momento muito especial para o Brasil, porque mais uma vez reiteramos que esse país é uma democracia estável, com regras, com respeito aos direitos das pessoas e especialmente com essa imensa festa que é escolher quem vai dirigir sua própria cidade."

Logo após a votação, a presidenta volta a Brasília, onde acompanha a apuração do resultado do pleito no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Ela chega à capital às 12h10 da manhã de domingo.

Como na capital gaúcha há três candidatos a prefeito que são da base aliada do governo federal, Dilma não teve atuação na campanha em Porto Alegre, mesmo com um nome do PT na disputa. Ela evitou se envolver nas campanhas políticas, tendo apenas participado de comícios a favor do candidato petista Fernando Haddad , em São Paulo, que atualmente está empatado com Celso Russomanno (PRB) e José Serra (PSDB) nas pesquisas, e de Patrus Ananias , em Belo Horizonte, que aparece como segundo colocado nas intenções de voto dos mineiros.

Firmino Filho: "Vamos vencer no primeiro turno"

Em seu local para votação candidato se mostrou confiante e denunciou compra de votos

O candidato a prefeitura de Teresina, Firmino Filho (PSDB), chegou a sua zona eleitoral no Colégio Sinopse, centro de Teresina para votação logo no início da manhã por volta das 9hrs. Acompanhado de assessores, do vice Ronney Lustosa e do presidente do PSDB, Luciano Nunes, Firmino disse estar confiante em uma vitória no primeiro turno e denunciou compras de voto.

Antes de votar, o candidato fez uma avaliação do seu período de campanha eleitoral. Para Firmino, a campanha foi focada na luta contra forças econômicas e foi muito bem acolhida em vários pontos da cidade. "Foi um momento importante que aumenta nossa responsabilidade. É uma motivação pra seguir em frente contra essas estruturas econômicas que querem nos barrar", afirmou.

Durante a votação, Firmino fez ainda novas denúncias relacionadas a compras de voto neste pleito. "Enquanto a Justiça Eleitoral se preocupa em medir cartazes está havendo um derrame de dinheiro. Queremos que as instituições funcionem, como o Ministério Público Eleitoral e a Polícia Federal" acrescentou.

Fotos: Assis Fernandes

Questionado se haverá terceiro turno - eleições decididas na justiça - Firmino Filho se mostrou confiante em relação ao pleito. "Queremos apenas que as instituições funcionem. Vamos vencer no primeiro turno".

Além dos assessores, o candidato foi até sua zona eleitoral acompanhado também de sua mãe. Mesmo não tendo a obrigação de votar, Lindalma Carvalho Soares, de 76 anos, contou que quis exercer seu papel de cidadã votando no filho. Ela confia na vitória de Firmino creditando ao trabalho que ele desenvolveu em Teresina.

Firmino entrará com duas ações contra Instituto Ibope

A assessoria jurídica do tucano considera que a pesquisa do instituto apresenta indícios de fraude

A coligação 'Construindo Novos Caminhos Com o Povo', encabeçada pelo tucano Firmino Filho (PSDB), irá ingressar com duas ações contra o Instituto de pesquisas Ibope, por suposta fraude em pesquisas eleitorais. Segundo a assessoria jurídica do partido, o Instituto foi o que apresentou os resultados mais distoantes dentre os apresentados. A pesquisa em questão mostra o candidato da situação, o petebista Elmano Férrer, 8 pontos percentuais à frente de Firmino, que aparece em segundo lugar.

De acordo com Charles Marques, representante da assessoria jurídica do partido, serão ingressadas duas ações contra o instituto. Uma delas será protocolada junto à comissão de propaganda erleitoral, localizada na 63ª Zona Eleitoral, para que seja aplicada multa e deixe de ser veiculada a referida pesquisa.

A segunda ação será o pedido de instauração de procedimento investigatório junto à Polícia Federal, confirgurando ação criminal, já que a coligação alega que a pesquisa divulgada é fraudulenta. "O Ibope não é mais caso de Justiça, mas sim caso de Polícia. Essa foi a única pesquisa que destoou", destacou Charles, que completou: "O histórico do Ibope, nao só no Piauí, mas em todo o país, mostra que as últimas pesquisas exibem fortes indícios de fraude".

Nos estados do Acre, Rondônia, Mato Grosso e Paraíba, por exemplo, o instituto foi proibido de divulgar suas pesquisas. No primeiro estado, a proibição aconteceu duas vezes, somente este ano.

Pesquisa Ibope

O Ibope divulgou na sexta-feira (5), sua última pesquisa de intenção de voto sobre a disputa pela Prefeitura de Teresina. A pesquisa foi encomendada pela TV Clube. Na consulta, o candidato do PTB, Elmano Férrer, aparece com 35% das intenções de votos, enquanto o candidato Firmino Filho (PSDB) ficou com 27% da preferência do eleitorado.

A pesquisa foi realizada entre os dias 03 e 05 de outubro e a informação divulgada é de que foram entrevistadas 602 pessoas na cidade de Teresina. A margem seria de erro é de 4 pontos percentuais, para mais ou para menos. Wellington Dias do PT apareceu com 14%; enquanto o candidato Beto Rego obteve 10%.

06 de outubro de 2012

Salvador deve totalizar votos até 22h do domingo

Salvador deve totalizar votos até 22h do domingo

Salvador (BA) - O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) estima que a apuração dos votos dos eleitores de Salvador esteja concluída até as 22h de domingo. No estado, a previsão é que mais de 90% das urnas já estejam apuradas até as 23h. “Talvez, uma ou outra seção tenha problema com a urna. Mas essa é a previsão”, disse o diretor-geral do TRE-BA, André Beserra, à Agência Brasil.

Beserra acredita que o pleito no estado transcorra de forma pacífica e tranquila e que o eleitor não terá dificuldades na escolha dos seus candidatos. “É uma eleição municipal, o tempo [de votação na urna] é mínimo, são apenas dois candidatos a serem escolhidos”, considerou.

Hoje (6), o TRE-BA sorteou quatro urnas eletrônicas que serão usadas na votação paralela. Segundo o diretor-geral do TRE-BA, esse é um procedimento usado em todo país para atestar a segurança dos equipamentos.

“São sorteadas quatro urnas e elas acompanham as votações oficiais. Elas estão preparadas para a eleição de amanhã e são retiradas [dos locais de votação] para fazer essa simulação no tribunal. Os Ministério Público, os partidos e a sociedade podem acompanhar o processo de votação paralela para assegurar que não há nenhum voto computado para nenhum candidato, por exemplo”, explicou.

Foram sorteadas urnas dos municípios de Picaetá, Canamacan, Monte Santo e da capital. De acordo com a Justiça Eleitoral, 4.907 urnas foram colocadas a disposição em Salvador, sendo que 20% delas ficarão de reserva. Em todo o estado, mais de 37 mil urnas serão usadas no pleito de amanhã. A Bahia tem mais de 10 milhões de eleitores aptos a votar e Salvador, maior colégio eleitoral do estado, tem quase 1.9 milhão de eleitores.

Na capital baiana, a um dia da eleição, o clima é de tranquilidade. O período eleitoral só é lembrado pelas centenas de placas com propaganda dos candidatos nas principais vias da cidade.

Dos seis candidatos a prefeito, três optaram por sair às ruas hoje (6) em carreatas. Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), Nelson Pelegrino (PT) e Hamilton Assis (PSOL) passarão o dia nas ruas. Já Mário Kertész (PMDB) se reúne com correligionários. Márcio Marinho (PRB) e Da Luz (PRTB) não divulgaram suas agendas.

No Rio, vias usadas para lazer aos domingos estarão liberadas para trânsito durante eleições

No Rio, vias usadas para lazer aos domingos estarão liberadas para trânsito durante eleições

Douglas Corrêa
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - Com a finalidade de facilitar o acesso dos eleitores às zonas eleitorais neste domingo (7), a prefeitura do Rio de Janeiro decidiu suspender as atividades em todas as áreas de lazer dos bairros onde vias públicas são fechadas aos domingos para que os moradores possam utilizar esses espaços para passeios e brincadeiras com a família.

A Guarda Municipal e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio) estarão atuando com efetivo completo para dar melhor fluidez ao trânsito nos principais corredores de tráfego e nos locais onde haja grande concentração de eleitores. Os reboques da Guarda Municipal estarão posicionados em pontos estratégicos da capital fluminense para dar atendimento rápido em caso de veículos enguiçados na via pública. Os sinais de trânsito (semáforos) serão monitorados por câmeras, e técnicos da CET-Rio implantarão ajustes na programação dos sinais sempre que houver problemas de lentidão.

A limpeza da cidade também contará com um esquema especial no dia das eleições. Logo cedo, a partir das 7h, cerca de 3,4 mil homens da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) farão uma varredura nas ruas próximas às seções eleitorais e após o término da votação, às 17h, o efetivo será reforçado para limpeza de toda a cidade.

A companhia de limpeza urbana está trabalhando à disposição do Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) para retirada de placas e cartazes instalados em locais que ferem a legislação eleitoral.

No último dia de campanha, candidatos ampliam eventos em Fortaleza

Os candidatos a prefeito de Fortaleza continuam com atividades de ruas nas vésperas da votação

Conforme haviam garantido, os candidatos a prefeito de Fortaleza continuam com atividades de ruas nas vésperas da votação para o primeiro turno, dando prioridade ao contato direto com o eleitor, em caminhadas e visitas a postos de trabalho. Hoje, alguns deles vão estar no Centro da cidade pela manhã. Roberto Cláudio vai fazer uma carreata.

A agenda do candidato Roberto Cláudio (PSB) de ontem valorizou os temas relacionados ao comércio e à moda. Pela manhã, visitou o Maraponga Mart Moda e conversou com os lojistas sobre as propostas para o setor. À noite, marcou presença no Fortaleza Fashion Week, que aconteceu no Centro de Eventos do Ceará, recentemente inaugurado pelo Governo do Estado.

Já o candidato Elmano de Freitas (PT) garante que agenda de hoje será intensificada, embora não tenha comparecido ontem à caminhada previamente marcada no conjunto Maria Tomásia, no Jangurussu, nem à Plenária no Comitê Central de sua candidatura. Através da assessoria de imprensa, o pleiteante justificou que o término do debate da TV Verdes Mares, iniciado quinta-feira após às 23h, inviabilizou a agenda da manhã. Ainda de acordo com os assessores, o candidato participou de diversas entrevistas durante o dia e de reuniões internas de planejamento de campanha.

Ao contrário do que afirmou esta semana à reportagem do Diário do Nordeste, Heitor Férrer (PDT) participou ontem de duas mini-carreatas, nos bairros Vila Velha e Parque Araxá. Ele havia confirmado que, até o dia da votação, não promoveria mais nenhuma carreata de campanha. Durante a manhã, o candidato fez panfletagem na Granja Lisboa e à noite participou de caminhada na Vila Pery.

Improvisada

Por outro lado, Moroni Torgan (DEM) cumpriu agenda mais leve, segundo sua assessoria. No período da manhã, foi ao Mercado Central conversar com os trabalhadores dos boxes e, durante a tarde, participou de um bandeiraço vizinho ao Terminal do Lagoa, acompanhado pelo seu vice, Lineu Jucá. Os assessores do candidato explicaram que a agenda estava sendo mais improvisada, a depender da "evolução do dia", e menos intensa.

Enquanto isso, Inácio Arruda (PCdoB) foi ao Terminal da Parangaba fazer panfletagem e conversar com os usuários do transporte público para apresentar suas propostas para saúde e educação, ao lado do candidato a vice-prefeito, Chico Lopes. Logo em seguida, percorreu o bairro Couto Fernandes. Intensificando a agenda, Inácio esteve presente ainda no terminal do Siqueira, já no início da noite.

As atividades de Renato Roseno (PSOL), ontem, também priorizaram o contato direto com a população, para conversar com as pessoas e destacar as principais propostas de governo. Durante a manhã, ele visitou uma grande fábrica e um centro de telemarketing da Capital, para panfletar e dialogar com os trabalhadores. No turno da noite, Renato participou de duas caminhadas, uma na comunidade Audaci Barbosa e outra na comunidade do Trilho. Ambas são atingidas pelas obras da Copa do Mundo e passam por remoções.

O candidato Marcos Cals (PSDB) realizou ontem de manhã caminhada no bairro Couto Fernandes, chegando, inclusive, a cumprimentar Inácio Arruda, que cumpria agenda no mesmo local. O tucano também caminhou, durante a tarde, no bairro Parque Santa Rosa. Ele afirmou que cada caminhada teve duração média de uma hora e meia.

Confiante

A hipótese de não ir para o segundo turno não passa pela cabeça do candidato do PSDB à Prefeitura de Fortaleza, Marcos Cals, conforme ele fez questão de frisar. A despeito das pesquisas de intenção de votos já publicadas, que colocam o tucano entre os menos votados, Marcos Cals disse estar confiante de que no dia 7 de outubro receberá voto suficiente para passar para a próxima fase das eleições.

Pesquisas internas para avaliar o desempenho da campanha, segundo Marcos Cals, não foram feitas em nenhum momento. O motivo, segundo ele, é o custo desse levantamento, afirmando que o preço é alto e os recursos eram poucos, destacando que sua campanha foi feita andando de casa em casa.

O que lhe faz acreditar que estará no segundo turno, aponta Marcos Cals, é a receptividade que vem tendo dos eleitores, assegurando que o povo "vibra" quando ele passa, "quando abordo (o eleitor), já diz que está comigo", comemora, deixando claro que irá trabalhar até o último dia confiante que estará no segundo turno.

Marcos Cals disse estar tendo uma experiência muito boa com este pleito. Acostumado a disputar eleições proporcionais, contando com suas bases no Interior do Estado, agora, considera, teve a oportunidade de aprofundar seu conhecimento sobre Fortaleza visitando os bairros. Em um apanhado geral do que já viu, o tucano disse ter encontrado uma cidade muito carente, onde a administração municipal deixa muito a desejar. "Se eu tiver uma oportunidade de ser o prefeito não irei decepcionar o povo de Fortaleza", prometeu.

Nas caminhadas já realizadas, Marcos Cals conta ter recebido reclamações diversas da população, desde o lixo nas portas, o esgoto a céu aberto, a falta de médicos e remédios, às escolas e creches trabalhando precariamente e à falta de segurança. Pelas contas do candidato, sua campanha percorreu 80 bairros de Fortaleza, nas seis regionais.

Véspera de votação, a agenda prevista para hoje é de grande movimentação nas ruas da Capital, com caminhadas, panfletagens, adesivaços, bandeiraços e principalmente carreatas. Divulgação em carros de som e distribuição de material de campanha só podem ser realizadas até hoje. Amanhã, o eleitor só poderá manifestar o seu voto individualmente, através de camisas e adesivos de carros, dentre outros, mas sem tentativas de influir na vontade de outras pessoas.

Mãe de ACM Neto dá palavra final na campanha em Salvador

A mãe minimiza sua influência na campanha do filho. Diz resolver "só alguns problemas

A campanha de ACM Neto (DEM) em Salvador tem os habituais coordenadores políticos e de marketing, mas quem dá a última palavra é a mãe do candidato.

Casada com o ex-senador ACM Junior, filho mais velho do senador Antonio Carlos Magalhães (1927-2007) e dono da afiliada da TV Globo na Bahia, Maria do Rosário, 55, abandonou a psicologia para cuidar da carreira política do herdeiro de 33 anos.

A mãe minimiza sua influência na campanha do filho. Diz resolver "só alguns problemas que surgem no dia".

O celular, contudo, não para de tocar. Rosário também visita comunidades pobres em eventos de campanha, às vezes até sem o candidato.

"Não vou dirigindo aos lugares porque é difícil, muitos são distantes, mas eu sou uma pessoa simples por essência. Vou de calça jeans e uma camisa", afirma.

Ela pede desculpas por receber a reportagem em uma sala "simples" no comitê, com estrutura provisória, ar condicionado e secretárias. No espaço, imagens religiosas dividiam espaço com "santinhos" do filho.

Rosário também trabalha para ACM Neto em seu mandato de deputado federal no Congresso, embora longe de Brasília, na representação em Salvador. Diz que os primeiros contatos com a política surgiram nas eleições do sogro, que define como "homem bastante afetuoso".

LEGADO

Ela diz que o "legado do avô é muito forte" para ACM Neto e reclama quando o filho é atacado por rivais. "O PT está há seis anos no governo e fez pouco para a cidade. Preferem fazer campanha agressiva contra meu filho."

Na internet, a campanha rival é ainda mais dura com o avô, citado na seção "tristes memórias do carlismo".

Rosário opta por não polemizar e é contida nas declarações. "Fico só no bastidor. Quando se expõe muito, acaba prejudicando, né?", diz.

Na véspera do 1º turno, mais da metade dos processos está pendente na Justiça Eleitoral

TSE: 44% dos recursos apresentados tiveram como base a Lei da Ficha Limpa

Dos 6.454 recursos contra registro de candidatura que chegaram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desde o início da campanha, 3.545, ou 55%, ainda não foram analisados pela corte. Segundo levantamento do TSE, 2.830 (44%) do total de recursos tiveram base na Lei da Ficha Limpa. Até a última sessão da corte, realizada na quinta-feira, foram julgados 2.909 recursos; 678 originários de questões relacionadas à Ficha Limpa.

A avalanche de processos, aliada ao pesado expediente de ministros envolvidos no julgamento do mensalão, no Supremo Tribunal Federal (STF), tornou o já moroso trâmite das ações ainda mais lento.

Isso significa que políticos eleitos podem perder o mandato já em exercício, uma vez que, no caso de candidaturas contestadas, o tribunal pode diplomar o segundo colocado, ou o que vem em seguida na lista de votações. Segundo o TSE, no entanto, haverá esforço para que, até o dia da diplomação dos candidatos vencedores, em 19 de dezembro, todos os recursos já estejam julgados.

Após as eleições deste domingo, dezenas de novos processos oriundos dos TREs devem ser recebidos pelo tribunal superior. Recursos relativos a compra de votos e abuso de poder devem entrar na fila para julgamento, o que pode, também, pôr em risco a diplomação e a posse dos vencedores.

Votações - As votações terão início no domingo às 8h e seguem até as 17h. O TSE informou que às 20h de Brasília cerca de 90% dos municípios já saberão os prefeitos eleitos. A previsão é que, até as 22h, todas as cidades já saibam seus vencedores.

Tráfico cobra até R$ 50 mil para candidato fazer campanha

Em Itaboraí, negociação incluiu construção de quadra; milicianos também criaram ‘pedágio’

Milicianos e traficantes estão cobrando de R$ 30 mil a R$ 50 mil, ou mesmo obras, para que candidatos a prefeito e vereador façam campanha em seus redutos. Pelo menos em sete favelas, dois complexos - Maré e Manguinhos - e quatro conjuntos habitacionais das zonas Oeste e Norte do Rio, além de Itaboraí, Niterói, Belford Roxo, Nova Iguaçu e Duque de Caxias, já há casos, de acordo com levantamento feito junto aos partidos. Ontem, na favela da Reta Velha, onde, de acordo com o juíz da 151ª Zona Eleitoral de Itaboraí, há 19 mil eleitores, foi feita uma megaoperação com fiscais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) e policiais civis para retirar material irregular de campanha e prender seis traficantes suspeitos de extorquir dinheiro de candidatos.

Desde que o juiz eleitoral Marcelo Villas esteve na Reta Velha pela primeira vez, há um mês, ele identificou que apenas um candidato a prefeito e cinco a vereador tinham propaganda na localidade. O fato levou a um inquérito na Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DH), que corre em segredo de Justiça, para apurar a venda de espaço a candidatos para propaganda. As investigações constataram que os traficantes negociaram, em troca de votos e do livre acesso à favela, a construção de uma quadra poliesportiva na comunidade com emissários que seriam ligados à prefeitura de Itaboraí.

Entre os mais de 20 depoimentos prestados por testemunhas à delegacia sobre o caso, o do proprietário da empresa GCI Estruturas Metálicas - cujo nome está em sigilo -, responsável pela obra, já embargada pelo juiz, é o mais contundente. Segundo o depoimento, ele foi procurado por uma funcionária do município, que lhe propôs a construção da quadra. Em troca, a emissária prometeu beneficiar a empresa dele em licitações, caso o candidato que ela representava fosse eleito. Ele aceitou a "parceria", comprovada por uma nota fiscal no valor de R$ 27 mil, para a compra de material. À polícia, ele afirmou que foi instruído a dizer que a obra era doação.

Outra evidência no inquérito é a troca de e-mails, rastreados com autorização judicial, entre a empreiteira e o esquema, em que se combina a cotação da obra de forma cifrada. A quadra foi o passaporte para a entrada na área dominada pelo tráfico. Quem não pagou o "pedágio" foi proibido de colocar material de campanha. Até os moradores foram impedidos de manter placas de seus candidatos, e cabos eleitorais proibidos de entrar na favela.

Juiz interdita quadra

Uma testemunha, moradora da Reta Velha, contou, em detalhes, que os traficantes só autorizam a entrada de políticos que aceitem as regras: "os políticos pagam em torno de R$ 30 mil ao chefe do tráfico, e parte do dinheiro é aplicada na própria favela, como a quadra poliesportiva que está sendo construída". No inquérito, há referências a líderes comunitários. Um deles já foi preso por tráfico.

A ação de ontem foi chefiada por Villas, que percebeu que desta vez os traficantes estavam recortando placas e retirando fotos dos candidatos que não negociaram o espaço.

- Nas quatro incursões, só encontramos placas de um candidato a prefeito e de cinco vereadores. Em outras favelas do município, chegamos a ver propaganda de mais de 50 candidatos. É claro que ninguém doa uma quadra, por isso interditei a obra. Também mandei fechar a associação de moradores - explicou o juiz, que ontem apreendeu uma agenda do tráfico com nomes de políticos: - Foi a última operação, e vencemos a resistência do tráfico.

Segundo o titular da DH, Wellington Vieira, os envolvidos podem responder por abuso de poder político e econômico e captação de votos:

- A polícia vai concluir a investigação e apresentar o relatório final na semana que vem.

A cobrança por parte de traficantes ou milicianos para o livre acesso também ocorre na capital, Baixada e Região Metropolitana. O valor é definido segundo a densidade eleitoral. Em favelas de Manguinhos, a tabela imposta por traficantes vai de R$ 25 mil a R$ 30 mil. Já em áreas da Maré, o acesso e a instalação de placas podem chegar a R$ 50 mil.

BH: Aécio responde a Dilma: ‘a presidente está precisando de um descanso’

Senador compara agressividade da presidente à de Lula e diz que estado não tem dono

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) aproveitou a carreata final da campanha de Márcio Lacerda em Belo Horizonte, nesta sexta-feira, para responder às críticas da presidente Dilma Rousseff, feitas em comício de Patrus Ananias (PT), nesta quarta-feira.

- Eu fiquei muito honrado da presidente da República ter deixado Brasília para vir aqui em Belo Horizonte responder às minhas citações. Eu só lamento que ela tenha precisado de cola para lembrar as reivindicações de Minas Gerais - disse o senador, sobre Dilma ter chamado seu assessor para trazer um lembrete que ela havia preparado para o comício.

Sobre uma das alfinetadas da presidente ao senador, a de que ela não teria deixado Minas Gerais "para ir à praia", Aécio respondeu:

- A presidente Dilma está precisando de um descanso.

O senador afirmou que Dilma está mais parecida com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não por passar a participar de comícios pelos candidatos petistas, mas sim pela agressividade.

- De alguma forma, a presidente Dilma está parecida com o Lula, na agressividade, na desqualificação do adversário. Qualquer decisão que aconteça aqui no domingo será com liberdade. Quer dizer que não votar com o candidato da presidente significa que o eleitor é tutelado? Eu repito, Minas não tem dono - disse Aécio, novamente respondendo a crítica da presidente, que afirmou que o senador "não é dono de Minas Gerais".

Aécio ainda criticou Dilma, dizendo que ela não trouxe propostas para as reivindicações da cidade.

- Dizer que Minas tem dono é um desrespeito com a população. Nós temos um prefeito e um governador que são muito bem avaliados. E a população tem direito de querer que eles continuem. Dizer que isso é voto tutelado, de cabresto? A presidente foi muito agressiva - disse.

Ele voltou a comentar a crítica feitas pelos tucanos, de que Dilma, apesar de ter nascido em Minas, vota no Rio Grande do Sul.

- Eu tenho muita curiosidade de saber onde que a mineira vai votar lá no Rio Grande do Sul.

PT corre risco de ter derrota histórica no RS

Pouco carismático, o candidato petista Adão Villaverde pode não passar de um distante terceiro lugar

O PT corre o risco de ter neste domingo o pior desempenho de sua história em Porto Alegre, cidade onde a presidente Dilma Rousseff construiu carreira política e vota.

A campanha no município, governado por 16 anos seguidos pelo PT a partir de 1989, tem como favorito à reeleição já no primeiro turno o prefeito José Fortunati (PDT).

Pouco carismático, o candidato petista Adão Villaverde pode não passar de um distante terceiro lugar.

Deputado estadual desconhecido no início da campanha, ele até agora não superou os 10% nas pesquisas.

O percentual é muito inferior ao patamar histórico do PT na cidade --cerca de 30%.

O PT gaúcho não conseguiu que Dilma participasse da campanha. Ela esteve no Estado só uma vez nos últimos meses e evitou atritos com partidos que disputam a prefeitura e a apoiam.

O governador petista Tarso Genro foi presença constante na TV, e o ex-governador Olívio Dutra virou quase um apresentador do horário eleitoral petista. O ex-presidente Lula apenas gravou participação para a TV já no meio da campanha e não foi à cidade para comícios.

O candidato do PT teve que responder perguntas sobre o mensalão em quase todos os debates. Também arcou com os desgastes do governo Tarso, que enfrentou uma sequência de protestos do funcionalismo e de professores.

Na tentativa de reverter a desvantagem, o programa eleitoral petista chamou Manuela D'Ávila (PC do B), segunda colocada nas pesquisas, de "celebridade".

Na segunda parcial da prestação de contas divulgada pela Justiça Eleitoral, o candidato do PT informou ter arrecadado apenas um terço do declarado por Manuela. A quantia é menor até do que a obtida por um prefeito petista da região metropolitana.

O presidente do PT gaúcho, Raul Pont, diz que pesa na eleição a concorrência de dois candidatos de campos políticos próximos. "As pessoas não enxergam uma polarização política", diz Pont.

Eleição nunca teve tantos partidos com chance nas capitais; confira

Segundo pesquisas, 16 partidos podem eleger candidatos nas 26 capitais em disputa no país

Há hoje um cenário que pode resultar num fracionamento partidário inédito nas disputas por prefeituras das 26 capitais brasileiras: segundo as pesquisas mais recentes, 16 partidos têm candidatos competitivos e podem sair vencedores nessas eleições.

Em 2008, nesta mesma época, só 11 partidos estavam com candidatos bem posicionados nas eleições de prefeitos em capitais. Ao final, dez agremiações acabaram vencendo nessas cidades --o que já representou a maior dispersão partidária desde o fim da ditadura militar nos anos 80.

Agora, quando se olha a lista de candidatos que estão no páreo, enxergam-se vários casos de representantes de partidos nanicos. O mais evidente é o PRB (Partido Republicano Brasileiro) de Celso Russomanno em São Paulo.

Mas há Ratinho Júnior, do PSC (Partido Social Cristão), à frente em Curitiba. Edmilson Rodrigues, do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), em Belém. César Souza Jr., do PSD (Partido Social Democrático), em Florianópolis.

O mais provável é que muitos candidatos de siglas nanicas --ou novatas, como o PSD-- acabem tendo dificuldades e não saiam vencedores. Mas o fato de terem chegado à reta final é um sinal de que um universo partidário mais horizontal está se cristalizando no país.

No final dos anos 90 houve uma tendência oposta, pois o Congresso havia aprovado uma lei que restringia a atuação de partidos com desempenho ruim nas eleições para deputado federal --era a chamada cláusula de desempenho ou barreira. Mas o Supremo Tribunal Federal derrubou o dispositivo em 2006. A partir daí, o número de siglas passou a aumentar.

O Brasil tem hoje 30 partidos políticos. O que causou maior impacto foi o PSD, idealizado pelo prefeito paulistano, Gilberto Kassab. Ao ser criado também construiu uma tese vitoriosa na Justiça: deputados, senadores, prefeitos ou outros políticos eleitos podem se filiar a uma nova agremiação, manter o mandato e levar para a nova legenda seus votos --isto é, o tempo de TV e rádio e o dinheiro do Fundo Partidário.

No quadro das capitais, entretanto, os partidos tradicionais são ainda preponderantes no ranking de candidatos competitivos. O PSDB tem 11 nomes com possibilidade de vencer em capitais. O PT vem em segundo com 10 nomes. Depois aparecem PSB (6), PMDB (6), PDT (5) e DEM (3).

Áreas de lazer serão suspensas para as eleições no Rio de Janeiro

Painéis de mensagens variáveis da CET-Rio vão informar aos motoristas as condições de trânsito

Todas as áreas de lazer do Rio de Janeiro estarão suspensas excepcionalmente neste domingo (7), em virtude do primeiro turno das eleições municipais. De acordo com a CET-Rio, a medida visa garantir a fluidez no trânsito e facilitar o deslocamento dos eleitores pela cidade para votar com tranquilidade.

Além disso, a Guarda Municipal e a CET-Rio vão atuar com seu efetivo completo, priorizando a fluidez do trânsito nos principais corredores de tráfego e atuando pontualmente nos locais onde haja significativa concentração de eleitores, com o objetivo de minimizar eventuais impactos ao trânsito.

Os painéis de mensagens variáveis da CET-Rio vão informar aos motoristas as condições de trânsito na cidade e passarão orientações sobre as melhores rotas, quando necessário. E os reboques estarão posicionados em pontos estratégicos para rápido atendimento e desobstrução das vias em caso de veículos enguiçados.

Confira as recomendações da CET-Rio para os eleitores:

- Eleitores que residem perto dos seus locais de votação devem dar preferência a fazer seus deslocamentos a pé ou de bicicleta;

- Para aqueles que estiverem distantes de seus locais de votação, é recomendada a utilização de transporte público coletivo regulamentado: barcas, metrô, trem e ônibus de linhas regulares;

- Não serão criadas áreas de estacionamento em função das eleições, sendo muito importante que os motoristas observem e respeitem a sinalização de trânsito de cada local, não estacionando onde haja proibição;

- Para sua segurança, os pedestres só devem fazer a travessia das vias nos locais com semáforos;

- Para não interferir na fluidez, o embarque ou desembarque não deverá ser feito em fila dupla ou afastado da calçada;

- É muito importante que sejam respeitadas as orientações dos agentes de trânsito, assim como a sinalização de trânsito.

05 de outubro de 2012

Com chance de vencer, candidato do PSOL em Belém deixa radicalismos

Prefeito de Belém pelo PT de 1997 a 2004, Rodrigues migrou em 2005 para o PSOL

Líder na disputa pela Prefeitura de Belém, o PSOL tem chance real de governar uma cidade pela primeira vez, com o deputado estadual Edmilson Rodrigues.

Para isso, o partido moderou o discurso, abandonou propostas radicais e até acena ao PT com possível aliança, a despeito do clima de guerra da campanha.

Prefeito de Belém pelo PT de 1997 a 2004, Rodrigues migrou em 2005 para o PSOL, sigla que surgiu naquele ano de um grupo de insatisfeitos com os rumos do PT no comando do governo federal.

E como o PT também lançou candidato, o deputado estadual Alfredo Costa, os partidos disputam na campanha a paternidade de realizações da gestão de Rodrigues.

Com 38,4% de intenções de voto, segundo pesquisa deste mês do Instituto Acertar, o PSOL abandonou propostas que defende em outras cidades, como calote da dívida, redução de tarifa de ônibus e corte de cargos de confiança.

Também defende programas federais como o Minha Casa, Minha Vida e o Saúde da Família, e afirma que obterá recursos com a presidente Dilma Rousseff mesmo sendo oposição ao Planalto.

Segundo o candidato, o partido definiu que é possível flexibilizar as alianças nas cidades em que o PSOL tem candidato próprio à prefeitura. "O PSOL tem restrições ao PT, mas o debate pode permitir uma aliança, se aprovada pelo Diretório Nacional."

Para o cientista político Roberto Corrêa, da Universidade Federal do Pará, as propostas dos candidatos em Belém são parecidas, e o voto em Rodrigues se explica mais pela avaliação de sua gestão.

Em campanha, Rodrigues, arquiteto e professor universitário, prioriza regiões pobres de Belém, onde aborda moradores em suas casas e repete bordões como "socialismo" e "governo do povo".

Na disputa com o ex-prefeito estão José Priante (PMDB), com 16% das intenções de voto, e Zenaldo Coutinho (PSDB), com 12%. Costa, do PT, tem 3%.

Patrus diz que condenação de petistas no mensalão não interfere na eleição

"Não é o PT que está em julgamento", afirmou o candidato

O petista Patrus Ananias disse, na madrugada desta sexta-feira, que sua candidatura à prefeitura de Belo Horizonte não sofrerá abalos com os recentes votos de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) pela condenação de integrantes do PT no julgamento do mensalão.

"Não é o PT que está em julgamento", afirmou, após o debate da TV Globo. "A questão envolve pessoas, eventualmente. Vamos esperar o julgamento, não podemos prejulgar. Pessoas podem cometer equívocos, erros. Mas esses erros de pessoas não se confundem com o partido, que hoje é uma instituição nacional. Os serviços que o PT prestou e está prestando estão muito além desse processo", afirmou Patrus.

"Agora, o que população de BH está fazendo é o julgamento dos candidatos, e, neste sentido, tenho um currículo que traduz bem a tradição do PT e de milhares de militantes do partido. Sou um dos fundadores do PT, fui prefeito, ministro do governo Lula, estou no partido há mais de 30 anos, e não há um processo, um questionamento", ressaltou.

A dois dias do primeiro turno, Patrus busca evitar a reeleição do prefeito Marcio Lacerda (PSB) no próximo domingo. Depois de levar a presidente Dilma Rousseff ao palanque em BH na quarta-feira (3), o petista agora concentrará a ação de campanha em bairros onde o partido avalia a necessidade de melhorar o desempenho, atingindo principalmente os indecisos.

Já Lacerda faz nesta sexta uma caminhada pelas ruas de BH com o senador Aécio Neves (PSDB-MG), seu principal aliado na campanha, como forma de neutralizar os efeitos do comício que Dilma fez na última quarta. Após o debate da TV Globo, Lacerda disse que acredita na vitória no próximo domingo.

'É a eleição mais complicada em SP de todas que eu participo', diz Lula

Ex-presidente prestou apoio a Haddad no Centro da cidade nesta sexta, 5

O candidato à Prefeitura pelo PT, Fernando Haddad, participou de comício nesta sexta-feira (5) no Centro de São Paulo. Ele fez uma caminhada pela região, partindo da Praça da República até a Catedral da Sé. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se juntou ao grupo, em um palco improvisado na Praça da Sé. Ele discursou por menos de três minutos.

"Vocês sabem que estamos disputando uma eleição muito, muito delicada, acho que é a eleição mais complicada em São Paulo de todas que eu participo aqui há tantas e tantas décadas. Ou seja, há um embolamento, mas estou convencido de que o melhor vai ganhar", disse Lula.

Durante a caminhada, Haddad passou por um comício do PSDB que acontecia em frente ao Teatro Municipal, o que deu início a uma guerra de coros entre militantes. Lula usou o "encontro" com os adversários para brincar sobre episódio que envolveu o candidatoJosé Serra em 2010, quando o tucano disputava a presidência da República contra a atual presidente Dilma Rousseff, do PT.

"Eu só queria pedir o seguinte. A gente não pode nesses últimos dias enfrentar nenhuma provocação, porque nós sabemos que tem candidato aí que até bolinha de papel que alguém jogou na cabeça dele ele disse que foi uma agressão, tentou culpar o PT, então, por favor, nada de brincar de bolinha de papel, de bolinha de isopor, nas últimas 24 horas nem bolinha de sabão vocês podem fazer, porque o rapaz é frágil", disse.

Em Aracajú, candidato desiste da eleição em pleno debate

Vice da chapa, Rivando Gois assume candidatura e mantém propostas.

O deputado federal Almeida Lima (PPS) anunciou, durante as considerações finais do debate entre concorrentes a prefeito de Aracaju, realizado na noite de quinta-feira (4) pela TV Sergipe, a retirada de sua candidatura. Rivando Gois, candidato a vice-prefeito do partido, decidiu assumir o posto principal da chapa.

"Foi difícil chegar até aqui. Enfrentei problemas comigo mesmo e com a minha consciência e foi duro chegar até esse momento. O que de fato desejei foi um debate amplo com a sociedade, mas esse debate não houve", disse Lima em sua última participação no debate.

"Quero agradecer a uma minoria que me compreendeu. Mas quero fazer uma declaração. Declaro que tomei uma decisão. A de desistir da minha candidatura a prefeitura de Aracaju. Fato que estarei comunicado a Justiça Eleitoral nesta sexta", afirmou.

Além de Almeida Lima (PPS), o debate contou com a presença dos candidatos Reynaldo Nunes (PV), Valadares Filho (PSB) e Vera Lúcia (PSTU). O candidato João Alves (DEM)enviou um ofício para a emissora de TV dizendo que não iria comparecer.

O encontro, que foi mediado pela jornalista Poliana Abritta, teve duração de 1 hora e 45 minutos e foi dividido em cinco blocos - quatro onde os candidatos puderam fazer perguntas entre si e o último com as considerações finais.

Desistência
Rivando Gois, que assumiu a disputa pela prefeitura da capital de Sergipe, disse que o partido pediu, em reunião realizada antes do debate, que Almeida Lima não desistisse da candidatura. "Pedimos a ele que não retirasse sua candidatura devido ao respeito que nós devemos ter com o eleitor, mas infelizmente sua decisão pessoal prevaleceu, portanto respeitamos sua posição".

Gois afirmou que manterá os projetos divulgados por Almeida Lima. "Vou permanecer com as propostas que Almeida colocou durante sua campanha política, pois acreditamos que elas são a continuidade de um grupo forte", disse o novo candidato.

Até o momento, não há confirmação do novo nome para vice-prefeito da chapa. "Após o debate, liguei para o presidente do partido em Aracaju e pedi que ele fosse pensando em um nome para vice na chapa", disse Gois

"Assim que Almeida se dirigir ao TRE para fazer o tramite da sua retirada, logo em seguida me tornarei o novo candidato pelo parido municipal", explicou.

O presidente do PPS na cidade, Arnaldo Júnior, disse que ainda nesta sexta-feira (5) vai escolher o candidato a vice-prefeito.

"Ainda não pensamos em um nome, mas faremos uma reunião logo pela manhã e definiremos um novo nome para ser candidato à vice de Rivando", afirmou.