• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Momentos importantes podem levar à crise existencial, explica psicóloga

Segundo a especialista, a crise existencial leva à introspecção, análise e percepção da própria existência.

19/09/2019 07:06h

Não importa a idade ou a fase da vida que a pessoa esteja, os questionamentos sobre aspectos profissionais e pessoais são inevitáveis. Perguntas como “será que estou feliz no trabalho?”, “será que estou com a pessoa certa?” ou “será que quero ter filhos?” são inevitáveis na vida de milhões de pessoas.

Contudo, em algumas situações, as respostas não aparecem tão facilmente, exigindo uma reflexão mais profunda e um autoconhecimento sobre as decisões a serem tomadas. Segundo Elaine Di Sarno, psicóloga e especialista em neuropsicologia, a crise de existência é uma perda momentânea de propósito e motivação, frequentemente provocada por um evento importante na vida de uma pessoa.


Leia também:

Respiração auxilia no controla da ansiedade, explica especialista 

Dificuldade em se desligar do trabalho pode causar depressão 


“Pode ser por um trauma psicológico, casamento, divórcio, grande perda, a morte de um ente querido, uma experiência entre a vida e a morte, um novo parceiro amoroso, uso de drogas psicoativas, filhos adultos saindo de casa, atingindo uma idade pessoalmente importante (completando 18 anos, completando 40 anos etc.), períodos em que há diversas transformações e que funcionam como uma espécie de rito de passagem na trajetória de cada um”, comenta.

A especialista ainda destaca que, normalmente, uma crise existencial faz perceber a impermanência de algo que pensávamos que duraria para sempre. Seja uma ideia, um relacionamento, uma sensação prazerosa, uma crença, uma carreira, um objetivo, uma característica pessoal, uma posição social, uma configuração familiar, entre diversas outras certezas possíveis.

A crise existencial, em geral, leva à uma introspecção, análise e percepção da própria existência. Por isso, essa é uma oportunidade para desenvolver o autoconhecimento e trabalhar também a inteligência emocional, entre outros aprendizados.


Se chegar ao ponto mais extremo, uma crise existencial pode causar grande ansiedade na pessoa - Foto: Folhapress

“É um processo desafiador, que deixa a pessoa mais forte e consciente para enfrentar as dificuldades do dia a dia. Crises existenciais são positivas para nos autoconhecer, reorganizar ideias e definir prioridades em função do que se quer alcançar, nos deixando mais instrumentalizados para lidar com as dificuldades. É um processo desafiador, que deixa a pessoa mais forte, representando um momento de transformação para o indivíduo”, enfatiza.

Reconhecer o problema

Elaine Di Sarno acrescenta ainda que muitas pessoas têm dificuldade em reconhecer que estão vivendo uma crise existencial. Contudo, reconhecer o problema é o primeiro passo para vencê-lo.

“Caso esteja se esforçando para enfrentar a crise existencial, mas não perceba nenhum tipo de melhora, é importante que busque ajuda especializada, de modo que este ajude a voltar a entender as questões, e a se sentir bem consigo mesmo e que a vida seja mais completa e feliz”, disse.

A especialista também ressalta que “se chegar ao ponto mais extremo, uma crise existencial pode causar grande ansiedade na pessoa, podem acontecer crises de angústia em momentos do cotidiano, no qual essas emoções podem provocar um mal-estar físico severo. É importante saber que nenhuma crise dura para sempre. Quem consegue superar uma crise existencial sai desse processo com um sentido de que aprendeu uma valiosa lição”, conclui Elaine Di Sarno.

Por: Isabela Lopes, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário