• TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Presidente do Metrô nomeado por Doria é réu em ação de improbidade

O governo de São Paulo também confirmou a existência de um processo contra Silvani, mas afirmou que isso não interfere na nomeação feita por Doria nesta semana

05/01/2019 10:44h

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira (4) a nomeação de Silvani Alves Pereira, 57, para o comando do Metrô de São Paulo.

Silvani, que já integrou diversos cargos em empresas públicas e privadas e foi secretário-executivo do Ministério das Cidades do governo Temer, é réu em uma ação de improbidade administrativa.

O novo presidente do Metrô aparece como réu em uma ação civil pública referente a supostas irregularidades que teriam ocorrido durante sua gestão à frente da Secretaria de Saúde do município da Serra, no Espírito Santo.

A informação foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo e confirmada pela reportagem.

O governo de São Paulo também confirmou a existência de um processo contra Silvani, mas afirmou que isso não interfere na nomeação feita por Doria nesta semana.

Segundo informou a gestão tucana, Silvani ocupou em 2011 o cargo de secretário municipal e, na ocasião, firmou convênio com a Secretaria Estadual de Saúde do Espírito Santo para a informatização dos serviços da pasta. "O valor deste contrato acompanhou os mesmos parâmetros adotados pelo estado", afirmou o governo paulista.

De acordo com a gestão Doria, o processo se encontra em uma fase preliminar, na primeira instância, o que significa que ainda não houve nenhuma deliberação em relação ao assunto.

"Silvani está tranquilo sobre a sua atuação como secretário municipal e tem plena convicção de que, ao apresentar seus argumentos, as dúvidas serão totalmente sanadas. Vale lembrar que Silvani ocupou vários cargos públicos sem sofrer qualquer impedimento legal para exercê-los", disse a gestão, em nota.

O novo presidente do Metrô chefiou o gabinete da Presidência da Caixa e ocupou cargos como o de secretário nacional de Políticas Públicas do Ministério do Trabalho, secretário estadual em Sergipe e no Espírito Santo em pastas como Saúde, Gestão Estratégica e Desenvolvimento Econômico e Social. Ocupou ainda a função de superintendente da Caixa Econômica Federal.

INVESTIGAÇÃO
Silvani assume o cargo no momento em que o Metrô é alvo de uma investigação policial após a morte de um menino de três anos nos trilhos da companhia.

Nesta sexta-feira (4), a Polícia Civil anunciou que cobrará do Metrô explicações sobre o tempo levado para localizar e resgatar o menino Luan Silva Oliveira, 3, que morreu no último dia 23 de dezembro.

Luan viajava com familiares no sentido Jabaquara. Na estação Santa Cruz, pouco antes de a porta se fechar, correu para fora do trem e acabou sozinho na plataforma.

A Folha de S.Paulo revelou nesta sexta-feira (4) que um relatório do Metrô aponta que a companhia levou 61 minutos até autorizar as buscas de Luan dentro do túnel.

Segundo o documento, o Metrô foi informado sobre a perda do menino de seus familiares às 11h07, por meio de uma mensagem de SMS no serviço de atendimento ao usuário da companhia.

A autorização para procurá-lo no túnel da linha, porém, só ocorreu às 12h08, uma hora e 1 minuto após o aviso e 43 minutos após funcionários do Metrô terem pedido autorização superior para essa busca.

O Metrô de São Paulo afirma, em nota, que tomou todas as providências necessárias durante a busca ao menino Luan.

Segundo a nota, a ocorrência exigiu desenergização de um trecho de mais de quatro quilômetros de vias, desde a estação Vila Mariana até Saúde -nos dois sentidos- para que os agentes de segurança pudessem entrar no túnel.

"Nessas situações, é necessário que todos os trens que estavam em circulação na linha 1-azul sejam acomodados em área de plataforma para garantir a segurança dos usuários embarcados", afirma a companhia.

Ainda de acordo com a nota, a empresa afirma que "lamenta o triste acidente com o menino Luan, ocorrido na estação Santa Cruz no dia 23 de dezembro". E afirma que "a companhia prestou todo o atendimento necessário à família neste momento difícil".

O Metrô diz analisar a ocorrência e colaborar com as investigações policiais sobre o caso, cedendo imagens e informações solicitadas pelas autoridades.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário