• Marcas Inesquecíveis 2018 02/02
  • assinatura jornal 2018

Notícias Tecnologia

22 de fevereiro de 2018

55,8% dos domicílios não estão preparados para receber o sinal digital no PI

Mais da metade das residências utilizam aparelhos de tubo e precisam de um conversor para transformar o sinal analógico em imagem digital

Mais da metade dos domicílios no Estado não possuem o conversor de sinal analógico para o digital, é o que mostra os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Esse dado revela que os domicílios não estão preparados para o desligamento do sinal analógico, programado para o dia 30 de maio deste ano, nas cidades de Teresina, Timon, Demerval Lobão, Nazária e Lagoa do Piauí. 

Das 95,5% residências que possuem TV, cerca de 53,5% usam modelos tubo, que não recebem sinal digital e precisam de conversor. Foto: Reprodução

De acordo com a empresa Seja Digital, responsável pelo processo de digitalização da TV no Brasil, o sinal 4g irá ocupar a mesma faixa de frequência que o sinal analógico, sendo essa a principal razão do desligamento. Após o dia 30 de maio, todos os canais abertos de televisão passarão a transmitir a programação local exclusivamente por sinal digital. 

Segundo a pesquisa, dos 95,5% domicílios piauienses que possuem aparelhos de televisão, 53,5% são de aparelhos são de tubo, ou seja, precisam do conversor para transformar o sinal analógico em imagem digital. 

Telefonia móvel

O Piauí ocupa a penúltima posição no ranking de acesso a internet por domicílios no país. De acordo com o IBGE, apenas 52,7% possuem acesso a internet, enquanto no Brasil o indicador chaga a 69,3%.

Os três principais motivos alegados pelos moradores para o não uso da internet foram: nenhum morador sabia usar a internet (30,5%). Falta de interesse em acessar a internet (22,9%). Valor do serviço de acesso a internet (20,7%). 

Dentre os meios de acesso à internet nos domicílios, a maior parte de dá por mais de um tipo de aparelho ao mesmo tempo. Porém, o maior registro de acesso foi por meio do celular com 99,2%,  seguida pelo computador com 37,6%, por “tablet” (11,7%) e pela televisão (4,2%). 

21 de fevereiro de 2018

Teste que descobre 'gênero oposto' tem perigo; saiba evitar riscos

Site utiliza a tecnologia de inteligência artificial do FaceApp para criar testes engraçados

O Kueez é um site que ficou popular após o teste que revela a sua aparência no sexo oposto – também conhecido como "como você seria se fosse do gênero oposto". O serviço usa a tecnologia de inteligência artificial do FaceApp para criar brincadeiras engraçadas que podem ser compartilhadas na linha do tempo do Facebook.

Veja, no passo a passo a seguir, como usar o site Kueez para fazer testes divertidos – usaremos como exemplo o "qual seu aspecto daqui a 20 anos". Aprenda também a remover o aplicativo da sua conta do Facebook neste tutorial.

Antes de começar, porém, vale ressaltar que sites como Kueez podem ter acesso às informações pessoais dos usuários. Há casos de serviços similares que usaram testes como isca para capturar dados que comprometem a privacidade. Por isso, é importante saber o que é compartilhado na seção "Política de Privacidade", além de aprender como revogar as permissões que foram concedidas. No entanto, com um pouco de cuidado, é possível usar a plataforma com mais segurança.

Passo 1. Acesse o site do Kueez (http://pt.kueez.com/) e selecione o teste que você quer fazer. Como exemplo, usaremos a brincadeira "qual seu aspecto daqui a 20 anos";

Passo 2. Agora, na página do teste, clique em "Entrar com o Facebook". Note que, em alguns casos, existe o botão "Continuar sem fazer login" – isso deve evitar que o Kueez acesse dados pessoais vinculados à conta da rede social. Embora a segunda opção seja menos invasiva, você ainda precisa enviar uma foto do seu rosto;

Passo 3. Caso o teste que você escolheu só possa ser usado com o Facebook, antes de continuar, clique em "Editar isso";

Passo 5. As suas fotos de perfil serão exibidas. Selecione a imagem que você deseja usar. Lembre-se de escolher uma em que o seu rosto esteja em evidência;

Escolha uma das suas fotos do Facebook ou faça upload de outra (Foto: Reprodução/Helito Bijora)

Passo 6. Caso tenha optado por continuar sem usar o Facebook, você deverá enviar uma imagem na opção "Click here to select a photo";

Passo 7. O resultado será exibido automaticamente após alguns segundos. Você pode clicar em "Partilhe no Facebook" para compartilhar a foto com os seus amigos. Se preferir, clique em "Tentar novamente" para refazer o teste;

Passo 8. Após realizar o teste, você pode revogar o acesso do Kueez à sua conta do Facebook. Para isso, acesse as configurações da rede social e, na lateral esquerda da tela, clique em "Aplicativos". Agora, basta localizar o app "Kueez" e clicar sobre o "x", à direita do nome, para removê-lo.

Pronto! Aproveite as dicas para usar o Kueez para fazer testes divertidos e compartilhar com os amigos.

Brasil tem 116 milhões de pessoas conectadas à internet, diz IBGE

Brasileiros online somam 64,7% de toda a população; dados são de pesquisa de 2016 do IBGE

O Brasil fechou 2016 com 116 milhões de pessoas conectadas à internet, o equivalente a 64,7% da população com idade acima de 10 anos.

As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad C), divulgada nesta quarta-feira (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No fim do ano passado, O IBGE já havia liberado uma Pnad Contínua, mas com enfoque em dados sobre domicílios. Ela indicava que 63,3% das casas brasileiras possuíam acesso, além de mostrar a presença de TVs, telefones e geladeiras nos lares das pessoas.

O suplemento de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), divulgado nesta quarta, trata, por sua vez, informações como quantas pessoas estão conectadas à internet e aparelhos mais usados para acessar a rede.

Mulheres mais conectadas

Em 2016, a proporção de mulheres conectadas foi maior que a de homens: 65,5% delas tinham acesso, enquanto, o índice para eles era de 63,8%.

Considerando a faixa etária, os indivíduos com idade entre 18 e 24 anos apresentavam a maior taxa de conexão: 85% deles estavam online. Já os brasileiros com mais de 60 anos apresentavam o menor índice, de 25%.

As regiões Nordeste e Norte eram as únicas a apresentar taxas de indivíduos conectados inferiores à média brasileira, de 52,3% e 54,3%, respectivamente.

O Sudeste possuía o maior índice. Lá, 72,3% dos moradores tinham acesso, enquanto no Centro-Oeste a taxa é de 71,8% e no Sul, é de 67,9%.

Celular

O celular continua a ser o principal aparelho para acessar a internet no Brasil. Em 2016, o eletrônico era usado por 94,6% dos internautas, à frente de computadores (63,7%), tablets (16,4%) e televisões (11,3%).

Segundo o IBGE, 77,1% dos brasileiros possuíam algum celular.

Usa para que?

A Pnad Contínua também levantou as finalidades com que os brasileiros navegam na internet ou usam serviços conectados. A principal dessas atividades, apontada por 94,6% dos internautas, é trocar mensagens (de texto, voz ou imagens) por aplicativos de bate-papo.

Assistir vídeos (programas, séries e filmes) foi apontado por 76,4% dos brasileiros conectados e superou as conversas por chamadas de voz ou vídeo, indicadas por 73,3%.

Off-line

Ainda que 64,7% da população brasileira tenha declarado acessar a internet, há 63,3 milhões de pessoas que se mantêm off-line.

Três a cada quatro dessas pessoas disseram que o que as afasta é não saber usar ferramentas online ou não ter interesse nisso. O serviço ser caro era a justificativa dada por 14,3% dos desconectados.

2016 x 2015

Como é a primeira vez que o IBGE divulga dados da Pnad Contínua sobre tecnologia e de acesso à internet, não é possível fazer uma comparação histórica.

Relacionar alguns indicadores com o de outras pesquisas, no entanto, pode sinalizar avanços e recuos tanto no acesso à internet quanto na posse de eletrônicos no país.

Se a Pnad Contínua indica que o número de conectados chegou a 116 milhões em 2016, uma pesquisa anterior do IBGE, a Pnad, apontava que os brasileiros online somavam 102,1 milhões, ou 57,5% da população, em 2015.

Enquanto dados da Pnad para 2015 mostravam que 78,3% dos brasileiros tinham celular, a pesquisa divulgada agora indica que o contingente de pessoas que são donas de um desses aparelhos é de 77,1%.

01 de fevereiro de 2018

Aumenta a participação de mulheres na Campus Party

Em 2016, elas representavam uma fatia de 36%; programação deste ano inclui atividades voltadas para promover a diversidade na carreira de tecnologia

"Programe como uma garota", diz uma das flâmulas penduradas logo na entrada da Campus Party, em São Paulo. O "aviso" de que não há espaço para o preconceito de gênero no evento não é aleatório: apesar de ainda serem minora, as mulheres compõem uma parcela recorde entre os participantes desta edição: 40%. No ano passado, essa fatia era de 36% e há três anos, de 27%.

Atividades voltadas a promover o aumento da representatividade feminina nas carreiras de tecnologia ilustram esta edição do evento. No primeiro dia, por exemplo, coletivos feministas realizaram um "manifesto", palestra que expôs alguns obstáculos que as mulheres enfrentam nesse meio.

A administradora de sistemas Fernanda Monteiro, 32, está na Campus Party pela quinta vez e diz que o aumento do público feminino na atração nos últimos anos é visível.

"Mudou muita coisa, a diferença é gritante. Fui na primeira (em 2008) e naquela época se via 1 mulher para cada 15 homens", afirma.

"Como mulher, trans e negra enfrento muitas dificuldades (na carreira de tecnologia) e acho importante ocupar esse espaço (da Campus Party) para mostrar que existem mulheres nesse universo e que elas não são uma coisa única, são diferentes", emenda.

Ela participa desta edição como coordenadora de projetos da Fab Lab Livre SP, uma rede de laboratórios de inovação da prefeitura de São Paulo. Mas também é co-organizadora do MariaLab, um coletivo feminista que promove eventos para "ensinar e divulgar a ciência e tecnologia como coisa de mulher".

Fernanda é programadora há 12 anos e fez a transição de gênero há 5. Ela diz que sentiu o preconceito na pele. "Quando você tem muita capacidade técnica, acham que é porque você não é mulher o suficiente, é homem", diz.

Representatividade

Na turma em que Giovanna Moretti, 20, cursa engenharia da computação, na Universidade Federal do Mato Grosso, há 30 homens e apenas três mulheres. Ela está acampada na Campus Party pelo segundo ano consecutivo e comemora o aumento do público feminino.

"(Ano passado) eu ficava isolada, agora não. É bom sentir que tem mais mulheres se interessando pelas mesmas coisas que eu".

A engenheira Gedeane Kenshima, que palestrou sobre internet das coisas nesta edição do evento, também falou sobre representatividade feminina.

"Ouvia falar: 'olha, é uma mulher que gosta de mexer com tecnologia'”, disse ela sobre o começo de sua carreira. “A gente sabe que são assuntos mais dominados por homens. Mas muitas mulheres estão se envolvendo com isso".

Gedeane foi à Campus Party apresentar o ESP-Wear no evento, um vestido conectado criado por ela. Com luzes de led, ele pode ter sua cor alterada pela internet.

"Acho que o público feminino aumentou porque temos mais palestrantes mulheres, tem mais líderes de caravanas mulheres. As meninas estão se engajando", diz Aline Carvalho, embaixadora da Campus Party.

Neste ano, o evento receberá 12 mil “campuseiros”, 8 mil deles acampados na arena. Em 2017 o público era de 8 mil pessoas, 6,5 mil acampadas, segundo os organizadores.

11 de janeiro de 2018

Em Teresina, Kassab lança "Internet para Todos’

Ministro Gilberto Kassab chega hoje ao Piauí para lançar programa que irá beneficiar 128 municípios do Estado com internet em alta velocidade

O Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, chega hoje (11) em Teresina para participar do lançamento do programa ‘Internet para Todos’, que visa garantir conexão em alta velocidade no Estado. A vinda do Ministro é resultado de uma articulação do deputado Júlio César, que é do mesmo partido que Kassab, o PSD.

Foto: Pedro Ladeira/FolhaPress

Segundo o deputado, o programa estava previsto para atender apenas 50 municípios do Piauí em sua primeira etapa. “Fizemos um apelo para estender para 128 municípios, na zona urbana e na zona rural, porque o governo do estado, através das PPPs, já vai estar disponibilizando internet em 96 municípios”, explicou. Júlio César.

A expectativa é que com o programa ‘Internet para Todos’ atenda os 224 municípios tenham acesso à internet de alta velocidade até julho deste ano. A intenção é que as prefeituras tenham acesso fácil e de baixo custo, sem comprometer o orçamento municipal. O governo federal, segundo o Ministério, já investiu cerca de R$ 2,7 bilhões no programa. O Internet para Todos é viabilizado pelo primeiro satélite brasileiro, lançado em 4 de maio de 2017 ao custo de R$ 2,7 bilhões. O satélite está estacionado a 36 mil quilômetros da Terra, na altura do Equador e tem vida útil de 18 anos.

O lançamento no Piauí acontece nesta quinta-feira (11) às 15h no auditório da Associação Piauiense de Municípios (APPM) e contará com a presença do governador Wellington Dias (PT), prefeitos, senadores, deputados federais e estaduais, e representantes da Anatel.

09 de janeiro de 2018

Intel volta atrás e diz que correções podem deixar computadores lentos

"O impacto das atualizações na performance depende muito da carga de trabalho. Esperamos que alguns [dispositivos] tenham um impacto bem maior que outros"

Depois de afirmar que as correções das falhas de segurança Meltdown e Spectre não afetam a velocidade dos seus chips, a Intel voltou atrás e disse, nesta segunda-feira (8), que o impacto "depende da carga de trabalho".

A afirmação é do presidente da companhia, Brian Krzanich, em apresentação na feira de eletrônicos CES, em Las Vegas.

"O impacto das atualizações na performance depende muito da carga de trabalho. Esperamos que alguns [dispositivos] tenham um impacto bem maior que outros", afirmou.

Ele promete, também, que todos os chips que a Intel produziu nos últimos cinco anos terão correções até o fim de janeiro, mas não deu uma estimativa para os mais antigos.

As falhas, diagnosticadas por pesquisadores, possibilitam que um hacker colete dados, como senhas e arquivos privados, se conseguir instalar um software em uma máquina vulnerável. A Intel e outras empresas afirmam que não detectaram nenhuma invasão desse tipo até agora.

Inicialmente, a estimativa era de uma redução de velocidade após a correção era de até 30%, o que empresas de tecnologia rechaçaram na última semana.

PRATO DE NHOQUE

A correção das falhas pode deixar os computadores mais lentos porque a "execução especulativa", método usado por processadores para executar tarefas mais rápido, é a raiz de todo o problema.

O analista da consultoria IDC, Pietro Delai, explica com uma analogia com um prato de nhoque. "Existe um ditado italiano de que o nhoque se come assim: um na boca, um no garfo e o olho no próximo no prato. É o que o computador faz", diz.

"O problema é que, às vezes, o nhoque que você está olhando está no prato do seu vizinho, ou seja, posso estar olhando alguma área de código que não é do programa que está sendo executado."

Nessa analogia, se a execução especulativa for desabilitada, você está mais seguro -o nhoque do vizinho, que corresponde a um dado pessoal, não será cobiçado indevidamente- mas também comerá mais devagar.

"Essa penalidade [da correção] é perceptível? Na maior parte das vezes, não, mas em ambientes onde se tira o suco de uma máquina, como na computação em nuvem, talvez você perceba um impacto", diz Delai.

A correção feita via software, e não por novos chips, também é necessariamente mais precária, segundo o analista. "Sempre que algo é executado por software é mais devagar do que por hardware. A queda na performance deve diminuir conforme saírem novos chips."

"No longo prazo, terão que desenvolver algoritmos de especulação mais criteriosos. Antes de olhar esse nhoque, vamos ver se está no meu prato ou no prato do vizinho. Tenho que ter certeza de se aquilo faz parte do processo que estou executando."

Enquanto isso, todas as grandes empresas, como Apple, Google, Intel, Nvidia e Amazon, estão trabalhando em atualizações para seus serviços para prevenir o Spectre e Meltdown.

05 de janeiro de 2018

Zuckerberg promete corrigir ‘muitos erros’ do Facebook

O jovem executivo admitiu que o Facebook comete diversos erros, tanto que no ano passado, a rede social foi acusada de não lutar de forma efetiva contra alguns conteúdos

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, prometeu que em 2018 irá reparar “muitos erros” da rede social , além de proteger os usuários de fake news, ataques cibernéticos e abusos.   

“A cada ano me proponho o desafio de aprender algo novo, e neste centrarei o trabalho do Facebook em resolver assuntos muito importantes como proteger nossa comunidade de abusos e ataques odiosos, defendê-la diante da ingerências de outros países, e assegurar que o tempo dedicado ao Facebook é bem empregado”, anunciou Zuckerberg nesta quinta-feira (4).   

O jovem executivo admitiu que o Facebook comete diversos erros, tanto que no ano passado, a rede social foi acusada de não lutar de forma efetiva contra alguns conteúdos, como discursos de ódio, disseminação do terrorismo e as fake news.   

Embora Zuckerberg não tenha anunciado nenhuma mudança drástica na rede social, ele anunciou que está investindo em dois projetos para combater as “notícias falsas” no Brasil, já que 2018 é ano de eleições presidenciais.   

As propostas anunciadas pelo criador do Facebook são muito diferentes daquelas de anos anteriores, quando ele se prometeu a aprender mandarim, ler dois livros por mês e viajar nos estados norte-americanos que ele nunca visitou.

04 de janeiro de 2018

Burger King se torna isca para golpe financeiro no WhatsApp

Phishing promete desconto de R$ 50 reais como recompensa por pesquisa de satisfação, mas clicar no link inscreve o usuário em serviços pagos

Já nos primeiros dias de 2018, o Burger King se tornou isca para golpes no WhatsApp. De acordo com informações do DFNDR Lab, laboratório da PSafe especializado em segurança digital, pelo menos 350 mil usuários clicaram no link malicioso, que promete descontos na rede de fast food. No phishing, a pessoa recebe, pelo mensageiro, um link que traz uma pesquisa de satisfação sobre o atendimento nos restaurantes. O site promete que, após responder as perguntas e compartilhar a pesquisa com 30 amigos, a vítima será agraciada com um cupom de R$ 50 para gastar com lanches.

Clicar no link, porém, traz consequências que podem causar dores de cabeça aos donos da conta. Após finalizar as respostas e realizar um rápido cadastro, o celular é inscrito em serviços pagos de SMS e as vítimas são induzidas a baixar apps falsos que infectam o smartphone e o tornam vulneráveis a golpes financeiros.

Golpes de WhatsApp: o guia definitivo para não cair em ciladas

Ainda de acordo com a DFNDR Lab, a assessoria de imprensa do Burger King confirmou que a promoção se trata de um golpe e reforçou que promoções verdadeiras são divulgadas somente por meio de promoções em seus canais oficiais, como site e Facebook, além dos cupons físicos.

Este é o segundo grande golpe no WhatApp utilizando o nome de uma multinacional famosa em menos de um mês. No final de dezembro, informações divulgadas pela Kaspersky Lab e publicadas com exclusividade pelo TechTudo, mostravam um outro crime, desta vez, utilizando a marca do Wallmart Brasil. Nele, prometia-se R$ 40 mil em prêmios na rede de lojas a varejo. Mais de 1,5 milhão de usuários caíram no golpe, que também instalava aplicativos perigosos no smartphone.

Além disso, essa não é a primeira vez que o Burger King tem sua marca envolvida em crimes digitais. Em 2016, um golpe muito parecido foi divulgado pela empresa de segurança digital ESET, onde usuários também eram enganados por uma suposta pesquisa de opinião que ofereceria, em troca, R$ 50 reais de desconto na compra de alimentos.

Em 2016, golpe similar circulou no mensageiro (Foto: Divulgação/ESET)

Malware imita a interface do Uber para infectar aparelhos Android

A recente descoberta revela que o malware aparece na tela do aparelho entre intervalos regulares, instigando o usuário a digitar seu número de telefone e senha, acreditando se tratar do aplicativo autêntico

Golpes por meio de malwares em usuários de dispositivos eletrônicos são, infelizmente, acontecimentos corriqueiros. Trojans vêm infectando o Android das mais variadas formas nos últimos anos, e sua mais nova empreitada é imitar a interface do Uber. A recente descoberta revela que o malware aparece na tela do aparelho entre intervalos regulares, instigando o usuário a digitar seu número de telefone e senha, acreditando se tratar do aplicativo autêntico.

Para convencer o usuário de que ele está usando o app verdadeiro, após as informações pedidas serem inseridas e confirmadas, o trojan carrega uma tela que mostra a localização do proprietário, copiando a apresentação do serviço legítimo de corridas e passando uma falsa sensação de segurança. Para conseguir mostrar esta informação, o falso app aparentemente se conecta a uma URL do próprio Uber quando a ferramenta é iniciada e revelando, desta forma, o ponto de partida da corrida.

Se por ventura estes dados forem digitados e o botão Enter for pressionado, as credenciais são enviadas para um servidor remoto e os criadores do golpe terão acesso a elas, podendo utilizá-las para invadir outras contas ou até mesmo vendê-las para outros hackers.

Com esta nova técnica de engenharia dos criadores de malware para enganar os usuários, vale a máxima dos conselhos, em se tratando de lojas virtuais e serviços de compra: é sempre bom verificar se o software é oficial e se é atualizado e, claro, instalar um bom aplicativo anti-malware para proteger o aparelho de demais ameaças virtuais.

Outra dica importante vem de um porta-voz da Uber: este novo recurso de phishing, uma maneira de cibercriminosos enganarem usuários para roubar informações pessoais (como número de documentos e/ou contas bancárias e, claro, senhas) exige que os consumidores baixem aplicativos maliciosos de locais não confiáveis. Portanto, recomenda-se que o download de aplicativos seja feito de fontes seguras, até porque, no aplicativo verdadeiro, uma coleção de ferramentas de controle e de segurança é colocada para ajudar a detectar e bloquear logins não-autorizados.

03 de janeiro de 2018

Multa para pedestre e documentos digitais: veja o que muda na lei de trânsito

Modelos inéditos de carros terão de oferecer sistema Isofix para cadeirinha. Ainda em 2018, Detrans deverão fechar um cronograma para inspeção veicular.

Todo ano novo reserva algumas novidades para motoristas e proprietários de veículos, mas dessa vez sobrou para os pedestres e ciclistas. Além disso, documentos poderão ser digitalizados, carros e motos estarão mais equipados.

Ainda em 2018, os Detrans deverão fechar um cronograma para a inspeção veicular, que será obrigatória no ano que vem. Veja detalhes destas e de outras novidades no trânsito para não ser pego de surpresa.

Multa para pedestre e ciclista

No final de abril, começa a valer a regulamentação das multas a pedestres e ciclistas que andarem fora das áreas determinadas. Se flagrado, o pedestre poderá pagar multa de R$ 44,19, enquanto o ciclistas deverá arcar com R$ 130,16.

Morte provocada por motorista bêbado

Também no final de abril, fica mais rígida a punição para motoristas alcoolizados que provocarem morte no trânsito. A pena possível irá de 2 a 4 anos de prisão, para 5 a 8 anos. Com a mudança, a condenação não poderá mais ser substituída por serviços a comunidade.

CNH digital

Até 1º de fevereiro, todos os Detrans devem estar aptos a emitir a CNH digital, que fica armazenada no celular do motorista e tem o mesmo valor jurídico do documento em papel. Cada estado ou distrito fica responsável por definir o custo da carteira virtual. Em Goiás, o 1º estado a adotar a tecnologia, a CNH digital era de graça até o fim do ano passado; agora, custará R$ 10. Alagoas e Distrito Federal também já emitem o documento.

Foto: Moura Alves/ODIA

CNH com chip

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) vai mudar novamente e se tornará um cartão de plástico com microchip, que reunirá informações do motorista. A nova carteira deve entrar em vigor até 1º de janeiro de 2019 em todos os estados e Distrito Federal. O formato de cartão "inteligente" se assemelhará a um cartão de débito/crédito convencional, com chip e gravação a laser dos dados do motorista.

Documento do carro digital

O Certificado de Registro de Licenciamento (CRLV) em papel também está com os dias contados. A versão digital, chamada de CRLVe, deve ser implementada em todo o país até 31 de dezembro. O modelo ainda está em desenvolvimento, mas deve ser apresentado ainda no 1º semestre do ano.

Sistema Isofix

O sistema mais prático de instalar cadeirinhas nos carros deverá ser item básico em modelos inéditos lançados a partir de 2018. Só a partir de 2020 é que todos os carros zero terão de oferecer o recurso. As montadoras se prepararam para isso desde de 2015, quando os prazos foram anunciados. O Isofix tem um encaixe próprio para a cadeirinha, no banco traseiro, que dispensa o cinto de segurança no processo de instalação. Mas esse encaixe tem que vir de fábrica: não é possível usar um dispositivo feito para o Isofix em carros que não tenham ancoragem apropriada.

Cinto de segurança de 3 pontos

Os mesmos prazos do sistema Isofix valem para o cinto de 3 pontos em todas as posições. Até 2017, a lei só exigia esse tipo de cinto nos bancos da frente e nos da ponta no banco de trás. Ainda há carros que são lançados com cinto abdominal na posição central do assento traseiro. A partir de 2018, modelos inéditos terão de oferecer apenas cintos de 3 pontos. Mas só em 2020 a regra valerá para todos os carros 0 km.

ABS ou CBS nas motos

Desde 2016, as fabricantes ou importadoras de motos são obrigadas a incluir freio ABS ou CBS em parte das unidades novas. A partir de 1º de janeiro de 2018, a exigência pula de 30% para 60% do total de motos novas no mercado. Apenas as com menos de 300 cc podem optar pelo CBS, enquanto as maiores devem incluir o ABS. No entanto, ainda será possível encontrar motos sem os equipamentos nas lojas. Só em 2019, a exigência será para 100% das motocicletas vendidas no país.

Prazo para inspeção veicular

A vistoria será obrigatória no país inteiro até o final de 2019, mas os estados que quiserem podem se antecipar. Ela será feita a cada 2 anos e sem a inspeção não será possível fazer o licenciamento. Cada Detran deverá apresentar até 1º de julho de 2018 um cronograma para começar a implantar a inspeção. Só então os proprietários devem saber as datas por tipo de veículo e final da placa.

Crédito ou débito?

A resolução que permite o pagamento de multas com cartões de débito ou crédito entrou em vigor em outubro passado, mas a prática deve crescer mesmo só em 2018, já que cada órgão de trânsito precisa habilitar as operadoras para oferecer o serviço. O valor pode até ser parcelado, mas fique atento com a cobrança de juros.

02 de janeiro de 2018

Apple pode mesmo comprar Netflix, de acordo com analistas

Em uma nota enviada aos clientes em dezembro, os analistas Jim Suva e Asiya Merchant classificam a Netflix como uma meta de fusão e aquisição em potencial da Apple

Segundo analistas da Citi, existe uma probabilidade de 40% de que a Apple adquira a Netflix, agora que o corte de imposto corporativo foi aprovado nos Estados Unidos pelo presidente Donald Trump. Juntamente com o abono único, que permitirá às empresas repatriarem o dinheiro armazenado no exterior sem ter que pagar grandes impostos, o corte fará com que a Apple tenha mais dinheiro para comprar outras companhias.

Foto: Reprodução/Canaltech

Em uma nota enviada aos clientes em dezembro, os analistas Jim Suva e Asiya Merchant classificam a Netflix como uma meta de fusão e aquisição em potencial da Apple. Dentre outras empresas que a Maçã gostaria de comprar, também estão a Disney, com uma probabilidade entre 20 e 30%, as empresas de games Take-Two, Electronic Arts e Activision com 10%, e Tesla e Hulu com os menores percentuais.

Embora o iTunes tenha sido um grande sucesso para a Apple, os usuários da plataforma cada vez mais estão migrando para serviços de TV e filme como Netflix, Amazon ou Hulu, deixando para trás a empresa da maçã no quesito serviços de streaming de vídeos, o que torna plausível a ideia de adquirir a Netflix futuramente.

Recentemente, em vias de alcançar as grandes plataformas nesta corrida, a Apple também apostou na produção de uma nova temporada para a premiada série antológica Amazing Stories , assinada por Steven Spielberg e que foi ao ar nas TVs americanas entre 1985 a 1987.

De acordo com Suva e Merchant, a Apple tem quase US$ 250 bilhões e vem crescendo US$ 50 bilhões por ano. Por anos, eles sempre evitaram repatriamento de dinheiro, a fim de evitar pagar uma alta tributação em cima deste valor. Porém, com a reforma tributária, a empresa da maçã enfim poderá colocar esses números em uso. "Com mais de 90% de seu dinheiro no exterior, um imposto de repatriação de 10% dá a Apple US$ 220 bilhões para fusões e aquisições ou recompras", diz a dupla. De acordo com os dois, a Maçã precisaria de apenas um terço desse dinheiro para adquirir a Netflix.

31 de dezembro de 2017

Start-up lança app para quem quer cumprir as metas de Ano-Novo

Rodolfo Ribeiro, 32, cofundador da empresa, conta ele próprio ter o hábito de criar metas a cada início de ano.

A start-up 7Waves quer fazer com que muitas promessas de Ano-Novo, dessa vez, virem realidade. 

Pretende fazer isso com seu aplicativo para gerenciamento de metas, que chegou ao mercado neste mês.

Rodolfo Ribeiro, 32, cofundador da empresa, conta ele próprio ter o hábito de criar metas a cada início de ano.

Chegava a ter mais de 20 objetivos anotados em planilhas. Mesmo com a disciplina, ao final de cada ciclo, cumpria cerca de 20% deles.

Entre as dificuldades para alcançar o que se promete estão erros na própria definição das metas, que podem ser baseadas em desejos que não são genuínos, e a falta de acompanhamento delas, avalia.

Seu aplicativo permite a usuários cadastrar seus objetivos e prazos para cumprimento de cada um deles.

O serviço ajuda nessa definição, com sugestões personalizadas. Para isso, busca informações sobre interesses dos usuários a partir do que eles compartilham em redes sociais.

A partir daí, sistema baseado em inteligência artificial busca conteúdos na internet que possam ajudar os usuários do serviço a conquistar o que querem.

As indicações são avaliadas por profissionais da empresa e, caso aprovadas, são enviadas rotineiramente para uma linha do tempo personalizada para cada usuários semelhante às presentes em redes sociais.

O uso do serviço é gratuito. A empresa espera ganhar dinheiro a partir de parcerias com marcas que queiram aparecer na linha do tempo dos usuários.

É possível, por exemplo, que alguém que tenha como objetivo viajar para a Disney passe a receber conteúdo patrocinado por uma agência de viagens, explica Ribeiro.

O projeto obteve R$ 200 mil da Fapesp, recursos usados para a pesquisa e desenvolvimento do sistema.

Ribeiro diz que, em 2018, a empresa fará uma nova captação de investimentos, dessa vez para serem aplicados no marketing.

O 7Waves foi lançado para aparelhos com sistema operacional Android há cerca de um mês. Versão para celulares da Apple deve ser lançada nos próximos dias.

30 de dezembro de 2017

Empresa analisa até 5.000 exames por dia com inteligência artificial

O fundador da empresa, conta que a inteligência permite a priorização dos casos mais urgentes

A start-up Portal Telemedicina vem usando inteligência artificial para levar laudos de especialistas a regiões remotas com agilidade. A empresa, que começou a funcionar em 2013, desenvolveu tecnologia que extrai informações de equipamentos médicos variados e as envia para outros aparelhos, como computadores, tablets e smartphones.

Com isso, um enfermeiro ou clínico-geral pode realizar exames e enviá-los para médicos especialistas que dedicam parte de seu tempo a fazer laudos para a companhia. O economista Rafael Figueroa, 31, cofundador da empresa, diz que os médicos conseguem analisar até 100 exames por hora. Em dias de pico, a companhia analisa até 5.000 exames.

A empresa conta com serviços regulares de 25 médicos, parte contratada e parte que realiza o trabalho de modo autônomo, em algumas horas por dia. Também pode chamar outros 100 em dias de demanda maior, diz. v"A média de tempo para um paciente receber um laudo no Brasil é de 60 dias. Devolvemos os nossos em minutos", afirma.

Foto: Reprodução/ Thinkstock

A análise à distância também permite que médicos de centros de referência, como Incor e Albert Einstein, em São Paulo, façam laudos exames de pacientes de cidades com menos acesso à saúde, segundo Figueroa.

O alto volume de análises é feito com apoio de inteligência artificial desenvolvida pela companhia, a partir de plataforma do Google chamada TensorFlow. O sistema analisa um banco de dados com milhões de exames já diagnosticados e, percebendo semelhanças entre o que já foi analisado e os novos exames, aponta qual o provável diagnóstico.

Figueroa afirma que a inteligência permite a priorização dos casos mais urgentes. Assim que o sistema percebe algo que parece ser mais grave, sobe o exame na fila dos que serão avaliados por médicos, para que o paciente receba uma resposta logo.

Entre os exames que recebem laudos dos especialistas da companhia estão eletrocardiograma, eletroencefalograma, ressonância magnética, raio-x e mamografia. A tecnologia é usada por 200 clínicas em 100 cidades de 18 estados pelo Brasil.

Parcerias 

Neste mês, Figueroa participou de viagem empresarial para a França promovida pelo programa Start Out Brasil, que tem entre seus parceiros o Ministério do Desenvolvimento e a Apex (agência ligada a pasta que promove a internacionalização de empresas brasileiras).

Figueroa afirma que a empresa busca oportunidades para estabelecer um centro de pesquisa no país, devido ao papel de destaque da França no campo da neurologia.

Ele conta já ter fechado acordo com o Hospital Saint Joseph Paris para que médicos de lá possam ser acionados em caso de dúvidas a respeito de um resultado de exame. Especialistas de lá também poderão ser chamados caso seja a preferência do cliente.

A start-up também deverá ter parcerias com o governo de São Paulo. Foi a vencedora do Pitch Gov.SP deste ano, programa que busca parceiros de tecnologia para o governo em áreas variadas.

No Estado, o foco do trabalho da start-up não será a telemedicina , ao menos neste momento. Figueroa explica que usará a experiência da empresa em convergência de sistemas (algo que foi importante para extrair informações de equipamentos médicos) para integrar sistemas variados usados na saúde pública paulista.

Um objetivo do empreendedor é criar um aplicativo para cidadãos em que será possível armazenar histórico médico e exames realizados, diz. No início deste ano, a empresa foi para San Francisco (EUA) participar do programa de aceleração do Google para start-ups de países emergentes Launchpad Accelerator. Lá, teve acesso a apoio de executivos da empresa e de outras companhias de destaque no setor de tecnologia.

A empresa tem atualmente 30 funcionários. Figueroa conta ter 40 vagas em aberto. Foram investidos até agora R$ 6,5 milhões no projeto, incluindo recursos de órgãos como Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

29 de dezembro de 2017

Instagram muda e agora 'obriga' você a ver fotos; entenda

Posts curtidos por outros perfis começam a ser sugeridos no feed da rede social

O Instagram começou a mostrar no feed dos usuários um novo tipo de conteúdo vindo de contas que não são seguidas. Marcados com o rótulo “Recomendado para você”, os posts são exibidos no fim da rolagem, ao terminar de ver as publicações do dia. A novidade é similar ao que já existia na aba Explorar, porém gerada somente a partir de curtidas de perfis seguidos.


Instagram já mostra posts recomendados para usuários brasileiros. Foto: Reprodução 

Segundo o site TechCrunch, a função já está liberada para todos os usuários do aplicativo em smartphones Android e iPhone (iOS). Alguns usuários brasileiros já veem as postagens recomendadas no aplicativo, mas a rede social ainda não se manifestou sobre a novidade.

Essa é a segunda vez em menos de um mês que o Instagram apresenta um recurso para descobrir conteúdo novo no feed. Há cerca de duas semanas, a rede social passou a permitir seguir hashtags além de perfis. Com isso, a plataforma abriu espaço para acompanhar temas de interesse do usuário, e não apenas pessoas ou marcas. A diferença para os posts recomendados é que a novidade mais recente parece ser obrigatória.

Não há uma maneira de cancelar o recebimento de posts sugeridos, ao menos, por enquanto. Segundo a página de ajuda do Instagram, a única maneira de remover posts recomendados é abrindo o menu e tocando em “Ocultar” (hide). A ação, porém, esconde a publicação temporariamente. Mais tarde, o usuário continua vendo fotos e vídeos de contas que não são seguidas.

28 de dezembro de 2017

Operadoras de telefone podem 'acabar' com barra de sinal do celular

Código oculto no Android 9 permite ocultar a informação

As barras que indicam a potência do sinal da rede de telefonia no celular podem estar com os dias contados em smartphones que rodam Android. Segundo o portal XDA Developers, um código vazado do sistema mostra que operadoras não serão mais obrigadas a fornecer o nível de sinal proporcionado na área de cobertura. Até então, a informação era exigida para as empresas de telefonia.

Barras de sinal de telefonia podem sumir na próxima versão do Android (Foto: Paulo Alves/TechTudo)

A novidade indica que o Google está, ao menos, estudando a possibilidade de ocultar a potência do sinal de telecomunicações no telefone. Se for confirmada, a mudança pode chegar no Android 9 (P), próxima versão do sistema operacional.

Não se sabe o motivo que levaria a gigante da internet a permitir a ocultação das barras de sinal. O XDA Developers levanta a hipótese de pressão exercida por operadoras.

Apesar da possibilidade de esconder a informação, o código em desenvolvimento mostra que ainda deverá ser possível consultar a potência do sinal no aparelho. Atualmente, a potência do sinal é vista de duas formas no Android. Uma delas é na linha fixa na parte superior da tela, em forma de barras. A outra é nas configurações do sistema, acessando o menu Sobre o telefone > Status do chip > Intensidade de sinal.

Atualização

Ainda deverá demorar para que celulares Android removam as barras de sinal. A novidade, se ocorrer, chegará somente no Android P, que ainda deverá ser anunciado no primeiro semestre de 2018. A tendência é que a primeira leva de atualizações comece a partir de setembro de 2018, se seguir o mesmo calendário do Android 8 (Oreo).

A versão mais recente do sistema foi liberada para poucos aparelhos até o momento. No Brasil, o Xperia XZ Premium, da Sony, é um dos poucos que já rodam o novo Android. Se a tendência se mantiver, o Android P, com ou sem barras de sinal ocultas, terá presença maior no Brasil somente em 2019.

22 de dezembro de 2017

Correios agora exigem que nota fiscal venha na parte externa das encomendas

Quem descumprir a nova regra, terá o envio recusado por parte dos Correios

A partir do dia 2 de janeiro, todo e qualquer lojista que enviar encomendas pelos Correios precisará anexar a nota fiscal da venda no lado externo das embalagens. A obrigatoriedade se faz necessária para que o serviço se adeque às determinações das leis tributárias vigentes no Brasil.

Foto: Reprodução/CanalTech

Caso o lojista não tenha emitido a nota fiscal (como acontece com empresas do tipo MEI, que não são obrigadas a fornecer o documento ao comprador), será necessário imprimir um formulário de declaração de conteúdo, que, assim como a NF, deverá ser afixado na embalagem no momento da postagem. Quem descumprir a nova regra, terá o envio recusado por parte dos Correios.

Até então, exibir a nota fiscal na embalagem das encomendas era algo opcional. Grandes e-commerces já adotavam essa prática, que, a partir do início de 2018, se torna obrigatória para todos. Com a mudança, as lojas que não têm integradas em suas rotinas a impressão física das notas fiscais, bem como sua anexação às embalagens, precisarão ajustar suas logísticas para cumprir os prazos de entrega atualmente praticados.

Importante ressaltar que a nota fiscal, ou a declaração de conteúdo, não pode ser colada na caixa de maneira avulsa, sendo necessário que esteja devidamente protegida por uma embalagem plástica. Dessa maneira, o papel fica protegido durante o transporte, não arriscando chegar danificado para o consumidor.

21 de dezembro de 2017

Apple confirma que deixa iPhones antigos mais lentos de propósito

Consumidores diziam há tempos que empresa que estava por trás da piora da performance do celular; agora, ela confirmou que faz isso com alguns modelos.

A Apple confirmou a suspeita de muitos donos de iPhone ao revelar que intencionalmente torna o smartphone mais lento conforme o modelo envelhece.

Alguns usuários acusavam a fabricante de fazer isso para levar as pessoas a trocarem de celular, mas a Apple afirmou que isso se deve à piora da performance da bateria de íon-lítio com o tempo. O objetivo seria prevenir que o telefone desligue sozinho e "prolongar a vida útil" do aparelho.

A prática foi confirmada após um consumidor compartilhar pelo fórum Reddit resultados de testes de performance de seu iPhone 6S, dizendo que o celular tinha ficado mais lento conforme envelhecia e melhorado de repente com a substituição da bateria.

O site Geekbench então analisou vários iPhones com diferentes versões do sistema operacional iOS e disse que alguns de fato pareciam ter ficado mais lentos de propósito.

O que disse a Apple?

A empresa confirmou ter feito mudanças por meio de atualizações do sistema operacional para lidar com a piora da bateria de íon-lítio e "oferecer a melhor experiência de performance para os consumidores".

Com o tempo, afirma a Apple, a bateria perde a capacidade de fornecer energia para que o aparelho funcione com sua capacidade máxima nos momentos de pico de uso. Isso ocorre em condições de frio extremo, quando estão com a carga baixa ou ao envelhecer, fazendo com que o celular desligue por conta própria para impedir que isso danifique seus componentes.

A empresa disse ter liberado no ano passado, com uma atualização do iOS, um recurso para iPhone 6, iPhone 6S e iPhone SE para resolver esse problema. Na prática, isso limita a performance do smartphone, reduz a demanda por energia nos picos de uso e impede que o telefone apague de repente.

"Agora, liberamos isso para o iPhone 7 com iOS 11.2 e planejamos dar suporte para outros produtos no futuro."

Por que baterias de íon-lítio se deterioram?

Isso se deve ao ciclo de carga e descarga. Em ambos os casos, íons migram entre os eletrodos positivos e negativos da bateria, atravessando o eletrólito, material que forma a bateria, normalmente uma composição de sal de lítio e uma solução orgânica.

Estudos mostraram que, cada vez que os íons fazem isso, ele promovem pequenas mudanças na estrutura do eletrólito. O efeito é semelhante "à ferrugem se espalhando de forma desigual pelo aço", segundo um cientista que estudou o fenômeno.

Essas alterações provocam uma erosão do material, prejudicando sua capacidade de reter uma carga e de ser uma fonte de energia constante.

Voltagens mais altas podem acelerar a erosão, assim como temperaturas mais elevadas.

A Apple deveria ter contado isso aos consumidores?

"Ao escolher implementar isso sem alarde, parece ser algo mais nefasto do que realmente é. Isso não inspira confiança", escreveu o blogueiro Nick Heer.

"A Apple é boa em lidar com as expectativas... Mas, desta vez, estragou tudo. Sem necessidade, eu acho."

Na visão de John Poole, do blog Geeckbench, "isso faz os usuários pensarem 'meu telefone está lento, tenho de trocá-lo', e não 'meu telefone está lento, tenho de trocar a bateria'".

Substituir a bateria antiga dos modelos afetados deve recuperar a performance do telefone. O site da empresa informa que, no Brasil, serviços de reparo da bateria fora da garantia custam R$ 499.

"Entendo os motivos deles, mas deveriam ser mais transparentes sobre isso", disse o consultor de tecnologia Chris Green, da empresa Bright Bee.

"Você está limitando a performance pela qual alguém pagou. Se você vai tornar o telefone mais lento com o tempo, deveria dizer que é para mitigar o problema da piora da bateria, para que as pessoas entendam que, no fim das contas, isso é benéfico para elas."