• Canta
  • SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia
Roda Viva

Irresponsabilidade fatal

Leia a coluna Roda Viva desta terça-feira.

25/06/2019 08:39h - Atualizado em 24/06/2019 20:16h

Irresponsabilidade fatal

Dados do Ministério da Saúde divulgados nesta segunda-feira (24) revelaram que 19,3% das pessoas que conduzem veículos nas capitais brasileiras usam o celular enquanto dirigem. Isso significa que de cada cinco pessoas uma confessou praticar esse ato, que é tipificado como uma infração gravíssima pelo Código de Trânsito Brasileiro. A informação alarmante consta no Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), pesquisa que é realizada pelo Ministério da Saúde desde 2006. O levantamento também mostrou que as pessoas que têm entre 25 e 34 anos (25%) e com maior escolaridade (26,1%), com 12 anos de estudo ou mais, são as que mais assumem esse comportamento de risco. E os motoristas com nível superior também são os que mais recebem multas por excesso de velocidade e que mais associam o consumo de bebida alcoólica à direção, o que demonstra que nem mesmo o maior acesso à educação é capaz de garantir que as pessoas sejam mais "educadas" no trânsito. A pesquisa mostra que as capitais que apresentaram maior percentual de uso de celular por condutores foram Belém (24%), Rio Branco (23,8%), Cuiabá (23,7%), Vitória (23,3%), Fortaleza (23,2%), Palmas (22,4%), Macapá e São Luís (22,3%). Por outro lado, as capitais com menor uso de celular durante a condução de veículo foram: Salvador (14,1%), Rio de Janeiro (17,1%), São Paulo (17,2%) e Manaus (17,7%). Embora Teresina não figure entre as cidades onde essa infração é mais comum, o estudo mostrou que a capital do Piauí possui o segundo maior percentual de condutores que admitiram dirigir após ingerir bebida alcoólica. Aqui, 12,4% dos entrevistados reconheceram que cometem essa infração gravíssima. Apenas Palmas apresentou um índice maior: 14,2%. E logo após Teresina aparecem: Florianópolis (12,1%); Cuiabá (9,9%) e Boa Vista (9,3%). De acordo com o Ministério da Saúde, os acidentes de trânsito são a segunda maior causa de mortes externas no país. Em 2017, 35,3 mil pessoas morreram em acidentes de trânsito, e 166.277 foram hospitalizadas. Naquele ano, os gastos com as internações atingiram a impressionante marca de R$ 229,2 milhões. O ministério destaca que, além das sequelas emocionais, muitos pacientes ficam com lesões físicas, sendo comuns as amputações de membros e os traumatismos cranioencefálicos, que frequentemente deixam os sobreviventes incapacitados. Este cenário tenebroso só comprova que as fiscalizações precisam ser intensificadas ainda mais, para que os infratores sejam punidos antes de provocarem novas mortes. Ademais, o levantamento confirma que a aprovação de uma legislação mais branda com os que praticam crimes de trânsito representaria um retrocesso sem precedentes, com potencial para fazer crescer ainda mais o número de mortos no trânsito.

A ex-candidata a deputada federal major Elizete Lima deve assinar em breve a ficha de filiação ao Progressistas. O convite partiu do presidente nacional da sigla, o senador Ciro Nogueira. A militar obteve mais de 25 mil votos no pleito de 2018, quando foi candidata pelo Solidariedade, e fez campanha ao lado do então candidato ao Governo do Estado Dr Pessoa. Com mais de 20 anos de Polícia Militar, a major Elizete se destacou pelo trabalho à frente do Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência).

Imigrantes

A Câmara Municipal de Teresina vai realizar nessa quarta-feira uma audiência pública para tratar sobre a situação dos refugiados venezuelanos que passaram a ocupar abrigos na capital, nas últimas semanas. Resta saber se o cerimonial da Casa legislativa enviou convites para os próprios imigrantes, que são os maiores interessados em tratar da questão.

Energia limpa

Nesta quarta-feira, dia 26, acontecerá o seminário “Energia fotovoltaica, oportunidades de investimentos: condomínios, consórcios e fazendas”, realizado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil de Teresina (Sinduscon). Gestão compartilhada e formas de negócios ligados à energia solar estão entre as temáticas que serão abordadas durante o evento. O seminário é gratuito e sua programação se estenderá durante toda a tarde de quarta-feira, no 8º andar do edifício da Federação das Indústrias do Estado do Piauí (Fiepi).

Lucro bilionário 

A Caixa Econômica anunciou ter registrado lucro líquido contábil de R$ 3,9 bilhões no primeiro trimestre de 2019, um crescimento de 22,9% em 12 meses. De acordo com o banco, esse bom resultado foi possível graças à estabilidade da margem financeira, ao aumento de 2,3% nas receitas de prestação de serviços e à redução de 24,4% nas despesas de PDD (Provisão para Devedores Duvidosos), valor utilizado para garantir o equilíbrio da receita em casos de prejuízo com clientes inadimplentes. "Com o começo da nova gestão, a Caixa iniciou o processo de redirecionamento de sua estratégia, baseada nas premissas de ser um banco rentável e com foco na valorização da sociedade brasileira. Para tanto, foram definidos 7 eixos para os próximos anos, englobando: Meritocracia, Controle de custo, Crédito, Governança, Monetização de ativos, Mais Brasil e Legado", informou o banco, por meio de nota divulgada nesta segunda-feira. 

Crédito menos concentrado

A Caixa destaca que tem seu maior foco negocial na habitação e diz estar reforçando a atuação no setor de crédito imobiliário, a partir dos recursos da poupança, com o SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo), fomentando a habitação popular. O banco diz estar executando um realinhamento estratégico na carteira de crédito para grandes empresas, cujo tamanho foi reduzido em 40%, em relação ao primeiro trimestre de 2018. "A Caixa está diminuindo a concentração dessas operações, garantindo uma carteira mais pulverizada e capaz de apoiar o crescimento de um maior número de empresas", informou o banco, na nota em que divulgou seus lucros.


Deixe seu comentário