• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Garrincha

Amanhã, 09, tem clássico no Lindolfinho

Um sábado com cara de domingo porque é um clássico deste futebol, e antigamente os jogos deste naipe eram reservados para os domingos, dias santos e feriados.

09/03/2019 06:18h

 Agora não, o domingo é pra missa e festa na periferia, procurando alguma coisa de sal. Tudo está mudando, Juvenal. Mas tem jogo no campo do Firmino, que é o LM, ali na Matinha, bem no rumo de Timon, onde o bar é do Popó Cabeça de Pato, que fica putinho quando a gente o chama desse apelido e diz logo que é a mãe, e a gente explica que está falando é com o filho. O Cabeça de Pato. Sim, mas vamos ao jogo que entre a “seleção” de Altos e o time do Flamengo, de Teresina. A partida começa às seis horas, que é a hora da Ave Maria para quem é católico como eu, apostólico e romano. Uma partida tão importante como esta será dirigida pelo senhor árbitro cujo nome não digo, questão de segurança dele mesmo. Pra Flamengo, é jogo de vida ou de morte, porque a maré não está para peixe lá para o seu lado. Para clube da prefeita é um jogo sem dó nem piedade do Flamengo, e pode ser que pinte até uma goleada, porque as cifras financeiras são das mais diferentes entre as duas tesourarias, mas onde foi casa sempre será toupeiras, como diz o Bill lá de Oeiras. E assim, bola rola, e este escriba não enrola, e se você quiser arrotar, beba uma coca-cola. Ks. A de lata... esquece. Mas o Flamengo tem técnico, o Paulo Júnior, que segundo a Pâmella, vem trabalhando bastante o sistema defensivo. É portanto, um defensor, isto é muito mais importante do que ser um ofensor. E a prova é que você não vê concurso para “ofensor público”, mas defensor tem e ganha bem. Mas vamos ao jogo que será amanhã, nove, no campo do Firmino Filho do “Major”. O Lindolfo Monteiro, ao lado do Verdão, lá onde o Assis tem um bar e merendeira, onde a turma da Semel compra fiado. Mas o Renato BG já disse que não garante nada, e deu a dica para o colega de time e agora vizinho de administração, o Júlio Arcoverde, que também é riverino doente. E bola rola e este escriba não enrola e acabou o campeonato de samba de  escola e vamos  neste sábado ao futebol. Temos Altos e Flamengo, dois times cujos presidentes, e Everaldo moram lá.

Pedro II

A cidade do Imperador, Pedro II, já foi brilhante no futebol amador do Piauí. Em 1978, disputou o Intermunicipal da APCDEP com este timaço e ficou em terceiro lugar. Você sabe os nomes deles? Mande para o meu email: [email protected]

Depois do carnaval

Agora que passou o carnaval, vamos ao futebol. O brasileiro é um elemento que tem samba no pé e tem o rei Pelé. O brasileiro é um sambista nato e tem ginga nos quadris. Mesmo com o carnaval passando pela linha de fundo, a gente também vai passando neste mundo vasto mundo e seu me chamasse Raimundo e tivesse o apelido do Pão morava em Piripiri, perto do açude Caldeirão. Agora vem a outra diversão popular que é o jogo de bola onde o Brasil é campeão muitas vezes e tem o título de “pais do futebol”. Muito embora, atualmente esteja “nei mar” nem terra, numa situação meia “lheguelhé”, sem a bola no pé. E nem temos mais Pelé...

Amadorismo

Está na hora  da juventude praticar os esportes de quadras. O futsal, o vôlei, o basquete, o handebol e outras atividades bolísticas suadoras. O francês recomenda:”É bom suar!” Todo mundo deve bater sua bolinha. Favor não confundir com bater no Bolinha, aquele cearense, locutor esportivo da Clube que chegou aqui e nunca mais quis voltar. E por falar nisso, aproveito para pedir por aqui os dados biográficos do João Eudes para o meu “Livro dos Cearenses”, que estou escrevendo mas estou encontrando muita dificuldade. Cearense não quer contar a sua vida pregressa, como diz o Odílio Teixeira, outro de lá.

Passou o Carnaval

Pois é. Uma “alegria do povo” já se foi. O Carnaval. Agora resta o futebol que vem disputando com o reinado de Momo as simpatias deste povo brasileiro tão festeiro. Trabalhar não, mas para  vadiar, rebolar, sambar e se “irresponsabilizar”, não existe mais apto e ágil do que nosso povo, Fábio. Seja velho ou seja novo. E por incrível coincidência, é coisa que se faz com os pés. Longe da cabeça. Jogar futebol e dançar. As mais queridas atividades do povo brasileiro. Sapateando, chutando e a cabeça para usar chapéu. Em uns. Porque tem outros que usam “gaias”, mas aí já é outro departamento. É o jurídico.


Deixe seu comentário