• assinatura jornal

Ministro Helder Barbalho diz que pediu doação, mas nega caixa 2

Barbalho teria prometido que, em seu futuro governo, "priorizaria o saneamento de água e esgoto" e "contaria com a Odebrecht Ambiental para estudar uma melhor forma de parceria público-privada".

12/01/2018 09:33h

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (MDB-PA), afirmou em depoimento à Polícia Federal que se reuniu com um executivo da Odebrecht em um hotel em São Paulo durante a eleição de 2014 para pedir "doação eleitoral oficial" à campanha dele ao governo do Pará.

O ministro disse que recebeu R$ 2,2 milhões declarados à Justiça Eleitoral e negou ter recebido valores em caixa dois, o que contraria o depoimento de dois delatores da Odebrecht, segundo os quais foram pagos em espécie, não declarados, R$ 1,5 milhão em hotéis de São Paulo.

O depoimento de Barbalho, prestado em 14 de dezembro, confirma trechos dos depoimentos de Fernando Reis e Mário Amaro de Oliveira, executivos da Odebrecht que fecharam acordo de delação com a PGR (Procuradoria-Geral da República).

Ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, tem que explicar à Polícia Federal dinheiro recebido da Odebrecht, que, segundo delatores, foi propina de campanha (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

Eles haviam relatado que em 2014 Barbalho viajara de Belém (PA) para o encontro em São Paulo ao lado de mais duas pessoas, o senador Paulo Rocha (PT-PA), aliado político na campanha, e o então prefeito de Marabá (PA), João Salame Neto (MDB), atual diretor de um departamento do Ministério da Saúde.

Segundo Amaro, a Odebrecht detinha, por meio da empresa Saneatins, seis concessões de serviços de saneamento no interior do Pará e pretendia ampliar suas atividades. Por isso, procurou Barbalho para "identificar forças políticas no Estado que estivessem comprometidas com a ampliação da participação privada no setor de saneamento".

Em setembro de 2014, foi agendado o encontro no hotel Tryp em São Paulo. Na reunião, segundo Amaro, Barbalho disse que, em seu futuro governo, "priorizaria o saneamento de água e esgoto" e "contaria com a Odebrecht Ambiental para estudar uma melhor forma de parceria público-privada".

Segundo Amaro, o candidato mencionou que precisava de R$ 30 milhões para a campanha e indicou um nome "para que recebesse os valores", o do ex-senador e atual secretário nacional de Portos, vinculado ao Ministério dos Transportes, Luiz Otávio Oliveira Campos.

Segundo Amaro, Paulo Rocha não pediu recursos para sua campanha. Amaro disse que dias depois foi a Brasília para se encontrar com Campos em sua casa, no Lago Sul, e informou que a Odebrecht iria pagar R$ 1,5 milhão em caixa dois.

Os delatores entregaram à PGR uma planilha com o registro de três pagamentos à campanha do ministro, sob o codinome "Cavanhaque".

Barbalho negou ter indicado o nome de Campos para Amaro. Contudo o próprio Campos, em depoimento à PF, confirmou ter recebido Amaro em sua casa e disse ter ouvido do executivo que a empresa iria contribuir com R$ 1,5 milhão para a campanha em doação oficial.

Campos disse que apenas pediu que Amaro entrasse em contato com o então secretário-geral do MDB no Pará, que já morreu, e não mais teve contato com ele.

Em nota à reportagem, Helder Barbalho afirmou que mantém seu depoimento à PF.

"Todas as doações para a campanha ao governo do Pará, em 2014, foram legais, apresentadas e aprovadas pela Justiça Eleitoral."

Salame disse, por meio da assessoria do Ministério da Saúde, que "confirma o relato do ministro Helder Barbalho e reforça que não participou da conversa". À PF o ministro não disse que Salame ficou fora da reunião. A assessoria do senador Paulo Rocha disse que não o localizou.

Fonte: Folhapress
Por: Rubens Valente e Reynaldo Turollo Jr.

Deixe seu comentário