• assinatura jornal

Notícias Tecnologia

20 de agosto de 2017

'Qual a senha do wifi?' é a pergunta mais nociva do mundo digital, diz delegado

Delegado destaca que a invasão nos dispositivos eletrônicos ocorre na maioria das vezes por meio da contaminação das redes de wifi.

Nos dias de hoje, “Qual a senha do wifi?” é um uma das primeiras perguntas que as pessoas fazem ao chegar em um estabelecimento ou residência. Quando se trata de locais com rede aberta então, a população comemora. No entanto, o que a grande maioria desconhece é que essa famosa pergunta é a mais perigosa do mundo digital. O titular da Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes de Alta Tecnologia (Dercat), Daniel Pires, destaca que a invasão nos dispositivos eletrônicos ocorre na maioria das vezes por meio da contaminação das redes de wifi.

Segundo ele, os hackers têm a mesma facilidade que os clientes de acessar internet pela rede dos estabelecimentos, principalmente na rede aberta. Uma vez que isso acontece, eles enviam um software destinado a se infiltrar nos dispositivos conectados àquela rede de forma ilícita, o malware, e têm acesso a todos os dados dos clientes. Por esse motivo, o delegado orienta que as pessoas prefiram utilizar a internet pelos dados móveis a usufruir das que são fornecidas de forma gratuita.  

“Quase 90% da população pede a senha da rede ao chegar em um determinado local e ninguém se preocupa com a possibilidade de invasão do seu dispositivo. Evitar wifi no seu aparelho previne de maneira grandiosa que essa pessoa seja uma futura vítima de crimes virtuais”, alerta o delegado.

Para ele, a facilidade do acesso à internet é ao mesmo tempo positiva e negativa, pois ao passo que atua como canal de comunicação, informação e pesquisa também é janela para a prática de crimes que geram sérias consequências. Quanto mais pessoas navegam na rede e se relacionam através de plataformas sem um cuidado e atenção devida, maior é a possibilidade de crimes virtuais.

“Até pouco tempo atrás, a gente não acreditava que poderia haver homicídio em ambiente virtual. Depois do jogo da baleia azul, vimos que a pessoa pode sim ser imputada a cometer homicídio. Semana passada, nós fomos pioneiros no que se refere a estupro de ambiente virtual, o que também não imaginaríamos que poderia acontecer. Hoje, os crimes estão migrando para o mundo virtual. Portanto, os usuários devem ter cuidado com o que expõem na internet”, enfatiza o delegado.

O delegado Daniel Pires, titular da Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes de Alta Tecnologia (Foto: Jailson Soares / Arquivo O DIA)

A estudante Jéssica Fernanda* já foi vítima de uma perseguição que passou do mundo virtual para o mundo real que começou em 2011 e se seguiu por mais de cinco anos. Ela relata que o perseguidor começou a persegui-la ao acompanhar o twitter dela, que era uma rede aberta, permitindo que ele tivesse acesso às suas fotos e publicações.

“Essa pessoa começou a investigar coisas da minha vida, sabia onde eu morava, meu número, mandava flores, sabia o horário que eu estava na universidade, no trabalho e tudo isso ele conseguia saber através das minhas postagens, comentários, etc. Daí eu fechei minha conta para pessoas que eu permitisse que tivessem acesso ao que eu publicava, mas ele continuou mudando o perfil e me mandando solicitação de amizade. Isso durou por alguns anos, ele parava e voltava”, lembra.


Notícia relacionada:

Exposição excessiva é uma necessidade de autoafirmação 


Orientações

A orientação é que os usuários sejam mais precavidos no que publicam em suas redes sociais. O delegado aconselha que os internautas não façam check-in de onde estejam, para evitar que pessoas más intencionadas saibam o local exato em que estão; e que as pessoas configurem suas redes sociais para que somente pessoas do seu círculo de convivência tenham acesso às suas fotos e publicações.

O ideal é que os usuários não forneçam informações pessoais para sites, como números de documentos de identificação, evitando assim crimes de estelionato, e não compartilhem fotos ou vídeos de conteúdo íntimo através da internet, pois pode haver desvio levando a conhecimento de pessoas que utilizam o conteúdo para forçar ou ameaçar vítimas a fazerem o que desejam.

“Muitas informações de crime de estelionato são dados pela própria vítima. A dica geral é que as pessoas evitem se expor publicamente. Claro, todo mundo pode ter sua rede social, mas diante das circunstâncias e criminalidade hoje, é aconselhável que as pessoas filtrem suas redes e coloquem ara apenas pessoas que você conhece tenham acesso às suas informações”, afirma o titular da DERCAT.

Casos

Desde janeiro desse ano 352 crimes virtuais já foram catalogados na DERCAT somente em Teresina. Em sua maioria estelionato, um crime que a polícia piauiense não pode investigar, porque a Lei diz que nos crimes de estelionato a competência da investigação é de onde a vantagem indevida é obtida. No Piauí, as vantagens indevidas acontecem normalmente em Ceará, São Paulo, Pará, Goiás.

Especial Transmídia TV O DIA: Um furacão digital chamado Gabi Pinho


18 de agosto de 2017

Condomínios investem em tecnologia para reduzir custos

Portaria Remota contribui com a economia de até 50% com os gastos com portaria.

Com o aumento da violência nas cidades é cada vez mais necessária a implantação de mecanismos de segurança em casas, prédios e condomínios residenciais. E um grande problema para quem mora em condomínios é o controle de quem entra e sai, desde moradores até visitantes e prestadores de serviço. Isso porque para que o acesso seja somente para as pessoas que têm autorização é necessário o envolvimento dos funcionários, dos moradores e também o bom funcionamento dos equipamentos como portões e interfones. Além disso, em muitas portarias, a guarita não oferece a segurança necessária para o funcionário, que pode ser facilmente rendido por assaltantes. De forma que algumas situações podem deixar o condomínio suscetível a entrada de pessoas estranhas.


Foto: Divulgação

E a tecnologia tem sido uma grande aliada para melhorar a segurança dos condomínios. Uma alternativa para evitar assaltos e ainda reduzir as despesas é a Portaria Remota, um sistema de controle e gerenciamento do acesso de condomínios à distância. Atualmente o sistema Kiper está em funcionamento em mais de 600 condomínios em todo o Brasil e começa a ser implantado agora em Teresina. "Na Portaria Remota, o porteiro fica localizado em uma sala de monitoramento de uma empresa de segurança, não mais no condomínio, e tem seu trabalho supervisionado 24h por dia, sete dias por semana", explica o especialista em segurança empresarial e em portaria inteligente, Odirley da Rocha. O especialista estará em Teresina no dia 24 de agosto para ministrar o Seminário “Segurança em Condomínios”, que acontecerá no Blue Tree Hotel às 18h30.

Com o sistema, cada morador possui um controle remoto anticlonagem para o portão da garagem e para o portão de pedestre ele utiliza um aplicativo (QR Code) de celular ou uma tag (cartão) de acesso, que vão dar acesso ao condomínio. No caso da perda ou roubo de qualquer um dos mecanismos, o morador liga para a central e faz o bloqueio imediato deles. Também existe um sistema de pânico silencioso, que pode ser acionado em situações de risco. Já o visitante ou prestador de serviço vai se identificar normalmente no interfone, que possui áudio e vídeo, sendo atendido na central que entrará em contato com o morador para autorizar ou não sua entrada. "No caso de eventos, como uma festa, por exemplo, o morador manda um convite de QR Code para os seus convidados do próprio celular. O que vai permitir a entrada somente de quem foi convidado", destaca Odirley da Rocha.


Foto: Divulgação

E para evitar problemas com sinal instável de internet, a Portaria Remota utiliza um link, de rádio ou fibra óptica, entre o condomínio e a empresa. O que garante a qualidade do áudio e da imagem, sem perigo do sinal cair. O sistema ainda possui um mecanismo que resiste a no mínimo dez horas sem energia elétrica e que beneficia o funcionamento do interfone e dos portões de pedestre e da garagem.

Segundo o especialista, outra vantagem da Portaria Remota é que ela garante a gravação remota de áudios e vídeos de moradores, visitantes e prestadores de serviços.

Além de melhorar a segurança do condomínio, o sistema ainda gera uma redução dos custos da portaria em até 50%. "Para manter uma portaria funcionando, normalmente é necessária a contratação de quatro funcionários, que geram gastos com salários, impostos e outros encargos. E hoje também se sabe que, em alguns casos, os porteiros passam muito tempo ociosos no prédio. Com a Portaria Remota, todos os custos com atendentes de portaria estão incluídos na contratação do serviço e também a manutenção dos motores dos portões e interfones, o que gera redução de gastos e economia para o condomínio", esclarece Odirley.

01 de agosto de 2017

App para contratar e oferecer serviços permite escolher e pagar profissionais

O app serve para professores, profissionais de construção e reformas, esteticistas e tradutores, por exemplo.

A start-up Helpie quer que a contratação de autônomos de diversas especialidades seja feita, da seleção ao pagamento, a partir de um aplicativo.

A companhia lançou no final de abril seu serviço, que, por enquanto, funciona na cidade de São Paulo. O app serve para professores, profissionais de construção e reformas, esteticistas e tradutores, por exemplo.

No serviço, quem quer contratar escreve a especialidade do profissional que precisa e o aplicativo apresenta uma lista de candidatos, o perfil deles, distância que ficam em relação ao usuário e nota recebidas em atendimentos anteriores.

O cliente então pode iniciar uma conversa pelo app para negociar valores e definir datas.

Caso seja fechada a contratação, o pagamento é feito via cartão de crédito. O dinheiro só é liberado para quem é contratado após o serviço ser feito.

O valor vai para um cartão pré-pago, fornecido pelo próprio Helpie. A start-up cobra uma taxa que varia entre 12% e 15% do valor do serviço, dependendo do prazo de recebimento do dinheiro pelo profissional que usa a plataforma.

Mercado

Parte do grupo que criou o serviço é sócio também de outra empresa de tecnologia, chamada Utilicom. A companhia oferece softwares de gestão para empresas do setor de construção e é atualmente principal patrocinadora do novo app.

Leandro Lange, diretor de marketing do Helpie, diz que, apesar de existirem outros apps para a contratação de serviços variados a partir de aplicativos, nenhuma permite fazer o processo completo por ele (sem contar os especializados em uma única área, como Uber e seus concorrentes para quem busca motoristas).

Em geral, os aplicativos disponíveis servem para que clientes e profissionais se encontrem, mas não participam de etapas como negociação e pagamento propriamente dito.

Atualmente a principal companhia do setor é a start-up GetNinjas. Sua maior diferença em relação a Helpie é que o uso de seu serviço depende de que o profissional cadastrado compre créditos para acessar dados de clientes que também usam o serviço.

Feita a conexão entre profissional e cliente, as conversas e o pagamento são definidos entre eles -o GetNinjas não cobra comissão pelos serviços realizados por profissionais cadastrados em sua base..

Em 2015, o GetNinjas recebeu R$ 40 milhões em investimento. Os recursos vieram dos fundos Tiger Global, Monashees Capital e Kaszek Ventures. Em 2016, a companhia passou por programa de aceleração promovido pelo Google.

'Faz-tudo'

O Helpie recebeu até agora 4.000 cadastros de profissionais.

Quem quer aparecer no aplicativo passa por uma triagem antes de ser aprovado. É preciso, por exemplo, anexar fotos de documentos pessoais e, em alguns casos, certificados que garantam que o profissional tem autorização para exercer o trabalho que deseja (caso de arquitetos e engenheiros, por exemplo).

Lange afirma que atualmente cerca de 70% dos cadastros não são aprovados.

Hoje quem navega pelo perfil dos profissionais disponíveis no app encontra pessoas polivalentes, que incluem uma série de habilidades. em seus currículos dar aulas de inglês, passear com cachorros e fazer um bico como "marido de aluguel", dependendo da necessidade do cliente, por exemplo.

Lange considera que essa disposição em atuar de várias maneiras reflete em parte a crise pela qual o Brasil passa, que leva muitos a tentar se reinventar para seguir no mercado.

Por outro lado, ele diz que a companhia irá incentivar profissionais cadastrados a dar mais atenção a suas especialidades. "O cliente pode ficar desconfiado nesses casos em que alguém diz que faz tudo e, no fim, pode não ser tão bom em nada".

Outra melhoria que a start-up pretende fazer é dar ferramentas para contratações que durem por prazo maior, como caso de aulas de idioma ou instrumento.

Hoje só é possível fazer um pagamento por contratação pelo aplicativo. No futuro, a start-up quer incluir ferramenta para o agendamento de pagamentos periódicos via cartão de crédito.

E como garantir que o cliente, depois de conhecer o profissional a partir do aplicativo, não irá fechar contratações por fora dele, fugindo das taxas de comissão?

Lange afirma que o plano da start-up é dar benefícios para os profissionais que usarem o serviço com mais frequência, em especial maiores chances de serem recomendados quando novos clientes fizerem buscas. "Queremos incentivar não pelo medo [de punições ou exclusões], mas sim pelos benefícios".

A companhia não informa o valor investido no projeto até o momento e diz que ainda é cedo para buscar mais recursos com investidores.

31 de julho de 2017

WhatsApp Beta ganha atalho de conversas e favoritos no Android; saiba usar

Ao pressionar a imagem do mensageiro na tela inicial do celular, o usuário tem acesso a funções como câmera, mensagens marcadas e nova conversa

WhatsApp Beta recebeu uma atualização para a versão 2.17.277 que trouxe suporte a atalhos no ícone do app para Android. Agora, ao pressionar a imagem do mensageiro na tela inicial do celular, o usuário tem acesso a funções como câmera, mensagens marcadas e nova conversa – recursos que tornam a experiência de chat mais rápida.

A nova ferramenta, que lembra o 3D Touch do iPhone (iOS), só funciona em celulares atualizados com Android 7, versão que está presente em apenas 11,5% de todos os smartphones Android no planeta. No entanto, é possível contornar essa limitação e simular a opção utilizando launchers que personalizam o telefone, como o Nova Launcher e o Action Launcher. Confira, neste tutorial do TechTudo, o passo a passo de como usar os atalhos inéditos do WhatsApp.

WhatsApp mostra atalhos no ícone do aplicativo na tela inicial do Android 7 (Foto: Reprodução/Elson de Souza)

Passo 1. Para ter acesso aos ícones, o usuário deve assinar a versão beta do WhatsApp na Google Play Store. Basta acessar a página de download do aplicativo e entrar no programa de testadores. Confira como fazer isso em detalhes neste tutorial.

Passo 2. Após atualizar a versão beta do WhatsApp, toque e segure sobre o ícone do app na tela inicial do Android.

Passo 3. Observe que um menu será aberto com as seguintes opções:

Câmera – Selecione este item para ir direto para a tela de captura de fotos e vídeos do WhatsApp. Ao fim, o usuário poderá adicionar texto, figurinhas e desenhar antes de enviar para um contato ou publicar no Status.

Mensagens Marcadas – O WhatsApp permite que o usuário marque uma mensagem como favorita em uma conversa. Agora, com os atalhos de ícone, é possível acessá-las diretamente da tela inicial do sistema, sem ter que passar pela navegação interna do app.

Nova conversa – Se quiser começar uma conversa com um contato, basta tocar nesta opção no atalho do ícone. O WhatsApp será aberto na tela de contatos para que o usuário selecione com quem bater papo.

Passo 4. Se quiser fixar algum desses atalhos na tela inicial do Android, basta pressionar o dedo longamente sobre a opção desejada e arrastar para algum espaço vazio. Assim, sempre que quiser acessar aquela função, é só tocar no ícone correspondente a ela.

Pronto! Agora você já sabe como usar os novos atalhos do WhatsApp no Android 7.

24 de julho de 2017

Microsoft decreta ‘morte’ do Paint após 32 anos no Windows

Programa para criação de desenhos simples foi incluído na lista dos 'descontinuados' a partir da nova atualização do Windows 10.

Microsoft incluiu o Paint, programa para criar desenhos, na lista de ferramentas que serão removidas da próxima atualização do Windows 10 ou já não recebem novos recursos. O update do sistema operacional deve ser lançado até outubro deste ano.

Divulgada na quinta-feira (20), a lista inclui o Microsoft Paint entre as funcionalidades “descontinuadas”, ou seja, que “não estão sendo desenvolvidas de forma ativa e devem ser removidos nos próximos lançamentos”.

Já na categoria dos recursos que serão excluídos o 3D Builder app (a Microsoft sugere que, no lugar dele, seja usado o Paint 3D para fazer imagens tridimensionais) e o Reader App (o leitor de arquivos será incorporado ao navegador Edge).

O Paint está presente no sistema operacional da Microsoft desde o Windows 1.0, o primeiro a ser lançado, em 1985.

Era uma versão licenciada do PC Paintbrush, desenvolvido pela ZSoft Corporation. Suportava apenas gráficos monocromáticos de 1-bit, mas foi substituída no Windows 3.0 pelo Paintbrush, que era capaz de ler imagens nos formatos bitmap, JPEG e PNG (esses dois últimos padrões só seriam contemplados no Windows 98).

A decisão da empresa de aposentar o programa é inesperada, já que, na última atualização do Windows 10, o Paint foi turbinado para passar a criar e editar objetos em 3D.

O objetivo da mudança era que qualquer um pudesse desenhar à mão e transformar a imagem e algo tridimensional. A partir daí, é possível girar o objeto e editá-lo.

13 de julho de 2017

Google afirma que site divulgado é falso, Orkut não voltará

O site, Orkut.li, é uma cópia quase perfeita da rede social mais usada pelos brasileiros nos anos 2000

A internet está indo à loucura com a nova notícia de que o Orkut estaria de volta. Muitos usuários compartilharam prints de suas páginas e se logaram na saudosa rede social do “legal, confiável e sexy”. Mas o problema é que a rede social não está de volta. O site, Orkut.li, é uma cópia quase perfeita do local digital mais habitado pelos brasileiros nos anos 2000.

Quando os usuários tentam acessar o site pelo Google Chrome, são surpreendidos por uma (enorme) tela vermelha indicando que o endereço não é confiável. O mesmo ocorre com o Mozilla Firefox.

“Os invasores em orkut.li podem induzir você a fazer algo perigoso, como instalar um software ou revelar suas informações pessoais (por exemplo, senhas, números de telefone, ou cartões de crédito)”, afirma o aviso.

De acordo com Emilio Simoni, gerente de segurança da empresa PSafe, o site não está em nenhum servidor do Google – o dono da finada rede social.

“Todo domínio tem um registro e conseguimos rastreá-lo usando algumas ferramentas. O que se espera é que este site, se verídico, esteja hospedado no servidor do Google, mas identificamos que esta página, na verdade, foi registrada em 2006 por um brasileiro”, afirma.

Ameaça

O site se trata de um Phishing, ameaça que “rouba” dados dos usuários. “Nós vimos que o site usa exatamente a identidade visual de outra entidade e pede alguns dados pessoais. Percebemos também que a plataforma apresenta perfis com fotos de pessoas diferentes, mas que publicam o mesmo texto – o que pode indicar a atividade de algum bot (robôs que realizam publicações)”, diz o especialista.

Mesmo assim, a internet está cheia de pessoas saudosas dessa (maravilhosa) rede social – e mais cheia ainda de usuários muito curiosos. Se você se enquadra nesse perfil – e quer desesperadamente entrar no site – o principal, segundo Emilio, é ter um bom antivírus com antiphishing no celular: isso vai impedir o malware no ato, caso o endereço tente acessar dados ou baixar qualquer arquivo na máquina.

“Sugerimos também criar um e-mail que servirá apenas para fazer o login neste site e uma senha que jamais será usada novamente. Como não temos como saber exatamente a procedência da página, nós não recomendamos que a senha usada seja a mesma de outras redes sociais, por exemplo”, comenta.

A equipe da Psafe, no entanto, ainda não identificou nenhuma atividade maliciosa na página. “Até o momento, não sabemos qual é a real intenção desse endereço. Por isso pedimos muita cautela aos usuários. Assim como o site pode não enviar nada malicioso agora, pode começar a fazê-lo conforme aumente o número de acessos”, diz.

Posicionamento

O Google afirmou que não possui um posicionamento sobre o site “clone”, mas indica que: 1) o Orkut está mesmo morto; e 2) o site não está no domínio da empresa. Além disso, no blog oficial do Google, você pode conferir o adeus do Orkut em dois tempos: um, em meados de 2014, e o fim real e oficial em abril deste ano.

08 de julho de 2017

04 de julho de 2017

Game que 'treina o cérebro' melhora memória de pessoas com perda cognitiva

Criado por pesquisadores da Universidade de Cambridge, jogo melhorou a memória de 40% de pacientes nos estágios iniciais de demência.

Um jogo de computador para treinamento do cérebro desenvolvido por neurocientistas britânicos tem se mostrado eficaz para melhorar a memória de pacientes nos primeiros estágios de demência e poderia ajudar a evitar alguns sintomas de perda cognitiva.

Os pesquisadores, que desenvolveram o aplicativo que parece um "game show" e testaram seus efeitos sobre a cognição e a motivação em um pequeno estudo, constataram que cerca de 40% dos pacientes que jogaram durante um mês melhoraram a pontuação de memória.

 
Game show criado por pesquisadores da Universidade de Cambridge melhora memória de pacientes com demência. (Foto: Reprodução)

"Esperamos estender estes resultados em estudos futuros sobre o envelhecimento saudável e doença de Alzheimer leve", disse George Savulich, que liderou o estudo na Universidade de Cambridge.

Demência é um enorme problema global de saúde. A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que cerca de 47,5 milhões de pessoas tinham demência em 2015, e esse número está crescendo rapidamente com o aumento da expectativa de vida e o envelhecimento da sociedade.

A doença é incurável e há poucos medicamentos que podem aliviar os sintomas, que incluem declínio da memória, do pensamento, do comportamento e das habilidades de navegação e espaciais e a perda gradual da capacidade de realizar tarefas diárias.

Ao publicar seus resultados no International Journal of Neuropsychopharmacology, Savulich disse que, além de melhorar a pontuação de memória, os pacientes que jogaram retiveram informações visuais mais complexas do que aqueles que não jogaram.

Especialistas independentes disseram que as conclusões do estudo são encorajadoras, mas que o aplicativo precisa ser testado em outras formas de treinamento do cérebro em testes clínicos envolvendo mais pessoas.

"Apesar de que este tipo de treinamento do cérebro não será capaz de impedir em última análise ou curar doenças de memória como a demência, (é) um caminho promissor para melhorar sintomas iniciais da doença da memória", disse Tara Spiers-Jones, da Universidade de Edimburgo.

30 de junho de 2017

WhatsApp amplia prazo para parar de funcionar em celulares antigos

A decisão da empresa de cancelar o funcionamento para os celulares mais antigos havia sido contestada pela associação de defesa do consumidor Proteste.

O WhatsApp anunciou que adiou o fim do serviço para uma série de aparelhos, anteriormente programado para acabar nesta sexta-feira (30).

A empresa, que pertence ao Facebook, porém, informou que "alguns dos recursos poderão parar de funcionar a qualquer momento" nesses aparelhos mais antigos.

As novas datas para o fim dos funcionamento do serviços são as seguintes:

 BlackBerry OS e BlackBerry 10 após o dia 31 de dezembro de 2017;

Nokia S40 após o dia 31 de dezembro de 2018;

Nokia Symbian S60 após o dia 30 de junho de 2017;

Windows Phone 8.0 e anterior após o dia 31 de dezembro de 2017;

As versões 2.3.7 e anterior do Android após o dia 1º de fevereiro de 2020

Segundo a companhia, essas plataformas têm certas limitações que impedem a expansão de seus recursos. Ela recomenda que os usuários troquem seus aparelhos por outros mais atuais.

A decisão da empresa de cancelar o funcionamento para os celulares mais antigos havia sido contestada pela associação de defesa do consumidor Proteste.

De acordo com a Proteste, trata-se de um desrespeito ao consumidor, especialmente para quem escolhe utilizar um aparelho mais antigo com acesso ao serviço de telefonia provido por todas as operadoras no país.

O aplicativo de mensagem instantânea conta com cerca de 1,2 bilhão de usuários no mundo. No Brasil, a marca de 120 milhões já foi batida.

28 de junho de 2017

Whatsapp deixará de funcionar em celulares antigos nesta sexta

A medida já havia sido anunciada no final de 2016. Veja as plataformas que serão atingidas e aplicativos alternativos.

O WhatsApp deixará de funcionar em diversos modelos de aparelhos celulares em 30 de junho. Os usuários que não substituíram os seus aparelhos, ou não conseguiram instalar atualizações do sistema operacional perderão o acesso ao mensageiro. Essa medida já havia sido anunciada no final de 2016 e nessa sexta-feira atingirá os proprietários das seguintes plataformas: 

- BlackBerry OS e BlackBerry 10

- Nokia S40

- Nokia Symbian S60

- Android 2.1 e Android 2.2

- Windows Phone 7

- iPhone 3GS/iOS 6

Se o seu smartphone está nessa lista, existem bons aplicativos alternativos que podem substituir o WhatsApp, confira. 

ICQ

É um dos programas de troca de mensagens mais antigo da internet - ele Já foi o mais popular entre os internautas que utilizavam o PC para conversar. Atualmente oferece suporte ao maior número de plataformas de dispositivos móveis, estando disponível nativamente para Android, iOS, Windows Phone, Windows Mobile, Blackberry, Bada e aparelhos que ofereçam suporte a aplicativos desenvolvidos em Java. Na ausência de compatibilidade com a plataforma, o serviço também oferece uma versão online que pode ser acessada diretamente pelo navegador de internet. 

LINE

É um mensageiro repleto de personalizações. São mais de 250 skins e emoticons, além de ser possível adicionar games e filtros para o tratamento de imagens. Alguns recursos extras são vendidos como aplicativos e os preços são em torno de U$ 2. Ele oferece suporte as principais plataformas para dispositivos móveis, e também é possível instalar o serviço no PC com Windows e no Mac. O bate-papo em grupo permite até 100 participantes simultâneos. O aplicativo possui a função “Shake it!” e, com ela, basta chacoalhar próximo de outro usuário para adicionar um novo contato ou se preferir, também é possível adicionar através da leitura de um QR Code.

WeChat

É um aplicativo muito popular na China para troca de mensagens de texto, imagens e realizar chamadas de voz e vídeo. O WeChat possui mais de 900 milhões de usuários ativos e suporta telefones Android, iPhone, BlackBerry, Windows Phone e Symbian.

Viber

É mais uma excelente alternativa, em que o aplicativo tem o comportamento semelhante ao de um telefone celular. Permite a realização de chamadas usando a rede Wi-Fi e 3G, envio de mensagens de texto, chat, aviso de chamadas não atendidas.

eBuddyXMS 

É um aplicativo criado em 2013 que oferece uma plataforma completa de recursos para a troca de mensagens, envio de imagens, emoticons, vídeos, compartilhar a localização. O eBuddyXMS incorpora uma Enquete interativa em Mensagens de Grupo que os membros podem contribuir para uma contagem final nas decisões. 

Todos os aplicativos sugeridos também podem ser instalados nos celulares novos, e vale salientar que o melhor app para a troca de mensagens será aquele que o leitor tiver o maior número de amigos usando. 

23 de junho de 2017

Sereia, zumbi e mulher amamentando e outros 53 novos emojis do Whatsapp

Em setembro, novos ícones passarão a estar disponíveis em computadores e celulares.

Há alguns anos, ninguém sabia o significado da palavra "emoji". Hoje, esses símbolos e desenhos são parte fundamental das mensagens instantâneas e da comunicação digital neste milênio. Por isso, o "dicionário" dos emojis está crescendo em ritmo acelerado.

O Consórcio Unicode, a organização responsável pela sua publicação, anunciou o lançamento de 56 novos caracteres que fazem parte do Unicode 10, a nova versão do "livro universal" dos emojis, que contém mais de 8,5 mil desenhos e irá incluir nada menos que 136.690 figuras diferentes.

A nova lista ficou pronta a tempo de entrar em atualizações de gigantes digitais como Apple, Google, Microsoft e Samsung.

Espera-se que os novos emojis estejam disponíveis a partir de setembro, embora isso dependa de cada empresa. Veja abaixo uma seleção:

Mulher amamentando e criaturas 'mágicas'

Entre os novos emojis, existem vários do sexo feminino. Um deles é de uma mulher com um hijab (véu ou lenço islâmico) e outro é uma mãe amamentando seu filho.

Também há vários personagens retirados do mundo da fantasia, como zumbi, elfo, fada, sereia, mágico e vampiro.

Alguns emoticons trazem novas expressões faciais, como uma de sobrancelha levantada (representando estranhamento), outra pedindo para guardar segredo e uma cobrindo a boca ao rir.

Os novos emojis de rostos - nove no total - têm variantes de acordo com diferentes cores de pele, como já acontece com alguns dos que foram lançados antes.

Eles incluem ainda uma série de rostos de "gênero neutro" de crianças e adultos de diferentes idades, e um homem barbudo (este foi escolhido após uma pesquisa online).

Alguns são um pouco estranhos, como a de pessoas segurando uma colher na sauna, em versão feminina, masculina e neutra.

Há também novos gestos, como duas palmas juntas abertas, uma mão tirando uma selfie, o gesto do polegar e mindinho estendido para solicitar uma ligação telefônica.

Comidas e bichos

A gastronomia é assunto de muitas conversas - dentro e fora da esfera digital - por isso não poderiam faltar novos emojis sobre o assunto, para itens como paellas, brócolis, pretzels ou cachorro-quente (alguns dos quais já estavam disponíveis).

A seção de animais também foi atualizada, com polvo, borboletas, girafas, ouriços e até mesmo um tiranossauro.

Além disso, haverá novos emojis relacionados com esportes, como boxe, escalada, artes marciais e ioga.

20 de junho de 2017

TVs 4K ficam mais populares com opções acessíveis e high-tech

Dados de mercado mostram que os televisores com resolução 4K tiveram grande aumento de procura em 2017

 Antes com preços equivalentes aos de carros 0km, agora as TVs com telas 4K estão cada vez mais populares. Produtos como a Smart TV Samsung Série 6 UN40KU6000G, de tela LED plana de 40 polegadas, podem ser encontrados por 2.199 reais.

Segundo dados, o mercado de TVs, em geral, cresceu 12% entre janeiro e abril deste ano. Em parte, o segmento cresceu por conta do fim do sinal analógico em grandes cidades, como São Paulo, o que levou à troca do televisor por modelos mais recentes e com suporte para o sinal digital de TV aberta.

Falando apenas de 4K, os aparelhos com essa resolução cresceram acima da média do mercado, atingindo 50% de aumento em 2017.

Os dados indicam ainda que o consumidor está mais exigente e disposto a pagar mais por um novo televisor. Na faixa de preço acima de 8 mil reais, as vendas aumentaram 14% em 2017.

A Samsung viu seus números de vendas aumentarem acima da média de mercado neste ano. A empresa teve crescimento de 15% nas vendas do seu segmento de TVs e de 69% falando especificamente de modelos com telas 4K, ganhando mais cinco pontos percentuais no setor.

Na faixa de preço acima de 8 mil reais, a Samsung também teve aumento expressivo de vendas neste ano: 26%. Os modelos mais populares para o público mais exigente são os de 65 polegadas com tecnologia de pontos quânticos, que realçam as imagens e oferecem qualidade visual melhor do que a dos painéis LED normais do mercado.

“Os consumidores buscam TVs com tecnologia de ponta para durarem por muitos anos. Há uma migração para telas maiores e aparelhos com boas especificações técnicas”, declara Erico Traldi, diretor associado das áreas de áudio e vídeo da Samsung Brasil.

Guerra do pixel branco

A Samsung promove campanhas de marketing em lojas físicas para conscientizar o público sobre a qualidade superior das TVs 4K e, ao mesmo tempo, alfineta a concorrência, dizendo que painéis que usam telas com subpixels (que formam as cores que vemos na tela) brancos (padrão RGBW) são piores do que os que usam o RGB tradicional.

Em sua defesa, a LG promove suas TVs telas RGBW como produtos que oferecem boa taxa de brilho e contraste, além de não estarem sujeitos à distorções de cores.

Em testes feitos, ambas TVs se mostraram boas para assistir à maioria dos conteúdos televisivos, sendo a da LG melhor de brilho e a da Samsung, de fidelidade e vivacidade de cores.

18 de junho de 2017

Como é trabalhar no lugar mais silencioso do mundo

Se LeSalle Munroe ficar parado por alguns momentos em seu "escritório", algo estranho acontece: ele consegue escutar o sangue fluindo dentro do seu corpo e seus olhos se movendo no globo ocular.

Enquanto muita gente trabalha em meio a sons de computadores, ar-condicionado, conversas de colegas e telefones tocando, Munroe não ouve qualquer ruído. Ele trabalha no lugar mais silencioso da Terra.

Trata-se de uma câmara especial escondida dentro do Edifício 87, na sede da Microsoft em Redmond, Washington, onde ficam os laboratórios da empresa americana. É lá que foram desenvolvidos produtos como os computadores Surface e o videogame Xbox.

Conhecida como câmara anecoica, a sala foi construída por engenheiros para ajudar no teste de novos produtos e, em 2015, bateu o recorde mundial do silêncio, quando os ruídos de fundo do local registraram impressionantes -20.6 decibéis.

Para efeito de comparação, um sussurro humano tem cerca de 30 decibéis; uma respiração mede em geral 10 decibéis. A medição na câmara se aproxima do limite do possível sem criar-se um vácuo - o barulho produzido por moléculas do ar colidindo entre si em temperatura ambiente é estimado em cerca de -24 decibéis.

O limite da audição humana é em média de zero decibéis, mas o fato de nossos ouvidos não captarem não significa que o som não exista - o que explica, então, o fato de a medição chegar a níveis negativos.


Câmara anecoica da Microsoft bateu o recorde de local mais silencioso do mundo (Foto: Microsoft)

'Experiência única'

Para Munroe, a experiência na câmara, de portas fechadas, é algo "único".

"Quando você para de respirar, ouve seu coração bater e o sangue fluir nas veias. Você não consegue ficar com a porta fechada com frequência."

Foram necessários quase dois anos para projetar e construir a câmara, onde hoje Munroe e sua equipe passam os dias testando produtos da Microsoft.

O espaço está no centro de seis camadas de concreto, que ajudam a bloquear o som externo. É como uma sala dentro de outras salas, cada qual com 30 centímetros de espessura. Além disso, a câmara está sobre um sistema específico de fundação, sem qualquer contato direto com o prédio ao redor.

Assim, se um avião decolasse do lado de fora, quem estivesse dentro da câmara escutaria pouco mais de um sussurro.

O espaço é um cubo de 6,36 m em cada direção. Cada uma de suas seis superfícies contém espuma isolante, para ajudar a prevenir ecos. E o chão é feito de cabos de aço - os mesmos usados para segurar jatos de caça quando pousam em porta-aviões - trançados, por cima da espuma isolante.

"A câmara (anecoica) em si está disponível comercialmente, então qualquer um pode comprá-la", explica Hundraj Gopal, engenheiro cuja equipe construiu o local. A da Microsoft, diz ele, se diferencia por ter cuidado de detalhes que pudessem inadvertidamente causar ruídos: "O segredo é o esforço que fizemos para isolar o sistema de sprinkler (contra incêndios), o suprimento especial de ar. Isso torna essa câmara única."

Antes de a câmara de Gopal ser reconhecida pelo Livro Guinness dos Recordes, o título de lugar mais silencioso na Terra pertencia aos Laboratórios Orfield, em Minneapolis, também nos EUA. O local tinha uma câmara anecoica com níveis de ruído de -9,4 decibéis.

Gopal diz que seu projeto não foi intencionalmente o mais silencioso do mundo. "Meu objetivo era ter um local com ao menos zero decibéis, que é o menor (nível) que a média dos humanos consegue escutar."


A câmara serve para testes de materiais e vibrações dos produtos da Microsoft (Foto: Microsoft)

'Não aguentam ficar lá dentro'

Você talvez ache que um lugar tão quieto proporcione calma e paz. Mas, para a maioria dos visitantes, não é nada disso. Em geral, pessoas que entram na câmara da Microsoft costumam achar a experiência muito desconfortável.

"Algumas pessoas querem sair depois de apenas alguns segundos (dentro do local)", diz Gopal. "Elas não aguentam. Incomoda quase todo o mundo. Dá para ouvir a pessoa respirando do outro lado da sala, os estômagos se movendo. Uma pequena parcela das pessoas sente tontura."

Parece uma reação estranha, considerando que a maioria de nós está sempre em busca de um respiro dos ruídos aos quais somos expostos diariamente. Mas o psicólogo Peter Suedfeld, que estuda privação sensorial na Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá), compara a experiência na câmara anecoica a uma em um quarto escuro.

"Estamos acostumados a todos os sons produzirem um pequeno eco ao nosso redor", ele explica. "Nessas câmaras, só há sons mortos."

Ausentes os sons externos, torna-se possível escutar até as juntas dos ossos se moverem.

Apesar da estranheza, Gopal diz que há quem goste: "Algumas pessoas de fato acham (a experiência) meditativa, relaxante. Mas o máximo que eu vi alguém ficar lá dentro é uma hora, e isso foi para arrecadar dinheiro para caridade. Acho que passar muito tempo lá dentro é de enlouquecer. Cada vez que você engole, faz um barulho muito alto."

De olho nas vibrações

Para Munroe, esse silêncio tem muita utilidade: seu trabalho na Microsoft é buscar minúsculas vibrações produzidas em placas de circuito eletrônico durante a passagem de correntes. Essas vibrações podem tornar os computadores barulhentos.

"Tentamos descobrir onde, na placa, está o barulho e que estratégias podemos usar para mitigá-lo", explica o engenheiro.

Munroe faz também uma varredura em outras partes do computador que possam produzir ruídos, como o ventilador ou a fonte de energia. E o trabalho vai além: harmonizar os sons dos diferentes componentes do computador.

"Observamos o barulho dos teclados", diz Munroe. "Conseguir que eles soem de uma determinada forma é algo crítico. Fazemos experimentos com diferentes tipos de materiais para as teclas, tudo para obter a sensação e o som correto do teclado."

Alto-falantes e microfones também são colocados à prova ali, em busca de eventuais distorções ou erros nas frequências que produzem ou captam.

Recentemente, a câmara passou a ser usada ainda no teste de novidades, como o assistente de Inteligência Artificial da Microsoft, Cortana, e as tecnologias que tentam replicar sons tridimensionais para o aparelho de realidade virtual HoloLens.

A equipe de Munroe recebe diversos pedidos de estudiosos que querem usar a câmara para pesquisas biomédicas - uma delas, que envolve o estudo da esquizofrenia, quer verificar se privação sensorial de curto prazo pode resultar em episódios psicóticos temporários ou alucinações.

Gopal reluta em permitir. Ele acha que submeter pacientes a ambientes tão incomuns talvez requeira algum tipo de autorização judicial. E diz que a alta demanda da Microsoft para testar seus equipamentos deixa pouco tempo livre na câmara.

Sob uma perspectiva mais pessoal, porém, Gopal e Munroe acham que o poder da câmara pode ser percebido ao sair dela, depois de um tempo lá dentro.

"Quando você abre a porta (e sai), é quase como se uma cachoeira de sons batesse nos ouvidos", diz Munroe. "É como pisar em um mundo diferente. Você ouve coisas que normalmente não perceberia. Te dá uma nova perspectiva."