• Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

'Israel é a Terra Prometida, e o Brasil é a terra da promessa', diz Netanyahu

O primeiro-ministro de Israel se encontrou com o presidente eleito Jair Bolsonaro em Copacabana.

28/12/2018 14:54h

O premiê israelense, Binyamin Netanyahu, chamou o presidente eleito, Jair Bolsonaro, de amigo durante encontro nesta sexta-feira (28) no Rio de Janeiro.
"Israel é a Terra Prometida, e o Brasil é a terra da promessa, do futuro", disse Netanyahu, o primeiro premiê de Israel em exercício a visitar o Brasil desde a fundação do Estado judaico, em 1948.
Bolsonaro afirmou que o Brasil sob seu governo pretende ser, mais do que um parceiro, um irmão de Israel.
No domingo (30), Netanyahu tem encontros com lideranças da comunidade judaica e de cristãos no Rio.
Netanyahu deixou a base aérea do Galeão, na zona norte do Rio por volta de 12h. A comitiva foi escoltada por veículos da Polícia Federal.
No hotel onde ele ficará hospedado até a próxima terça (1º), grades foram colocadas para controlar o acesso. Na terça, Netanyahu vai a Brasília para a posse de Bolsonaro.


O presidente eleito Jair Bolsonaro recebe a visita do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Copacabana.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

"É uma grande mudança que Bolsonaro lidera, e estou feliz por podermos abrir uma nova era entre Israel e essa superpotência chamada Brasil", disse o primeiro-ministro antes de embarcar, nesta quinta (27).
Bolsonaro tem feito acenos a Israel desde a campanha e prometeu transferir a embaixada brasileira naquele país de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo o exemplo dos Estados Unidos.
A visita ocorre em meio a um conturbado momento político em Israel, que culminou com a dissolução do Parlamento daquele país e a antecipação das eleições gerais de novembro para abril de 2019. Com a medida, Netanyahu se mantém no poder, mas não pode tomar decisões que precisem de aprovação parlamentar.
No cargo há uma década, o premiê é alvo de quatro investigações sobre corrupção. A procuradoria-geral precisará aguardar as eleições antes de se pronunciar sobre as investigações.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário