• Campanha da Santa Missa
  • Vencer 03
  • Vencer 02
  • Vencer 01
  • Prerrogativas da advogacia
  • Peregrinos da fé
  • Novo app Jornal O Dia

Notícias Polícia

28 de março de 2020

Polícia cumpre mandados e prende quatro pessoas por tráfico e roubos

Polícia cumpre mandados e prende quatro pessoas por tráfico e roubos

Prisões acontecerem no Parque Universitário, em Teresina, e no Parque Piauí, em Timon. Grupo alugava casa para esconder protudos de roubo.

A Polícia Civil, por meio de uma ação do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) cumpriu uma série de mandados de prisão nesta sexta-feira (27) em Teresina e Timon contra acusados de tráfico de droga e roubos praticados nas duas cidades. A ação contou com o apoio do BOPE, Polinter e Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes (DEPRE). Ao todo, quatro pessoas foram presas.

A operação se iniciou na zona Leste de Teresina, mais precisamente no bairro Parque Universitário, onde os policiais conseguiram prender um indivíduo de iniciais J.J.S.S e outro de iniciais H.V.O.L . Os dois foram autuados por porte de droga. De lá, os policiais seguiram para o bairro Parque Piauí, na cidade de Timon, onde efetuaram as prisões de F.J.S.N, conhecido como Tio Frank, e T.T.S.S, conhecido no mundo do crime como Tiagão.


Material encontrado em poder dos presos - Foto: Divulgação/ Polícia Civil

Segundo o coordenador do Greco, delegado Tales Gomes, T.T.S.S tinha um mandado de prisão em aberto com uma pena de 20 anos de reclusão a ser cumprida. Junto com J.J.S.S, que foi pego em Teresina, ele é suspeito de praticar uma série de roubos na capital e ainda usava uma casa alugada em Timon para esconder os produtos subtraídos de seus donos.

Os presos foram encaminhados para a sede do Greco e de lá transferidos direto para o sistema prisional.

20 de março de 2020

Juiz concede prisão domiciliar a presos do regime semiaberto

Juiz concede prisão domiciliar a presos do regime semiaberto

A determinação é do juiz José Vidal de Freitas, da Vara de Execuções Penais de Teresina

O Juiz José Vidal de Freitas, da Vara de Execuções Penais de Teresina, determinou, através de portaria, a concessão de prisão domiciliar aos detentos que atualmente cumprem pena em regime semiaberto na Colônia Agrícola Major Cesar Oliveira, Penitenciária Feminina de Teresina, Unidade de Apoio ao Semiaberto, Penitenciária José Ribamar Leite, Penitenciária Irmão Guido e Unidade de Apoio Prisional.

Além da superlotação e de problemas estruturais, o magistrado argumenta a necessidade de adoção de medidas por parte do judiciário para auxiliar na contenção do Covid-19. A falta de uma estrutura de saúde adequada nos estabelecimentos prisionais também é um dos fatores apresentados pelo magistrado como justificativa.

De acordo com a portaria, os detentos devem ser monitorados através do uso de tornozeleira eletrônica, até o próximo dia 31 de maio. O magistrado aponta que, mesmo que não haja tornozeleiras eletrônicas suficientes para a instalação nos apenados para atender o momento de crise, a Secretaria de Justiça deverá liberar todos os apenados.

A determinação é do juiz José Vidal de Freitas, da Vara de Execuções Penais de Teresina(Foto: Arquivo/ O Dia)

A inclusão de todos no sistema de monitoramento eletrônico deve ser feita de forma gradativa, enquanto isso, medidas como ‘contato telefônico, comparecimento no domicílio, e  determinação de apresentação do (a) apenado(a) em data previamente agendada’, devem ser adotadas pela Administração Penitenciária.

A portaria também determina que a Administração Penitenciária deve providenciar a inclusão dos apenados no regime de prisão domiciliar no prazo de 10 dias, não sendo necessária a expedição de ordem de liberação.

Os detentos que irão para o regime domiciliar deverão retornar aos estabelecimentos prisionais onde cumpriam pena no dia 01 de junho de 2020, impreterivelmente, sob pena de serem considerados foragidos, com suas devidas consequências.

17 de março de 2020

Presos fogem da Custódia 48 horas após serem pegos abrindo buraco no teto

Presos fogem da Custódia 48 horas após serem pegos abrindo buraco no teto

Outros sete detentos também tentaram escapar do presídio, mas foram pegos pela Guarda Militar da unidade penal.

A Casa de Custódia do Piauí (Penitenciária José de Ribamar Leite) registrou a fuga de dois detentos na noite desta segunda-feira (17). Os presos foram identificados como Ridelson William da Silva e André Luiz Soares da Silva. Além deles, outros sete detentos tentaram escapar do presídio, mas foram capturados a tempo pela Guarda Militar.

De acordo com o Sindicato dos Policiais Penais do Piauí (Sinpoljuspi), os dois que escaparam já haviam tentado fugir da Casa de Custódia na noite do último sábado (14), abrindo um buraco no teto da cela onde estavam alojados. “Eles foram pegos e realocados no Pavilhão E para a triagem, mas consegui fugir de lá na noite de ontem. Os demais que tentaram segui-los foram interceptados pelos policiais de plantão quando chegaram à laje do presídio”, explica Kleiton Holanda, presidente do Sinpoljuspi.


Presos fogem da Custódia 48 horas após serem pegos abrindo buraco no teto - Foto: O Dia

Segundo a entidade, a Casa de Custódia está abrigando atualmente quase o dobro de detentos que realmente deveria receber. É que a unidade penal suporta o máximo de 336 internos e possui hoje 900. O número, conforme diz Kleiton Holanda, dificulta a realização de vistorias por parte dos policiais penais e também a guarda e vigia de todos os detentos.

A Secretaria de Justiça do Piauí (Sejus) encaminhou nota informando da fuga dos dois detentos e dizendo que está fazendo buscas para localizá-los. Confira na íntegra:

A Gerência da Penitenciária Prof. José Ribamar Leite informa que os detentos Ridelson William da Silva, André Luiz Soares da Silva e Tiago de Azevedo Gonçalves conseguiram empreender fuga, por volta das 19h30, dessa segunda-feira (16). Outros sete presos foram interceptados pela Guarda Militar da unidade penal quando tentavam fugir pelo teto da penitenciária. A Secretaria de Estado da Justiça informa que equipes de segurança do Estado estão em diligência para a recaptura dos indivíduos.

Polícia investiga venda de medicamento falso a hospital no Piauí

Polícia investiga venda de medicamento falso a hospital no Piauí

Empresa de São Paulo vendeu o produto adulterado a mais cinco estados. Em Goiás, polícia investiga quatro mortes de pacientes que usaram o medicamento.

Foi deflagrada nas primeiras horas desta terça-feira (17) pela Delegacia de Combate à Corrupção (DECCOR) uma ação para investigar a venda de medicamento falsificado para tratamento de câncer a um hospital piauiense. A operação denominada de Sanitatem está ocorrendo nas cidades de São Paulo, São Caetano do Sul e Cotia (todas no Estado de São Paulo) visando o cumprimento de cinco mandados de prisão temporária e dez mandados de busca e apreensão contra empresários, colaboradores e empresas do ramo de medicamentos. Cinco pessoas residentes em São Paulo foram presas. 

A investigação começou justamente a partir da denúncia de que um hospital aqui do Piauí teria recebido medicamento falsificado para tratar um paciente com câncer. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, os médicos perceberam que a droga administrada apresentava características e coloração diferentes da usual.


Foto: Divulgação/SSP

O hospital imediatamente suspendeu o uso da medicação e comunicou o fato à Polícia Civil do Estado. Com o avanço das investigações, a polícia constatou que essa mesma empresa, sediada em São Paulo, já havia também comercializado a mesma medicação oncológica falsificada para hospitais e clínicas dos Estados de Goiás, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul e outros,

Ainda segundo a SSP, em Goiás, os policiais investigam quatro mortes de pacientes que teriam usado a medicação vendida pela empresa. 

O nome da operação

A Operação Sanitatem recebeu esse nome porque o termo significa “cura, limpeza, bem estar e purificação”, em latim.

16 de março de 2020

Piauí adota triagem de visitantes nos presídios

Piauí adota triagem de visitantes nos presídios

Governo Federal e dez estados suspenderam as visitas a presos

O Secretário de Estado da Justiça, Carlos Edilson, assinou portaria em que determina que todas as unidades prisionais do Piauí disponham de profissional de saúde para a realização de procedimentos de triagem dos visitantes e demais pessoas que necessitem adentrar nos estabelecimentos prisionais do Estado.

A portaria institui que deverão ser avaliadas as condições gerais de saúde, relativas aos sintomas de gripe, bem como do profissional da assistência social para trabalho de conscientização e informação sobre medidas de controle e prevenção do novo coronavírus(Covid-19).

O documento veda a visitação de qualquer visitante com sintomas de gripe, conforme a triagem, pelo período de 15 (quinze) dias. As visitas de idosos e crianças, menores de 12 anos, considerados grupos de risco para a contaminação do coronavírus, também estarão suspensas pelo mesmo intervalo de dias. 


Governo Federal e dez estados suspendem visitas a presos

O governo federal e ao menos dez estados suspenderam as visitas a presos, a título de tentar conter a expansão do novo coronavírus em suas unidades prisionais.

O Depen (Departamento Penitenciário Nacional) divulgou portaria que proíbe temporariamente as visitações nos cinco presídios federais. 

A mesma medida foi tomada pelos governos de Distrito Federal, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Goiás, Amazonas, Roraima, Tocantins e Alagoas. Em Minas Gerais e Santa Catarina, houve suspensão parcial das entradas nas unidades. 

Outros estados adotaram providências alternativas. Paraíba, São Paulo, Ceará, Piauí, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul estão fazendo triagem de visitantes.

Mato Grosso, Sergipe, Maranhão, Pernambuco e Paraná elaboraram uma nota técnica com orientações sobre a doença no sistema prisional.

A população carcerária é considerada mais vulnerável à contaminação, tendo em vista que grande parte dos presos do país está em celas superlotadas, com pouca ventilação e más condições de higiene.

Além da questão sanitária, uma das preocupações das autoridades de segurança é que as restrições impostas aos detentos durante a pandemia desencadeiem motins.

Com apoio da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), o Depen tem feito videoconferências com representantes dos estados para repassar orientações a respeito da prevenção e dos cuidados sobre o coronavírus no sistema prisional.

A norma divulgada nesta segunda pelo departamento proíbe as visitas sociais nos presídios federais por 15 dias. Já os atendimentos de advogados aos presos não poderão ocorrer por cinco dias, salvo se houver necessidades urgentes, que envolvam prazos judiciais não interrompidos.

Também estão suspensas as escoltas de detentos por 15 dias, exceto quando houver requisição da Justiça ou providência de natureza emergencial a ser atendida.

O Depen é responsável por presídios federais em Brasília, Porto Velho (RO), Mossoró (RN), Campo Grande (MS) e Catanduvas (SC).

As medidas poderão ser prorrogadas ou reavaliadas a qualquer momento, segundo a portaria, assinada no domingo (15) pelo diretor do Depen, Marcelo Stona

Nesta segunda, o órgão também divulgou portaria estabelecendo o trabalho a distância de seus funcionários para evitar quer fiquem doentes. 

Nas unidades prisionais, a avaliação sobre a dispensa será feita pelos dirigentes, caso a caso, para não comprometer a segurança.

14 de março de 2020

PM apreende arma branca ao fazer vistoria em ônibus da Capital

PM apreende arma branca ao fazer vistoria em ônibus da Capital

Dando prosseguimento à Operação Paz nos Ônibus, a polícia revistou 28 veículos do transporte público nesta sexta-feira.

A Polícia Militar está dando continuidade à Operação Paz nos Ônibus, deflagrada no mês passado para coibir assaltos praticados no transporte coletivo de Teresina tendo como vítimas motoristas, cobradores e passageiros. Nesta sexta-feira (13), foram vistoriados 28 ônibus que passaram pelos pontos de barreiras montadas pelos policiais.

Ao todo foram seis barreiras, sendo uma na Avenida Higino Cunha, duas no conjunto João Emílio Falcão e três na região do acesso ao Shopping Rio Poty. Além dos veículos do transporte coletivo, os PM’s abordaram também carros, motos e transeuntes que passavam pelos locais. De acordo com a Polícia Militar, seria montada uma barreira na Avenida Miguel Rosa, mas em razão da chuva e pelo fato do pneu de uma viatura ter furado, o bloqueio naquela região não aconteceu.

As vistorias resultaram na apreensão de uma arma branca que, segundo a polícia, estaria sendo usada para a prática de assaltos no interior dos coletivos. 


Foto: Divulgação/SSP-PI

Operação Paz nos Ônibus

Desde o final de fevereiro, a Polícia Militar tem feito vistorias nos ônibus coletivos de Teresina na tentativa de combater os assaltos praticados no interior dos veículos. O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Transporte Urbano (Sintetro) chegou a registrar até oito assaltos a ônibus em pouco mais de dois dias durante o mês passado. Foi provocada pela entidade que a Secretaria de Segurança Pública articulou a ação, inclusive cogitando a instalação de botão do pânico nos veículos.

A Operação Paz nos Ônibus consiste na montagem de barreiras em pontos estratégicos e de grande fluxo de passageiros, como por exemplo nos terminais de integração de Teresina.

13 de março de 2020

Três pessoas são presas durante operação na cidade Altos

Três pessoas são presas durante operação na cidade Altos

As prisões são resultado da Operação Águas de Março, coordenada pela Força Tarefa da SSP

Três pessoas foram presas na cidade de Altos nesta sexta-feira (13), durante a Operação Águas de Março, realizada através de uma ação conjunta da Força Tarefa da Secretária de Segurança em parceria com a Polinter, Divisão de Capturas e 21º Batalhão da Polícia Militar.

A primeira prisão foi de um indivíduo integrante da facção "Bonde dos 40", identificado pelas iniciais C.P.S, que já responde por nove passagens por roubo a veículos e uma por tráfico. O homem foi reconhecido ao realizar outro roubo a uma motocicleta durante as festividades em Altos.

A segunda prisão foi de um condenado por estupro, identificado como V. S. S (49 anos), foi preso na zona rural de Altos. Ele responde por três estupros e já tem condenação por cinco anos por um dos crimes.

A terceira prisão foi de um indivíduo acusado de matar um idoso de 84 anos no último dia 22 de fevereiro, durante o carnaval. O acusado é identificado como A. S. L (66 anos) responderá pelos crimes de maus tratos seguido de morte, apropriação da pensão do idoso e por reter o cartão de sua conta bancária.

Operação Águas de Março foi realizada na cidade de Altos, nesta sexta-feira (Foto: Divulgação/SSP)

A Operação Águas de Março acontece durante todo o mês de março, em Teresina e cidades próximas, com blitz e reforço do policiamento ostensivo em regiões de maior necessidade. Os trabalhos são coordenados pelo Major Audivam Nunes.

Salve Rainha: MP pede correção da pena aplicada a Moaci Júnior

Salve Rainha: MP pede correção da pena aplicada a Moaci Júnior

Para a promotoria de Justiça, a pena de 14 anos de prisão deve ser aumentada, porque as consequências do crime vão além da morte e lesão corporal das vítimas.

A 14ª Promotoria de Justiça de Teresina recorreu da sentença de condenação aplicada a Moaci Moura da Silva Júnior, acusado de matar os irmãos Bruno Queiroz e Júnior Araújo e lesionar gravemente o jornalista Jader Damasceno em um acidente de carro em Teresina. O réu foi condenado a 14 anos de prisão em regime fechado pelos crimes de homicídio e lesão corporal.


Leia também: 

Moaci Jr é condenado a 14 anos por acidente com membros do Salve Rainha 

Caso Salve Rainha: Moacir chora, pede perdão e fala em fatalidade 


Na verdade, a condenação pelos dois homicídios foi de 11 anos e três meses de reclusão, mas como se tratam de dois crimes semelhantes e com penas iguais, a Justiça brasileira não permite o somatório das duas, logo Moaci deveria cumprir somente os 11 anos e três meses pelas mortes de Bruno e Júnior. Somou-se a esta condenação mais dois anos e seis meses de reclusão pelo crime de lesão corporal praticado contra Jader.

No entanto, para a promotoria de justiça, houve um equívoco na contagem da pena. Segundo o promotor Ubiraci Rocha, os 11 anos e três meses de reclusão para os homicídios e os dois anos e seis meses pela lesão corporal não estariam condizentes com a culpabilidade do réu, com as circunstâncias e nem com as consequências dos delitos.


Caso Salve Rainha: MP pede correção da pena aplicada a Moaci Júnior - Foto: Assis Fernandes/O Dia

O que o representante do MP quer é o aumento da pena a ser cumprida por Moaci Júnior. “As vítimas foram surpreendidas quando trafegavam dentro das regras de trânsito, tendo sido abalroadas brutalmente pelo veículo de Moaci Júnior, o qual transitava em desacordo com a legislação, com alto grau de embriaguez alcoólica ao volante, velocidade incompatível com a via e desrespeito à sinalização semafórica, fatores que intensificam a reprovabilidade da conduta, e por consequências, a culpabilidade do apenado”, relata o promotor Ubiraci Rocha.

Ele relembra ainda que as consequências do ato praticado pelo réu foram além da morte e lesão das vítimas. “O pai das vítimas fatais se viu privado, em um único evento, de seus dois filhos; já a vítima sobrevivente convive de forma permanente com sequelas físicas e psicológicas. Existe também um prejuízo social, pela irreparável dissolução do coletivo cultural Salve Rainha”, finalizou.

09 de março de 2020

06 de março de 2020

PF cumpre mandados contra fraudes no saque do Seguro Defeso

PF cumpre mandados contra fraudes no saque do Seguro Defeso

Ordens judiciais estão sendo cumpridas na cidade de Bacabal, no Maranhão. Prejuízos aos cofres públicos já chega a meio milhão de reais.

A Polícia Federal amanheceu esta sexta-feira (06) cumprindo mandados de busca e apreensão contra uma organização criminosa especializada na realização de saques de benefício de Seguro Defeso por meio da falsificação e utilização de documentos forjados. 


PF cumpre mandados contra fraudes no saque do Seguro Defeso - Foto: O Dia

Ao todo são três ordens judiciais expedidas pela 1ª Vara Federal de Teresina sendo executadas contra os investigados em endereços na cidade de Bacabal, no Maranhão. De acordo com a Polícia Federal, o prejuízo causado por esta organização criminosa já chega a aproximadamente meio milhão de reais aos cofres públicos.

Os mandados estão sendo cumpridos dentro da Operação Canoa Furada, cuja primeira fase foi deflagrada em 10 de outubro do ano passado. Na ocasião, cinco pessoas foram presas aqui no Piauí. Elas respondem na Justiça por crimes de organização criminosa, estelionato qualificado, falsidade ideológica e uso de documento falso.

O que é o seguro defeso

O seguro defeso é um benefício pago ao pescador artesanal durante o período em que fica impedida a pesca em razão da desova e da necessidade de preservação das espécies. Para ter direito de receber o seguro defeso, o pescador deve ter registro ativo há pelo menos um ano no Registro Geral de Pesca (RGP), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), na condição de pescador profissional artesanal e ser segurado especial, na categoria de pescador profissional artesanal.

05 de março de 2020

Adolescente é apreendida suspeita de matar jovem de 12 anos em Batalha

Adolescente é apreendida suspeita de matar jovem de 12 anos em Batalha

O crime aconteceu em fevereiro passado. O corpo de Carla Gabrielly Carvalho foi encontrado em um matagal. Crime teria sido motivado por ciúmes

Foi apreendida nesta quarta-feira (04) a adolescente suspeita de matar a jovem Carla Gabrielly Carvalho, 12 anos, na cidade de Batalha, a 155 Km de Teresina. O crime aconteceu no dia 19 de fevereiro e o corpo da vítima só foi encontrado alguns dias depois em um matagal com ferimentos de arma branca.

A jovem foi apreendida após prestar depoimento aqui mesmo em Teresina. Após o crime, a polícia fez diligências até a residência dela, em Batalha, mas não a encontrou. Somente ontem ela se apresentou e como já havia um mandado contra ela, acabou sendo apreendida após falar ao delegado Denis Sampaio.


O corpo de Carla Gabrielly Carvalho foi encontrado em um matagal na cidade de Batalha no último dia 21 de fevereiro - Foto: Reprodução/Facebook

De acordo com ele, a jovem negou que tenha cometido o crime, no entanto há provas que apontam para sua autoria. “Ao que consta, o ex-namorado dela teria se relacionado com a Carla Gabrielly e ela teria agido movida pelo ciúme depois de várias brigas com a vítima. Os depoimentos colhidos antes já davam esse norte de que ela [a adolescente apreendida] tinha um comportamento bastante ciumento”, explicou o delegado Denis Sampaio.

Após prestar depoimento, a jovem foi encaminhada para o Centro de Defesa da Cidadania (CDC) em Teresina, onde ficará recolhida pelos próximos 45 dias em internação provisória. A expectativa do delegado é que até a próxima semana o caso seja concluído e o inquérito encaminhado para a justiça, na Vara da Infância e da Juventude.

Moaci Jr é condenado a 14 anos por acidente com membros do Salve Rainha

Moaci Jr é condenado a 14 anos por acidente com membros do Salve Rainha

Pena pelas mortes de Júnior Araújo Bruno Queiroz foi de 11 anos e 3 meses. Por lesionar gravemente Jader Damasceno, ele pegou dois anos e seis meses.

O julgamento de Moaci Moura da Silva Júnior, réu no acidente que causou a morte dos irmãos Bruno Queiroz e Júnior Araújo, e lesionou gravemente o jornalista Jader Damasceno, entrou pela noite e encerrou com a condenação réu a 14 anos de prisão. Na verdade, a sentença proferida pelo júri dizia que ele deveria cumprir 11 anos e 3 meses por cada morte causada, mas como os crimes são similares e a sentença as mesmas, o tempo de prisão não pode ser somado, ou seja, Moaci cumprirá apenas 11 anos e 3 meses pelos dois homicídios.


Leia também: Caso Salve Rainha: Moacir chora, pede perdão e fala em fatalidade 


No entanto, ele também foi condenado pelo crime de lesão corporal grave praticado contra Jader, o que lhe imputou aumento da pena em mais dois anos e seis meses de detenção a serem cumpridos inicialmente em regime fechado. Inicialmente, a pena será cumprida em regime fechado.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Poderá recorrer em liberdade

Apesar da condenação e da pena a ser cumprida em regime fechado, o juiz Sandro Francisco Rodrigues, titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Teresina, determinou que Moaci possa recorrer em liberdade, aplicando-lhe algumas medidas cautelares que já havia sido impostas no decorrer do processo. Ele terá sua carteira de habilitação suspensa, deverá obedecer toque de recolher, não poderá frequentar bares e boates ou similares, deverá comparecer em juízo no Centro de Assistência ao Preso Provisório e não poderá se ausentar de Teresina sem antes comunicar à Justiça.

Depoimento

Moaci foi o último a ser ouvido no tribunal. Em seu depoimento, ele pediu perdão à família de Jader e ao pai de Bruno e Júnior e disse que o acidente foi uma fatalidade. O réu negou ainda que tenha ingerido bebida alcoólica no dia do acidente. Moaci ressaltou também que não descumpriu o acordo de indenização firmado com o pai das vítimas. O réu afirmou que pagou R$ 200 mil a família.

04 de março de 2020

Caso Salve Rainha: Moacir chora, pede perdão e fala em fatalidade

Caso Salve Rainha: Moacir chora, pede perdão e fala em fatalidade

Jader Damasceno foi o único sobrevivente do acidente que deixou dois mortos. O julgamento de Moaci Junior acontece desde a manhã desta quarta no Fórum Criminal de Teresina.

Atualizada às 16h30min

Moacir Moura da Silva Júnior, réu no caso Salve Rainha, afirmou durante seu depoimento na tarde desta quarta-feira (04) que não teve a intenção de matar e, que na noite do crime, invadiu o semáforo por medo de um assalto. O acusado chorou e pediu perdão as famílias das vítimas.

“Queria pedir perdão para as famílias das vítimas, ao Jader e toda a sociedade piauiense. Eu não ia sair de casa com a intenção de matar ninguém, foi uma fatalidade”, conta.

Em outra parte do depoimento, Moacir negou ter ingerido bebida alcoólica. Segundo o réu, a garrafa de whisky encontrada em seu carro, foi deixada por um amigo minutos antes do acidente. Ele disse ainda que com o impacto da colisão a garrafa quebrou e, por isso, sua confusão era pelo machucado provocado pelos estilhaços de vidro e não por embriaguez.

Moacir ressaltou também que não descumpriu o acordo de indenização firmado com o pai das vítimas. O réu afirmou que pagou R$ 200 mil a família. 

Atualizada às 10h42min

Único sobrevivente do acidente, o jornalista e designer Jader Damasceno foi o primeiro a ser ouvido no julgamento de Moaci Junior na manhã desta quarta,04, no Fórum Criminal de Teresina. Questionado pela acusação sobre sua situação após o acidente, Jader chegou a se emocionar e disse: "eu não me reconhecia no meu corpo. Eu não poderia mais correr, mais andar direito. Tem sido um desafio diário ser gente".


 O jornalista e designer Jader Damasceno foi o primeiro a ser ouvido no julgamento de Moaci Junior. Foto: Assis Fernandes/O Dia

Além do processo criminal contra Moaci, o jornalista também move um processo civil por danos físicos. Segundo Jader, a familia do réu não manifestou interesse em ajudar nem financeiramente e psicologicamente. Ele conta que durante 12 meses após o acidente, recebeu uma ajuda de custo de cerca de R$ 2 mil, por parte dos familiares de Moacir, mas que esse valor era inferior ao que ele recebia como jornalista.

"Esses R$ 2 mil eles disseram que era pra cobrir meu tratamento. Não era mensal, era R$ 2 mil somados os 12 meses. Isso não cobria nada, não me dava de volta tudo que eu tinha perdido. Era mais uma forma de calar a boca de alguém, calar a boca do corpo que entrou no caminho do dele [do réu]", afirmou.


Iniciada às 08h35min

Acontece na manhã desta quarta-feira (04) o julgamento de Moaci Moura da Silva Júnior, motorista que conduzia o veículo causador do acidente que culminou na morte de dois integrantes do Coletivo Salve Rainha, em Teresina – Francisco Das Chagas Araújo Júnior, o Júnior Araújo, e seu irmão, Bruno Queiroz. O acidente aconteceu na noite do dia 26 de junho de 2016 e ainda lesionou gravemente o jornalista e designer Jader Damasceno.


Leia também: Justiça nega recurso e mantém denúncia por homicídio doloso contra Moaci Jr. 


Moaci senta no banco dos réus quase quatro anos depois do ocorrido. Ele responde a um processo por homicídio com dolo eventual, ou seja, quando se tem consciência de que há possibilidade de matar; por crime de trânsito e lesão corporal. Ele conduzia o Corolla que colidiu com o Fusca onde estavam as vítimas em uma velocidade muito acima do permitido para a via e ultrapassou um sinal vermelho.

O acidente aconteceu no cruzamento da Avenida Miguel Rosa com Rua Jacob de Almendra, no Centro-Norte de Teresina. O Fusca onde estavam os integrantes do Salve Rainha ficou completamente destruído. O impacto, conforme apontou a perícia, se concentrou justamente no lado em que estava Bruno Queiroz. Ele morreu no local.Júnior Araújo e Jader foram socorridos e encaminhados para o HUT. O jornalista conseguiu resistir, mas seu amigo veio a óbito dias depois, vítima de um traumatismo craniano grave.

Fotos: Assis Fernandes/O Dia


Entenda o rito do julgamento

O julgamento começará com a tomada de depoimento da vítima, Jader Damasceno, e das testemunhas de acusação. Foram arroladas quatro pelo Ministério Público. Logo em seguida, será tomado o depoimento das testemunhas de defesa, quatro no total. Por último, será ouvido Moaci e em seguida, o Ministério Público e a defesa fazem suas arguições finais.

Por fim, o Conselho de Sentença, formado por representantes da sociedade civil, se reunirá para decidir se condena ou não o réu. O último a se pronunciar é o juiz que preside o julgamento. Ele que lerá a sentença proferida pelo júri.