• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Câncer de próstata: com diagnóstico precoce 90% dos casos tem cura

A partir dos 50 anos homens devem iniciar avaliações periódica

05/11/2019 15:56h - Atualizado em 06/11/2019 11:50h

O novembro azul foi criado para conscientização da saúde masculina, em especial para fazer um alerta sobre o câncer de próstata, que ataca um a cada sete homens que já passaram dos 50 anos. A doença é a segunda que mais mata homens no Brasil. Por isso, a importância de fazer exames periódicos.

De acordo com a urologista Marília Buenos Aires, quem faz o exame preventivo tem até 90% de chances de cura. Ela conta ainda que desafio dos médicos é trabalhar com o diagnóstico precoce da doença, mas que parte dos pacientes descobrem tarde.



Leia também
Pacientes esperam até 15 meses para tratar câncer de próstata 

Homens negros são mais vulneráveis ao câncer de próstata 


“A gente sabe que quando o câncer de próstata é diagnosticado precocemente existe 90% de chances de cura. O cenário hoje é mais de 68 mil pacientes com câncer de próstata no Brasil, sendo que 20% desses casos são descobertos em fase tardia onde o paciente já tem diversos sintomas e complicações”, explicou.

Médica chama atenção para os fatores de riscos do câncer de próstata (Foto: Elias Fontinele / O DIA)

A médica ressalta ainda que é preciso deixar o preconceito de lado quando o assunto é saúde. “O homem se posiciona muito como o herói de casa, que não adoece e termina não indo ao médico. O preconceito é em relação ao exame da próstata, que é o toque. Sendo que esse exame é totalmente indolor, rápido e é realizado em menos de 5 segundos. E por ser um exame muito simples não é necessário ter esse tabu”, ressalta.

Marília recomenda que a avaliação da próstata aconteça a partir dos 50 anos de idade, mas para os homens com fatores de risco, que estão incluídos negros, obesos e histórico familiar de câncer, os cuidados devem começar aos 45 anos. 

Edição: Adriana Magalhães
Por: Jorge Machado, do Jornal O Dia / Otávio Neto, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário