• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

Dono de construtora é denunciado por atraso na entrega de casas

Euler Saldanha é citado em pelo menos três inquéritos no 12º Distrito Policial e responde a processos também no Procon. Prejuízos de clientes chegam a R$ 2 milhões.

18/07/2019 11:15h

A Polícia Civil está apurando as denúncias de clientes de uma construtora de Teresina pela demora na entrega das obras. As construções são casas em um condomínio de luxo na Capital e estavam sendo executadas pela Construtora Vivace, tendo como responsável o empresário Euler Saldanha. Ele já está sendo citado em pelo menos três inquéritos e foi denunciado também junto ao Procon pelos clientes que se sentiram lesados.

A informação foi repassada pelo delegado Ademar Canabrava, titular do 12º Distrito Policial. De acordo com ele, o prejuízo dos clientes com a demora na entrega das casas chega a R$ 2 milhões e entre os que se sentiram lesados e procuraram a polícia está inclusive uma promotora de justiça. 


Delegado Ademar Canabrava, titular do 12º DP - Foto: O Dia

“Tem inquéritos com prejuízos de R$ 100 mi, R$ 200 mil e até R$ 300 mil. As vítimas dizem que até o momento ele não honrou com o compromisso da entrega dos imóveis. Ele já notificado e compareceu à delegacia juntamente com o advogado, alegou que teve um fracasso financeiro, mas disse que vai honrar o contrato, que vai marcar uma reunião com os clientes para chegar a um acordo”, explica o delegado Canabrava.

O titular do 12º DP disse que não vê motivos para representar pela prisão de Euler Saldanha, uma vez que ele tem colaborado com o inquérito e a questão pode ser resolvida mediante diálogos entre seus advogados e os representantes legais dos clientes. 

“Do momento em que você junta seu dinheiro para comprar seu imóvel, você quer recebe-lo e qualquer falha na entrega, a vítima se preocupa, isso é óbvio. Elas procuraram seu direitos e se há disposição das partes para chegarem a um acordo, não há motivos para representar por prisão”, explica.

Por: Maria Clara Estrêla, com informações de Chico Filho

Deixe seu comentário