• Campanha Mobieduca
  • Teresina shopping
  • HEMOPI - Junho vermelho
  • ITNET
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att

Dias avisa que vai buscar Bolsonaro e pede apoio da bancada federal no diálogo

Por outro lado, governador adiantou que vai trabalhar para aumentar a independência do Piauí em relação ao Governo Federal.

01/01/2019 19:04h - Atualizado em 01/01/2019 19:50h

Durante a solenidade de posse para seu quarto mandato como governador, Wellington Dias (PT) conclamou toda a sociedade e as autoridades públicas a formarem uma coalizão em nome do progresso do Piauí, e disse que vai procurar o presidente Jair Bolsonaro (PSL) para tratar sobre parcerias entre suas gestões, com vistas a promover o desenvolvimento do estado.

"Quero convidar todos, todos mesmo, independente de quem é governo ou quem é oposição [...] para um compromisso de estado. Eu sei do tamanho da responsabilidade de ter que liderar e conduzir um processo como esse, já no quarto mandato. Sim, nós vamos buscar a integração com projetos do Governo Federal. Buscarei o presidente Jair Bolsonaro, buscarei o Congresso Nacional [...] Pode parecer um jogo de palavras, mas não é. A eleição terminou. Certamente, o presidente da República apresentará ao país um programa, dizendo o que ele vai priorizar. Já nos disse que vai priorizar a segurança. Então, nós vamos participar integrados com o Governo Federal", salientou.

Wellington Dias tomou posse em seu quarto mandato como governador do Piauí (Foto: Jailson Soares / O DIA)

Por outro lado, Wellington afirma que uma das metas da sua nova gestão é aumentara independência do estado em relação ao Governo Federal, e destacou que a bancada federal terá um papel imprescindível, ao intermediar as relações entre o Palácio do Planalto e o Palácio de Karnak. 

O governador também se comprometeu a intensificar ainda mais as parcerias com os municípios, e afirmou que, se preciso for, para garantir o desenvolvimento do estado, tomará medidas que eventualmente desagradarão aliados ou a população. 

"As medidas que vamos tomar podem não agradar, mas serão necessárias. E é isso que vai garantir que tenhamos aquilo que é a essência de um governo: além de prestar serviços, investir. É investindo que se avança, e avançar é o que temos de maior compromisso daqui até 2022", concluiu Wellington.

Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário