• Canta
  • SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Procuradoria da Fazenda cobra dívida de R$ 566 mi do Corinthians

Segundo o órgão, a dívida é de ordem tributária, de Imposto de Renda, PIS e Cofins.

11/09/2019 08:52h - Atualizado em 11/09/2019 10:54h

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) cobrou do Corinthians uma dívida de mais de R$ 566 milhões. O valor, segundo o extrato, ultrapassa toda a receita líquida do clube em 2018, que foi de R$ 446 milhões. A cobrança, portanto, deixaria a equipe com um déficit de R$ 18 milhões.

A Procuradoria não detalha a origem nem data das cobranças. Informa, porém, que elas são tributárias, de Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e Cofins.

Os valores cobrados do Corinthians estão separados em oito inscrições junto à União e não incluem pagamentos já acordados em programas de refinanciamento de dívidas, como o Profut (Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro), de 2015.


Foto: Divulgação/Corinthians FC

Em nota enviada pela sua assessoria de imprensa, o Corinthians diz que se considera isento do pagamento de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica, CSLL, PIS e Cofins. Afirma também que outros clubes, como Athletico-PR e São Paulo, obtiveram vitórias ao contestarem a cobrança.

"Entendimento similar ao do clube extinguiu cobrança movida pela União contra o Club Athletico Paranaense, depois de decisão da Câmara Superior de Recursos Fiscais do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) em 2018", diz em nota.

O Carf é um órgão vinculado ao Ministério da Economia que julga recursos de contribuintes que contestam cobranças da Receita Federal.

"Mais recentemente, o Carf julgou procedente a isenção dos mesmos tributos do São Paulo Futebol Clube em cobrança de mesma natureza no início de 2019", completa o Corinthians, que afirma que também alcançará "o mesmo desfecho favorável já obtido por outras agremiações".

Por: Carlos Petrocilo, Diego Garcia e João Gabriel, da Folhapress

Deixe seu comentário