• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Logosofia

Um nobre ideal: “A transformação do mundo a partir de si mesmo”

Confira o texto publicado na coluna Logosofia no Jornal O Dia.

22/09/2019 08:44h

“A transformação do mundo a partir de si mesmo” (ISBN: 978-85-60232-02-4) foi o tema que os jovens pesquisadores de Logosofia se propuseram investigar à luz desta nova concepção humanística. Esse estudo os fez voltar sobre a realidade do mundo mental, cuja influência mais evidente se expressa na cultura e costumes de um povo. Também os fez refletir sobre seu mundo interno, que se manifesta em seu temperamento, caráter, tendências e predileções. A investigação os levou a revisar os conceitos e valores que devem ser incorporados à vida, para que cada um seja ator consciente dessa transformação.

Se o estudo levou os jovens a perceberem o quanto podiam realizar em si mesmos, despertou também o sentimento altruísta de querer fazer com que outros pudessem viver e experimentar a mesma felicidade. Perceberam, ao final, que a transformação do mundo está vinculada à própria superação da espécie humana no que diz respeito às suas possibilidades intelectuais, morais e espirituais.

Os ensaios publicados nas páginas deste livro apresentam reflexões e experiências dos jovens em torno deste tema. Os resultados alcançados até o momento indicam que ainda há muito por fazer. Que isso se constitua num grande estímulo para que todos se unam em um grande ideal: a superação.

--

Um nobre ideal

Eu era uma criança de poucos centímetros de estatura quando me maravilhei com a natureza pela primeira vez. Era uma linda tarde de primavera e, ao observar o firmamento, que havia estado sempre ali, tive a sensação de nunca tê-lo visto. Aquela cena me provocou um impacto tão forte, que foi difícil entender o que se passava dentro de mim. Após essa primeira impressão, para a surpresa dos que estavam à minha volta, interrompi aquele espetáculo da natureza exclamando: "Que lindo é tudo isto!", "Como é bom viver!". Surgia ali o sentimento de gratidão pela Criação. Durante minha infância, experiências como essa, de encantamento pelo universo, pelas descobertas, se repetiam com frequência. Eu era uma criança inquieta, feliz e que gostava de aprender.

Chegada a adolescência, essas manifestações sensíveis se misturaram a pensamentos de desassossego, indignação e até de dor pelas injustiças que eu observava. Não conseguia entender por que aconteciam tantas coisas ruins no mundo. Não demorei a gritar aos quatro ventos que era preciso fazer algo para transformar aquela dura realidade, tão diferente da que eu gostaria que fosse. Mudar o mundo seria meu norte, minha meta de vida!

Associei-me a todo tipo de organização que compartilhasse meus ideais de mudança: grupo de estudantes, sociedade protetora dos animais, associação do bairro e até partido político fizeram parte da longa lista dos grupos aos quais fui me integrando. Uns com mais, outros com menos acertos, via que pouco era o que conseguíamos fazer para efetivamente transformar a realidade. Não passou muito tempo até que me decepcionei totalmente, pois, em muitos casos, descobri pensamentos mesquinhos e interesses pessoais por detrás de algumas dessas associações ou pessoas que diziam lutar pela mudança.

Assim, pouco a pouco, fui deixando de lado meus ideais. Entrando na fase adulta, pensava com tristeza que teria que me conformar em conviver com a realidade que me rodeava. Entretanto, algumas perguntas volta e meia me incitavam e, por sua causa, meus ideais nunca foram totalmente esquecidos: "Não sou parte dessa realidade a ser mudada?", "Não é egoísmo pretender que os demais mudem para que eu fique satisfeito?"

A resposta veio com o estudo logosófico. Ao aprender que não posso dar o que não tenho, assim como não posso ensinar aquilo que não sei, finalmente entendi por que falhavam os esforços humanos para mudar o mundo: queremos mudá-lo sem começar por nós mesmos. Com este novo enfoque, compreendi que querer mudar o mundo era ambicioso, mas melhorar a mim mesmo não seria menos difícil. Implicava ser melhor filho, melhor amigo, melhor cidadão, melhor profissional; enfim, ser melhor que eu mesmo, a cada dia, em todas as minhas áreas de atuação. Nesse caminho de superação, sigo me esforçando para, ao transformar minha própria realidade, contribuir para transformar a realidade do mundo.

--

Para saber mais...

Para saber mais sobre a ciência logosófica, visite e assine nossos principais canais: YouTube (www.youtube.com/logosofia), Facebook (www.facebook.com/logosofia) e Instagram (@logosofiabr), além do site oficial da Logosofia – www.logosofia.org.br.

Em Teresina (PI), a Fundação Logosófica – em prol da superação humana – está presente no seguinte endereço: Rua José Paulino, 845 - 1º andar / Sala 110 – Fátima. Mais informações pelo telefone: (86) 994529269.


Deixe seu comentário