• Marcas Inesquecíveis 2018 02/02
  • assinatura jornal 2018

Notícias Art/Gente

13 de fevereiro de 2018

Pabllo Vittar desfila com transparência: 'ainda não beijei ninguém'

Pabllo foi destaque em um dos carros alegóricos da escola que falou sobre intolerância, desigualdade social e corrupção.

Dona dos hits mais tocados neste carnaval, Pabllo Vittar fez sua estreia como destaque na Sapucaí. Pabllo e Jojo Todynho foram destaques em um dos carros alegóricos da escola que, neste ano, falou sobre intolerância, desigualdade social e corrupção.

“Não estou nervosa, estou cansada. Momento histórico porque eu sempre via pela televisão com a minha mãe. Ela é Mocidade, mas vai torcer por mim. Venho carregando uma bandeira linda na Sapucaí, de uma gente de bem”, disse Pabllo ao chegar à concentração de Nilópolis.


Foto: Marcos Serra Lima/G1

Ela conta que ainda não beijou ninguém neste carnaval. "Esse carnaval ainda não beijei ninguém. O último foi há três semanas."

"Achei muito legal desfilar de maiô, porque todos me associam à peça", disse. "O maiô também ajuda a esconder algumas 'coisitas'''. Pabllo diz que a bota é um pouco incômoda para andar e que está parecendo uma ciborgue. Cerca de cinco pessoas a ajudavam a se preparar para o desfile.

Jojo Todynho chegou à avenida enquanto Pabllo se arrumava. "A gente não tem rivalidade, a gente se encaixa direitinho", disse a cantora de "Que tiro foi esse?"

"Jojo é babadeira, ela se transforma e vai no tempo certo. É um babado", elogiou Pabllo.

"Carnaval é muito importante, porque a gente tem o espaço de levantar a bandeira contra a intolerância e falar dos nossos direitos e deveres. E mostrar que nós, gays, independente da orientação sexual, somos pessoas de bom caráter e podemos realizar nossos sonhos", ressaltou Pabllo.

Gisele Bündchen e Tom Brady viajam para superar derrota do Patriots

A perda do título para o Eagles ainda é bem marcante para o jogador mesmo após uma semana

O quarterback do New England Patriots, Tom Brady, 40, tirou alguns dias para absorver a derrota para o Philadelphia Eagles no SuperBowl 52. Ele e a mulher, a modelo brasileira Gisele Bündchen, 37, estão passando férias na Costa Rica. 
A perda do título para o Eagles ainda é bem marcante para o jogador mesmo após uma semana da decisão do futebol americano. Na foto publicada com Bündchen no domingo (11) no Instagrm, Brady escreveu: "O resultado deste domingo é muito melhor que o do domingo passado".

Cinco vezes campeão do Super Bowl, Hardy sentiu a derrota e chorou nos braços da modelo brasileira. Aliás, Bündchen acabou se envolvendo em uma polêmica ao ser ouvida por um repórter do USA Today explicando aos filhos Benjamin, 8 , e Vivian, 5, que seu pai já havia vencido o Super Bowl cinco vezes, mas que o time concorrente, os Eagles, nunca venceram.
Vocês precisam deixar outra pessoa ganhar às vezes. Temos que compartilhar. Compartilhar é se importar", ela teria dito às crianças, que choravam com a derrota do pai.
Os internautas e a atriz Whoopi Goldberg criticaram a modelo, que interpretaram suas palavras como se os Eagles só tivessem ganhado porque os Patriots deixaram.
Incomodada, a brasileira usou o Twitter para esclarecer o comentário. "Apenas para esclarecer. Ninguém 'deixa' ninguém ganhar. As pessoas ganham por seu próprio mérito. Estou cansada de as pessoas distorcerem minhas palavras para criar um drama que não existe", escreveu.

Após shows em camarotes, Ludmilla comanda bloco de Carnaval no Rio 'virada'

Cantora se apresentou na Sapucaí entre a noite desta segunda e a madrugada desta terça. Depois foi direto se arrumar para o Fervo da Lud

Com a agenda lotada de compromissos de Carnaval, o que Ludmilla menos tem é tempo para dormir. Após fazer shows em dois camarotes da Sapucaí entre a noite desta segunda (12) e a madrugada desta terça (13), ela foi direto se arrumar para estrear seu bloco, o Fervo da Lud, que começou por volta das 10h.

"Eu estou com sono, mas o corpo não está cansado não. Ficar virada assim, só bebendo água, é complicado pra caramba. Estou com os olhos ardendo. Não dormi nem durante a maquiagem", disse a cantora, que usava um look inspirado na África.
"Um tempinho atrás eu fui para a África e lá eu vi muita cor, muita festa e muita alegria nas pessoas, além de receptividade e de carisma. Fiquei com aquilo na cabeça e quando surgiu a ideia do bloco eu precisei escolher um tema. E eu logo pensei na África", disse.
Para a cantora, o tema escolhido combina com seu bloco e com seus fãs. "África é colorido, é estampa, é ousadia, é negritude, raiz."
Durante bate-papo com a imprensa, a cantora falou também sobre a ansiedade de estrear no comando de um bloco.
"A expectativa é a máxima possível e a ansiedade está me corroendo há dias. Estava esperando muito esse momento de puxar um trio pela primeira vez."
Ludmilla, que afirma que o funk está entre os ritmos mais tocados do carnaval, diz que os funkeiros "quebraram uma barreira". "Isso é muito importante para mim e para o futuro."

Sabrina Sato usa fantasia de Mulher Gato e coleira com nome do noivo

Apresentadora reeditou a clássica fantasia usada pela Luma de Oliveira no Carnaval de 1998.

A apresentadora Sabrina Sato, 37, reeditou a clássica fantasia de Mulher Gato usada pela modelo Luma de Oliveira no Carnaval de 1998. No pescoço, uma coleira com o nome do seu noivo, o ator Duda Nagle. 
Há 20 anos, Luma causou furor na avenida ao carregar o nome do empresário Eike Batista -então seu marido- em uma coleira similar à utilizada por Sabrina. 
Madrinha de bateria da Gaviões da Fiel e rainha de bateria da Unidos de Vila Isabel, Sabrina afirmou que a fantasia é uma homenagem a mulheres importantes do Carnaval. Além de Luma, a drag Isabelita dos Patins, a modelo Luiza  Brunet e Piná foram homenageadas em fantasias de Sabrina Sato. 

A apresentadora leva o noivo no pescoço, mas não a tiracolo. A apresentadora da Record contou que deu um "vale night" para ele curtir o Carnaval de Salvador. "Vocês querem namorada melhor do que eu? Além de sair com o nome do namorado na Sapucaí ainda dá um vale night  para ele curtir o carnaval de Salvador. É muito fofa essa namorada."
Declarações
Após mostrar sua exuberância no Carnaval de São Paulo e do Rio, Sabrina Sato recebeu declarações de amor de seu noivo, Duda Nagle. 
"Como amo minha rainha. Estava estonteante", disse Nagle, em sua conta no Instagram. "Parabéns, meu amor. Estava apoteótica. Rainha das rainhas", escreveu em outra postagem. 
Em retribuição, Sato respondeu: "Você cobriu meus machucados, ajudou a me vestir e foi me ver desfilar com minha Vila Isabel. Obrigada por tanto amor".
Noivado
Em janeiro passado, Sabrina Sato foi surpreendida por Nagle ao ser pedida em casamento. Após o "sim", o ator publicou em seu Instagram uma foto do casal se beijando e a apresentadora exibindo o anel de compromisso. "Agora é oficial. Te amo muito minha noiva", escreveu Nagle. 

Luiz Miranda diz que o fato de ser gay não o impede de fazer cena hétero

Comediante disse ainda que toda vez que alguém sai do armário, automaticamente ajuda e puxa alguém a sair de lá.

O ator e comediante Luís Miranda, 48, afirmou que a falta de recursos para se investir na educação vai empobrecendo intelectualmente o povo brasileiro. Para Miranda, esse empobrecimento impede que um ator que seja homossexual de declarar a sua sexualidade. 
"Nós vivemos em um país muito ignorante. Quando digo ignorante, digo que a falta de recursos para se investir na educação vai empobrecendo intelectualmente o povo brasileiro. Esse empobrecimento não é só de recursos. Isso vai impedir um ator que seja homossexual de declarar a sua sexualidade, que possa ajudar outras pessoas a ser libertarem", disse Miranda, em entrevista a empresária Crisciane Rodrigues para o canal Universo da Cris, no YouTube. 
Resultado de imagem para Luis Miranda
Miranda falou pela primeira vez sobre a sua sexualidade em 2014 durante uma entrevista para revista "Contigo". "Todo mundo dentro do meu círculo de amigos sabe, não tenho problema nenhum com isso, nem de ser gay ou apontado como gay. Vou a passeata gay, já levei namorados para minha casa, apresentei para minha mãe e tudo."
Para Universo da Cris, o ator falou ainda que uma pessoa declaradamente homossexual pode fazer uma cena de "beijo heterossexual, pode fazer uma cena feminina, pode fazer qualquer coisa. Ele é um artista e não tem nada a ver com as suas preferências".
Miranda disse ainda que toda vez que alguém sai do armário, ela automaticamente ajuda e puxa alguém a sair de lá. "Alguém que estava maltratado, humilhado, que estava se machucando, que estava sendo ferido. Se julga que a posição sexual de alguém pode interferir no rendimento, no crescimento, no trabalho e na sua vida social. 
Formado em artes cênicas pela USP (Universidade de São Paulo), Mirando diz a Cris que já sofreu racismo durante a sua vida. "Às vezes é agressivo e ofensivo dentro da sociedade. Eu devolvo [o racismo]. Isso não está em mim, está no outro. É na hora que você tem que fazer o espelho. A pessoa que tem que se enxergar como racista, como intolerante." 
Questionado sobre as temáticas do humor, o ator afirmou que precisa ter um mínimo de respeito para não ofender ninguém. "O humor tem responsabilidade. Há de se fazer humor com um mínimo tom de respeito para que não se ofende ninguém e aquilo realmente seja risível. Pode-se brincar com tudo, só não dá para depreciar da maneira como você brinca."
Luís Miranda já iniciou os trabalhos da quarta temporada de "Mister Brau", que tem previsão de estreia em abril na Globo. O elenco ainda é composto por Taís Araújo, Lázaro Ramos e Fernanda Freitas.

02 de fevereiro de 2018

Kim Kardashian faz lista de inimigos para enviar seu novo perfume

Nos papéis, é possível ler nomes como o de Taylor Swift, com quem Kim não mantém relações amigáveis.

Kim Kardashian, 37, não guarda segredos a respeito de seus inimigos. A socialite publicou em seu InstaStories (ferramenta de compartilhamento de imagens que desaparecem em 24 horas) nesta quinta (1º) uma lista de nomes para quem pretende enviar sua nova linha de perfumes, a Kimoji Hearts.

"Estou escrevendo uma lista para enviar as caixas. Vou enviar para muito mais gente mas eu decidi que nesse Dia dos Namorados todo mundo merece um admirador", explicou ela. O lançamento do perfume nesta quinta (1º) celebra o Valetine's Day, o Dia dos Namorados nos EUA, que acontece no dia 14 de fevereiro. 

A estrela do reality "Keeping  Up  With  The  Kardashians" não foi discreta. "Vou enviar aos meus amados, aos meus inimigos, a todos que pude pensar. Afinal, é Dia dos Namorados". Nos papéis, é possível ler nomes como o de Taylor Swift, com quem Kim não mantém relações amigáveis.

Além da cantora americana, Blac Chyna, sua ex-cunhada, e o apresentador Piers Morgan do "Good Morning Britain" incluem a lista entre outras pessoas gratas e não gratas.

Nesta semana, Kim se envolveu em outra polêmica. A empresária compartilhou em seu Instagram uma série de fotos feitas em um ensaio sensual, pelo fotógrafo Marcus Hyde. No entanto, foi criticada por seus seguidores, que alegaram que Kim se apropriou culturalmente das tranças enraizadas. 

No dia 15 de janeiro nasceu o terceiro filho de Kim Kardashian com o marido, Kayne West. O casal pagou cerca de US$ 45 mil (R$ 140 mil) por uma barriga de aluguel, já que, devido à complicação da última gravidez, Kim poderia ter uma gestação de risco.

Naldo Benny diz que pagou preço muito caro por agredir Moranguinho

Em vídeo, cantor aproveitou para comentar os problemas com o seu primeiro casamento, que terminou em 2010.

Naldo Benny, 38 anos, fez um desabafo sobre as polêmicas que se envolveu nos últimos meses. Em um vídeo postado no YouTube nesta quinta (1º), o cantor falou sobre ter agredido Ellen Cardoso, a Mulher Moranguinho, em 2017, e aproveitou para comentar os problemas com o seu primeiro casamento, que terminou em 2010.

"Quero deixar claro que não gostaria de passar, novamente, por esse momento desconfortável. Mas gostaria de pedir desculpa para o pessoal que me acompanha, ama o que eu faço", começou Benny. 

Sobre as agressões a sua atual mulher, Naldo disse que "pagou um preço muito caro" pelo que fez. "A gente ainda não voltou. Reconheço e não concordo com tudo que eu sofri por isso. Também sofri por isso. Acredito que em mulher não se bate nem com flor."

Na época, Naldo foi preso por porte de arma e liberado no mesmo dia. Mas, as consequências foram mais graves em sua carreira. Participando do programa "Dancing Brasil", o cantor foi excluído do elenco e teve seu show no Réveillon de Copacabana cancelado. 

"Ando na rua com a cabeça baixa, tenho vergonha das pessoas. Não posso olhar a minha mulher a hora que eu quero (...) não posso ver minha filha na hora que desejo", afirmou o cantor, ainda sobre o caso de agressão a Moranguinho.

Ele disse que reconhece os próprios erros e busca melhorar. No vídeo, o cantor afirma que faz sessões de terapia e trata seu lado espiritual na igreja. "Reconheci e aprendi que tenho a questão do meu passado, de coisas que eu via acontecendo em casa, com meu pai, com a minha mãe, com agressões e tal. Isso acabou me fazendo muito mal, eu tinha uma doença e todos os dias acordo ciente de que eu tenho um problema e preciso curar isso."

Naldo afirmou que pretende se recuperar e servir de exemplo para ajudar outras pessoas que passaram pelo mesmo problema. "Sei que tem pessoas que passam por isso e não sabem como conseguir uma ajuda. Eu vou em busca de tentar ajudar essas pessoas, porquê sofre família, filhos, sofre todo mundo", disse.

Divórcio

Nas últimas semanas Branka Silva, ex-mulher de Naldo, veio a público comentar a separação do casal, que ocorreu em 2010, passando por problemas jurídicos até 2014. Silva alegou que Naldo não cumpriu com os deveres de pai, deixando de pagar pensão e, também, deixando-a sem moradia.

No vídeo, o cantor explicou o processo de divórcio conturbado. Segundo ele, em 2010, 2 dos 3 apartamentos do cantor foram dados à ex mulher. Branka, no entanto, teria vendido os imóveis de maneira irregular. "Ela vendeu o mesmo apartamento para duas pessoas, tenho a prova aqui do estelionatário", disse o cantor, mostrando um papel timbrado no vídeo.

27 de janeiro de 2018

Herdeiro de dramaturgo acusa diretor Guillermo del Toro de plágio

Segundo David Zindel, filho do dramaturgo americano vencedor do Pulitizer, o longa contém muitos dos mesmos elementos de uma peça escrita por seu pai em 1969, e que virou atração na TV.

Um herdeiro do dramaturgo Paul Zindel acusa o filme "A Forma da Água", de Guillermo del Toro, de se aproveitar do trabalho do autor sem creditá-lo.

Cena do filme "A Forma da Água" (Foto: Divulgação)

Segundo David Zindel, filho do dramaturgo americano vencedor do Pulitizer, o longa contém muitos dos mesmos elementos de uma peça escrita por seu pai em 1969, e que virou atração na TV.

Em "Let me Hear You Whisper", o texto que supostamente foi plagiado, uma zeladora cria um laço com um golfinho que é mantido num laboratório e tenta resgatá-lo.

No filme de Del Toro, uma faxineira se afeiçoa a um monstro aquático aprisionado num laboratório e tenta libertá-lo.

"Estamos chocados que um grande estúdio pudesse ter feito um filme tão escancaradamente derivado da obra de meu pai sem que dar o devido reconhecimento", escreve David num e-mail enviado ao jornal britânico "The Guardian".

"A Forma da Água" concorre em13 categorias no Oscar, incluindo roteiro original, assinado apenas por Del Toro e por Vanessa Taylor.

Um porta-voz da Fox Searchlight, estúdio por trás do filme, negou as acusações.

"Guillermo del Toro nunca leu ou viu a peça em qualquer forma", diz o comunicado. "E ele sempre foi muito aberto em dizer quais são as suas influências."

Em entrevista, Del Toro disse que a ideia teve origem numa conversa sua com o produtor Daniel Kraus, que propôs uma história sobre "uma zeladora que rapta um homem-anfíbio de um laboratório".

Contém spoilers

Ambas as histórias são ambientadas nos anos 1960 e trazem curiosas semelhanças: nos dois casos, as protagonistas trabalham em plantões noturnas e constroem suas respectivas relações com a criatura aquática por meio do oferecimento de comida e de dancinhas.

Além disso, nos dois casos, os laboratórios em que as tramas são ambientadas são secretos e estão envolvidos em operações militares. E a trama se desenrola, em ambos, depois que a protagonista descobre que há planos para matar a criatura aquática.

Outros detalhes: nos dois casos, um carrinho de lavanderia é usado no resgate, e existe uma cumplicidade entre a protagonista e uma outra colega de limpeza.

Morto em 2003, Zindel venceu o prêmio Pulitzer em 1971 pela peça "The Effect of Gamma Rays on Man-in-the-Moon Marigolds".

22 de janeiro de 2018

José Padilha competirá no Festival de Berlim com filme americano

A história é inspirada no sequestro de um voo da Air France que fazia a rota entre Tel Aviv e Paris, em 1976, levado a cabo por guerrilheiros ligados à Frente Popular para a Libertação da Palestina.

O Festival de Berlim, uma das mais tradicionais mostras de cinema do calendário, anunciou mais cinco títulos que estarão na competição pelo Urso de Ouro deste ano.

Entre eles está "Operação Entebbe", filme americano dirigido pelo carioca José Padilha.

A história é inspirada no sequestro de um voo da Air France que fazia a rota entre Tel Aviv e Paris, em 1976, levado a cabo por guerrilheiros ligados à Frente Popular para a Libertação da Palestina.

O longa tem Rosamund Pike ("Garota Exemplar") e Daniel Brühl ("Adeus, Lênin") no elenco.

Padilha já ganhou um Urso de Ouro, em 2007, por "Tropa de Elite".

Os outros filmes anunciados nesta leva para competir nesta edição são "Season of the Devil", de Lav Diaz (Filipinas) e "Museo", de Alonso Ruizpalacios (México).

Fora da disputa também foram escalados "Ága", de Milko Lazarov (Bulgária, Alemanha, França), e "Unsane", de Steven Sorderbergh (EUA).

O Brasil também está representado na competição por "Las Herederas" (as herdeiras), dirigido pelo paraguaio Marcelo Martinessi.

Fora da disputa, o país também emplacou três filmes na mostra Panorama, paralela à competição principal. São eles "Aeroporto Central", de Karim Aïnouz, "Ex-Pajé", de Luiz Bolognesi, e "Bixa Travesty", de Claudia Priscilla e Kiko Goifman.

Veja a lista completa de filmes na competição do Festival de Berlim

- "Operação Entebbe", de José Padilha (EUA)

- "Season of the Devil", de Lav Diaz (Filipinas)

- "Museo", de Alonso Ruizpalacios (México)

- "Ága", de Milko Lazarov (Bulgária, Alemanha, França)

- "Unsane", de Steven Sorderbergh (EUA)

- "3 Days in Quiberon", de Emily Atef (Alemanha, Áustria, França)

- "Black 47", de Lance Daly (Irlanda, Luxzembrugo)

- "Damsel", de David e Nathan Zellner (EUA)

- "Eldorado", de Markus Imhoof (Suíça, Alemanha)

- "Las Herederas", de Marcelo Martinesse (Paraguai, Alemanha, Uruguai, Noruega, França, Brasil)

- "Pig", de Mani Haghighi (Irã)

- "La Prière", de Cédric Kahn (França)

- "The Real Estate", de Måns Månsson (Suécia/ Reino Unido)

- "Touch Me Not", de Adina Pintilie (Romênia, Alemanha, República Tcheca, Bulgária, França)

- "Transit", de Christian Petzold (Alemanha, França)

- "Don't Worry, He Won't Get Far on Foot", de Gus Van Sant (EUA)

- "Dovlatov", de Alexey German Jr. (Rússia, Polônia, Sérvia)

- "Eva", de Benoît Jacquot (França)

- "Figlia mia, de Laura Bispuri (Itália, Alemanha, Suíça)

- "In den Gängen, de Thomas Stuber (Alemanha)

- "Mein Bruder heißt Robert und ist ein Idiot", de Philip Gröning (Alemanha)

"Mug", de Magorzata Szumowska (Polônia)

21 de janeiro de 2018

Superfaturamento faz amigos desistirem de participar do Corso

Grupo desfilava desde 2012 e já ganhou 10 prêmios de melhor caminhão, mas este ano os gastos aumentariam cerca de 50%.

A quantidade de caminhões desfilando no Corso de Teresina está diminuindo a cada ano e um dos motivos é o alto preço cobrado pelo aluguel do veículo, dos banheiros químicos e da estrutura exigida para garantir a segurança dos foliões. Por conta do superfaturamento, um grupo de amigos que ao longo de cinco anos já venceu 10 prêmios de melhor caminhão, desistiu de desfilar no dia 3 de fevereiro.

Segundo Igor Leite, um dos organizadores, os preços já estavam muito altos desde o ano passado, mas o grupo conseguiu desfilar com muito esforço. “O caminhão era pra reunir somente amigos, mas a despesa ficou tão alta que precisamos vender pra quem não conhecíamos, senão não arrecadava o dinheiro”, afirma.

Investimento para organizar caminhão com boa estrutura, além de bebidas e comidas, pode chegar a dezenas de milhares de reais (Foto: Assis Fernandes / O DIA)

Os gastos com toda a estrutura oferecida para os 43 foliões do caminhão chegaram a R$ 20 mil. Este ano, Igor estima que precisariam investir pelo menos R$ 30 mil, ou seja, um aumento de 50%. “O custo por pessoa ficaria mais de R$ 300,00. Então a gente percebeu que aquilo tava errado. É desestimulante”, lamenta.

Para este ano, além do aluguel do caminhão que chega a R$ 2.500 e pode subir para R$ 4 mil quando toda a estrutura de proteção for montada, o preço do combustível deve elevar ainda mais os custos em relação a 2017.

Em 2012, quando o Corso de Teresina ganhou o título de maior desfile do mundo pelo Guinnes Book, foram confirmados 343 caminhões enfeitados na avenida. No ano passado, esse número caiu para 32 veículos. Este ano, de acordo com a Fundação Cultural Monsenhor Chaves, existem três caminhões inscritos, mas o prazo segue até o dia 31 de janeiro.


Notícia relacionada:

Teresina consolida a cultura de viver o carnaval antes dele acontecer 


Festas para arrecadar dinheiro

Galenny Paulino não esperou muito tempo para inscrever seu caminhão no Corso. Há oito anos, ou seja, antes mesmo do evento se transformar na maior prévia de Teresina, ele reúne familiares e amigos para desfilar. No ano passado o grupo foi vice-campeão e agora espera alcançar o primeiro lugar na disputa lançada pela Prefeitura de Teresina.

Ele estima que o investimento com caminhão, banda, decoração e bebidas vá superar os R$ 20 mil, mas conta sua estratégia para driblar os custos. “A turma vem fazendo eventos o ano inteiro para arrecadar fundos. Também contamos com patrocinadores e com a ajuda dos associados do bloco, que pagam R$ 170,00 cada um”, revela.

O tema do caminhão será uma homenagem ao grupo de afoxé filhos de Ghandy. “Somos uma família que ama o carnaval da Bahia e a gente traz esta energia para o Corso. Temos que manter essa tradição em Teresina”, defende.

Segundo o gerente de promoção cultural da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, Kleyton Marinho, a expectativa é que a quantidade de caminhões supere a do ano passado. “Muitas pessoas deixaram de se inscrever em 2017 devido ao valor do aluguel dos carros, que tava muito alto, mas agora os preços baixaram. O valor dos prêmios para os ganhadores também está melhor”, afirma. 

A prefeitura está oferecendo R$ 40 mil em premiação, dividida em quatro categorias: animação, criatividade, originalidade e estranheza. Cada vencedor leva o prêmio de R$ 10 mil.

Confira a reportagem da TV O DIA para o especial transmídia:


06 de janeiro de 2018

Escritores e colegas lamentam a morte de Carlos Heitor Cony

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Marco Lucchesi, presidente da Academia Brasileira de Letras, afirmou que "nós perdemos uma escola e eu perco um amigo".

O escritor Carlos Heitor Cony morreu nesta sexta-feira (5) às 23h, aos 91 anos. Ele estava internado no Hospital Samaritano e morreu após falência de múltiplos órgãos.

Escritores e colegas lamentaram a sua morte.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Marco Lucchesi, presidente da Academia Brasileira de Letras, afirmou que "nós perdemos uma escola e eu perco um amigo".

O jornalista e escritor Carlos Heitor Cony (Foto: Mauro Pimentel / Arquivo Folhapress)

Para Lucchesi, "Cony era corajoso e livre, que é o que precisamos no Brasil de hoje. Era um homem incapturável, de uma liberdade intensa na escrita e na visão do país. Não havia tendência que o capturasse. A literatura de Cony é, em si mesmo, um continente: são muitas geografias e climas que habitam a obra dele. Vai fazer muita falta, porque não ficou preso a sua própria geração."

Arnaldo Niskier, membro da ABL, lembrou um episódio em que o cardeal Dom Lucas Moreira Neves tentou convencer Cony a recuperar sua fé cristã.

"Estávamos num almoço com o cardeal numa visita ao Vaticano, quando Dom Lucas Neves me pediu para conversar a sós com Cony. Depois ele me contou que o cardeal queria que ele voltasse para a igreja, recuperasse a fé, coisa que ele tinha perdido completamente", afirmou Niskier.

Niskier, que o recebeu na ABL em 2000, afirmou que o livro "Quase memória" é "uma lição de literatura". "É um exemplo de como se deve fazer um romance, num espaço reduzido. Ele [o livro] diz tudo", afirmou.

Nelida Piñon, escritora e integrante da ABL, acredita que o escritor "deixa a marca de seu talento da generosidade".

"Ao longo de sua ascensional trajetória, houve um hiato muito grande durante o qual ele deixou a literatura, repudiou a literatura, disse que nunca mais ia escrever. Mas quando ele volta com o "Quase Memória", ele tem o privilégio de completar um ciclo. Quando se completa um ciclo, há uma avaliação mais complexa. Hoje nós o vemos como um brasileiro participante, um enorme jornalista, mas sobretudo um grande escritor"

Para a crítica literária, Beatriz Resende, classifica o escritor como "homem muito valente" que deixa "grandes romances" que "marcam momentos da literatura brasileira".

"Seus primeiros livros marcaram uma vertente existencialista que não havia até então no Brasil: era uma coisa muito europeia. São livros muito bonitos. Em 'Quase Memória', ele volta com uma força muito grande, é um livro muito original", disse.

"Além de grande escritor, ele foi um intelectual importante para várias gerações. Era um polemista, mas que sempre buscava muito diálogo. Não tinha medo da política, e sofreu muito. Foi extremamente perseguido e preso várias vezes."

"Um dos autores que realmente faz a literatura brasileira contemporânea", disse Domício Proença Filho, membro da ABL.

"A academia vai sentir falta de Cony e o Brasil também. Há duas semanas estávamos juntos em um almoço em homenagem a ele, ele estava muito bem. É sempre dolorido, a gente nunca se conforma e sente saudade do amigo", lamentou.

O cartunista brasileiro Jaguar relembrou a época em que trabalhava com Cony.

"Quando houve prisão dos 14 do "Pasquim", o Henfil, o Millor e os jornalistas que ficaram de fora ficaram lá fazendo o jornal durante nossa ausência. Achei ótimo, foi o período mais tranquilo da minha vida. Não fomos torturados e não tive que fechar o jornal! Ele falava algo que eu também dizia: 'A única tortura que a gente teve foi ter que conversar com aqueles caras e conviver forçadamente com eles'."

"Era uma pessoa muito curiosa de se lidar porque, embora dissesse que era um pessimista, ele era um otimista", contou o ensaísta e membro da ABL à Folha de S.Paulo.

"Ele costumava dizer na sessão da ABL quando estávamos conversando, durante o chá: 'Eu sou um acadêmico terminal, podem contar com a minha vaga'. Por anos ele fez essa brincadeira conosco. Ele não foi apenas um grande escritor: ele deixou um livro ["Quase Memória"] cuja eternidade está garantida e que é uma obra-prima. É um dos livros mais brilhantes, profundos e bem escritos da língua portuguesa. A concepção dele, sua mistura de romance e autobiografia é admirável"

Nas redes sociais, colegas também lamentaram a perda de Cony. Fafá de Belem postou na conta oficial do seu Instagram uma foto do escritor e escreveu "Grande jornalista, cronista, romancista e brasileiro".

Sérgio Augusto, jornalista e escritor brasileiro, disse: "Velho companheiro de redação e um dos maiores escritores brasileiros da segunda metade do século passado. Já seria um dos grandes se tivesse escrito apenas 'Pessach' e 'Quase Memória'."

No Facebook, Fabrício Carpinejar, poeta e cronista brasileiro prestou homenagem a Cony. "'Amanhã farei grandes coisas', é assim que o jornalista Ernesto pai se despedia do seu filho Carlos Heitor Cony, na hora de dormir, depois de um dia de trabalho. Você fez grandes coisas, escritor Cony, maravilhosos romances, crônicas límpidas, assim você se despede da gente, com a esperança bem vivida."

Marcelo Rubens Paiva se despediu do escritor.

"Arrivedderci, Cony. Muito bom ter te lido, te conhecido, papeado longamente. Nosso ultimo encontro ano passado foi tao frutifero, que te fiz personagem do roteiro que escrevi. Você é eterno como Pompeia."

01 de janeiro de 2018

'Quando vi já estava nos teus braços', declara Neymar para Bruna Marquezine

Oficialmente separados desde junho, Marquezine e Neymar estão hospedados na pousada do casal Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso na ilha pernambucana.

Nesta segunda (1º), o jogador do Paris Saint-Germain se declarou para a atriz Bruna Marquezine ao publicar, no Instagram, uma foto em que os dois se beijam. "Quando vi já estava nos teus braços. Love you, Pretinha", escreveu o atleta na legenda da imagem. 

O mesmo clique já tinha sido publicado, neste sábado (30), pelo autor, o fotógrafo Raul Aragão. 

Oficialmente separados desde junho, Marquezine e Neymar estão hospedados na pousada do casal Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso na ilha pernambucana. 

Gagliasso, aliás, também mostrou um "momento casal" da atriz e do jogador na virada do ano. Na sua conta, o ator divulgou uma foto em que Marquezine e Neymar aparecem abraçados ao lado de outros dois casais -o próprio  Gagliasso com a mulher, a apresentadora Giovanna Ewbank, e a modelo Izabel Goulart com o namorado, o goleiro Kevin  Trapp. 

Esta não é a primeira vez que os dois são flagrados juntos após o término. Em outubro, o ex-casal se viu durante o casamento de Marina Ruy Barbosa com o piloto Xandinho Negrão, que aconteceu em Campinas (SP), na casa da família do noivo. Segundo convidados, o reencontro teve conversas ao pé do ouvido e troca de selinho.

RÉVEILLON EM NORONHA

Neymar chegou ao arquipélago pernambucano neste sábado (30) após passar uma temporada em Maraú, na Bahia, ao lado do filho, Davi Luca, e de amigos famosos como Gabriel Medina, Thiaguinho e Rafael Zulu.

Já Marquezine chegou ao estabelecimento de Gagliasso e Ewbank há alguns dias. A pousada também recebeu para o Ano-Novo outros famosos como Fernanda Paes Leme, Giovanna Lancelotti e Hugo Gloss.

24 de dezembro de 2017

Clipe de Anitta movimenta turismo e funk no Vidigal e divide opinião

Vídeo quebrou recordes no streaming e já somava mais de 35 milhões de visualizações no YouTube

A viagem de mototáxi da base até o topo do Morro do Vidigal, no Rio de Janeiro, sai por R$ 5. No caminho para a subida, estão o bar com mesa de bilhar –e sua oferta combinada de refresco e coxinha por R$ 3,50– e a faixa em homenagem cristã ("Ergo a bandeira da vitória em nome de Jesus", diz a frase). No alto, a laje de um hotel é rodeada por uma das mais belas vistas da capital fluminense.
O cenário da comunidade carioca repercute internacionalmente desde segunda-feira (18), quando o clipe de "Vai Malandra", novo hit de Anitta, ambientado no local, foi lançado como desfecho do projeto "CheckMate". Trata-se do último dos quatro videoclipes que a cantora lançou em quatro meses.
O vídeo, que quebrou recordes no streaming e já somava mais de 35 milhões de visualizações no YouTube até a conclusão desta edição, levantou debates sobre apropriação cultural e objetificação do corpo feminino.

Nada com que Anitta não tivesse lidado antes, a não ser pela escolha pelo fotógrafo americano Terry Richardson, acusado de assédio sexual, para a direção do clipe.
Blindada por uma equipe de assessores e munida com a justificativa de uma agenda comprometida –a cantora tinha 12 shows agendados para este mês, fora ações promocionais e a administração da carreira–, Anitta desvia de entrevistas questionadoras e limita-se a interagir com seu público via redes sociais.
A forma como as comunidades são retratadas pela indústria cultural apenas tangencia moradores do Vidigal, acostumados com visitas de ilustres como Naiara Azevedo e Ivete Sangalo, que movimentam o turismo local.
"É uma ficção, você tem que pensar no que isso trouxe, que foi o olhar internacional para dentro de uma favela no Rio" diz Ana Lima, 41, moradora do morro e guia de turismo da Trilha Dois Irmãos, que faz excursões pela comunidade.
A faixa virou nome de um baile funk comandado por MCs mulheres na laje do hotel Mirante do Arvrão, onde a cena do bronzeamento com fita isolante foi gravada.
É lá também que, nos dias de folga do Bar da Laje, Rodrigo Motta, 26, busca wi-fi para interagir nas redes –desde que atuou no clipe besuntando mulheres com bronzeador, o barman ganhou mais de 20 mil seguidores no Instagram.
"Num momento em que você tem um monte de funk ostentação, muitas vezes as pessoas que moram aqui podem sonhar com aquilo, mas não veem a sua realidade ali. O cara quando chega aqui anda de mototáxi, a menina veste C&A [marca patrocinadora de 'CheckMate']", diz Daniel Graziane, 35, sócio do hotel.
Para ele, ainda que o clipe não retrate o todo, uma parte da favela é representada. "A menina de trancinha não se vê na novela, mas se vê na Anitta, isso vale muito."
A representante comercial Dailene Oliveira, 36, possui marquinha de biquíni destacada, mas nega usar a técnica de fita isolante criada por Érika Bronze. "Mando fazer meus biquínis todos iguais."
Ela diz que não viu o clipe, mas comenta cenas, figurinos e críticas. "Tenho noção de que é ficção, mas nem todo mundo tem, as pessoas acham que está vulgarizando o lugar em que a gente mora."
O mototáxi Luís Fernando, 31, afirma que a visibilidade tem sido boa para os negócios, mas expõe ressalvas.
"Foi um pouco vulgar. A pessoa que é evangélica vai ver um cara de sunga dentro da comunidade, alguém de biquíni com aquele bundão pra fora, vai ficar sem graça", diz ele, que é evangélico. "Ajuda [o turismo], mas aumenta muita coisa, como o aluguel."

Otávio Mesquita leva filho para distribuir panetone a moradores de rua

O apresentador afirmou que faz isso há muito tempo e que aprendeu com o seu pai.

O apresentador e empresário Otávio Mesquita, 58, levou neste domingo (24), véspera de Natal, seu filho, Pietro, 8, para distribuir panetones para moradores de rua.
"O dia mais gostoso do Natal é fazer as coisas que eu faço, que eu sugiro que vocês também o façam. É sair por aqui ajudando as pessoas de maneira simples, mas muito emocional. Fazer o bem, faz bem. Seu filho tem que começar a entender que quando a gente faz o bem, a gente acaba recebendo o bem também", disse Mesquita, em vídeo publicado em sua conta no Instagram.

O apresentador afirmou que faz isso há muito tempo e que aprendeu com o seu pai. Agora, ele diz que quer ensinar seu filho a fazer o bem.
Nos vídeos publicados em sua conta na rede social, Mesquita mostra o filho distribuindo panetones a crianças noS semáforos e a um casal de moradores de rua. Questionando pelo pai o que simboliza a ação, Pietro disse: "É uma coisa bem legal para eles".
Otávio Mesquita foi elogiado pelos seus seguidores sobre a importância de sua ação, ainda mais com a presença do filho.
​Pietro é filho do apresentador com a publicitária Melissa Wilman. Ele ainda tem outros dois filhos, frutos de outros casamentos. Melissa é a quarta mulher de Mesquita, que está afastado da televisão aberta desde o término do programa "Okay Pessoal", exibido no SBT.
Em novembro passado, o site "RD1" afirmou que o artista terá um novo formato na emissora de Silvio Santos a partir de 2018 e que irá ao ar de segunda a sexta após o SBT Notícias, que terá seu tempo reduzido na programação.