• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Garrincha

A volta de Jesus

Confira o texto publicado na coluna Prego na Chuteira no Jornal O Dia.

23/10/2019 12:07h

A volta de Jesus

Meus caros leitores deste Dia a Dia, não se trata de um aviso para a volta de Jesus Nazareno. Nem do Elias Tajra ao comando do  Flamengo daqui. É o Jesus lá “detrás os montes”, o Jesus português que foi contratado pelo Flamengo carioca e ainda tem meio ano de emprego mas o homem cismou e quer voltar lá pra “detrás dos montes” e não ficar mais no Flamengo, mesmo com o time brasileiro sendo semifinalista da Taça Libertadores da América, líder isolado do campeonato brasileiro, portanto numa boa. Ele se queixa de saudades de sua terra natal, saudades da terrinha e quer voltar. Está muito bem no Flamengo, tem moral mas quer voltar, ô gajo! Já disse que até perdendo dinheiro mas quer voltar. E não adianta ficar fazendo proposta, adulando-o. O homem quer voltar e pronto. Rio de Janeiro é muito bom, tem de tudo, inclusive, mulheres mas ele não se impressiona com isto e quer voltar. Desde os tempos de Dom Pedro que os portugueses fazem isto. O caminho de volta. E assim a vida continua e o Flamengo vai perder um grande técnico que o levou a grandes conquistas, como liderança na Libertadores, no Brasileirão e pau em todos os  adversários. A razão dada por ela para deixar o time rubronegro é a saudade. E dizia o poeta que a “saudade mata a gente”. E o Jesus português não quer morrer de saudades assim sendo deseja voltar à Lisboa, “velha cidade/cheia de encanto e beleza/sempre formosa ao sorri/sempre airosa...” e como a saudade a gente não pega, não segura, não amarrra, ela vai direta para o coração, com ligeira passagem pela cabeça. E aí é só pedir as contas quem tem contas a receber ou quem as tem a pagar, é hora de capar o gato porque o “que é bom dura pouco. E assim sendo, João Rozendo, Jesus volta a Portugal como Dom Pedro Segundo que deixou aqui mesmo no Piauí muitas terras como esta praça principal de Teresina, a Praça Pedro II, onde construíram o teatro “4 de Setembro” que é hoje acampamento de ripis e ripongas. Antigamente, esta praça era ponto de desfile das bonitas e feias mocinhas e coroas e os marmanjos, ficavam só de olho feito jacaré olhando as meninas da cabeça até ao pé. E quando davam as noves horas, a sirene da PM troava e era aquela correria  no rumo de suas casas porque depois de nove horas era um perigo danado para perda da cabeça. Mas Jesus vai voltar. Ao Flamengo daqui? Não, a Portugal.

Joaquim cartuns 

Vejam esta obra de arte e humor nordestino que é “paidégua”. ---Tu entra mas tu se arrebenta!

Meninos bons 

Sem muita propaganda, no silêncio da mídia, o River categoria sub 20, antigamente juvenil, empatou com o Fortaleza, lá dentro e ainda perdeu um  pênalti. O tal de Sukita perdeu um penal que fizeram nele mesmo. Porque foi nele, ele achou que devia bater. E deu zebra. Chutou fraco e no meio do gol. Quis inventar que isto é próprio da idade mas não tem nada não e empate no campo alheio é como se fosse vitória. Bola pra frente que atrás vem gente! No Flamengo, Pato Preto, Sinhozinho e seu Raimundo estão fazendo falta.

Cadê o Flamengo do Piauí? 

Alguém poderá me dizer alguma coisa sobre a vida esportiva do Esporte Clube Flamengo, agremiação futebolística desta capital que era considerada como clube grande ao lado do River, Piaui e Tiradentes? Teve um período áureo no tempo em que foi dirigido por políticos e comerciantes chamados de “carcamanos” e brigava com o River e depois com o Tiradentes, time oficial da Policia Militar desta praça. A última notícia que se teve deste clube é que foi visto nas mãos de um senhor baixinho que tinha sido até jogador  aspirante do River.


Deixe seu comentário