Sem acordo com Setut, motoristas e cobradores avaliam nova greve do transporte

O Setut não assinou o acordo de convenção coletiva da categoria estabelecendo novamente o pagamento do piso salarial para motoristas e cobradores.

12/10/2021 17:48h - Atualizado em 12/10/2021 17:57h

Compartilhar no

Não houve acordo entre a o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (SETUT) e o Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Transporte Rodoviário da Capital (Sintetro). Em reunião realizada na tarde desta terça-feira (12), os sindicatos não chegaram em consenso em relação ao retorno da totalidade da frota de ônibus de Teresina

Depois de um ano e nove meses de impasses, a crise no transporte coletivo continua em aberto. O Setut não assinou o acordo de convenção coletiva da categoria estabelecendo novamente o pagamento do piso salarial para motoristas, cobradores, fiscais e pessoal de manutenção das garagens, e o fim do pagamento em diárias, como vem sendo feito desde o início da pandemia. Na reunião, o Setut apresentou os termos do acordo que foi firmado entre a classe patronal e a Prefeitura na última quinta-feira (07). 


Leia mais: Ônibus em Teresina: Motoristas e cobradores vão ao MPT pedir diálogo com o Setut 



Foto: Arquivo O Dia 
O presidente do Sintetro, Ajuri Dias, lamentou a situação e afirmou que, na próxima quinta-feira (14), será realizada uma assembleia com os motoristas e cobradores para avaliar a possibilidade de uma nova greve do transporte público na capital.

“Não iremos retornar ao trabalho de forma integral como prevê o acordo entre a Prefeitura e os empresários. O Setut se negou a assinar o acordo de convenção coletiva da nossa categoria e lamentamos essa situação. Eles alegaram que o dinheiro acordado com a Prefeitura é insuficiente para pagar os funcionários”, disse o presidente que afirmou que o Setut alegou queda de passageiros no transporte e que, nessas condições, os empresários não teriam como custear o serviço. 

Leia mais: Usuários de ônibus em Teresina reclamam da frota após acordo: "não senti diferença" 


Foto: Assis Fernandes/O Dia

O sintetro, além do acordo de convenção coletiva da categoria, também busca a discussão da recontratação dos funcionários que foram demitidos durante a crise sob o risco de não haver mão de obra suficiente que atenda à demanda de ônibus na cidade.

Por outro lado, o Setut diz que compreende as dificuldades enfrentadas no setor de transporte coletivo e que continua aberto ao diálogo, a fim de solucionar a situação, como também esclarecer sobre o cenário do sistema e os pontos acordados com a Prefeitura de Teresina. 

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário