• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Teresina registra 47 casos de meningite em 2019, mas FMS descarta surto

Doença é uma inflamação das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal

01/10/2019 07:04h - Atualizado em 01/10/2019 18:07h

Este ano, Teresina registrou 47 casos de meningite, ou seja, mais de 5 casos confirmados por mês na Capital. A doença, que se caracteriza pela inflamação das meninges, que são membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, pode ser causada por vírus ou bactéria.

“Para diagnosticar a meningite é preciso analisar um conjunto de sinais e sintomas, pois cada doente tem as suas peculiaridades. Mas alguns sinais comuns são vômito em jato, dor de cabeça e dor no corpo”, explica Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da Fundação Municipal de Saúde (FMS).



Leia também: Piauí: 2019 registra 46% das mortes por meningite durante todo 2018 


Amariles destaca que de cada 10 pessoas, quatro podem ser portadoras de meningite bacteriana e que qualquer tipo da doença pode levar a óbito. “Nós somos uma floresta de bactérias e vírus. Qualquer bactéria, vírus ou fungo pode infectar a meninge”, alerta. 

Segundo a diretora de Vigilância em Saúde da FMS, a melhor forma de se prevenir é através da alimentação adequada, prática de exercício físico e não exagerar na ingestão de bebidas alcoólicas. Tudo isso para dar nutrientes materiais para que seu corpo possa ser forte”, pontua Amariles Borba


Amariles Borba diz que vômito em jato, dor de cabeça e no corpo são os sintomas mais comuns da doença - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Até junho deste ano, Teresina registrou 18 casos, sendo a cidade piauiense que mais apresenta notificações de meningite em 2019; seguida de Altos, com três notificações, e de Parnaíba, com duas notificações. Para efeito de comparação, só a Capital responde por 47% do total de notificações de meningite no Piauí este ano. 

Tratamento e contágio

Em caso de suspeita da doença, o recomendado é procurar atendimento médico imediatamente e, após o diagnóstico, verificar o protocolo de tratamento.

“Já as pessoas que tiveram contato direto com o doente devem tomar a vacina de bloqueio medicamentoso em 48h, no máximo 72h. No Sistema Único de Saúde (SUS), a vacina que faz parte do calendário é Meningite Meningocócica, tipo c, mas direcionada para crianças menores de 4 anos. A primeira dose é aos três meses, a segunda dose aos seis mês e a terceira dose que é um reforço. Além de vacina para adolescentes de 11 a 14 anos em dose única”, descreve Amariles Borba.

Já o adulto pode encontrar a medicação em hospitais particulares. Além de tomar os cuidados básicos com a higiene e a saúde.

Por: Sandy Swamy, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário