• SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Discussão no Congresso sobre voto distrital preocupa vereadores

Vereadores devem encaminhar uma mensagem contrária à proposta aos deputados federais e senadores do Piauí.

28/08/2019 06:46h

A possibilidade da implantação do voto distrital misto já nas eleições municipais de 2020 foi tema debate na Câmara Municipal de Teresina (CMT) na sessão desta última terça-feira (27). A proposta, em tramitação no Congresso Nacional, é alvo de diversos vereadores que temem serem penalizados e não conseguirem a renovação dos seus mandatos no pleito.

A vereadora Graça Amorim, por exemplo, questionou a intenção de mudanças nas regras eleitorais já para o próximo ano. Ela lembra que já houve, recentemente, a proibição de coligações proporcionais, no entanto, não adotadas para o pleito que definiu os congressistas do país.

“Não estamos preparados para receber esse sistema, será um prejuízo muito grande, portanto acho que deveríamos encaminhar nosso pensamento aos nossos congressistas, não contestando a lei em si, mas que ela possa ser implementada na eleição deles, em 2022, porque terão tempo e vão saber quais distritos”, considerou a parlamentar.

Já o vereador Edilberto Borges, o Dudu (PT), aproveitou o aparte na fala de Amorim para endossar a necessidade da Câmara Municipal de Teresina (CMT) encaminhar à bancada federal piauiense um documento contrário a proposta de voto distrital misto para as eleições do próximo ano, já que para ele, as mudanças trarão prejuízos para os mesmos.


O vereador Dudu afirma que em tudo querem testar com os vereadores - Foto: Assis Fernandes/O Dia

“Tudo que eles querem testar no Congresso, eles jogam para os vereadores e prefeitos. Se não bastasse a grande mudança no sistema eleitoral que é a não aliança proporcional, que já está dificultando imensamente nos municípios a formação de chapa [...] Para mim seria uma grande celeuma neste país”, disparou o petista, que foi acompanhado por outros colegas da Casa, como os vereadores Luís André (PSL), Edson Melo (PSDB), Levino de Jesus (PRB), Aloísio Sampaio (Progressistas), Nilson Cavalcante (Avante)

O debate em torno de mais uma minirreforma eleitoral ganhou força após o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmar que, em caso de consenso, o Congresso poderá alterar regras do sistema eleitoral já com validade para as próximas eleições municipais. Entre os projetos, citou um apresentado em junho pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que estabelece o voto distrital misto para cidades acima de 200 mil habitantes e a lista fechada para municípios menores.

Por: Breno Cavalcante - Jornal O Dia

Deixe seu comentário