• the shopping
  • Tirulipa
  • novembro azul 2018
  • show gustavo lima
  • Estreia programa Italo Motta
  • TV O DIA - fullbanner w3b
  • TV O Dia - fullbanner

Há 25 anos, Senna caiu nos braços da torcida após vencer GP Brasil

Entre as 41 vitórias na carreira do brasileiro Ayrton Senna, apenas duas delas foram obtidas no GP do Brasil.

08/11/2018 15:08h

Entre as 41 vitórias na carreira do brasileiro Ayrton Senna, apenas duas delas foram obtidas no GP do Brasil. Se a primeira, em 1991, teve contornos dramáticos, em razão dos problemas no câmbio de sua McLaren que quase levaram o piloto à exaustão física, a de 1993 foi marcada pela consagração de Senna como ídolo esportivo nacional.

Já como tricampeão mundial, Senna chegava a Interlagos no final de março de 1993 em condições de inferioridade em relação a seu maior rival, o francês Alain Prost, que estava na Williams. 

Ayrton Senna em sua última vitória no GP do Brasil, em 1993, corrida que seria marcante por vários fatores. (Foto: Neils Andreas/Folhapress)

Após ter dominado com facilidade a temporada anterior, que deu à Nigel Mansell seu único título mundial na F-1, a escuderia inglesa já havia começado o campeonato de 1993 com vitória, no GP da África do Sul, enquanto Senna havia ficado em segundo.

Para a prova seguinte, em Interlagos, no dia 28 de março, tudo indicava que a supremacia se repetiria. Tanto nos treinos livres quanto na classificação, a Williams de Prost sobrava em relação aos demais concorrentes. O tempo da pole position do francês (1min15s866) foi quase dois segundos mais rápido do que o de Senna, que ficou em terceiro na qualificação.

Após a largada, ficou claro que aquela não seria uma corrida normal. Logo no S do Senna, um choque envolvendo o americano Michael Andretti, segundo piloto da McLaren, e o austríaco Gerhard Berger, da Ferrari, promoveu um acidente espetacular. O carro de Andretti voou, chocando-se na tela de proteção e capotando em seguida. Por sorte, o americano saiu sem ferimentos.

Prost disparou na frente e nada indicava que teria sua vitória ameaçada, tendo o companheiro de equipe Damon Hill na segunda posição. Senna não alcançava os líderes e, para piorar, começou a ser ameaçado por Michael Schumacher, que iria tomar-lhe a posição na 24ª volta, quando o brasileiro precisou cumprir uma punição nos boxes.

Pouco tempo depois, uma ajuda dos céus mudou os rumos da prova. As nuvens carregadas se transformaram em chuva de forma rápida na altura da volta 29, e Prost, que tinha problemas para correr em pista molhada, não parou a tempo para trocar os pneus. Rodou no S do Senna, batendo no carro do brasileiro Christian Fittipaldi, da Minardi.

Após nove voltas sob bandeira amarela, Senna começou o ataque a Damon Hill. A chuva havia parado, mas a pista ainda estava molhada em alguns trechos. O inglês fez um pit-stop na volta 41. Com os pneus ainda frios, não foi capaz de evitar a ultrapassagem de Senna na Descida do Lago. A partir daí ele seguiu firme para a vitória, a 37ª de sua carreira até então.

O que se viu após a prova foi inédito na história do GP Brasil. Enlouquecida com a vitória de Senna, a torcida invadiu a pista na altura da Reta Oposta, bem em frente a um dos setores com preços mais baratos. Um mar de torcedores simplesmente parou não só o carro de Senna, mas de todos os demais pilotos que vinham atrás, criando um inédito congestionamento em plena pista de Interlagos.

"Senna não consegue mais sair do lugar, ninguém controla a torcida", narrava o locutor Galvão Bueno, da TV Globo, durante a transmissão.

O ponto alto foi quando ele conseguiu deixar sua McLaren e foi carregado pelos torcedores, comemorando uma das vitórias mais importantes de sua carreira, a segunda e última que obteve no país.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário






Enquete

Um jovem morreu ao sofrer descarga elétrica colocando celular para carregar. Quais cuidados você toma em relação a isso?

ver resultado