• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Crossfit: a modalidade esportiva que desafia os limites dos praticantes

Sheila Fontenele perdeu 20 quilos em um ano de crossfit, além de superar os limites.

18/01/2020 09:33h - Atualizado em 22/01/2020 17:38h

“Tudo começou quando Gustavo, meu esposo, começou a praticar crossfit e passei almoços inteiros o ouvindo falar dos movimentos ou sobre como ele se sente à beira da morte ao final dos treinos, e que, de alguma maneira, ele nunca se sentiu tão vivo. Comecei a notar que ele ficou mais preocupado com a alimentação e começou a usar camisetas com estampa de Kettlebell. E aí, você tem certeza que aquilo só pode ser alguma espécie de lavagem cerebral e, então, você odeia o crossfit”. Este texto é um trecho de uma publicação das redes sociais da jornalista e cerimonialista Sheila Fontenele.

Leia também:

Movimente-se: Ciclismo ajuda praticantes a adotarem hábitos saudáveis 

“Se puder escolher um hábito para mudar, opte sair do sedentarismo" 

Emagrecimento saudável está ligado à saúde física e mental 

Prática esportiva deve estar associada ao bem-estar e prazer 

Parques ambientais: qualidade de vida aliada ao lazer 

Após esse ódio descrito por ela, a curiosidade sobre a modalidade a consumiu. Ela, então, decidiu marcar a primeira aula de crossfit. De lá até agora, já se passaram um ano e vinte quilos foram perdidos. Além do incentivo do marido, neste período, a jornalista também havia acabado de ganhar um bebê, o pequeno Luiz Gustavo. O ganho de peso, na época, foi por um bom motivo, um sonho que havia sido realizado.

“Eu estava com 86 quilos e eu precisava de uma atividade de alta intensidade para conseguir perder peso, então decidi entrar no crossfit. No início foi curiosidade, mas depois fui gostando da modalidade, que, no fim, acaba viciando, não sei o que é, e quando você vai vendo os resultados, é uma coisa incrível. Hoje, um ano depois, eu estou com 66 quilos, foram 20 quilos que eu consegui perder e tudo da forma mais saudável possível, aliada a uma dieta balanceada”, conta Sheila Fontenele.

A cerimonialista lembra que a modalidade esportiva é um ambiente em que as pessoas são unidas, pois a atividade é em grupo, ajuda na socialização e todos se tornam amigos. O crossfit, ainda a possibilitou ter um melhor treino cardiorrespiratório, mais disciplina e foco na atividade física.


Sheila Fontenele e sue marido no Crossfit. Arquivo Pessoal

Em novembro, Sheila Fontenele participou de uma competição interna na academia em que treina e ficou em segundo lugar em sua modalidade, intermediário.

“Tinham 15 concorrentes e eu consegui ficar em segundo lugar e eu tenho 35 anos e perdi para uma menina de 22 anos. Então, pra mim, é como se fosse primeiro lugar. E fiquei muito feliz, foi uma superação, como se ganhasse uma medalha de ouro, como se ganhasse as olimpíadas”, comenta.

Para quem começar a fazer crossfit, a dica da jornalista é que a pessoa faça uma aula experimental. Ela garante que os primeiros dias não serão fáceis. Mas os resultados serão animadores.

“A primeira aula é horrível, a segunda você dá vontade de desistir, e na terceira você não quer mais ir. Mas, quando você vai tentado, resultando e conseguindo executar os movimentos, superando os teus limites, aquilo lhe motiva. O crossfit é isso, você e você, é a tua superação pessoalE para quem quer, não precisa ter medo, é só ter perseverança que o resultado vem”, conclui Sheila Fontenele.

Por: Sandy Swamy- Jornal O Dia

Deixe seu comentário