• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Senadores devem ratificar apoio a reforma da Previdência nesta terça

Os integrantes da bancada piauiense no Senado defendem a proposta que tramita na Casa.

22/10/2019 06:45h - Atualizado em 22/10/2019 08:10h

A reforma da Previdência deve ser votada, em segundo turno, nesta terça-feira (22) no Senado. A expectativa é que os três parlamentares piauienses reafirmem a mesma postura favorável adotada durante a primeira votação da matéria, realizada no começo do mês (1). 

Exemplo disso é o senador Elmano Férrer (Podemos), que naquela oportunidade, já enfatizava a importância da proposta e deve manter o voto favorável a sua aprovação. “Iremos aprovar sem grandes dificuldades. Já há um acordo neste sentido e creio que iremos, impreterivelmente, no mais tardar na quarta-feira, aprovar essa reforma”, declarou parlamentar, um dos vice-líderes do Governo na Casa.


Leia também: Senado deve concluir terça-feira votação de mudanças na Previdência 


O mesmo deve ser feito pelos senadores Ciro Nogueira (PP) e Marcelo Castro (MDB), favoráveis ao texto no primeiro turno. O emedebista revelou acreditar que a matéria será “100% aprovada” nesta votação final e enfatizou a importância de novas regras de aposentadoria no país.


Ciro avalia que o modelo atual é injusto pois quem trabalha mais e ganha menos - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Já o senador progressistas criticou o modelo atual de Previdência. “Temos hoje um sistema completamente injusto, onde quem se aposenta cedo é quem ganha mais e deveria ser o contrário [...] É uma Previdência muito injusta e temos que reverter isso”, argumentou Nogueira naquela ocasião, que deve manter seu entendimento na conclusão do trâmite da proposta.

Para ser aprovada e seguir para a sanção do presidente Jair Bolsonaro (PSL), a reforma precisa alcançar o mínimo de 49 votos favoráveis. A estimativa é que, com as mudanças no sistema previdenciário, o país economize cerca de R$ 800 bilhões em 10 anos.

Por: Breno Cavalcante, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário