• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Notícias São João do Piauí

30 de julho de 2015

Alexandre Mendonça desmente possível junção ao grupo do prefeito Gil Carlos

Alexandre Mendonça desmente possível junção ao grupo do prefeito Gil Carlos

Em entrevista concedida na manhã da quinta-feira (30), ao Jornal Alvorada, o médico e líder político, Alexandre Mendonça, desmentiu possíveis afirmações que norteavam uma possível junção ao grupo político do prefeito Gil Carlos.

Segundo informações o líder Alexandre Mendonça estaria tentando a junção em troca da pré-candidatura de vice-prefeito ao lado do atual prefeito nas eleições de 2016, como também viabilizando cargos de confiança dentro da prefeitura ainda neste ano para sua base apoiadora.

Na entrevista Dr. Alexandre, manteve um posicionamento centrado e deixou claro que está na oposição, que continuará defendendo seus pensamentos políticos em manter a base de oposição ao atual gestor e que em nenhum momento foi conversado nada sobre o assunto com o grupo político do atual prefeito.

"Mantemos o nosso posicionamento em fazer oposição ao atual gestor, em nenhum momento chegamos a conversar sobre essa possível junção, ninguém tem procuração para falar em meu nome, em nome da nossa família e dos nossos amigos. Jamais tomaríamos uma decisão dessas sem ouvir todos eles, e nem pretendemos. O que existe são apenas boatos.”

O líder político ressaltou que estará apto para concorrer nas próximas eleições e que seu nome está à disposição para pré-candidatura a prefeito do município.

"Pretendemos concorrer a eleição de 2016, não estou impondo meu nome, desde já estamos conversando com amigos e ouvindo opiniões. Estamos abertos para o diálogo, temos muitos amigos e esse assunto ainda está em discussão, até porque ainda é muito cedo para afirmar qualquer decisão. O que podemos dizer é que continuaremos mantendo a base de oposição” ressaltou o líder Dr. Alexandre Mendonça.

29 de julho de 2015

Troca de tubulação da Agespisa está paralisada a quase dois anos

Troca de tubulação da Agespisa custeada em R$ 593 mil está paralisada a quase dois anos

A empresa COHISO responsável pela troca da tubulação e a Agespisa não prestaram nenhum esclarecimento para a população.

De acordo com informações repassadas pelo diretor local do escritório da Agespisa, Ildemar Marques de Carvalho, a obra está inacabada com apenas 50% concluído.

A troca dos canos de amianto pelos de PVC é há décadas uma das principais reivindicações da população de São João do Piauí. A obra teve início no ano de 2013 e estava prevista para ser concluída em seis meses.

Orçada em R$ 593 mil com recursos distribuídos através de emenda de R$ 200 mil da deputada Rejane Dias, e R$ 100 mil em recursos da prefeitura com o restante custeado pela Agespisa o projeto previa a substituição de 6.680 metros de canos de amianto por PVC. 

A obra que deveria beneficiar inicialmente a população do centro da cidade, seria consequentemente através de um novo projeto estendida para os demais bairros da cidade.

De acordo com o chefe do escritório da Agespisa, Ildemar Marques de Carvalho, a tubulação tem mais de 40 anos e por isso está prejudicando a qualidade e provocando a falta da água distribuída pela empresa no município, principalmente quando o problema ocorre na adutora que vem apresentando recentemente uma série de rompimentos podendo provocar uma problema mais grave do que a falta de água diária.

28 de julho de 2015

População sofre com a falta de água por 8 dias

Problema é recorrente e populares aguardam solução

A população de São João do Piauí está a oito dias sofrendo com a falta de água na torneira, o que tem deixado moradores assustados tendo em vista que a Agespisa local não presta esclarecimentos sobre a real situação.

"Estamos em casa, quando acordamos já não tem mais água na torneira e não sabemos se volta no mesmo dia e nem quando deverá voltar, é um desrespeito por parte da Agespisa que não se dar se quer o trabalho de prestar esclarecimentos para a população, o mais engraçado é que no mês em que mais falta água a conta vem mais cara” finalizou a dona de casa Joana Maria Macedo.

Em conversa com o diretor local da Agespisa Ildemar Marques de Carvalho a falta de água frequente ocorreu inicialmente por um rompimento na adutora e em sequência pela substituição de um cano que foi estourado.

Ildemar lembra que a adutora do município é antiga com mais de 40 anos e que por esse motivo sanjoanenses sofrem frequentemente com a falta d’água e que já foi solicitado ao diretor presidente da Agespisa uma nova adutora. 

Ainda segundo o diretor local, a adutora está com as paredes internas finas o que está provocando o rompimento das paredes que não aguenta mais a pressão da água que vai dos poços para a estação de tratamento.

A Agespisa também solicitou a instalação de um registro de manobra, com o registro quando forem ser corrigidos vazamentos será suspenso o abastecimento apenas do setor atingido e não a rede geral.

29 de junho de 2015

23 de junho de 2015

Vereadores reclamam que prefeito não responde requerimentos

Vereadores de São João do PI reclamam que prefeito não responde requerimentos

O vereador Raimundo Araújo do PP, usou a tribuna da Câmara, para reclamar do descaso do prefeito de São João do Piauí, Gil Carlos Modesto Alves, com os vereadores. Segundo o vereador, o prefeito não responde os requerimentos enviados pela Câmara de Vereadores.


Vereador Raimundo Araujo
“É um absurdo, estamos sem moral, desde março que o prefeito não responde aos requerimentos enviados a prefeitura. Ele nem responde, nem manda recados. Não coloco mais requerimento, colocar para que? Se nunca fui respondido. Isso é uma falta de respeito com os vereadores e com o povo de São João do PI, já que nos requerimentos reivindicamos melhorias para o município”, disse Raimundo. 

Durante o discurso o vereador Raimundo, foi aparteado pelo vereador Gervásio Oliveira, que também reclama da falta de atenção do prefeito.


Vereadores Raimundo Araujo e Gervásio Oliveira

“É verdade vereador Raimundo, já fiz vários requerimentos, e também não recebo resposta nenhuma da prefeitura, é uma falta de respeito”, reclama Gervásio.

Já o vereador Vitório Henrique que também compartilha da mesma insatisfação dos colegas, apelou para o vereador Vilmar Leite (PT) que é líder do prefeito na Câmara de Vereadores.

“Vereador Vilmar, Vª excelência, que é o líder do prefeito nesta casa, leve a ele nossa indignação, mesmo não sendo respondido, eu vou continuar fazendo os requerimentos”, disse Vitório.  


22 de junho de 2015

Avenida asfaltada virou pista de racha

Avenida asfaltada virou pista de racha

A avenida Cândido Coelho foi asfaltada recentemente e já apresenta preocupação aos moradores.

Somente nesse período de festejos juninos foram registrados 12 acidentes envolvendo carros e motocicletas. As batidas com motocicletas são as mais perigosas onde vítimas chegam a ser jogadas longe do local do atrito e sofrem escoriações. 

Segundo alguns moradores da avenida, a principal causa dos acidentes são as competições de racha e levantamentos de pneus na pista.

Alta velocidade e perigo constante são apenas alguns dos problemas enfrentados pelos moradores da avenida Cândido Coelho que reclamam também da falta de sinalização e quebra-molas, alguns chegam a solicitar um medidor de velocidade.

Para a dona de casa Josefa Carvalho o asfalto é uma faca de dois gumes tem suas qualidades e desvantagens, a mesma afirma que diminuiu a poeira dentro de casa e que a visibilidade do ambiente está agradável, porém o que tem a deixado preocupada é a alta velocidade e competições que motoqueiros utilizam para trafegar na via pública.

Rita Fernandez diz que o asfalto é um benefício proveitoso para a população, o único problema e a falta de sinalização que pode trazer grandes transtornos aos moradores.

 

Para Larissa Soares além da sinalização seria necessário um medidor de velocidade para evitar que muitos paguem pela imprudência de poucos: "A qualquer dia estamos vendo as motocicletas invadirem nossas residências, porque do jeito que está sem fiscalização não dá. Temos medo de alguém subir nas calçadas e atropelarem nossas crianças”.

10 de junho de 2015

Festejo se aproxima e entrada da cidade é lixão a céu aberto

Festejo se aproxima e entrada da cidade é lixão a céu aberto

Ao chegar em São João do Piauí pela a rodovia estadual PI-141, que nos liga ao vizinho município de Canto do Buriti, os visitantes da cidade veem primeiro os lixos e entulhos depositados à margem da rodovia. O material é descartado no local por moradores, e até mesmo por comerciantes que jogam no local caixas após trocarem as mercadorias em seus comércios.

Sem consciência ecológica, os moradores, e comerciantes, estão se aproveitando da situação, da falta de fiscalização e a falta de importância de prefeitura com a entrada da cidade, o que facilita ainda mais o problema que se instalou no local, e estão despejando na margem da rodovia todo tipo de lixo: orgânico, mobílias velhas, restos de animais mortos e outros tipos de dejetos. A situação está tão fora de controle que parte do material descartado com o vento esta quase invadindo a pista.

Sobras de alimentos, carcaças de animais mortos, eletrônicos, plásticos, latas, entulhos e até materiais radioativos como pilhas, que deveriam contar com um sistema de coleta específico, amontoam-se à margem direita da PI-141, na saída da cidade de São João do Piauí em direção a Canto do Buriti, ao lado de uma mata virgem.

Além de se tornar um cartão postal nada convidativo para os turistas que visitarão a cidade durante o festejo de São João Batista, o lixo jogado pela própria população na margem da rodovia também provoca perigos à saúde e impacto ambiental. O forte mau cheiro do local tem incomodado moradores próximos e pessoas que fazem caminhadas diariamente na estrada.

Crime ambiental -  As pessoas que jogam lixo em terrenos baldios ou às margens das rodovias, além de estarem cometendo crime ambiental com pena de multa e até prisão - caso haja flagrante, também geram um grave problema de saúde pública onde elas próprias podem acabar se tornando as vítimas.

                 

                 

                 

               

05 de junho de 2015

São João do Piauí: Fossas negras” se espalham por toda a cidade

O esgoto produzido pela população de São João do Piauí não é tratado e vai parar no rio

O esgoto produzido pela população de São João do Piauí não é tratado e vai parar no rio, isso todos da cidade têm conhecimento.

Porém, na verdade a cidade esta cheia de esgotos a céu aberto, trata-se das conhecidas "fossas negras”, que promovem infiltração do esgoto no solo, com risco constante de contaminação da área e do lençol freático, existem diversas ruas que sofre com a situação.

A contaminação do solo é apontada como uma agressão ao meio ambiente e traz riscos à saúde do homem, flora e fauna. Tão grave ou mais, é a devolução do esgoto "in natura” ao rio, que em São João virou também um verdadeiro esgoto a céu aberto.

Para a população o contato com a água contaminada pode provocar doenças, como Hepatite A e gastroenterites, que ocasionam diarreias, desidratação, entre outras. Dependendo do paciente, a enfermidade pode levar a morte.

Além dos problemas ocasionados à saúde, a falta de rede de esgoto é apontada como uma triste realidade por quem convive diretamente com esse problema, a exemplo da dona de casa que reside próximo a Rodoviária em São João, próximo a sua residência o esgoto escorre pela rua. "É muito incômodo. Quando chove o cheiro fica insuportável. E quando está sol é ruim também. Não fica bom de jeito nenhum”.

E a água suja nas ruas fazem parte da estrutura de diversos bairros, onde moram dezenas de crianças. Não existe uma preocupação por parte da administração municipal com esgotos, a prova disso é o famoso esgoto próximo ao polo da UESPI, que a cada dia fica pior.

O Prédio da UESPI fica localizado no alto sertanejo, na Travessa Raimundo Porto, para se ter acesso a entrada do prédio os alunos, professores e visitantes tem que passar por um dos esgotos mais fedidos e podres da cidade, também já foi matéria deste portal.

O Bairro Jurema que fica próximo ao Instituto Federal de Educação e a Facesp, tem sido abandonado. Além da falta de saneamento e de infraestrutura básica de calçamento, o bairro parece não constar do mapa do planejamento da atual gestão do prefeito Gil Carlos (PT). Um barreiro de esgoto a céu aberto dificulta a vida de todos nesse local.

Um simples problema, que poderia ser resolvido com o uso de uma das máquinas que a prefeitura do município recebeu do PAC, através do MDA, não tem tido solução.

Poderíamos aqui anumerar diversas ruas e travessas pelo qual a população passa por esse mesmo problema em São João do Piauí, ao denunciarmos ajudamos a prefeitura, que caso não tenham conhecimento desses esgotos, poderiam agora solucionar esses problemas. 

23 de maio de 2015

MP obrigará municípios a acabarem com lixões a céu aberto

Ministério Público obrigará municípios a acabarem com lixões a céu aberto

A Promotoria Regional Ambiental de São Raimundo Nonato, por meio do Promotor de Justiça Vando da Silva Marques, moveu ações civis públicas contra 29 municípios do Piauí, para que sejam implantados aterros sanitários nas cidades.

As ações são movidas contra os municípios de São Raimundo Nonato, Coronel José Dias, Dirceu Arcoverde, Dom Inocêncio, Fartura do Piauí, São Lourenço do Piauí, Bonfim do Piauí, São Braz do Piauí, Várzea Branca, Canto do Buriti, Brejo do Piauí, Tamboril do Piauí, Cristino Castro, Alvorada do Gurgueia, Palmeira do Piauí, Santa Luz, Bom Jesus, Currais, Anísio de Abreu, Jurema, Caracol, Guaribas, São João do Piauí, Campo Alegre do Fidalgo, Capitão Gervásio Oliveira, João Costa, Lagoa do Barro, Nova Santa Rita e Pedro Laurentino.

Dentre os vários pedidos, solicita-se o fim de lixões a céu aberto,com cobertura do lixo já depositado em aterros; adequação das áreas próximas, com reflorestamento, projetos de manutenção de estradas e drenagem da chuva, coleta e tratamento adequado ao lixo, incentivando a coleta seletiva e reciclagem, até mesmo priorizando material reciclado nas licitações governamentais. Ações também visam à criação e desenvolvimento de cooperativas ou de outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis.

Dez ações foram concedidas, obrigando os gestores dos municípios de Canto do Buriti, Tamboril do Piauí, Cristino Castro, São Raimundo Nonato, São Braz do Piauí, São João do Piauí, Campo Alegre do Fidalgo, Pedro Laurentino, Nova Santa Rita e Lagoa do Barro do Piauí, a implantarem as providências solicitadas pela Promotoria Regional Ambiental, em prazos que variam de 30 a 180 dias. As demais ações ainda aguardam análise judicial.