• the shopping
  • Tirulipa
  • novembro azul 2018
  • show gustavo lima
  • Estreia programa Italo Motta
  • TV O DIA - fullbanner w3b
  • TV O Dia - fullbanner

Servidores da saúde paralisam atividades e protestam por segurança nas UBS

Além da segurança, os profissionais também reivindicam devolução de descontos indevidos nos salários, o pagamento do retroativo e a falta de ascensão através das mudanças de níveis.

13/09/2018 09:07h - Atualizado em 13/09/2018 11:03h

Servidores de Saúde da Prefeitura Municipal de Teresina se reúnem em protesto pelas más condições de segurança nas Unidades Básicas de Saúde da Capital. Com as atividades paralisadas desde meia-noite, os profissionais acampam em frente ao prédio da Prefeitura de Teresina, onde pretendem apresentar suas reivindicações na manhã desta quinta-feira (08). 

Segundo o Sindicato de Servidores Municipais de Teresina (Sindserm), a indignação dos profissionais se dá por conta dos constantes quadros de violência que as unidades de saúde sofreram nos últimos meses. De acordo com o Sindserm, cerca de 35 Unidades Básicas de Saúde foram assaltadas somente em 2018. 


A mais recente foi no dia 27 de agosto, quando um homem armado adentrou a UBS do Portal da Alegria e fez um arrastão levando pertences pessoais das vítimas. Na ocasião, um funcionário de 27 anos, tentou reagir e foi atingido por dois disparos de arma de fogo.  “A prefeitura está dizendo que não é responsabilidade dela, mas, a gente entende que é sim, pois foi dentro do ambiente de trabalho e no horário de trabalho”, explica Daniele Brito, diretora de assuntos jurídicos do Sindserm. 

O presidente do sindicato, Sinésio Soares, explica que além de protestar pela segurança, os servidores também reivindicam a devolução de descontos indevidos nos salários, o pagamento do retroativo e denunciam falta de ascensão através das mudanças de níveis. “Com relação ao pagamento do adicional por insalubridades, nós entramos na justiça para que ele volte ao contracheque e ontem nós conseguimos. Saiu uma determinação da justiça obrigando a prefeitura retomar a insalubridade para os contracheques dos servidores”, conta. 

Foto: Poliana Oliveira/O DIA

“Nós fizemos uma greve no primeiro semestre, mas as conquistas ainda não estão consolidadas. A FMS não está cumprindo com o acertado. Se a truculência continuar, se eles continuarem descumprindo com o acordo, a categoria não descarta um indicativo de greve”, continua Sinésio.  

Segundo Sinésio, uma solução para o problema seria chamar os aprovados do concurso para Guarda Municipal e colocá-los nas UBS para garantir a segurança. Em contraponto, a PMT informou que tanto os classificados, quanto os ocupantes da lista de espera  do concurso já foram convocados. Ao O DIA, a prefeitura afirmou ainda que está analisando a possibilidade de um novo concurso.

De acordo com o  Sindserm,  os atendimentos nas UBS da Capital  só devem retomar na madrugada de sexta-feira (14), 24h após o inicio da paralisação. No entanto, a Fundação Municipal de Saúde informou que as Unidades de Saúde deverão funcionar normalmente nesta quinta-feira, sem prejuízos para a população.

FMS faz parceria com Polícias Militar e Civil

O coronel John Feitosa, chefe de assistência militar da Prefeitura de Teresina, recebeu com exclusividade a reportagem do O DIA. Segundo ele, a Polícia Militar e a Polícia Civil estão trabalhando em parceria com a PMT para garantir a segurança nas UBS.

Foto: Poliana Oliveira/O DIA

A ideia dos gestores é ampliar o policiamento intensivo nas áreas da Unidades de Saúde. “No momento, colocar um policial em cada UBS é inviável. Nós estamos articulando uma operação com a Polícia Civil com o objetivo de garantir a segurança desses profissionais e da população”, conta o coronel.

Ele afirmou ainda a FMS está fazendo um mapeamento da cidade para fazer uma fiscalização eletrônica, mas não explicou como se dará isso na prática. 

Gestão da FMS está sob impasse

Ainda ontem (12), o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Silvio Mendes, solicitou à Prefeitura sua exoneração do cargo. Informações de bastidores dão conta que o ex-prefeito estaria sendo cobrado excessivamente para a apoiar a candidatura da primeira-dama da Capital, Lucy Silveira, ao cargo de deputada estadual. 

O prefeito Firmino Filho, por meio de sua assessoria, informou que ter recebido qualquer pedido de exoneração e que, caso receba, não aceitará a proposta.


Edição: Maria Clara Estrêla
Por: Lucas Albano com informações de Geici Mello

Deixe seu comentário






Enquete

Um jovem morreu ao sofrer descarga elétrica colocando celular para carregar. Quais cuidados você toma em relação a isso?

ver resultado