• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Instituto encontra vestígios de óleo em tartarugas mortas no Piauí

Foram encontradas manchas de óleo em dois animais localizados na praia Barro Preto, em Luís Correia. Situação é monitorada.

16/10/2019 10:59h - Atualizado em 16/10/2019 20:34h

Biólogos do Instituto Tartarugas do Delta encontraram vestígios de manchas de óleo no organismo de tartarugas marinhas-verdes encontradas mortas nas praias do litoral piauiense nos últimos dias. Foram pelo menos 11 animais achados sem da última sexta-feira (11) até hoje e só ontem foram cinco. Mas como em alguns casos o estado de decomposição da carcaça já estava avançado, os biólogos só conseguiram fazer os exames em três destes animais.


Foto: Mancha de óleo chega à área de proteção do Delta do Parnaíba 


Destes três animais que passaram por necrópsia, em dois foram encontrados vestígios de óleo no intestino, o que leva a crer que as tartarugas ingeriram algas contaminadas. Estes animais foram localizados em Luís Correia, na praia do Barro Preto. A informação foi repassada pela bióloga e vice-presidente do Instituto Tartarugas do Delta Werlanne Magalhães. A entidade, junto com a Capitania dos Portos, o ICMBio e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, tem feito o monitoramento das praias piauienses onde foram detectadas manchas de óleos.


Foto: Instituto Tartarugas do Delta

“Nós não conseguimos identificar macroscopicamente onde estão tendo essas contaminações, o que torna as coisas ainda mais complicadas e a situação mais grave. Não podemos visualizar a olho nu e a preocupação no momento é fazer com que esses animais e as pessoas mesmo evitem o contato com esse material”, explicou Werlanne.

Até o momento, a Capitania dos Portos detectou a presença de manchas de óleo em seis praias piauienses. Em todo o Brasil, já há registros de contaminação em 72 cidades nordestinas, tendo, nos últimos dias, a mancha de óleo chegado até as proximidades do Rio São Francisco.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário