• elshallon
  • Unimed
  • assinatura jornal

Wellington Dias rebate críticas sobre pontos facultativos

Sindicato dos Lojistas reclama dos prejuízos causados pelos excessos de pontos facultativos. Dias lembra que feriados ajudam turismo

16/06/2017 08:03h

O governador Wellington Dias (PT) rebateu críticas sobre prejuízos causados ao comércio por conta dos decretos de ponto facultativo. Na avaliação do governador, a grande quantidade de pontos facultativos neste ano é atípica, já é necessário um grande ciclo de anos para que feriados caiam em terças e quintas-feiras. Além disso, ele afirmou que o ponto facultativo para prolongar feriados ajuda no turismo e em setores de restaurantes, hotéis, lazer, e até mesmo no comércio.

O comentário do governador foi em resposta a questionamento da imprensa após o Sindicato dos Lojistas do Piauí divulgar a informação que o excesso de pontos facultativos reflete de forma negativa na economia do estado. Nesta sexta-feira (16), posterior ao feriado de corpus christi, tanto o governador Wellington Dias (PT), quanto o prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), decretaram ponto facultativo.

O governador citou ainda que não adiantaria o governo não decretar ponto facultativo, se entes como o Município e a União decretassem. “Seria preciso uma repactuação envolvendo governos federal, estaduais, municipais, porque se um decreta e os outros não, cria um descompasso. Eu sei também que não é todo ano que os feriados caem terças e quintas-feiras. Além disso, quando se tem ponto facultativo muitos vão para as compras. O importante é fazer ter dinheiro para girar na economia”, pontua Wellington Dias.

O chefe do Executivo estadual lembrou ainda que os feriados prolongados contribuem para geração de renda em outros setores, que também são importantes para a economia. “É em momento como estes que o trabalhador vai ao lazer, viaja par ao litoral, para Pedro II, e tudo isso termina tendo um efeito na geração de renda”, concluiu Dias.


Wellington Dias, durante a 16ª Marcha para Jesus, cita os prejuízos que o Estado vem acumulando por falta de apoio da União (Foto: Elias Fontinele/O Dia)

Para Dias, Piauí vem sendo prejudicado pelo Governo Federal

Para o governador Wellington Dias (PT), o Piauí vem sendo prejudicado pelo governo federal na medida em que as diversas obras federais no estado estão paralisadas e deixando de gerar empregos. Durante entrevista à imprensa enquanto participava da 16ª Marcha para Jesus, que reuniu milhares de evangélicos em Teresina, o governador Wellington Dias (PT) citou que o Estado já perdeu cerca de 70 mil empregos de carteira assinada que poderiam ser recuperados caso essas obras fossem retomadas.

“Estes empregos estão na construção civil, no comercio e em outras áreas. O Minha Casa, Minha Vida praticamente não tem mais liberações, o programa Luz Para Todos, o programa de Regularização de gambiarras, a Transnordestina, o alargamento da BR 135. São coisas concretas em que a retomada seria extraordinária para a economia do Piauí”, pontuou Wellington Dias.

O chefe do Executivo estadual argumentou que para retomar todas as obras no país é preciso cerca de R$ 180 bilhões, que poderiam ser conseguidos a medida em que fossem baixados 3% dos juros da dívida externa do Brasil. “Você baixa estes três pontos, nivela os juros mais baixos e gera esse bem para a população que vai atingir diretamente na geração de empregos”, pontua o governador.

Ele acrescentou ainda que o país precisa deixar a agenda do combate a corrupção, da crise do Congresso Nacional, das disputas nos Tribunais Superiores e colocar em prática uma agenda que pense na população. “É claro que é preciso combater a corrupção, dentro da lei, obviamente. Mas é preciso olhar a pauta do povo. O povo está fora do Senado, do TSE, e pede emprego, saúde, educação, segurança”, argumenta.

Por: João Magalhães - Jornal O Dia

Deixe seu comentário