• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

'Máquinas não vão substituir bons advogados', diz Renato Cury

Segundo o advogado Renato Cury, os novos advogados e os veteranos precisam se adaptar às mudanças tecnológicas.

08/07/2019 12:12h - Atualizado em 08/07/2019 12:25h

A Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) vai oferecer aos advogados piauienses, pelos próximos três meses, uma série de serviços destinados a facilitar a rotina dos profissionais e melhorar o atendimento aos clientes. 

A oferta dos serviços é gratuita, sendo realizada por meio de uma parceria entre a AASP, o Centro de Estudos de Sociedades de Advogados (CESA-PI), o Instituto de Advogados Piauienses (IAP) e a Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Piauí (OAB-PI).

Renato Cury, presidente da Associação dos Advogados de São Paulo, afirma que tanto os novos advogados quanto os veteranos precisam adaptar-se às inúmeras mudanças tecnológicas em curso na área do direito. Segundo ele, o trabalho que vem sendo realizado pela AASP tem justamente o intuito de facilitar a adaptação dos profissionais a este novo cenário.

"Hoje, a advocacia está trabalhando com inteligência artificial, com produtos e sistemas que visam auxiliar o dia a dia da atividade do advogado. Entretanto, os advogados precisam saber como trabalhar diante dessa nova realidade. O papel não existe mais hoje nos processos. Os processos tramitam eletronicamente, e os advogados que estão iniciando sua jornada vão ter que entender e já iniciar sua atividade profissional dentro desse modelo, que é um modelo novo, e que cada vez mais está sendo aperfeiçoado pela inteligência artificial e por tecnologias", afirma Renato.

De acordo com Cury, é improvável que as máquinas consigam substituir o trabalho realizado por bons advogados. Porém, ele alerta que, para ser um bom advogado, é preciso estar sempre atualizado e preparado para lidar com as novas tecnologias. "É preciso estudar e se organizar para que a ferramenta tecnológica venha complementar a sua atividade profissional. A tecnologia tem que vir para auxiliar o advogado", conclui.

Edição: Glenda Uchoâ
Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário