• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Rafael Fonteles vai a Alepi nesta segunda-feira esclarecer empréstimos

Deputados de oposição querem esclarecimentos sobre os pedidos de autorização a operações de crédito.

23/09/2019 06:55h - Atualizado em 23/09/2019 07:00h

O secretário de Estado da Fazenda, Rafael Fonteles, vai às 10h na Assembleia Legislativa do Piauí, se reunir com os deputados estaduais para apresentar detalhes das finanças do governo. O foco principal é o pedido do Executivo para que a Assembleia aprove operações de crédito junto a bancos nacionais, além do alongamento de uma dívida relacionada ao pagamento de outros empréstimos já contratados.


Leia também:

Empréstimos não excedem capacidade do Estado, diz secretário 


Há meses o governo do Estado enfrenta críticas de deputados da oposição quanto a política de apostar em empréstimos para viabilizar investimentos em infraestrutura, educação, saúde, entre outras áreas. Desde a semana passada, a oposição tem conseguido adiar análises dos pedidos nas comissões técnicas.

Após um acerto do secretário Rafael Fonteles com o presidente da Assembleia, Themístocles Filho, o encontro ficou agendado. 


Secretário de Fazenda vai apresentar detalhes dos pedidos de empréstimos - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Ao total, são quatro operações de crédito que juntas, ultrapassam o valor de R$ 3,3 bilhões. O governo tem informado que além de ter capacidade de endividamento, com margem suficiente para contratar mais financiamentos, os recursos vão contribuir para conclusão de obras e serviços importantes para a população piauiense.

Ao O DIA, o secretário de Governo, Osmar Júnior, explicou que os pedidos de empréstimos estão dentro da capacidade do governo em honrar os pagamentos. "As condições para fazer o empréstimo são duas, capacidade de endividamento e a capacidade de pagamento. Os empréstimos só serão aprovados se houver capacidade de pagamento, portanto não haverá nenhum empréstimo além da capacidade de pagamento que o governo tem hoje", disse o secretário.

Fonte: Jornal O Dia
Edição: João Magalhães

Deixe seu comentário