• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Assassino de Lara Fernandes é condenado a 18 anos e 11 meses prisão

Condenação saiu na noite de ontem após julgamento elo Tribunal do Júri. Eduardo Pessoa não terá direito de recorrer da sentença em liberdade.

16/10/2019 07:41h - Atualizado em 16/10/2019 08:35h

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri Popular de Teresina acatou na integralidade a tese do Ministério Público e condenou a 18 anos e 11 meses de prisão Eduardo Pessoa Araújo, réu pelo assassinato da jovem Maria de Lara Fernandes. O crime aconteceu em novembro do ano passado e o corpo da vítima foi encontrado às margens do Rio Parnaíba.


Leia também: 

Caso Lara: Testemunha alega que Polícia forjou depoimento 

Populares encontram corpo de mulher flutuando no Rio Parnaíba 

Acusado de matar Lara Fernandes é preso pela PM ao praticar furtos 

Caso Lara: Réu diz em interrogatório que jovem era garota de programa 


Eduardo cumprirá a pena em regime fechado e não poderá recorrer da sentença em liberdade. O julgamento que culminou em sua condenação durou quase o dia inteiro e foi presidido pela juíza Rita de Cássia da Silva, da 2ª Vara do Tribunal do Júri. Ao todo, foram ouvidas sete testemunhas, sendo três arroladas pelo Ministério Público e quatro arroladas pela defesa de Eduardo.


Julgamento de Eduardo Pessoa durou quase o dia inteiro - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Para o promotor de Justiça João Malato, representante do MP, a condenação de Eduardo Pessoa tem cunho pedagógico e mostra que o conselho de sentença do Tribunal do Júri não deixará passar impune casos de violência contra a mulher. Eduardo responderá por homicídio triplamente qualificado: morte praticada por motivo fútil, sem dar chance de defesa à vítima e envolvendo questões de gênero, ou seja, feminicídio.


Promotor João Malato - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Sua defesa ainda não se pronunciou. Logo após o julgamento, Eduardo foi encaminhado para o Penitenciária de Altos, onde começa a cumprir a pena.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário