• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Notícias Sabor do Dia

09 de dezembro de 2019

Sabor de bauru brasileiro

Confiram um delicioso bauru na versão super especial da chef Ana Zambelli


Sabor de bauru brasileiro

Confiram um delicioso bauru na versão super especial da chef Ana Zambelli que atua em restaurantes de destacada rede de hotel, na capital paulista. 

A chef acaba de ser escolhida para representar São Paulo no Prêmio Nacional Dólmã, como vencedora do Enchefs  daquele estado. A premiação nacional terá sede aqui no Piauí, em março de 2020, tendo em vista que o nosso Estado será o anfitrião do evento Enchefs Brasil e da Cerimônia de Premiação Dólmã. 



Chef Larissa Batista



Ana Zambelli, reconhecida como a primeira brasileira a trabalhar no restaurante espanhol El Bulli, com o premiado chef Ferran Adriá, representará o Estado de São Paulo no Prêmio Nacional Dólmã.


Bauru Brasileiro

Pão baguette médio bem crocante 1 unidade

Maionese picante 30g

Pesto brasileiro 30ml

Foundue de queijos brasileiros 100g

Tomate defumado no melaço 3 fatias

Picles de pepino na cajuína 3 fatias finas

Rosbife de filet as ervas 70g

Rosbife as ervas

Filet mignon 1kg

Alho 50g

Tomilho 50g

Erva primavera 3 folhas

Sal rosa 15gr

Mix de temperos (9 especiarias)

Manteiga 100g

Oleo de coco de babaçu 200g

Pimenta do reino em grão 10g

Grelhar em frigideira até caramelizar bem e levar o forno por 30 minutos a 180 graus 

Esfriar e enrolar no papel filme para poder fatiar bem fino

Maionese picante:

2 gemas

1 ovo 

1 colher de mostarda amarela

2 colheres de sopa de vinagre japonês

1 colher de sopa de óleo de gergelim torrado

100g de pimenta srirasha

Sal rosa

500ml óleo de girassol gelado 

Bater tudo no liquidificador até ficar em textura de maionese e manter refrigerado

Pesto brasileiro

500 ml de azeite

½ maço de salsa

½ maço de cebolinha 

3 folhas de erva primavera (opcional)

1 kiwi

1 dente de alho

5 castanhas de caju

30g de queijo alagoa (MG)

Tirar a casca e a parte branca do kiwi e bater todos os ingredientes no liquidificador 

Picles de pepino na cajuína

Pepino fatiado bem fino 1 unidade 

Cajuína 300ml

Vinagre japonês  50ml

Foundue de queijos brasileiros

Queijo Senzala com mofo 50g

Queijo alagoa 100g

Queijo prato 100

Queijo do reino da canastra 150g

Manteiga 50g

Agua quente 50ml

Misturar tudo e mexer bem em banho maria até formar uma massa única

Montagem:

Abrir o pão e retirar o miolo

Passar uma colher de maionese picante

Colocar o rosbife fatiado por cima

Por cima do rosbife colocar três fatias de tomate defumado

Por cima do tomate três fatias de pepino na cajuína

E por cima de tudo o foundue de queijos brasileiros

05 de dezembro de 2019

Murilo Nogueira apresenta os sabores da pâtisserie

"Teresina é carente de doces que fujam do leite condensado eu acredito que a confeitaria francesa vai dar certo aqui"

Temperos com Lara  

Murilo Henrique Nogueira é formado em Gastronomia, com especialização pelo Le Cordon Bleu que se trata de uma rede internacional de ensino de gestão de hospitalidade e de escolas de culinária que ensinam cozinha francesa.

“Desde criança, vendo meus pais trabalharem fazendo bolos e também os ajudando a preparar diversas iguarias, terminei por me interessar imensamente pelo segmento da culinária”, relata Murilo.  “A paixão começou naquele momento”, acrescenta o empresário de 27 anos que nasceu e cresceu vendo os pais atuarem nesta atividade de produção de bolos, atualmente contando com cinco lojas, tanto em Piauí quanto no Maranhão.

O jovem empresário agora vai se dedicar a um passo bem maior, com a abertura de uma pâtisserie de modo a aplicar todo o conhecimento que assimilou por meio dos estudos realizados.

“Teresina é carente de doces que fujam do leite condensado eu acredito que a confeitaria francesa vai dar certo aqui. O nosso cardápio vai ser bem fiel ao nome pâtisserie. Quero realmente que tenham doces franceses. Na confeitaria não vai entrar leite condensado para que sejam o mais fiel possível à sua essência”, destaca Murilo Nogueira.

“Além da confeitaria clássica, o novo espaço do empresário contará com uma parte de salgados que também seguirá a inspiração francesa com um toque de contemporaneidade. Certamente todos vão apreciar”, finaliza.



Larissa Batista


Macaron fácil  

Ingredientes para os Macarons: 100 gramas de açúcar de confeiteiro (também conhecido como açúcar em pó),  100 gramas de amêndoas moídas, 2 claras de ovo em temperatura ambiente, uma pitada de sal, 55 gramas de açúcar refinado.

Para o recheio: 150 gramas de manteiga sem sal (amolecida), 75 gramas de açúcar de confeiteiro (também conhecido como açúcar em pó).

Modo de preparo: Embora existam várias etapas para esta receita, este prato de macaron é dividido em categorias viáveis para ajudá-lo a planejar melhor a preparação e o cozimento.

27 de novembro de 2019

Marmitas personalizadas ganham o gosto dos teresinenses

Um novo serviço já começa a conquistar o gosto de teresinense


Sabor de marmitas personalizadas

Um novo serviço já começa a conquistar o gosto de teresinense.Trata-se de marmitas personalizadas.Quem apostou na ideia já observa resultados positivos no empreendimento.



Chef Larissa Batista



Temperos com Lara

A empreendedora Viviane Luiza diz que ao iniciar o serviço de cozinha personalizada em domicilio, oferecendo planos mensal e quinzenal, mirou em ofertar receitas que sejam de acordo com as preferências dos clientes.

“Tanto atendo aquele que tem restrições alimentares como quem apenas deseja uma comida de verdade, com sabor diferenciado, com tempero bom, fugindo do lance de marmita convencional de já existe em todo lugar, declara Viviane.

“Procuro usar a criatividade para variar porque sei o quanto é difícil a pessoa conseguir se alimentar bem”, acrescenta.

O leque de opções que Viviane oferece vai desde estrogonofe de frango com molho de tomate caseiro e purê de batata a hambúrguer de picanha recheado com provolone e legumes assados. Também existe opção de lasanha de berinjela à bolonhesa ou um frango oriental com legumes, purê de couve flor e carne de panela.



Viviane Luiza


Strogonoff de frango

Ingredientes: 2 colheres de sopa de óleo de canola, 900g de peito de frango desossado e sem pele (ou coxa) 450g de cogumelos cortados em fatias finas, 1 cebola cortada em fatias finas, 1 1/2 xícaras de creme de leite integral, 1/2 xícara de caldo de galinha, 1 colher de sopa de molho inglês, 1 colher de chá de alho em pó, 1 colher de sopa de salsa fresca picada, pimenta preta moída na hora, sal a gosto.

Modo de preparo: Pré-aqueça uma panela grande em fogo médio-alto e adicione óleo. Tempere o frango com sal, pimenta e alho em pó. Refogue o frango na panela e deixe até dourar. (Escorra o caldo do frango produzido durante o cozimento, mas não descarte.) Retire o frango da panela e reserve. Adicione a cebola e o cogumelo à mesma panela. (Pode ser necessário adicionar um pouco mais de óleo.) Refogue cogumelos e cebolas em fogo médio-alto até dourar. Reduza o fogo e adicione o frango novamente na panela. Misture o creme de leite e o restante do caldo de galinha; acrescente o sal e a pimenta preta moída. Mexa até o molho ficar completamente liso. Deixe cozinhar tudo por alguns minutos e misture a salsa. Sirva o estrogonofe de frango com macarrão de ovo, ou outra massa de sua preferência, arroz, purê de batatas ou legumes.


Lasanha à bolonhesa

Ingredientes: 3 colheres de margarina, 4 colheres de farinha de trigo,2 xícaras de leite, 2 xícaras de creme de leite, sal e noz-moscada a gosto, 1 colher de óleo, 2 dentes de alho amassados, 1 cebola picada, 300 g de carne moída, 3 xícaras de polpa de tomate batida no liquidificador, 3/4 xícara de água quente, sal a gosto, 200 g de presunto fatiada, 200 g de mussarela fatiada, 250 g de massa para lasanha.

Modo de Preparo:

Molho branco: derreta a margarina e doure a farinha em fogo baixo mexendo sempre, acrescentando o leite aos poucos. Cozinhe até obter um molho encorpado, adicione o creme de leite e tempere com sal e noz-moscada. Reserve.

Molho à bolonhesa: aqueça o óleo junte o alho e a cebola até dourar. Acrescente a carne moída até fritar, quando a carne estiver frita acrescente a polpa de tomate e a água misture o sal e cozinhe até ferver.

Montagem: em um refratário grande, coloque uma camada de molho à bolonhesa, massa para lasanha, presunto, mussarela, molho branco. Adicione mais massa para lasanha presunto e mussarela e termine com molho à bolonhesa.

Para finalizar, polvilhe um pouco de queijo parmesão ralado e leve ao forno para gratinar por 20 minutos.




14 de novembro de 2019

Sabor de Barra Grande

Segunda edição do Festival Gastronômico Begê Sabor e Sol

A segunda edição do Festival Gastronômico Begê Sabor e Sol, marcada para acontecer de 05 a 07 de dezembro, já movimenta Barra Grande, povoado de Cajueiro da Praia, no litoral piauiense.

O elemento comum a todas as delícias que serão destaques no maior evento de gastronomia daquela região é a macaxeira, com presença em diferentes versões que vão desde chips ao purê.


Chef Larissa Batista


Um mar de sabores

Os pratos que irão abrilhantar o Begê já estão definidos pelos empresários participantes. Além de frutos do mar - como camarões, lagostas, arraias e polvos - a tradicional carne de sol bem como o saboroso capote também aparecem entre os destaques do festival.

Mais de trinta estabelecimentos, entre restaurantes e pousadas, aderiram ao evento que na sua primeira edição já foi pleno de sucesso.

“Espero mais sucesso e tenho plena convicção de que virá pois já temos a experiência da versão anterior”, diz entusiasmada a empresária Rosângela Castro. “O público pode esperar, não somente do nosso estabelecimento, mas de todos os participantes, um bom atendimento, além de pratos saborosos, elaborados a partir de produtos regionais”, completa Rosângela cujo restaurante vai apresentar como prato do festival um arroz caldoso, lagosta na chapa e macaxeira frita.

O empresário e chef Hervé Witmeur também demonstra plena confiança no sucesso do evento. “No ano passado o evento já foi exitoso e este ano com a vinda do chef Onildo Rocha, também se espera uma grande repercussão”, declara. O restaurante de Hervé vai apresentar para o festival um prato composto por arraia grelhada, ostra, chips e farofa de macaxeira.

Quem vai participar pela primeira vez representando o restaurante no qual passou a atuar a menos de um mês é o jovem chef Orlando que não economizou criatividade ao desenvolver uma entrada que inclui sagu e ceviche.

Já o empresário Decarts Veras, participante da primeira edição do Begê, confirmou presença na segunda versão e destacou que o evento é muito importante para mostrar aos turistas, além dos atrativos de Barra Grande mas também a beleza e culinária diferenciada da Barrinha.

A empresária Mariana Rebelo vai participar pela primeira vez do evento e diz que espera uma grande movimentação. “Certamente teremos muita repercussão”, declara. No restaurante, irão servir um “ninho de capote” que traduz com muito sabor o verdadeiro sentido da culinária regional.

Também será possível apreciar durante o festival diversas iguarias à base de peixe e camarão, polvo, entre outros frutos do mar, sendo que até mesmo a tradicional carne de sol, tão apreciada na culinária nordestina, já tem presença marcada no festival com acompanhamentos para lá de saborosos.


Chef Orlando


Empresário e chef Hervé Witmeur


Empresária Mariano Rebelo


Empresária Rosângela Castro

12 de maio de 2014

Mamãe, bote o meu!

Mamãe, bote o meu!

Comida de mãe tem o melhor sabor, o melhor cheiro e o maior amor

Quando o cheiro de cebola fritando tomava conta da casa, era a hora de colocar macarrão cru quebradinho na panela, para torrar e ficar moreninho. Feito isso, vinha o arroz, misturado ao macarrão e à cebola, para dar uma fritadinha também. E depois água fervente e sal. Uns quinze a vinte minutos depois estava pronto o âarroz de macarrãoâ da mamãe. Ia para a mesa fumegando, acompanhando um bife coberto com ovos batidos que tinha um molhinho de cebola, tomate e pimentão. Quando tinha esse arroz, eu sempre dispensava o feijão, só ele me bastava. Apesar de o feijão, com caldo grosso, abóbora e pimenta de cheiro, também ser muito bom.

Como esse arroz, várias outras comidas têm gosto de casa de mãe pra mim: torta de bacalhau, galinha ao molho pardo, fígado passado na manteiga...

Quase todo mundo tem essas lembranças, e elas têm um sentido todo especial hoje, no Dia das Mães.

O cartunista e publicitário Paulo Moura conta que a fava preparada por dona Maria da Paz, com pé de porco e rabo de porco, está entre suas melhores memórias afetivas, assim como o porco assado com molho especial que só ela faz. âNa verdade gosto de todas as comidas da minha mãe. Falei da fava e do porco, mas o peixe, feito só com água e os temperos básicos â tomate, pimentão, cebola e cheiro verde â também gosto. Quase toda semana eu compro peixe e peço pra ela fazer. Só minha mãe faz um peixe daqueles. E o peru também. O peru que minha faz é inesquecívelâ, diz.

Para o ator Francisco Pellé, a Malasada preparada por dona Socorro naqueles dias em que não tinha mais quase nada na despensa tem gosto de saudade. âA Malasada é uma frigideira de ovo, farinha de mandioca e temperos. Minha mãe fazia quando não tinha mais nada pra comer, imagine, ela tinha que alimentar oito filhos. Tem sabor de infância pra mimâ, revela.

Uma receita da avó, que foi passada para a mãe, é o que o músico e advogado Ostiga Jr. chama de iguaria divina. âUm picadinho de carne com abóbora, batata e quiabo, acompanhado de arroz branco feito no alho. Receita passada da vovó, dona Teresa, para minha mãe Lurimarâ, conta.

A jornalista e empresária Juliana Nogueira hoje mora longe da mãe e morre de saudades do tempo em que chegava em casa e já encontrava a comidinha pronta. O pão de queijo da dona Lia é um dos sabores que ela sente falta, apesar de ter aprendido a fazer. âO feijão carioca feito pela mamãe, e o bife temperado só com alho e sal estão entre as coisas que me fazem ter saudade delaâ, comenta.

O empresário Alex Ludwig lembra com saudade do vatapá que dona Maria, sua mãe, fazia. âMinha mãe hoje tem 93 anos, e esse vatapá ela fazia como ninguém, usando camarão de Tutóia, no Maranhão. Nas festas de família todo mundo já esperava esse pratoâ, recorda.

Dona Talicinha, mãe do diretor da Fazenda da Paz, Célio Barbosa, mora em Minas Gerais e faz o filho suspirar de saudade da comidinha mineira que comia na infância. âSempre lembro da vagem com carne moída, do angu de fubá e do feijão com caldo grosso da minha mãeâ, diz Célio.

Já a professora de dança e jornalista Izabell Lins não esquece o sabor da galinha ao molho pardo com macarrão e da salada de batata com beterraba da dona Eugênia Maria.

O creme de galinha que a mãe da fotógrafa Kátia Barbosa faz é apenas um dos muitos pratos que a família adora. âMamãe é uma cozinheira de mão cheia, tudo que ela faz é bom. Mas o creme de galinha é especial, todos os aniversários lá de casa tem que terâ, diz ela.

O empresário de moda Igor Leite conta que dona Maria José não tem muita intimidade com as panelas, mas faz um caldo de carne incrível. âNinguém faz um caldo de carne melhor que minha mãe. à um caldo que tem muita propriedade, e eu me lembro sempre quando estou longe delaâ, conta.

A comidinha servida no início da noite, depois da chuva, quando a fome âatacaâ com força, faz o músico Vagner Ribeiro sentir saudades de casa e da dona Francinete. âUm batidinho de carne (não carne moída, só batida com as costas da faca), com legumes, bastante abóbora. Minha mãe chama de âbatidinho da mamãeâ, e hoje minhas filhas também gostamâ, diz.

O decorador Zacarias Escórcio lembra de quando morava em Parnaíba e dona Antônia preparava baião de dois. âEla fazia com feijão verde, e a gente comia com patinha de caranguejoâ, conta.

A galinhada da dona Maria Ducarmo, feita com arroz novo, torradinho, é a comida que enche de amor a artista plástica Yolanda Carvalho. âMinha mãe fazia aos domingos, no fogão a carvão, com suco de umbu! Tem cheiro de infância, cheiro de família pra mimâ, emociona-se. 

Comida de mãe tem poderes mágicos. Mais que alimentar, a comida de mãe cura, conforta, anima e sempre deixa saudade. 

15 de abril de 2014

Chocolate com cerveja e com cachaça pode? Pode!

Chocolate com cerveja e com cachaça pode? Pode!

Falamos de harmonização de chocolate com rum e agora é a vez da cerveja e da cachaça

Chocolate e cerveja: um casamento entre doces e amargos

A palavra de ordem nesta Páscoa é âharmonizaçãoâ, e a cerveja e o chocolate formam uma dupla irresistível, até mesmo porque os dois têm muito em comum. Ambos são alimentos fermentados e também foram descobertos acidentalmente. Além de possuírem uma grande variedade de tipos, aplicações e derivados. Basta pensar em todas as coisas diferentes que vêm de chocolate, como coberturas, especiarias, doces bolos e etc. Da mesma forma, a cerveja que vai muito bem com quase todos os alimentos desde receitas com carne, saladas e até doces. Portanto já era de imaginar que eles iriam fazer uma grande parceria.

 âO chocolate e a cerveja apresentam um delicado equilíbrio de sabores doces e amargos. Nos dois casos, a perfeição reside no ponto de equilíbrio entre amargo e doce. Outro segredo para harmonizar a cerveja com o chocolate é considerar os aromas e sabores provenientes dos maltesâ, explica o beer sommelier e membro da Sociedade da Cerveja, Túlio Rodrigues. âOutra dica para harmonizar cerveja com chocolate: dê mordidas pequenas no chocolate, mastigue bem e tenha certeza que ele se dissolveu por completo, neste ponto o chocolate está pronto para receber a cervejaâ, explica Túlio.

Uma boa dica para quem quer começar é procurar uma boa cerveja Stout - Baden Baden, Bierland Imperial Stout, Guiness Draught são boas opções para acompanhar sobremesas de chocolate. Tem um bolo incrível, receita da Nigella Lawson, que casa perfeitamente com uma cerveja bem encorpada. Uma dica: bolos de chocolate com leite condensado e cobertura ou recheio de brigadeiro não são bons parceiros para a cerveja. Prefira usar chocolate meio amargo ou amargo de boa qualidade, para que o sabor não seja mascarado pelo excesso de açúcar. 

Experimente aí: 

Bolo de chocolate da Nigella

Ingredientes

Para o bolo
⢠400g de farinha
⢠250g de açúcar
⢠100g de açúcar mascavo
⢠50g de chocolate em pó
⢠2 colheres de sopa de fermento
⢠1 colher de sopa de bicarbonato de sódio
⢠½ colher de sopa de sal
⢠3 ovos
⢠142ml de creme de leite
⢠1 colher de sopa de extrato de baunilha
⢠175g de manteiga sem sal, derretida e fria
⢠125ml de óleo de milho
⢠300ml de água gelada


Para a cobertura

⢠175g de chocolate meio amargo
⢠250g de manteiga sem sal
⢠275g de açúcar para cobertura
⢠1 colher de sopa de extrato de baunilha


Modo de fazer


1. Pré-aqueça o forno a 180ºC.
2. Unte duas formas de 20 cm.
3. Em um recipiente grande, misture a farinha, os açúcares, o chocolate, o fermento, o bicarbonato e o sal. Em outro recipiente, misture os ovos, o creme de leite e a baunilha.
4. Com uma batedeira, misture a manteiga derretida e o óleo de milho até que se misturem, em seguida adicione a água e os ingredientes secos. Misture devagar.
5. Adicione a mistura com ovo, e misture novamente. Coloque nas formas untadas previamente. Cozinhe os bolos por cerca de 50 minutos e deixe que esfriem em suas formas por 15 minutos antes de retirá-los.
6. Para fazer a cobertura, derreta o chocolate no microondas ou em banho-maria e deixe esfriar um pouco.
7. Em outro recipiente, bata a manteiga até que esteja cremosa, adicione o açúcar para cobertura e bata novamente até que a mistura fique leve. Em seguida adicione a baunilha e o chocolate e misture. Coloque 1/4 dessa mistura no meio dos dois bolos e o restante no topo, alisando com uma espátula.


Chocolate e cachaça: explosão de sabor

Que tal um leve toque de cachaça em um pavê com chocolate e castanhas? Faz diferença no sabor e é uma ótima opção para a sobremesa da Páscoa. 

Torta de chocolate com cachaça

Ingredientes
. 200 g de biscoito maisena
. 200 g de castanha-do-pará
. 1 xícara (chá) de manteiga sem sal
. 500 g de chocolate meio amargo
. 500 g de chocolate ao leite
. 2 1/2 xícaras (chá) de creme de leite
. 2 colheres (sopa) de Cachaça Lira
. Calda de chocolate
. Ramos de hortelã
Modo de preparo
1. No liquidificador, triture o biscoito e metade da quantidade de castanha-do-pará.
2. Em seguida, junte a mistura à manteiga em temperatura ambiente e forre uma forma de 23 cm de diâmetro com aro.
3. Derreta os dois tipos de chocolate no creme de leite morno e acrescente o restante da castanha.
4. Junte a cachaça e misture até ficar homogêneo.
5. Disponha a mistura na forma sobre a massa e leve ao refrigerador. Desenforme após 6 horas.
6. Decore a torta com calda de chocolate, ramos de hortelã e pedaços de castanha-do-pará picada.

14 de abril de 2014

Rum e chocolate, muito prazer!

Rum e chocolate, muito prazer!

O Festival Internacional do Chocolate e Cacau da Amazônia promoveu uma degustação conduzida pela chef venezuelana María Fernanda Di Giacobbe

Participei do Festival Internacional do Chocolate e Cacau da Amazônia, em Belém-PA, há alguns dias, e entre degustações de várias delícias produzidas com cacau e chocolate, participei de uma mini-aula de harmonização de chocolate com rum. Inusitado, não?

A combinação de chocolate com bebida alcoólica não é novidade para ninguém, vide os deliciosos bombons recheados com licor, com vinho do Porto e até com whisky que existem no mercado.

De chocolate com rum eu não conhecia nada além de bombons recheados com passas ao rum, mas é uma tradição na Venezuela, que produz um cacau considerado por especialistas como o melhor do mundo. Não sou especialista, mas assino embaixo. Os que provei são incríveis!

A degustação/harmonização, que foi conduzida pela chef e âchocolateraâvenezuelana María Fernanda Di Giacobbe,  uma das grandes divulgadoras do chocolate como produto gourmet, no sentido mais intenso que a palavra possa ter.

Experimentamos diversos tipos de chocolates, incluindo amêndoas de cacau torradas,  tabletes 60%, 61% e 70% cacau  e bombons recheados com ganache de rum, cupuaçu (estávamos no Pará!) e com Picante Katara, um molho picante produzido com bundas de formigas da Amazônia Venezuelana (não falei que tinha sido inusitado?),  com cinco tipos de rum, entre eles nosso velho conhecido Montilla.

María Fernanda explicou logo que, para ser considerado rum, o destilado de cana precisa ter envelhecido pelo menos dois anos em barril de madeira. Menos de dois anos é aguardente.

Começamos com o rum mais jovem, o Montilla Cristal, e em seguida o Montilla Ouro, com amêndoas de cacau torradas. Minha impressão: o sabor do rum é tão forte que âmatouâ o cacau.

Passamos ao Ocumare, produzido na Venezuela, que degustamos com chocolate 60% cacau. Bem mais suave que o Montilla, tem aroma de caramelo que vem da quantidade maior de melaço que contém.  Como eu disse antes, sou leiga no assunto, mas foi a combinação que mais me agradou.

Em seguida passamos ao Diplomático, com bombons recheados. Servido gelado, foi o que mais agradou à turma que participou da degustação. à doce e forte, gostei, mas o anterior me  ganhou.

O quinto rum foi o Carupano Solera Centenário, que é muito saboroso e tem sabor cítrico, com chocolate 70% cacau.  Muito bom, mas "intenso" demais para o meu paladar desabituado.

Rum com comida. De quem foi essa ideia?

Maria Fernanda Di Giacobbe contou que na Venezuela é comum usar o rum para aromatizar a comida e também para acompanhar alguns pratos.  Infelizmente não tive o prazer de experimentar, mas já fiquei cheia de ideias para fazer em casa.

Vou tentar descrever  os dois pratos que ela comentou e que me deixaram com água na boca. O primeiro: Frutos do mar, em especial lagosta e camarão, salteados em manteiga de cacau a 60° -  não pode ser muito aquecida para não queimar e não perder o sabor e a leveza - , servidos com salada de grãos temperada com Picante Katara (o molho de bunda de formiga) e maionese. Para comer com rum âcomumâ, com mais de dois anos de envelhecimento.

O segundo prato: Torteloni salteado em manteiga de cacau, flambado com rum, coberto com molho quatro queijos e lascas de chocolate 70% cacau, com abóbora grelhada. E frutas tropicais de sobremesa.  Para comer com rum de qualidade superior, envelhecido por mais de 15 anos.

Minha meta 1: comprar um bom rum e experimentar essas delícias. Minha meta 2: Ir para a Venezuela e comer lá mesmo, preparado por quem entende do assunto, com os ingredientes corretos, que não vou achar facilmente aqui.

Vou continuar falando de Chocolate e Cacau da Amazônia por aqui, o assunto rende! 

27 de março de 2014

Belém sedia Festival Internacional do Chocolate e Cacau

O Sabor do Dia vai acompanhar o evento, que acontece de 3 a 6 de abril na capital paraense

Entre os dias 3 e 6 de abril, a capital do Pará abre espaço para todo o encanto que o chocolate exerce sobre as pessoas.

A cidade vai sediar o 2 º Festival Internacional do Chocolate e do Cacau, que vai trazer ao Brasil grandes especialistas em chocolate, como a consultora francesa Chloé Doutre-Roussel, uma das maiores autoridades do mundo em degustação de chocolates e autora do livro "The Chocolate Connoisseurâ;  a venezuelana Maria Fernanda Di Giacobbe, chocolatier embaixadora do cacau e chocolate da Venezuela e fundadora do La Trindad, um centro para estudo, investigação e preservação do cacau; e o casal indiano Mannarsamy Balasubramanian e Andal Balu, que apresentará uma tecnologia desenvolvida por eles para a produção artesanal de chocolate. 

O tema deste ano é âChocolate, Flores e Joias. A Trilogia da Seduçãoâ, e o evento vai ter exposição de fabricantes de chocolate e produtores de cacau, rodadas de negócios, programação cultural, espaço para apreciação de esculturas de chocolate e também a Feira Chocolate.

Quinze dos principais restaurantes e chefs da capital paraense foram convidados para integrar o Circuito Gastronômico do Chocolate e Cacau, que faz parte da programação. à uma grande oportunidade de conhecer os tesouros da culinária paraense, com seus sabores exóticos e únicos. 

No mesmo período acontece também o Flor Pará, exposição de flores e plantas típicas da região amazônica. 

O 2º FICC será realizado no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia. O Festival é uma realização do Governo do Pará através da Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri) e do Instituto Biofábrica de Cacau de Ilhéus, na Bahia, e conta com a parceria do SEBRAE, FAEPA e SENAR, CEPLAC e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, dentre outros parceiros. 

Hay que emagrecer sin perder la gostosura

Hay que emagrecer sin perder la gostosura

Um bolo de goma com queijo light, com ricota, para não sair da dieta na hora do lanche


A receita do bolo de goma com queijo  que postei aqui no final do ano passado foi sucesso. Todo mundo que fez em casa gostou, que bom!!

E agora recebi uma outra receita que vai fazer a alegria de quem adora um âbolinho de salâ com café mas está fazendo dieta. E quem não está contando as calorias também vai curtir, porque é uma delícia mesmo.

Vi a foto do bolo no instagram da querida Joseline - @linevess  â que sempre posta comidinhas leves, preparadas por ela. A Josy já é diva, nem precisa de dieta nenhuma, mas a gente agradece as dicas. Pedi a receita para postar no Sabor do Dia e ela gentilmente mandou. Vamos fazer?

Bolo de queijo light

Ingredientes
4 claras
1 gema
1 xícara e 1/2 de goma seca
1 xícara de queijo de coalho light
1 xícara de ricota
2 colheres (sopa) de creme de leite light
1 colher (chá) de fermento em pó

Modo de fazer:

Numa batedeira ou com um mixer, bater as claras em neve, adicionar  a gema e bater, adicionar o creme de leite e bater mais um pouco. Colocar a goma aos poucos e mexendo sempre. Por último os queijos ralados. Misture bem.

Colocar para assar numa forma de silicone, levar ao forno pré-aquecido a 180 graus, por 40 minutos.   

20 de março de 2014

18 de março de 2014

Caldo verde para as noites de chuva

Caldo verde para as noites de chuva

Uma sopa cremosa e quentinha tem tudo a ver com essas noites de chuva que deixam o clima de Teresina delicioso.

O caldo verde é um prato tradicional de Portugal, feito com batatas, lingüiça e couve. Não, não é uma sopinha âlightâ. à substanciosa mesmo. E calórica. 

A receita que passo hoje passou por pequenas adaptações, apenas para usar o que já tinha na geladeira. Ao invés de lingüiça portuguesa, usei lingüiça calabresa, o sabor é bem parecido. A couve comprei na horta comunitária  perto da minha casa, fresquíssima e mais saborosa que a vendida nos supermercados. Teresina tem mais de quarenta hortas comunitárias, em vários bairros. Além da vantagem de levar para casa produtos sem agrotóxicos, o preço é bem convidativo. A folha de couve custa R$ 0,10 e um maço com dez folhas bem grandes rende muito.

Mas vamos voltar ao caldo verde. Anote os ingredientes, para quatro pessoas:

6 batatas médias

1 maço de couve

2 linguiças calabresas

1 cebola

1 dente de alho

1 folha de louro

Sal, pimenta do reino branca a gosto

Azeite de oliva a gosto

1,5 l de água

Preparo:

Cozinhe as batatas na água com a cebola, a folha de louro, sal e um fio de azeite, até ficarem bem macias. Enquanto isso, corte as linguiças em rodelas finas e a couve em tirinhas e reserve.

Quando as batatas estiverem cozidas, retire a folha de louro e bata no liquidificador com a água do cozimento e a cebola.

Numa panela grande, coloque um fio de azeite, doure levemente o alho e coloque as rodelas de lingüiça para refogar, mexendo para não grudarem. Quando estiverem bem douradas, despeje com cuidado o conteúdo do liquidificador e mexa. Se desejar, agora é a hora de colocar uma pitadinha de pimenta do reino.  Acrescente a couve em tirinhas e deixe ferver por cinco minutos.

Para servir, coloque um fio de azeite extravirgem no fundo do prato e o caldo por cima.

Um vinho tinto português combina perfeitamente. 

Torradinhas

O caldo verde não é uma sopa para se comer com torradas, porque já tem os carboidratos da batata. Mas quem disse que precisamos seguir sempre todas as regras? E se não for para essa sopa, que seja acompanhamento para outras.

Se tiver pão dormido em casa, corte em fatias bem finas, arrume em um tabuleiro, coloque um fio de azeite de oliva em zigzag e leve ao forno para torrar. 

Se preferir croutons, acho mais fácil fazer no microondas, porque diminui o risco de queimar. Corte o pão em cubinhos e coloque num prato grande, leve ao microondas por um minuto, abra, mexa os cubinhos e coloque mais um minuto. Se colocar azeite nos cubinhos demora um pouco mais para desidratarem, mas dá certo. Normalmente em no máximo três minutos â sempre com intervalo para mexer os cubinhos â fica pronto. E aí pode colocar orégano, manjericão ou salsinha desidratados, ou pimenta calabresa para quem gosta.

Se sobrar, é só guardar em potes de vidro bem tampados ou qualquer recipiente com fecho hermético. 

11 de março de 2014

Torta de liquidificador é coringa na cozinha

Torta de liquidificador é coringa na cozinha

A cobertura de abobrinha com calabresa é apenas uma das inúmeras opções que a receita permite usar

Quer ter um coringa na cozinha? Uma massa que combina com tudo, é prática e rapidinha de fazer? Pois experimente essa torta de liquidificador. A cobertura de abobrinha com calabresa que fiz recentemente é apenas uma das inúmeras possibilidades. A abobrinha, aliás, é ingrediente sempre presente aqui em casa. Recheada, assada, na salada, e até como carpaccio vegan ela faz bonito, e é light e deliciosa. Vou postar a receita do carpaccio depois. 

Voltando à tortinha, já fiz com frango e requeijão, com molho de cachorro quente ( salsicha, tomate e cebola), com bacalhau desfiado e azeitona, com carne moída e lascas de queijo, com queijo, presunto e orégano, com atum, com sardinha. Vegetarianos podem experimentar com cenoura, vagem, ervilha e milho verde, ou com tomate picado, manjericão e cubinhos de queijo branco.

O lance é pensar na massa como base para usar a cobertura que estiver dando sopa em casa.

Vamos à receita?

Ingredientes da massa:

1 copo de leite

1/2 copo de óleo

1 e 1/2 copo de farinha de trigo

3 ovos

1 pacotinho de parmesão ralado

Sal a gosto

1 colher (sopa) de fermento em pó

Ingredientes da cobertura:

1 abobrinha em fatias bem finas (evite usar o miolo, que âfaz águaâ)

1 cebola pequena picada

1 tomate picado

1 lingüiça calabresa em rodelas finas

Orégano a gosto

Queijo ralado a gosto

Modo de Preparo:

Faça primeiro a cobertura, assim a massa não fica âesperandoâ antes de ir para o forno.

Cobertura: Refogue rapidamente numa frigideira a cebola e a calabresa, acrescente o tomate e por último a abobrinha e o orégano, só para misturar.

Massa: Bata todos os ingredientes, menos o fermento, no liquidificador por três minutos. Desligue, acrescente o fermento e bata rapidamente só para misturar.

Despeje a massa em uma assadeira untada com margarina e polvilhada com farinha de trigo. Espalhe a cobertura por cima, coloque queijo ralado a gosto e leve ao forno por 30 a 35 minutos. 

12 de fevereiro de 2014

Bolo rápido e saudável

Bananas maduras, aveia e passas são a base de um bolo muito prático e surpreendente

Receita de bolo de novo? 

Ah, mas essa é tão fácil, rápida e saudável que dá até pena de não compartilhar com todo mundo. Vi por acaso no Panelaterapia , fiz pequenas modificações para adequar ao meu paladar que adora um docinho e pronto. 

à um bolo para fazer com aquelas bananas que já estão feinhas, maduras demais. A receita original não leva a açúcar e diz que o doce da fruta basta, mas arrisquei colocar um pouquinho de açúcar mascavo e ficou no ponto certo. O sabor da banana bem marcante e doce na medida certa. A receita original não leva canela, mas sempre acho que banana e canela nasceram uma para a outra e coloquei uma colher no meu bolo. Mais um ponto positivo. E a última modificação que eu fiz foi não bater todas as uvas passas junto com a massa no liquidificador. Bati a metade e o resto hidratei com com água e misturei delicadamente à massa antes de levar ao forno. 

Em 40 minutos dá para fazer tudo. Depois de assado, polvilhei com uma colher de  açúcar mascavo, só pra ficar mais bonitinho, mas acho que com açúcar e canela também fica bom, e regado com mel é um presente para o paladar. 

Essa receita e mais duas utilizando ingredientes integrais estarão na coluna Papo de Cozinha do próximo domingo, no Jornal O Dia. 

Bolo de banana

Foto:bolo

Ingredientes:

 2 bananas bem maduras

 1/2 xícara de uvas passas pretas

3 colheres de açúcar mascavo

Canela em pó a gosto

 2 ovos

 1/4 xícara de óleo

 1 xícara de aveia em flocos

 1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de preparo:

Bata no liquidificador as bananas, os ovos, o óleo e o açúcar. Em seguida acrescente a aveia e metade das uvas passas. Coloque por último o fermento em pó. Quando terminar de bater, coloque o resto das uvas passas e misture com uma colher para não esmagá-las. Coloque em forma de bolo inglês, untada e enfarinhada com farinha de trigo. Leve ao forno pré-aquecido por 30 minutos. 


30 de janeiro de 2014

Bolo de Maçã e Canela

Bolo de Maçã e Canela

Um bolo úmido, com calda de frutas carameladas, facílimo de fazer!

Que tal um bolinho lindo, facílimo de fazer e delicioso para o lanche, para dividir com os colegas no trabalho ou mesmo para dar de presente pra uma pessoa especial? 

Essa receita é daquelas que depois da primeira vez vira figurinha fácil, e o melhor é que dá pra fazer aproveitando as frutas que já estão meio "velhinhas", quase passando do ponto. Na minha casa, a versão de banana é a preferida, seguida pela de abacaxi e depois maçã e pera. Já fiz com banana e maçã juntas e ficou muito bom também. 

O mais "difícil" é fazer o caramelo, depois dele pronto e com as frutas já arrumadinhas na forma, é só bater os ingredientes na massa do liquidificador. E viva a praticidade! 

No passo a passo dá pra ver cada etapa (as fotos não estão lá essas coisas, mas enfim...cozinhar e fotografar ao mesmo tempo não é tão simples quanto parece, hahaha). 

1 - Prepare o caramelo - Coloque duas xícaras de açúcar em uma forma redonda e leve ao fogo, mexendo com uma colher de pau até derreter. Quando começar a ficar dourado, é hora de tirar do fogo, porque daí pra queimar o caramelo é um pulinho. Muita calma nessa hora! Espalhe também nas laterais da forma. 

2 - Arrume a fruta que escolher - maçã, banana, abacaxi, pera - sobre o caramelo, só no fundo da forma. 

3 - Polvilhe canela em pó sobre a fruta. à opcional, quem não gosta de canela pula essa parte.

4 - Bata todos os ingredientes no liquidificador - primeiro os líquidos com o açúcar, depois a farinha de trigo, o fermento vai por último - e despeje cuidadosamente a massa sobre as frutas. 

5 - Asse por 35 a 40 minutos e prontinho! Tem que desenformar ainda quente, para o caramelo não endurecer.


Sim...agora a receita completa: 

Bolo de Maçã e Canela (ou de banana, ou de abacaxi, ou de pera) 

Ingredientes

4 maçãs grandes ou 6 pequenas

3 ovos inteiros

2  xícaras (chá) de açúcar

2 xícaras (chá) de farinha de trigo

1 xícara de óleo

1 xícara de leite

Canela em pó

1 colher de fermento em pó

Para o caramelo:

2 xícaras de açúcar

 Modo de fazer:

Prepare primeiro o caramelo. Coloque o açúcar na forma e leve ao fogo, mexendo com uma colher de pau até derreter por completo. Espalhe no fundo e laterais da forma. Arrume as maçãs em fatias por cima do caramelo.

Bata no liquidificador o leite, o açúcar, os ovos e óleo. Em seguida acrescente a farinha de trigo, a canela em pó, bata mais um pouco e por último acrescente o fermento.

Despeje na assadeira, sobre as maçãs, e leve ao forno por 30 a 40 minutos. Desenforme ainda quente, para não endurecer o caramelo. 

23 de janeiro de 2014

Meatzza -

Meatzza - "pizza" de carne

Um bolo de carne feito em forma redonda, com cobertura de pizza. Fácil, prático, barato e muito gostoso

Foi a musa Nigella Lawson  quem me "passou" essa receita. Fiz algumas adaptações para usar o que tinha em casa mas o resultado ficou bem parecido com o prato que ela fez, e é muito bom!

Chama-se meatzza porque é a junção de carne (meat, em inglês) e pizza, e é um bolo de carne coberto com molho de tomate, muzzarela e orégano - e que pode perfeitamente ganhar outros ingredientes, como presunto (eu usei), bacon, calabresa, cebolas, cogumelos.

Para fazer: tempere 1/2 kg de carne moída (patinho, alcatra) com sal e pimenta do reino. Pique uma cebola, 1/2 pimentão e um dente de alho, misture à carne. Coloque um ovo para dar liga e misture bem. Arrume a carne em uma assadeira untada e cubra com molho de tomate - a quantidade depende do tamanho da sua forma, usei uma xicara e meia pra uma forma de 20cm de diâmetro. 

Salpique orégano, arrume fatias de presunto, em seguida fatias de muzzarela, coloque dois tomates cortados em rodelas, mais orégano, decore com azeitonas e folhinhas de manjericão. Regue com azeite de oliva e leve ao forno por 25 a 30 minutos. 

Fotografei o passo a passo: