• Teresina shopping
  • HEMOPI - Junho vermelho
  • ITNET
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att

Notícias Torquato

16 de junho de 2019

Orquestra Sanfônica Seu Dominguinhos abre o Festival ODIA Junino

Orquestra Sanfônica Seu Dominguinhos abre o Festival ODIA Junino

Evento contará com apresentações artísticas e ainda uma competição de quadrilheiros na 10ª edição do Festival Estadual de Quadrilhas Juninas

Theresina Hall vai se transformar no palco oficial da maior celebração da cultura regional do Piauí. Na próxima quinta-feira, dia 20, tem início o I Festival ODIA Junino. O evento, resultado de uma parceria entre o Sistema ODIA de Comunicação e a Federação Piauiense de Quadrilhas Juninas - Fepiq, contará com apresentações artísticas e ainda uma competição de quadrilheiros na 10ª edição do Festival Estadual de Quadrilhas Juninas.

A abertura do I Festival ODIA Junino acontece com uma apresentação da Orquestra Sanfônica Seu Dominguinhos, um projeto da Prefeitura de Teresina, desenvolvido através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMCMC). O grupo é uma homenagem a um dos maiores acordeonistas do País: José Domingos de Moraes, mais conhecido como Dominguinhos.

Criada em 2013 por Lázaro do Piauí, e sob regência do maestro Ivan Silva, a Orquestra Sanfônica Seu Dominguinhos conta com acordeonistas, percussionistas e baixista que dão vida a arranjos musicais que homenageiam compositores da região nordeste, mesclando com elementos da música erudita. Atualmente a orquestra se apresenta em diversas regiões do Nordeste, participa e organiza festivais de música e tem se tornado destaque no cenário musical.

“O objetivo da orquestra é manter a cultura nordestina através da safona que é um ícone da cultura brasileira no Nordeste. O ideal, quando criamos a orquestra, é que ela fosse formada a partir de uma base técnica, que tivessem aulas para então formar o grupo. Mas como a gente tinha pressa, reunimos os sanfoneiros já veteranos da cidade para a orquestra. Depois disso já tiveram início as aulas, levando a formação de uma nova geração de sanfoneiros”, comenta o maestro Ivan Silva.

Ao todo 20 músicos, entre sanfoneiros de Teresina, Campo Maior e União, formam a Orquestra Sanfônica Seu Dominguinhos. Ivan conta que a agenda de apresentações segue uma rotina de eventos promovidos pela prefeitura. Nesse período junino, o número de shows aumenta consideravelmente. “A gente recebe bastante solicitação nesse período. O repertório é todo baseado nesse gênero musical regional, como o forró de Luiz Gonzaga”, acrescenta o maestro.

O festival

Depois da abertura, a festa continua, no ODIA Junino, ao longo dos próximos dias. Com uma super estrutura, o evento recebe apresentações de quadrilhas, expositores e ainda praça de alimentação, oferecendo uma variedade de comidas típicas. Toda a magia junina levada para o festival será transmitida para o público pelas plataformas que integram o Sistema ODIA: portal, rádio, TV e jornal.

“É o evento oficial da competição de quadrilhas, é o que está credenciado junto à Fepip. Serão quatro dias que serão levados para as quatro plataformas do Sistema ODIA. Teremos flashs ao vivo na TV, na FM ODIA, além de um material especial no Jornal ODIA e no Portal ODIA”, explica Alberto Moura, diretor de marketing do Sistema ODIA.

As apresentações dos quadrilheiros no evento integram a 10ª edição do Festival Estadual de Quadrilhas Juninas. A competição acontece ao longo dos dias de realização do ODIA Junino. Na primeira classificatória, sete quadrilhas se apresentam em cada uma das três primeiras noites. Destas, apenas nove chegarão a grande final, que acontece no dia 23 de junho, no encerramento do evento.

A Federação Piauiense de Quadrilhas Juninas conta com mais de 100 quadrilhas filiadas. Para o festival, a expectativa é que cerca de 40 grupos se apresentem ao público. O grupo que levar o título representará o Piauí no Nordestão, o maior festival regional de quadrilhas, enquanto o segundo colocado se classifica para o Concurso Nacional de Quadrilhas, em Brasília.

14 de junho de 2019

O DIA Junino: O som da alegria em 3 noites de festival

O DIA Junino: O som da alegria em 3 noites de festival

As Fulô do Sertão, Lene Alves e Cesinha Garcia, algumas atrações da grande festa.

É comum encontrar a tradição nordestina nas vestimentas floridas, com cores vivas, chapéu e chinelo de couro. E essas são as principais características da banda “As Fulô do Sertão”, as três protagonistas: Adnayane Marins (Triângulo e vocal), Écore Nascimento (Violão/Acordeon e Voz) e Tauana Queiroz (Zabumba e vocal), são a representação da memória viva do forró pé de serra. 

O grupo tem raiz em 2014, quando a paixão pelo Nordeste uniu essas três mulheres. Como relata Adnayane Marins, “o projeto é cultural e musical a fim de retratar a peculiaridade nordestina em suas riquezas diversas. É nas canções de Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Jackson do Pandeiro e Marinês, que a banda encontra inspiração para tocar, embora também trabalhem com músicas autorais”, descreve. 

O forró pé de serra no talento das Fulô do Sertão. (Foto: Divulgação)

A simplicidade e leveza ao cantar já levou As Fulô do Sertão a shows beneficentes, teatro e Tvs nacionais. A próxima parada dessas meninas será no Festival Junino O Dia, no domingo, 23. “Já participamos de vários festivais pelo Piauí. E participar do I Festival Junino O Dia, irá nos alegrar bastante, pois além de ser no melhor mês do ano, é em nossa amada cidade”, conclui a vocalista Adnayane.

Todo o material da banda está disponível nas redes sociais como: As Fulô do Sertão. Recentemente elas lançaram seu primeiro CD, intitulado como “Balanço do novo amor”. Lene Alves Maranhense de nascença, e teresinense de coração. Esta é Lene Alves, vocalista da banda Forró da Cumadi. O grupo atualmente é procurado para tocar em casamentos e shows na cidade, seu repertorio variado agrada a todos os públicos. “A banda tem em seu repertório músicas ecléticas, que variam desde axés antigos e atuais, forró das antigas e sertanejas’, diz a cantora. 

O grupo já fez parte de diversos festivais importantes no Estado, como o Festival do Peixe em Esperantina, Festival dos Cocais em São João do Arraial, Festival da Uva em São João do Piauí e Festival da Rabeca em Bom Jesus, além de carnavais nos quatro cantos do Piauí. No Festival Junino O dia o grupo se apresenta no sábado, 22. Cesinha Garcia Outro grande talento que estará presente na festa do O Dia é o sanfoneiro mirim Cesinha Garcia.

“A banda Cesinha Garcia com apenas dois anos de existência e já é destaque entre as melhores Bandas do Nordeste. Com um repertório que agrada a Gregos e Troianos vem arrochando o nó nas festas de vaquejada”, diz a produtora Cassia Santos. Natural de Campo Maior, o vocalista Cesar Garcia Ribeiro Filho tem apenas 13 anos e sua paixão pela sanfona é  algo de herança. 

Seu pai o apresentou ao instrumento ainda na infância, desde esta época o menino nunca parou de estudar música e ainda compõe com o irmão. Cesinha já fez várias participações com artistas renomados entre eles Wesley Safadão, Toca do Vale, Luan Estilizado, JM Puxado, Banda A Loba e outras. O repertório agrada a todos e principalmente a toda Vaqueirama do Brasil, pois ele canta Forró e Vaquejada.

13 de junho de 2019

"MIB: Homens de Preto" volta à telona dos Cinemas Teresina

Por décadas a agência Homens de Preto protegeu a Terra da escória do universo, mas precisa lidar com a maior das ameaças.

“MIB: Homens de Preto” volta às telas do cinema essa semana. Por décadas a agência Homens de Preto protegeu a Terra da escória do universo, mas precisa lidar com a maior das ameaças: um traidor, justo quando a agência torna-se internacional. É neste contexto que Em (Tessa Thompson) tenta se tornar agente, já que teve uma experiência extraterrestre quando jovem e não teve sua memória apagada. Quem irá auxiliá-la nesta jornada é o atrapalhado agente H (Chris Hemsworth). 

O suspense “Obsessão” é outra novidade dessa semana nos Cinemas Teresina. No filme, Frances (Chloë Grace Moretz) é uma jovem mulher cuja mãe acaba de falecer. Recém-chegada em Manhattan e cheia de problemas com o pai, ela divide apartamento com a amiga Erica (Maika Monroe) e trabalha como garçonete de um luxuoso restaurante. 

Um dia, voltando para casa, Frances encontra uma bolsa abandonada em um dos assentos do metrô, e, ao devolvê-la, acaba iniciando uma amizade improvável com a dona do acessório, uma senhora viúva chamada Greta (Isabelle Huppert). Os problemas começam a surgir quando Frances percebe que a necessidade de atenção de Greta é muito mais perigosa do que ela imaginava. 

A comédia “Fora de Série” também estreia. Duas grandes amigas conhecidas por serem os maiores prodígios da escola estão prestes a terminar o ensino médio. Faltando poucos dias para o grande momento, elas percebem que estão arrependidas por terem estudado tanto e se divertido tão pouco. Determinadas a não passarem por todo esse tempo sem nenhuma diversão, elas decidem correr atrás dos 4 anos perdidos em apenas uma noite.

Documentário e drama nas pré-estreias da semana no cinema

Documentário e drama nas pré-estreias da semana no cinema

"Os Papéis de Aspern" e "Tunga, O Esquecimento das Paixões" são cartazes da Cinesemana.

Uma cinesemana com muitas opções nos Cinemas Teresina, no Teresina Shopping: “Os Papéis de Aspern” e “Tunga, O Esquecimento das Paixões” são as pré-estreias da semana nos Cinemas Teresina. Os lançamentos nacionais “MIB: Homens de Preto Internacional”, “Obsessão” e “Fora de Série” completam a programação. 

No sábado, às 11h, o drama “Os Papéis de Aspern” será exibido. O enredo é baseado na obra de Henry James, publicada em 1888, o filme se passa no final do século 19 e narra a história de um ambicioso editor norte-americano obcecado pelo poeta romântico Jeffrey Aspern.

No sábado, às 11h, o drama “Os Papéis de Aspern” será exibido.  (Foto: Divulgação)

 Determinado a conseguir as cartas que Aspern escreveu a Juliana, sua amante, anos antes, o editor viaja a Veneza e conhece uma misteriosa idosa e sua sobrinha. Assumindo falsa identidade e mascarando as reais intensões, o visitante seduz a sobrinha da dona da casa, convencendo a moça a ajudá-lo em na busca pelas cartas. Quando a mulher descobre o que se passa, decide manter a ajuda, mas sob condições que o editor não pode aceitar. Com isso, o futuro das cartas – e o mistério por trás do conteúdo – está em jogo.

 O documentário “Tunga, O Esquecimento das Paixões” terá pré-estreia domingo, 16, às 10h30. O diretor Miguel de Almeida constrói a vida e a obra de Tunga, registrando o universo criativo e afetivo do escultor, desenhista e artista performático, a partir de fragmentos de obras, instalações e performances. O filme apresenta farto material, incluindo instalação na pirâmide do Louvre, do artista que foi o único a expor arte contemporânea nesse museu.

12 de junho de 2019

Gonzaga Lu e Minamora: Grande show junino, imperdível!

Gonzaga Lu e Minamora: Grande show junino, imperdível!

Festival O DIA Junino, de 20 a 23 de junho, no Theresina Hall

O mês de junho chegou, e com ele a alegria folclórica que toma conta da cidade. Para alguns, esta é a melhor época do ano, pois além da diversão a festa representa a resistência da cultura nordestina, com suas especificidades, cores e alegria regionais. 

O Festival O DIA Junino vem justamente para animar ainda mais as noites na capital piauiense. Umas das grandes atrações que carrega mais de 30 anos de carreira e a inspiração do Rei do Baião, é Gonzaga Lu.

Gonzaga Lu, mais de 30 anos de carreira com o melhor do forró. (Foto: Divulgação)

O forrozeiro iniciou sua carreira em Campo Maior, na banda Spacial. Logo depois, se mudou para Fortaleza- CE, trabalhou na Explosão Som, retornando ao Piauí, ingressou em bandas como Ônix, Sagaz e Beijo de Mulher, até decidir seguir carreira solo. Gonzaga Lu consagrou-se com o trio Asa Branca onde grandes sucessos de seu ídolo foram regravados, e suas músicas autorais ficaram conhecidas no Piauí, como o verdadeiro forró pé de serra. 

O cantor manda um recado para a população teresinense, para cantar e dançar no dia 20, “passando para convidar vocês para o grande Festival O DIA Junino. Vá lá, leve sua família, os amigos, vão lá!”, convida. 

Banda Minamora 

Outra atração já confirmada também para a quinta-feira, 20, é a banda Minamora. Com mais de 12 anos no mercado, o grupo se destaca no Norte e Nordeste pelo seu ritmo envolvente. 

Segundo a produtora musical da banda, Rejane Meneses, “o show fica na companhia de Cleison Vieira e Manu Pissoloto, que tem a técnica e a sensibilidade como o forte da dupla. Os hits vão desde modões a brega, para emocionar e animar o público”, assinala.

 

Banda Minamora, ritmo envolvente e sucesso garantido. (Foto: Divulgação)

Festival O DIA Junino 

O primeiro Festival O DIA Junino nasce da necessidade de valorizar as festividades do mês de junho, como explica o Diretor de Marketing do Sistema O DIA, Alberto Moura. 

“A gente quer trazer para a sociedade teresinense todo o ícone da cultura da festa junina. A festa junina tem uma simbologia muito forte no Nordeste. Nós, enquanto jornal, temos uma responsabilidade muito grande com a parte cultural, por isso temos um caderno cultural que é tão bem lido, aqui em Teresina”, relata. 

Este é primeiro ano que o Sistema O DIA de Comunicação conta com as quatro plataformas de comunicação: rádio, tv, portal e jornal impresso. Tendo ainda no grupo o Theresina Hall, pensou-se em agregá-los para trazer diversão à população. Para o festival, a equipe firmou parceria com Fundação Otávio Miranda e a Fepique, Federação Piauiense de Quadrilha Junina. 

No evento vai acontecer também o “X Festival Estadual de Quadrilha Junina”, que é de onde sairá a quadrilha campeã que participará do Nordestão e dos eventos de quadrilha junina nacional. Alberto Moura ainda ressalta a relevância do encontro para a empresa.

“Pra gente do Sistema O DIA é de extrema importância promover um evento que é gratuito. Vamos ter apresentações das principais quadrilhas do nosso estado, além de apresentações com shows de forró. Essa é a possibilidade de levar seu filho e sua família para comemorar esse período festivo para todo Brasil”, conclui. 

Programação O Festival O DIA Junino acontece de 20 a 23 de junho no Theresina Hall, entrada gratuita, com animação de 11 bandas, 21 quadrilhas e barraquinhas de comidas típicas. Além da Banda Minamora e Gonzaga Lu, se apresentam no evento também Paulinho Paixão, Forró do Barão, Jardel do Arcodeon e Cesinha Garcia, Lene Alves e Forró da Cumadi, Fulô do Sertão, entre outras.

11 de junho de 2019

Salão do Livro do Piauí 2020 fará homenagem à poeta Graça Vilhena

Salão do Livro do Piauí 2020 fará homenagem à poeta Graça Vilhena

A honraria se deve à importância da poeta para a literatura, de acordo com Kássio Gomes

Após o sucesso da 17ª edição do Salão do Livro do Piauí – Salipi , o evento encerrou com o anúncio da personalidade que será homenageada em 2020: Graça Vilhena. Considerado um dos maiores eventos literários do Piauí e um dos maiores do país, o Salão esse ano contou com grandes nomes, como Bráulio Bessa, Djamilla Ribeiro, Paula Pimenta e show de encerramento de Geraldo Azevedo. 

“É sempre importante homenagearmos alguém significante para a literatura, e a Graça Vilhena tem um trabalho muito importante. Achamos justo celebrar o trabalho de uma mulher tão forte na poesia”, explicou Kássio Gomes, presidente da Fundação Quixote, entidade organizadora do Salipi juntamente com a Universidade Federal do Piauí. 

Como em anos anteriores, o Salão do Livro do Piauí busca atrair um público de todas as idades. “Esse ano podemos dizer que a programação foi a mais diversificada. Buscamos trazer palestrantes para todos os públicos, especialistas nas áreas mais diferentes, e vimos que o retorno das pessoas está sendo muito bom. Ficamos felizes em ver que a cada ano que passa o público abraça cada vez mais o Salão”, disse Kássio. 

O evento recebeu quase 200 mil pessoas durante dez dias em que foram realizadas palestras, apresentações musicais e de dança, além do lançamento de livros e bate-papos. Uma das novidades deste ano foram as aulas de preparatório para o ENEM, realizadas no Cine Teatro durante o período da tarde.


Leia mais

Salipi: expositores baixam preços para atrair leitores 

Salipi 2019: A música autoral piauiense ganha espaço no evento 

Xico Sá e Débora Aladim participam do Salipi neste fim de semana 

Salipi 2019 traz grandes nomes do jornalismo e feminismo para Teresina 

O narcisismo no humor cai no gosto de cartunistas internacionais

O narcisismo no humor cai no gosto de cartunistas internacionais

Neste ano, as inscrições de outros países, segundo a organização, já superam o número de inscritos brasileiros.

Seguem abertas até o próximo dia 18 de junho as inscrições para o 11º Salão Medplan de Humor . Consolidado entre cartunistas e desenhistas, a iniciativa anualmente recebe trabalhos nacionais e internacionais. Neste ano, as inscrições de outros países, segundo a organização, já superam o número de inscritos brasileiros. São charges, cartuns, caricaturas e tirinhas enviados de lugares como Inglaterra, Itália, Rússia, Índia, China, Ucrânia e também dos Estados Unidos.

A expectativa, segundo o cartunista Jota A, curador do Salão, é que nesse ano o número de trabalhos inscritos supere o do ano passado. O tema, de acordo com ele, foi pensado para instigar a criatividade dos artistas. Para essa edição, os participantes devem enviar criações a partir da temática “Narcisismo”. 

Cartum do indiano Ethiraaji Kagithakara. (Foto: Reprodução)

“Ano passado recebemos 1.111 trabalhos, queremos receber no mínimo 1.500 trabalhos. Já estamos tendo uma boa repercussão, porque o tema é interessante, mistura o narcisismo com as redes sociais. As redes sociais potencializam esse lado narcisista de cada um e os artistas estão brincando com essas possibilidades. Cada participante poderá se inscrever com o máximo de 5 (cinco) trabalhos no formato 30X40 cm utilizando qualquer técnica".

Os trabalhos devem ser de autoria própria e não podem ter sido premiados até a data de encerramento das inscrições. As modalidades são: cartum/charge, caricatura e história em quadrinhos/tirinhas. Ao todo, são R$15 mil reais em prêmios aos vencedores. O Salão traz ainda premiações voltadas para as categorias de caricaturas e quadrinhos/tirinhas com tema livre. A mostra itinerante com os melhores trabalhos e o anúncio dos vencedores tem início no dia 28 de julho (sábado), às 18h, no piso superior do Teresina Shopping. 

O público infantil também poderá participar no Salão. Em paralelo as categorias destinados aos adultos, acontece o 2º Salãozinho Medplan de Humor, que traz como tema "Minha brincadeira Preferida". Crianças de 06 a 12 anos podem pedir para os responsáveis para participar do evento enviando seus trabalhos. Os dois melhores trabalhos terão direito à premiação 

Para participar do evento, é só acessar o site www.medplan.com.br e fazer a inscrição. Na página está disponível ainda o regulamento. Os originais dos trabalhos também podem ser enviados para o endereço: 11º Salão Medplan de Humor. Rua Coelho Rodrigues, 1921 – Centro. Cep: 64000-080. Teresina, Piauí. 

Cantora Elza Soares é a primeira atração do Seis e Meia

Cantora Elza Soares é a primeira atração do Seis e Meia

"A Carne", "Mulher do Fim do Mundo" e "O Tempo não Para" são hits do repertório da intérprete.

Elza Soares está confirmada para o primeiro show da temporada 2019 do Projeto Seis e Meia. A cantora sobe ao palco do Theatro 4 de Setembro no próximo dia 18 de junho. Em Teresina, ela deve apresentar uma nova versão do show "A Voz e a Máquina”, acompanhada por dois músicos da cena eletrônica e um guitarrista. 

A apresentação segue mesma ideia que a cantora faz há anos: de reinventar sua voz ao lado dos DJs Ricardo Muralha e Bruno Queiroz, e do guitarrista Caesar Barbosa (o trio também assina a produção musical e arranjos). O show também deve trazer traz canções de outras fases da carreira de Elza Soares, bem como releituras surpreendentes. 

Cantora Elza Soares é a primeira atração do Seis e Meia . (Foto: Reprodução)

No repertório, clássicos e hits se encontram como: “Computadores Fazem Arte” “A Carne” “Mulher do Fim do Mundo” “O Tempo Não Para”  e outros sucessos da música popular brasileira. O show também ganha um tom de protesto quando Elza Soares entoa em verso e prosa as mazelas da sociedade, em músicas como “Não Recomendado”  e “Milagres” 

Os arranjos eletrônicos do "A Voz e a Máquina”  dão forma a uma voz processada, desconstruída e reconstruída. Para acompanhar Elza Soares, uma sequência em vídeo mapping (técnica que consiste na projeção de vídeo em objetos ou superfícies irregulares) cria projeções em um cenário em branco. 

O Projeto Seis e Meia é uma realização do Governo do Estado , por meio da Secretaria de Estado da Cultura do Piauí (Secult). Os ingressos começam a ser vendidos nesta quinta-feira (13), na bilheteria Theatro 4 de Setembro, a partir das 9 horas, no valor de R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia).

09 de junho de 2019

Grupos artísticos abrem 3º Festival de Bonecos do Piauí

Grupos artísticos abrem 3º Festival de Bonecos do Piauí

O desfile cênico que abre o evento, partirá da Praça Pedro II, às 8h, até a Casa da Cultura, onde haverá o primeiro espetáculo.

Nesta segunda-feira (10), às 8h, acontece a abertura do 3º Festival Internacional de Bonecos do Piauí, com um desfile cênico que partirá da Praça Pedro II até a Casa da Cultura. Este ano o evento que vai até o dia 15 de junho, homenageia o bonequeiro Afonso Miguel e apresentará espetáculos gratuitos, com grupos do Chile, Argentina e Portugal, além de grupos brasileiros, do Piauí, Distrito Federal, Maranhão e Paraná.

Nesta segunda-feira, bonecos gigantes e pernas de pau farão o percurso saindo da Praça Pedro II e passando pelas Praças João Luís, Rio Branco, descem pelo calçadão da Simplício Mendes em direção a Praça Saraiva e encerram na Casa da Cultura, onde haverá o primeiro espetáculo com o grupo Mamulengo Fantochito, que será apresentado pela filha do bonequeiro Afonso Miguel, Mariana Acioli.

Alguns dos bonecos que estarão no desfile foram produzidos pelos estudantes de arte da disciplina de Teatro de formas animadas, da Universidade Federal do Piauí durante oficinas realizadas pelo organizador do evento, Chagas Vale e a professora Lúcia de Fátima Couto. Foram 8 aulas com carga horária de 20 horas e contou com 35 alunos.


A professora Lúcia contou que além das oficinas com os alunos de Teatro de forma animada, os alunos do Fundamentos da Expressão e comunicação humana, também irão participar do desfile cênico com apresentação de dança.

"Duas disciplinas do curso de Artes receberam as oficinas promovidas pelo Festival de Bonecos, cada oficina teve 20 horas de duração, foram produzidos 12 bonecos gigantes e 20 alunos vão dançar "flor do mamulengo". O resultado de todo o trabalho será apresentado durante o desfile", explicou. 

Chagas Vale ressalta a importância da parceria com a Universidade para a arte dos bonecos, levando "Na UFPI já existe uma disciplina voltada para esse segmento da arte e além de levarmos para eles a experiência do fazeres do teatro de boneco durante as oficinas com a construção de bonecos, haverá também os bate papos com a participação dos grupos, tanto os que vem de outros países como também os grupos regionais".


O 3º Festival Internacional de Bonecos do Piauí terá espetáculos diários na Casa da Cultura, CEU Jacinta Andrade e CEU Portal da Alegria e também no Riverside Shopping, Além dos espetáculos, o Festival terá uma exposição fotográfica "História do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste Brasileiro" e 16 escolas públicas receberão espetáculos durante a semana do evento.

O festival uma realização da Cia Calunga de Teatro e Centro Aroeira e conta com apoio do Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura, via patrocínio do SIEC.


08 de junho de 2019

Os 40 anos de Niède no Piauí mostrados no cinema

Os 40 anos de Niède no Piauí mostrados no cinema

Niède inaugurou um novo ciclo na Serra da Capivara, até então esquecida por muitos, que já dura mais de 40 anos.

Nesta semana foi exibido pela primeira vez no Piauí o documentário NIÈDE . A produção audiovisual, resultado de uma coprodução entre as produtoras B&T Audiovisual, do Piauí, e Lente Viva Filmes, de São Paulo, conta a história da arqueóloga brasileira Niède Guidon.

A arqueóloga Niède Guidon 

O filme foi apresentado durante a programação do aniversário de 40 anos do Parque Nacional da Serra da Capivara. Niéde Guidon, em 1970, deixou Paris, onde lecionava na École des Hautes Études em Sciences Sociales, para imergir na caatinga do sudeste do Piauí.

O objetivo era revelar ao mundo as milhares de pinturas rupestres espalhadas pela região e lutar pela criação do Parque Nacional da Serra da Capivara, Patrimônio Cultural da Humanidade (Unesco) e um verdadeiro museu a céu aberto. 


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Ao longo de 135 minutos, o espectador mergulha na vida de Niède. Referência local, a presença dela, hoje com 86 anos, impactou, e ainda impacta, a vida das pessoas região. 

Como pontuam historiadores locais, Niède inaugurou um novo ciclo na Serra da Capivara, até então esquecida por muitos, que já dura mais de 40 anos. 

O filme tem a direção assinada por Tiago Tambelli, que esteve em Teresina e conversou com O DIA para a entrevista a seguir. 

Ele estudou cinematografia na Escola Internacional de Cinema e TV, de Cuba e, em 2013, recebeu o prêmio de “Melhor Autor em Cinema” pelo filme “das Almas”, no Baikal International Film Festival, Rússia. Nesse mesmo ano, ganhou o prêmio “Coup de Couer” no Festival Sunny Side of The Doc com o projeto “Muito Além do Nosso Eu – A História do Projeto Walk Again”. 

Como você chegou até a história da Niède? Já conhecia sua relação com o Parque da Serra da Capivara?

 Eu devo isso ao meu pai que 1999 veio de carro de São Paulo para cá e voltou cheio de histórias para contar. Em 2002 eu repeti essa viagem, vindo de carro de São Paulo, e conheci essa história e também o parque. Desde então sempre mantive esse desejo, esse sonho de fazer esse filme. Mas demorou porque nesse período eu realizei outros filmes, tenho uma carreira também como diretor de fotografia e atuei em outros filmes como fotógrafo. A oportunidade apareceu quando eu voltei no Piauí, em 2017, quando conhecia a B&T, uma produtora audiovisual daqui de Teresina, e apresentei para eles a história e o meu desejo de fazer um filme sobre a Niède e o parque. Isso reverberou no estado a gente conseguiu o apoio do Governo e o apoio da Secretaria de Cultura, naquele momento dirigida pelo deputado Fábio Novo.

Então o processo de produção foi todo feito em conjunto com a produtora local? 

O filme é uma produção da B&T audiovisual e a minha produtora, que tem uma sede em São Paulo. É um filme feito em coprodução, com uma produção regional, entre uma produtora de São Paulo e a produtora do Piauí. Eu tinha como objetivo, naquele momento que idealizei, que esse filme fosse produzido por uma empresa audiovisual do Estado do Piauí, justamente para promover o intercambio cultural relacionado ao cinema. Então eu trouxe a minha experiência e juntei com a experiência local e montamos uma produção cinematográfica mostrando que é possível sim fazer cinema no Piauí, cinema com qualidade, cinema que pode alcançar todos os territórios. 

Como foi dividido o processo de produção? Quanto tempo vocês precisaram passar na região para realizar as filmagens? 

A gente fez uma primeira viagem de pesquisa de uma semana para poder escrever o projeto e a proposta. Depois de financiada, a gente fez uma pesquisa mais profunda de três meses, já conectados a um processo de pré-produção, onde foi feita a preparação das filmagens. As filmagens foram divididas em três etapas. A primeira de três semanas com uma equipe mais completa, depois uma segunda etapa como equipe reduzida, para filmar a época das chuvas, e por fim terminando com uma outra etapa de três semanas para finalizar as imagens. Foram um total de oito semanas de filmagens e uma dedicação profunda. Esse filme não poderia ser gravado de maneira superficial, sem a dedicação de um tempo considerável para as filmagens, juntamente por precisava abarcar esses 40 anos de trabalho da Niède e conseguir absorver as belezas naturais, podendo filmar isso com o cuidado que se exige o cinema. 

Quais os frutos dessa imersão? 

Eu acho que o ponto principal de descoberta é de que esse filme precisaria unir o conhecimento popular, que Niède sabe muito bem valorizar, que é o conhecimento dos mateiros, das mulheres, o conhecimento dos jovens locais, dos trabalhadores que ajudaram a construir a sua história, juntamente com o conhecimento científico. Essa não é uma descoberta específica, mas é uma descoberta estética onde você tem que saber valorizar os saberes tanto aqueles valores dados e construídos na academia com aqueles que são envolvidos na própria vida popular entre os habitantes da região da Serra da capivara. E acho que como descoberta específica a gente teve os materiais que expressam e documentam as primeiras expedições da Niède, que é de um valor imensurável para o filme porque a gente consegue ilustrar com imagens de época o que foram as primeiras expedições e quais os os desafios que Niède enfrentou. 


A íntegra da entrevista você confere na edição deste fim de semana do Jornal O DIA.

07 de junho de 2019

Colunista d'O DIA, Alexandre Nolleto fala sobre autoestima no Salipi

Colunista d'O DIA, Alexandre Nolleto fala sobre autoestima no Salipi

Programação do Salipi segue até domingo, dia 9, com palestras, shows musicais, lançamentos, vendas de livros e apresentações artísticas no campus Ministro Petrônio Portella.

Sucesso nas redes sociais, Alexandre Nolleto lança nesta sexta-feira (7), no Salão do Livro do Piauí (Salipi), seu primeiro livro. Ele também palestra no Seminário Língua Viva, a partir das 19 horas, no Cine Teatro da Universidade Federal do Piauí. "Você só precisa ser a melhor versão de si mesmo” é o tema da explanação que o autor fará, abordando o autorrelacionamento. 

A programação do Salipi segue até domingo, dia 9, com palestras, shows musicais, lançamentos, vendas de livros e apresentações artísticas no campus universitário Ministro Petrônio Portella, no bairro Ininga, zona Leste de Teresina.

Publicado pela editora Planeta, o livro de estreia de Alexandre Nolleto, intitulado “Você está na lista vip de Deus”, reúne poemas inspiradores que falam sobre amor, aceitação, perdão e superação.

O escritor Alexandre Nolleto é convidado do Salipi para a noite desta sexta-feira (Foto: Divulgação)

A editora Planeta, um dos maiores grupos editoriais do mundo, reuniu no livro poemas inéditos e textos de Nolleto que alcançaram grande repercussão nas redes sociais. 

Em 224 páginas, o autor oferece uma leitura sensível sobre amor, fé e relacionamentos. “Coloco as mensagens na perspectiva de Deus e mostro ao leitor que Deus te conhece, te aceita, te perdoa, te ama e te cura”, diz.

Em sua 17ª edição, o Salipi segue trazendo grandes nomes da literatura nacional ao Piauí, e se consolida como um dos grandes eventos literários do Nordeste. Com entrada gratuita, o evento tem estandes que movimentam o comércio de livros, oferecendo centenas de títulos e muitas promoções, especialmente de obras voltadas para o público infantil.

O show de encerramento no domingo, 9 de junho, será com o cantor Geraldo Azevedo e o projeto "Melhor de Três Junino".

Instapoeta Alexandre Nolleto é palestrante no Salão do Livro

Instapoeta Alexandre Nolleto é palestrante no Salão do Livro

O orientador do conceito de vida plena traz uma reflexão sobre o autorrelacionamento e apresenta no evento seu livro de estreia.

Instapoeta e orientador do conceito de vida plena, Alexandre Nolleto tem presença confirmada como palestrante no Salão do Livro do Piauí (Salipi), no dia 7 de junho, às 19h. Com o tema “Você só precisa ser a melhor versão de si mesmo”, Nolleto vai abordar o autorrelacionamento. O livro de estreia do autor também será apresentado no evento. Publicado pela Editora Planeta, “Você está na lista vip de Deus” reúne poemas inspiradores, que têm muito a dizer sobre amor, aceitação, perdão e superação. 

Em sua 17ª edição, o Salipi se consolida como um dos grandes eventos literários do Nordeste. Até o dia 9 dejunho, o público terá a oportunidade de visitar a feira de livros, com editoras do Brasil e também do Exterior, participar de bate-papos literários, palestras e shows. 

Amor, perdão, aceitação e superação são temas abordados nos encontros . (Foto: Assis Fernandes/ODIA)

Como convidado, Alexandre Nolleto preparou uma palestra inspiracional e motivacional voltada a todos os públicos. “O tema central é autorrelacionamento e, a partir daí, converso sobre muitos assuntos como amor próprio, fé, resiliência, perdão, esperança, expectativas e felicidade”, conta. “Todos esses temas têm um intuito maior, que é mostrar o relacionamento mais importante de nossas vidas: o da gente com a gente mesmo.”

Poeta inspirador

Antes de se tornar um dos instapoetas mais influentes das redes sociais, Alexandre Nolleto atuava como fisioterapeuta em sua própria clínica em Teresina (PI). Desde janeiro de 2017, as postagens de textos diários no Instagram proporcionaram ao autor não apenas visibilidade nas redes sociais, mas a aproximação com um público cada vez mais interessado nas mensagens do orientador do conceito de vida plena. 

Em abril deste ano, a Editora Planeta, um dos maiores grupos editoriais do mundo, reuniu poemas inéditos e textos de Nolleto que alcançaram maior repercussão na rede social no livro “Você está na lista vip de Deus”. Em 224 páginas, o autor oferece uma leitura sensível ao falar de amor, fé e relacionamentos. “Coloco as mensagens na perspectiva de Deus e mostro ao leitor que Deus te conhece, te aceita, te perdoa, te ama e te cura”, diz. 

Em abril deste ano, a Editora Planeta, um dos maiores grupos editoriais do mundo, reuniu poemas inéditos e textos de Nolleto.  (Foto: Assis Fernandes/ODIA)

Sempre que indagado sobre o curioso título, que não tem cunho religioso, Nolleto conta uma história comovente. Certa vez, ele escreveu a frase: “Menina, apaixonar-se por si mesma é a melhor cirurgia plástica para um coração cheio de cicatriz”. Momentos depois, recebeu de uma leitora a mensagem de que aquele texto a fez refletir e a encorajou a desistir de cometer suicídio. Ao responder “Moça, você faz parte da lista vip de Deus”, o autor percebeu o quanto as palavras têm o poder de transformar vidas e que um livro com várias mensagens poderia ajudar pessoas. 

Nas livrarias desde abril, o livro esgotou a primeira edição e atingiu o ápice da procura em maio, com 1.200 exemplares vendidos em apenas dez dias, entre os lançamentos com a presença do autor em Teresina (PI) e São Paulo. A Planeta coloca agora nas estantes de todo o Brasil a primeira reimpressão de “Você está na lista vip de Deus”.

"Vida plena não é a vida perfeita", observa Alexandre

Fisioterapeuta, compositor, instapoeta e celebrado agora como autor de livro, Nolleto também exerceu a nobre profissão de professor, atuando em duas faculdades particulares do Piauí e realizando educação a distância. Convidado frequentemente de salões literários, é palestrante requisitado e participou, inclusive, em eventos beneficentes, falando ao público jovem. 

Além de divulgar sua mensagem por meio do livro, Nolleto pretende percorrer o Brasil ministrando palestras sobre o conceito de vida plena. “Vida plena não é a vida perfeita, mas a vida normal em que se tem prosperidade emocional, física e espiritual”, resume. “Nesses encontros que pretendo realizar, quero falar sobre autoconhecimento, autoperdão, autoaceitação, amor próprio, amor ao próximo, gratidão e superação, que são os sete pilares fundamentais para se alcançar uma vida plena”, afirma o poeta/mentor.

 Seja por meio da poesia ou de palestras, Alexandre Nolleto quer se aprimorar, cada vez mais, em ser um porta-voz de mensagens de amor, resiliência e felicidade.

06 de junho de 2019

"Um Amor Inesperado" Comédia exclusiva nos Cinemas Teresina

No sábado (8), às 11h, a pré-estreia é o suspense “O Caravaggio Roubado.

Os Cinemas Teresina, no Teresina Shopping, trazem para os namorados, com exclusividade, a comédia argentina "Um Amor Inesperado", no dia 12 de junho, às 19h20. Trata-se de uma comédia romântica, pré-estreia que agradará em cheio os apaixonados. Além disso, os Cinemas Teresina apresentam uma programação com lançamentos nacionais e estreias.

Em “Um Amor Inesperado”, Marcos (Ricardo Darín) e Ana (Mercedes Morán) estão casados há 25 anos e seu relacionamento já não está mais funcionando. Quando seu filho deixa a Argentina para estudar fora, os dois decidem se divorciar. Porém, a vida de solteiro não é tão fácil quanto eles esperavam e Marcos acaba chamando Ana para sair com ele mais uma vez.

No sábado (8), às 11h, a pré-estreia é o suspense “O Caravaggio Roubado. No longa, Valeria (Micaela Ramazzotti) é a jovem secretária de um produtor de cinema. Ela mora com a mãe e é escritora fantasma para um roteirista de sucesso. Quando ela recebe de presente de um estranho uma trama de filme com o nome de "A História Sem Nome", contando a história do misterioso roubo da pintura Natività de Caravaggio, ela se vê imersa em uma implacável conspiração.

"Amazônia Groove", premiado documentário nacional entra em pré-estreia no dia 9, domingo, às 10h30. O filme foi reconhecido no South by Southwest (SXSW) 2019, premiação que acontece em Austin, no Texas. O diretor de fotografia Jacques Cheuiche foi laureado com o Prêmio Zeiss de Melhor Cinematografia por sua direção de fotografia. O profissional esteve recentemente nos Cinemas Teresina na I Master Class dos Cinemas.

A produção é um documentário, um retrato aprofundado e um mergulho apaixonado na música regional da Amazônia, especialmente a música característica do Pará. O filme é estruturado por meio da alternação entre as histórias dos músicos tradicionais da região - responsáveis pelo Boi Bumbá e por ritmos tradicionais das localidades, por exemplo - e a invasão da tecnologia que, recentemente, possibilitou o desenvolvimento de gêneros musicais como o tecnobrega.

Grandes lançamentos nacionais também estão na programação dos Cinemas Teresina: para a criançada tem “Patrulha Canina: Super Filhotes”. No enredo, depois que um misterioso meteoro cai na Baía da Aventura, Chase, Marshall, Skye, Ryder e Rubble correm para tentar preservar o local, mas acabam passando por uma experiência muito mais louca. Ao presenciarem uma estranha energia verde emanando da cratera, eles ganham poderes.

O filme solo da Fênix Negra também estreia essa semana. “X-Men: Fênix Negra” se passa em 1992, onde os X-Men são considerados heróis nacionais e o professor Charles Xavier (James McAvoy) agora dispõe de contato direto com o presidente dos Estados Unidos. Quando uma missão espacial enfrenta problemas, o governo convoca a equipe mutante para ajudá-lo. Liderado por Mística (Jennifer Lawrence), os X-Men partem rumo ao espaço. Ao tentar resgatar o comandante da missão, Jean Grey fica presa no ônibus espacial e é atingida por uma poderosa força cósmica, que acaba absorvida em seu corpo. Após ser resgatada e retornar à Terra, aos poucos ela percebe que há algo bem estranho dentro de si, o que desperta lembranças de um passado sombrio e, também, o interesse de seres extraterrestres.

"Anos 90", uma boa comédia em estreia que traz no enredo Stevie (Sunny Sulljic), 13 anos, (Sunny Suljic) um garoto de Los Angeles tentando curtir o início da adolescência enquanto tenta relevar o relacionamento abusivo com o irmão mais velho. Em plena década de 1990, ele descobre o skate e aprende lições de vida com o seu novo grupo de amigos.

"Juntos Para Sempre" é outra estreia imperdível: no enredo, a história do cãozinho Bailey: depois de muitas vidas e aprendizados, o cão vive tranquilamente com Hanna (Marg Helgenberger). Um dia, uma aspirante a cantora aparece sem avisar na vida dos dois com uma notícia surpreendente: Hanna tem uma neta, Clarity. O cãozinho percebe como a menina é negligenciada pela mãe e decide cuidar dela e protegê-la.

05 de junho de 2019

Festival Internacional de Bonecos apresenta grupos em espetáculos gratuitos

Festival Internacional de Bonecos apresenta grupos em espetáculos gratuitos

A abertura do festival acontecerá na segunda-feira, dia 10, às 8h, no Centro de Teresina.

No próximo dia 10 tem início a terceira edição do Festival Internacional de Bonecos do Piauí. Neste ano, o evento faz uma homenagem ao mestre Afonso Miguel e traz 16 grupos de teatro de bonecos para espetáculos gratuitos. As apresentações acontecem em vários pontos de Teresina até o dia 15 de junho. A abertura do festival acontecerá na segunda-feira, dia 10, às 8h, no Centro de Teresina, com um desfile cênico, com bonecos gigantes, pernas de pau e grupos artísticos.

Afonso Miguel é o homenageado do festival . (Foto: Daniel Rebello)

 A programação irá reunir grupos da Argentina, Chile e Portugal, além de grupos brasileiros do Piauí, Maranhão Distrito Federal e Paraná. O terceiro Festival Internacional de Bonecos do Piauí tem programação por toda a cidade. As apresentações, abertas ao público, estão marcadas para acontecer diariamente em pontos como Casa da Cultura, Riverside Shopping, CEU Jacinta Andrade e CEU Portal da Alegria. Centros Sociais, espaços comunitários e escolas públicas também receberão os bonequeiros. 

O festival é uma iniciativa da Cia Calunga de Teatro e Centro Aroeira.Nome a frente da organização, o bonequeiro, Chagas Vale, conta que o evento já faz parte do calendário cultural de Teresina e que o intercâmbio cultural entre bonequeiros do mundo, no Piauí, democratiza e incentiva esse gênero artístico. “Estamos no terceiro ano de festival e é uma enorme alegria promover um evento tão grandioso que mantem a cultura de bonecos viva. 

Este ano, estamos homenageando o amigo e mestre Afonso Miguel, que partiu recentemente, mas sua arte continuará fazendo a alegria de adultos e crianças. O grupo Fantochito, terá apresentações durante o festival, e será comandado por Mariana Acioli, filha do Afonso”, comenta o organizador. A programação também inclui aulas espetáculos na Universidade Estadual do Piauí e Universidade Federal do Piauí, onde haverão debates entre os alunos logo após a apresentação dos grupos. Além disso, o Festival contará ainda com a exposição fotográfica “História do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste Brasileiro”. (

Salipi 2019: A música autoral piauiense ganha espaço no evento

Salipi 2019: A música autoral piauiense ganha espaço no evento

Para os artistas convidados, a oportunidade é o reconhecimento do talento de cada músico

Ao longo dessa semana, até o próximo dia 9 de junho, o Espaço Rosa dos Ventos, na Universidade Federal do Piauí – UFPI recebe a 17ª edição do Salão do Livro do Piauí – Salipi. Além de receber expositores e autores em uma programação diversa, o evento também conta com uma série de apresentações artísticas gratuita, com nomes do cenário musical autoral de Teresina. 

Dentro do Salipi, os músicos farão shows diariamente no Palco Marcus Peixoto. As apresentações contemplam uma variedade de estilos musicais, da música clássica ao forró, do reggae ao cordel, do rock ao folguedo e do MPB ao blues. O coordenador musical do evento, Marco Antonio Santos, explica que o objetivo do espaço é apresentar o trabalho autoral dos artistas locais. 

Wylsef Lago ressalta a importância dessas apresentações no Salão do Livro do Piauí. (Foto: Divulgação)

“O critério principal para a escolha dos artistas foi pensar em pessoas que desenvolvam um trabalho autoral, que esteja em atividade e que não tenham se apresentado nos últimos dois anos no Salão. Estamos sempre querendo renovar e está sempre surgindo novos artistas, novas bandas. Acreditamos que o Salipi é o lugar certo para dá oportunidade para esses artistas”, justifica. 

Entre os nomes que estão passando pelo palco estão: Mylena Soares e Amon Rá; Jéssica Lima; Laisla Maranhão; Érica Galvão; Wylsef Lago; Lucas Cantam e Bruno Farias. O encerramento, no dia 9 de junho, acontece com o grupo Melhor de Três Junino formado por João Cláudio Moreno, Soraya Castelo Branco e Flávio Moura e ainda com o show nacional de Geraldo Azevedo. Para Wylsef Lago, nome que integra a programação, subir ao palco, no Salipi, é um reconhecimento. 

“Para mim está sendo uma satisfação enorme fazer parte desse evento importantíssimo que é o Salipi Fiquei feliz com o convite. O público vai ouvir músicas do meu primeiro discos, o ‘EP Wylsef Lago’, e algumas canções do meu novo trabalho ‘Wylsef Lago e parcerias’, além de novas músicas do disco que vou lançar até o fim do ano”. O palco destinado as apresentações locais dentro do Salipi é uma homenagem ao publicitário Marcus Peixoto, grande agitador cultural do Estado. “O Marcus, como idealizador do Piauí Pop, tinha uma parceria com o Salipi. Ele fazia a ponte com as bandas locais que participavam do Piauí Pop e o Salipi. Ele sem foi um parceiro do evento”, finaliza Marco Antonio Santos. 

04 de junho de 2019

Benício Bem comemora 30 anos de carreira com show nesta sexta (7)

Benício Bem comemora 30 anos de carreira com show nesta sexta (7)

A beleza da música de Benício está para além do conjunto entre letra e melodia, vem da sua alma artística.

O Coletivo VDC, Madre Filmes e Geleia Total realizam no dia 07 de junho o show de 30 anos de carreira de Benício Bem. A apresentação será a partir das 19h30 no Palácio da Música, em Teresina, e fará parte do documentário “A Cigana”, longa metragem que está em fase de produção, desde novembro de 2018. O documentário percorre e revisita as memórias de Benício Bem, enquanto mostra os bastidores do grande show do dia 07, sua intimidade e vida musical.

Natural de Poção, artista por excelência, fez da música a sua ferramenta mais forte contra as injustiças da sociedade, tudo com muita leveza e permanecendo firme ao desviar dos “coiós” do mundo. Seja cantando ou compondo as suas músicas ou paródias, o resultado é o carinho do público.

Benício Bem comemora 30 anos de carreira com show nesta sexta (7). (Foto: Divugalçaõ/José Ailson)

A beleza da música de Benício está para além do conjunto entre letra e melodia, vem da sua alma artística. Sua música encantou todo o Piauí, e é de sua a autoria a aclamada “Esmalte Velho”, além de já ter cantando nas bandas “Os Mini-Frutos”, “Real Show”, “RC6”, “Caranguejo”, dentre outras.

Segundo o cantor, a produção do documentário está acontecendo com muita raça e força de vontade, mas tudo feito com qualidade pelo Coletivo VDC. O grupo convidou o artista para participar do documentário como um personagem real, contando uma história sobre a importância da música e da valorização dos artistas locais. As memórias e histórias contadas de forma espontânea por Benício foram traçando o percurso do documentário e discorrem sobre a vida pessoal, familiar e musical da artista. Além disso, o documentário fala sobre as influências, referências e identidade desse personagem que encantou Teresina.

Para Thiago Furtado, diretor do documentário, “produzir um documentário sobre uma figura da música como Benício Bem é um desafio muito grande e motivador, porque Benicio tem uma história cercada de elementos que são próximos da arte e a vive plenamente, 24h por dia, então apresentá-lo ao mundo através de um longa-metragem é também poder falar sobre os desafios e glórias de ser artista no Piauí”.

O artista, que nasceu em um povoado no interior do Piauí, vivenciou uma infância abastecida de arte, em uma família apreciadora da música e marcada pelas festas. Além disso, a casa dos pais era constantemente visitada por ciganos e rabequeiros que passavam pela região e se hospedavam no lar da família.

“Esse documentário representa esperança, pois luto há mais de trinta anos pela minha valorização musical e como artista. É que eu sou artista da exclusão, por isso a música, o cinema e a telona tem esse poder de convencer as pessoas de que existe verdade ali. O cinema tem esse alcance maior do que qualquer outra arte visual. E quando se trata da insistência de luta como autor, compositor, eu encontro no cinema e no diretor de cinema uma oportunidade de mostrar quem eu sou”, comenta Benício Bem.

Muvucaria propõe uma gostosa mistura de músicas e informações na FM ODIA

Muvucaria propõe uma gostosa mistura de músicas e informações na FM ODIA

O quarteto promete uma verdadeira mistura de assuntos, opiniões e ritmos, tudo com uma boa dose de diversão.

A FM ODIA, aos sábados, agora conta com uma nova atração. Sempre das 13h às 15h, os ouvintes poderão acompanhar o programa Muvucaria, apresentado por Alline Portela, David Mendes, Janiele Chaves e Jackson Nixon. O quarteto promete uma verdadeira mistura de assuntos, opiniões e ritmos, tudo com uma boa dose de diversão. 

Um dos integrantes da turma, David Mendes explica que a ideia é levar para o ar uma roda de conversa entre os apresentadores. A cada programa, juntos, vão debater sobre um tema específico. “A proposta é ser um bate-papo bem descontraído onde cada um vai da sua opinião, sobre um determinando assunto, seja ele nacional ou regional’, explica. O programa propõe não somente uma mistura de ideias, mas também de músicas. “É um programa completamente diferente de todos os outros programas. Somos bem ecléticos, toca pop, forró, pagode, sertanejo. Vai rolar de tudo. Em uma palavra, o programa é diferente”, acrescenta David.

 A atração estreou em grande estilo no último sábado. Logo no primeiro dia, o bate-papo entre os apresentadores girou em torno do tema saúde. No ar, Alline, David, Janiele e Jackson receberam o nutricionista Rodrigo Uchoa para uma conversa sobre hábitos saudáveis. O ex-BBB Mahmoud também foi convidado para falar sobre sexo. 

A FM ODIA é mais uma plataforma que reforça a comunicação integrada do Sistema ODIA. A rádio, sintonizada na frequência 92,7, se une ao jornal, portal e TV para oferecer diariamente ao público um conteúdo que une jornalismo e entretenimento. A FM ODIA foi a primeira FM do Estado. Depois de um tempo dispondo de outra programação, a frequência agora está de volta ao comando do Sistema ODIA . Totalmente reformulada, a plataforma conta atrações interativas e dinâmicas. 

José Augusto, inesquecível no show “Um Brinde Ao Amor”

José Augusto, inesquecível no show “Um Brinde Ao Amor”

Já estão à venda os ingressos para um dos maiores shows do ano, uma homenagem ao Dia dos Pais.

O Theresina Hall se prepara para receber mais um super show. Um dos nomes mais consagrados da música brasileira, José Augusto apresenta a turnê “Um Brinde Ao Amor”, no dia 10 de agosto. Três anos depois, após muitos pedidos, o cantor retorna à capital para um show que celebra o Dia dos Pais. Os ingressos para a apresentação começam a ser vendidos hoje (4), na bilheteria do Theresina Hall, no Teresina Shopping e no site Ingresse.com. 

José Augusto, inesquecível no show “Um Brinde Ao Amor” . (Foto: Divulgação)

Com uma carreira consolidada marcada por mais de 20 milhões de álbuns vendidos e mais de 400 composições, José Augusto ainda é uma das maiores referências da musica romântica do país. Para comprovar e enaltecer tudo isso, o artista lança o single de trabalho “Um Brinde Ao Amor”, canção inédita e que também intitula a turnê que irá apresentar em Teresina. 

No repertório do show, levado para o palco do Theresina Hall, clássicos já consagrados ao longo de sua carreira como as canções “Sábado”, “Fantasia”, “Aguenta Coração”, “Fui eu” e “Chuvas de Verão. Além disso, José Augusto também apresenta a sua versão para “Página Virada”, música do compositor e seu maior parceiro, Paulo Sergio Valle, que estourou nas vozes de Chitãoziho e Xororó nos anos 1990. 

Outros sucessos da carreira também não foram esquecidos na turnê “Um Brinde Ao Amor”. José Augusto também inclui neste show, “Por eu ter me machucado”, “A noite mais linda” e “De igual pra igual”, que são transformados em um medley. “São músicas muito importantes e marcantes na minha carreira, todas elas temas de novelas e foram fundamentais na solidificação da minha carreira”, comenta ele.  

A atmosfera do show fica completa com som e iluminação. Como marca já registrada em suas turnês, a concepção do cenário é uma atração a parte. Nessa turnê, José Augusto retoma o conceito cenográfico com um projeto de iluminação arrojado que será levado para o palco do Theresina Hall. O público poderá adquirir ingressos para o show de José Augusto, no Theresina Hall, a partir de hoje. Serão três espaços: pista, mesas e camarotes. Os ingressos estão à venda na bilheteria do Theresina Hall e ainda online através do Ingresse.com. 

03 de junho de 2019

O futuro da moda já chegou

O futuro da moda já chegou

A velocidade tem transformado a realidade.

Em todas as esferas, sejam elas sociais, culturais ou econômicas, as mudanças e adaptações são cada vez mais frequentes. Muda-se todo o dia, muda-se o tempo todo. O mundo segue volátil, e o que fazia sentido pode deixar de fazer em pouco tempo. Na moda, essas transformações também vêm acontecendo. O futuro desse setor, que há muito se é discutido, chegou – trazendo reflexões importantes, inclusive. Aquilo que parecia estar distante, hoje, já é presente. 

Sempre a frente do seu tempo, Dudu Bertholini é um dos nomes pensantes da moda brasileira. O estilista esteve em Fortaleza, no Ceará, para a 20ª edição do Dragão Fashion Brasil, hoje renomeado como DFB Festival. Convidado para integrar a programação do Dragão Pensando Moda (DPM), ciclo de formação realizado dentro do evento pelo Senac, Ele abriu a programação de bate-papos com uma palestra sobre os novos rumos da moda. Indagado sobre o que o futuro que já é presente, ele enfatiza a incorporação de novas tecnologias. 

“Acho que os smarthphones são uma prova disso. A gente já usa celular há um tempo, mas pensar que o Facetime ou Whatsapp são tão recentes, e pensar na diferença que eles causaram. Se por um lado eles tem seus reflexos muito negativos, por outro, pensa como eles encurtaram a comunicação dentro de um processo de criação de um atelier de moda, por exemplo. Acho que existem várias tecnologias que estão proliferando cada vez mais”, pontua o estilista.

Algo que também já faz parte da realidade, dentro dos processos da moda, Dudu também cita o LED. Até alguns anos atrás visto como um efeito visual sinônimo de tecnologia, hoje é algo naturalizado, que já pode ser usado e aplicado a roupas. “Falar em tecnologia, e como ela crescer de uma forma exponencial e não linear, é a gente falar de um presente, de um futuro próximo. O que há pouco tempo era utopia, hoje é natural, seja um celular ou um LED, a gente tem que pensar no que daqui há dez anos também estará naturalizado”.

Dudu Bertholini elenca ainda que alguns gadget – pequenos dispositivos eletrônicos portáteis criados para facilitar funções específicas e úteis no cotidiano – que podem em breve ser incorporar ao setor da moda. Para ele, esse é um futuro que não parece mais tão distante. Em pouco tempo, poder imprimir uma roupa 3D de forma acessível, por exemplo, será uma realidade e fará parte do presente não só das marcas, como também dos consumidores. 

“A impressão 3D é algo que está crescendo com cada vez mais força e eu não considero uma utopia pensar que entre dez e vinte anos todo mundo vá ter uma impressora 3D para imprimir roupas em casa, acho isso super possível e viável. As questões de rastreabilidade e blockchain (tecnologia de segurança), vão crescer drasticamente. Acho que em breve qualquer roupa nova que seja criada terá um QR Code que vai nos permitir entender do fio até como ela chegou no ponto de venda”, detalha.

Mas nem só de tecnologia se constrói o presente e o futuro da moda. Para além de novos recursos, o estilista Ronaldo Silvestre, que também esteve no DFB Festival, acredita que os caminhos do setor também apontam para a humanização dos processos. Pensar na relação, não somente do homem com a máquina, mas do homem com a comunidade ao seu entorno, é o que vão definir o que ele chama de indústria 5.0. 

 “Um ponto muito forte que eu acho que tem que ser pensado daqui pra frente, é que a gente fala muito da indústria 4.0, da alta tecnologia, e eu acredito muito que a indústria 5.0 seja a humanização dos processos, a relação das empresas extremamente dinâmicas e informatizadas com a comunidade do em torno, em como elas vão lidar com as pessoas que trabalham com elas. Acredito que a gente precisa dinamizar esse processo”, defende.

Essa perspectiva, para Ronaldo, faz parte de um novo modelo de produção que vem se estabelecendo como presente. Mudar modelos e repensar seus processos é uma realidade dentro das marcas atualmente. “Hoje as marcas estão tendo que olhar para dentro, estão tendo que criar coleções cápsulas, microcoleções pensando no regional, no seu entorno. Se a marca é do sul e ela tem pontos de venda no norte-nordeste, ela tem que entender aquela consumidora, ela não tem que impor, ela tem que respeitar corpo, as características locais’, conclui. 


O amanhã é inclusivo

Pensar no hoje e no amanhã da moda é também pensar nas novas configurações para eventos de moda. O modelo tradicional, diante das inúmeras transformações do setor, vem sendo repensado. Em um cenário cada vez mais democrático e plural, o contexto para se inserir a moda precisa corresponder a essa nova realidade, já presente. 

“A moda é um espelho do mundo. As semanas de moda são um espelho da moda. Então se a moda e o mundo estão passando por tantas transformações, é natural que as semanas de moda passem por transformações. Eu prefiro pensar que, mais do que dizer que elas estejam se tornando obsoletas, é dizer que elas estão se adaptando. As semanas de moda elas não falam só sobre desfiles, fala sobre conteúdo, cultura. O DFB é um exemplo disso. A gente tem um palco acontecendo shows, a gente tem talks e palestras acontecendo ao lado dos desfiles”, comenta Dudu Bertholini.

O DFB Festival confirma o momento presente da moda como algo plural. Para Cláudio Silveira, diretor e idealizador do evento, esse é também o futuro. “O futuro da moda está nas passarelas do Dragão, onde a gente tem críticas construtivas, provocações, tem moda de alto nível. É um mix muito verdadeiro. Isso sim é o futuro da moda, você ter inclusão e você ser diversificado.”. 

Refletir sobre o presente e o futuro da moda, é pautar a inclusão. Cláudio atribuiu a isso, o sucesso do DFB, importante palco nacional para o setor. “Eu acho que as pessoas tem que ser mais inclusivas, as pessoas tem que apostar mais na verdade do autoral, tem que saber que a identidade cultural de um povo é muito importante para fazer um evento. Ninguém pode fazer um evento para si próprio, tem que fazer por um conjunto, por um coletivo. Cada vez mais a gente se une e cada vez mais a gente aumenta. Porque essa inclusão e essa verdade dão resultado”. 

11ª Procissão das Sanfonas será lançada no Club dos Diários

11ª Procissão das Sanfonas será lançada no Club dos Diários

O evento acontece a partir das 19h, músicos locais realizarão a abertura oficial do evento. O acesso será gratuito.

A décima primeira edição da Procissão das Sanfonas será lançada nesta quarta-feira (5), no Complexo Cultural Club dos Diários (Espaço Osório Júnior). 

Com o tema “#VivaoSertãoAlternativo”, este ano, o evento celebrará a diversidade da cultura nordestina. O professor Wilson Seraine, idealizador do evento e estudioso da obra e vida de Luiz Gonzaga, explica a escolha do mote. “Em 2019, recordamos 30 anos da morte de Luiz Gonzaga e de Raul Seixas, e homenagearemos Jackson do Pandeiro, no centenário de seu nascimento. São esses reis que iremos festejar. Reis que mostraram ao mundo a beleza do nosso sertão alternativo”, conta.

Seraine antecipa que a Procissão das Sanfonas (evento que leva a música do Rei do Baião pelas ruas do Centro de Teresina), está marcada para o dia 2 de agosto. “Neste ano, estamos preparando uma programação diferenciada, com novidades durante o percurso e finalização do evento. Queremos manter vivas as memórias desses artistas que tanto contribuíram para a cena cultural nordestina”, comenta o organizador.

No lançamento, algumas novidades serão anunciadas e detalhadas. Entre elas, a apresentação da coleção de camisas “#VivaoSertãoAlternativo”, desenvolvida por artistas piauienses. O jingle da Procissão deste ano, gravado pelo músico regional Roraima, também será divulgado durante o evento.

Shows

Quinze atrações musicais regionais estão confirmadas para a festa de lançamento. Entre elas, Roraima, Vagner Ribeiro, Gonzaga Lú, Flávio Moura, Écore Nascimento, José Quaresma, Bráulio, Robert Seixas & Banda Check-up, Wener Mariz, Marinaldo do Forró, Inácio Botelho, Antônio do Acordeon, Isaac, Luiz Marcos e Daniel Leal.

Procissão das Sanfonas 2019

A Procissão das Sanfonas é realizada há 11 anos  e integra o calendário de atividades culturais da Colônia Gonzaguiana de Teresina (grupo de fãs do Rei do Baião, músicos e pesquisadores). Este ano, o evento é promovido em parceria com o Fã Clube Raul Rock Piauí e conta com o apoio de diversos grupos e instituições. Entre eles: Portal Entrecultura; Museu do Piauí; Complexo Cultural Club dos Diários; TV Garrincha; Fundação Cultural Monsenhor Chaves; FM Cultura de Teresina; Programa A Hora do Rei do Baião e ZR Estúdio.

Serviço

Data: 5 junho

Horário: 19h

Local: Complexo Cultural Club dos Diários (Espaço Osório Júnior)

Informações: (86) 99810-2465

02 de junho de 2019

Piauí recebe primeira exibição do documentário sobre Niède Guidon

Piauí recebe primeira exibição do documentário sobre Niède Guidon

O filme apresenta a trajetória da arqueóloga brasileira Niéde Guidon, que nos anos de 1970 deixou Paris para imergir na caatinga do sudeste do Piauí

O documentário NIÈDE será exibido pela primeira vez no Piauí. Os moradores e a comunidade de São Raimundo Nonato terão oportunidade de participar de uma sessão gratuita e aberta do filme durante a programação do aniversário de 40 anos do Parque Nacional da Serra da Capivara. O lançamento solene acontece as 19h da próxima quarta-feira (5) e terá a presença do diretor Tiago Tambelli. A exibição reunirá os protagonistas, autoridades, comunidades da zona de entorno da unidade de conservação. A sessão será feita pelo CINESOLAR - projeto de cinema sustentável com o uso de energia solar.

O filme apresenta a trajetória da arqueóloga brasileira Niéde Guidon, que nos anos de 1970 deixou Paris, onde lecionava na  École des Hautes Études em Sciences Sociales, para imergir na caatinga do sudeste do Piauí, revelar ao mundo as milhares de pinturas rupestres espalhadas pela região e lutar pela criação do Parque Nacional da Serra da Capivara, Patrimônio Cultural da Humanidade (Unesco) e um verdadeiro museu a céu aberto.

Ao longo de 135 minutos, o espectador mergulha na vida de Niéde. O fio da memória da pesquisadora, nascida em Jaú, SP, do casamento de uma brasileira e um francês, e que jamais imaginou trocar Paris por São Raimundo Nonato, vai sendo tecido por quem esteve com ela desde a chegada à região, como a amiga Sílvia Maranca, os mateiros João da Borda, Justino, Nilson e Nivaldo, que abriram os primeiros caminhos na caatinga e apresentaram centenas de tocas e pinturas. Mulheres que tiveram sua vida modificada pela ação de Niéde de valorizar o feminino, ou ainda colegas da academia como o atual chefe da Missão Francesa de Pesquisa na Serra da Capivara, o especialista em líticos, Eric Boeda.

Referência local, a presença  de Niéde, hoje com 86 anos, impactou, e ainda impacta, a vida de crianças, mulheres, homens, mateiros, estudantes, exploradores de cal, caçadores, guardas-parque, políticos, pesquisadores, comerciantes. Como pontuam historiadores locais, Niéde inaugurou um novo ciclo na região até então esquecida por muitos, que já dura mais de 40 anos.

No filme, o diretor Tiago Tambelli, conduz o espectador a uma viagem de fruição que lhe permite sentir a pujança da fauna e da flora do lugar e maravilhar-se com algumas das mais antigas pinturas rupestres do continente de sítios arqueológicos localizados dentro do Parque e fora dele. O mistério do surgimento do homem povoa as paredes de um enorme número de “tocas” – pouco mais de mil cavernas foram identificadas. Há, ainda, um número significativo desses locais a ser descoberto, mapeado e estudado naquela região, reconhecida mundialmente como a de maior concentração de sítios pré-históricos das Américas.

O longa coproduzido pelas produtoras B&T Audiovisual, do Piauí, e Lente Viva Filmes, de São Paulo, contou com aportes do Governo do Estado do Piauí, por meio da Secretaria de Estado de Cultura do Piauí (Secult), e recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) - edital Prodecine 01/2016, administrados  pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e geridos pela Agência Nacional do Cinema (ANCINE). A obra contou ainda com patrocínios culturais da Ouro da Mina, BR Locadora e Pousada Zabelê. A distribuição está a cargo da ELO Company.

31 de maio de 2019

Braga Tepi, o artista por trás de belas esculturas

Braga Tepi, o artista por trás de belas esculturas

Há vinte anos, Braga Tepi trabalha com esculturas, monumentos, troféus e tudo que possa fazer o ferro ganhar movimento.

Nascido em Buritizinho, zona rural de Teresina, o artesão Francisco de Oliveira Braga, mais conhecido como Braga Tepi, tem um trabalho reconhecido internacionalmente. Há vinte anos, Braga Tepi trabalha com esculturas, monumentos, troféus e tudo que possa fazer o ferro ganhar movimento. 

Braga foi educado em uma escola filantrópica regida pela Igreja Católica. Foi lá onde teve seu primeiro contato com arte, quando observava as freiras rabiscando desenhos em seus cadernos, o que despertou a curiosidade do menino e inspirou seus primeiros desenhos. Antes das esculturas, vieram os cartuns para fanzines que o artista produzia para o Festival Rock Teresina. Na mesma época, Braga viria a participar do Salão de Humor do Piauí. Com a chegada da era digital, como não tinha computador, o artista se afastou dos desenhos, pois não tinha como acompanhar a tecnologia.

Foi nessa época que Braga fez um curso de torneiro mecânico, prática que o fez conhecer os metais e a arte de transformá-los em verdadeiras obras de arte, entendendo as especificidades de cada peça. Depois disso, Braga Tepi passou a trabalhar incessantemente em esculturas de metais, como cobre e bronze, fazendo figuras humanas e dando movimento ao ferro. O tempo de produção de uma escultura é de, em média, quinze dias. 

Há vinte anos trabalhando como artista plástico, Braga Tepi é um dos maiores nomes artísticos do Piauí, levando suas obras para além das fronteiras do estado e do país, participando de exposições na Alemanha e Nova York.  

“O processo de produção dos troféus começa com a proposta do evento. Já fiz troféus com esculturas que remetiam ao cangaço, que tem uma história cultural muito forte também. Depois de saber a proposta, coloco o desenho no papel, vejo como vai ficar no material e passo para a escultura da mesma forma que está no papel”, conta Braga.


Exposição traz a arte descentralizada do artista plástico Alex Állen

Exposição traz a arte descentralizada do artista plástico Alex Állen

A exposição faz parte de um Circuito de Arte de autoria do próprio artista que busca levar sua produção autoral para diversos ambientes expositivos da cidade.

“Elementais” é o nome da exposição de artes plásticas do artista contemporâneo Alex Állen, que será aberta ao público, nesta sexta-feira (31), das 8h às 12h e das 14h às 18h, para apreciação das obras na Mackey / Design Cinco, na Rua Senador Joaquim Pires, 1451, Ininga. A exposição faz parte de um Circuito de Arte de autoria do próprio artista que busca levar sua produção autoral para diversos ambientes expositivos da cidade, de forma itinerante. De acordo com o artista “essa maneira de expor descentraliza os eventos artísticos e torna a Arte ainda mais acessível às pessoas. É um convite imersivo para mundo criativo que traz leveza e harmonia através das formas e cores. Carregado por um caráter estético e sensível através das obras”.

Segundo Alex Állen a temática dos Elementais emerge uma energia sobrenatural e mítica. O artista explica que “os quatro elementos da natureza se conectam de uma forma muito especial: a Água é responsável pelas emoções, o Fogo pela transformação interior, a Terra pela prosperidade e equilíbrio já o AR pela sabedoria e inspiração. Esses elementos de poder se materializam por meio de uma fonte inesgotável de energia e fluidos entre todos os ambientes e os seres mágicos”.

Este ano Alex Állen recebeu outro convite para expor na Europa e estará no quadro efetivo de artistas brasileiros, no Circuito Europeu, em Barcelona, na Espanha. Representando tanto a cidade de Teresina, na qual reside e também a sua cidade natal, Salvador. O artista segue em constante trabalho e a sua arte vem atingindo voos ainda maiores. Não é a primeira vez que suas obras, em tela, ingressaram em circuitos internacionais de Arte Contemporânea, em galerias de excelência na Europa e nos Estados Unidos. Ao todo foram 6 exposições internacionais, dentre elas: Porto - Portugal, Cascais - Portugal, Barcelona - Espanha, Viena – Áustria, Miami - USA e Paris - França. 

Com o objetivo de movimentar o cenário das artes plásticas em Teresina e comemorar o convite recebido para expor na Europa, o artista começou a organizar uma série de exposições dentro da cidade e contribuir para disseminar ainda mais os eventos culturais. Ele explica que “as pessoas estão cada vez mais atentas aos eventos expositivos e de artes visuais. Isso só tende a enriquecer ainda mais um ciclo de construção do conhecimento, somado à sensibilidade e atenção às riquezas produzidas em Teresina”.

O volume percebido nas obras de Alex Állen e as diversas texturas utilizadas são evidentes e chegam a permitir um efeito de tridimensionalidade em suas pinturas. Pequenos elementos visuais construídos com a espátula ou pincel demonstram capricho e cuidado. Deste modo o seu estilo de características próprias emergem através de suas produções autorais sobre tela. Alex diz que “sua arte é rica em múltiplos elementos e expressões visuais que, ora bebem do impressionismo, ora do abstracionismo e do cubismo. Onde o seu universo contemporâneo emerge de modo belo e suave entre o abstrato e o figurativo”. O artista relata que “o importante é se manter firme e em constante trabalho, para que as oportunidades possam surgir cada vez mais e levar os seus ideais para lugares ainda mais distantes, fora do eixo nacional”. 

Salão do Livro do Piauí começa hoje e segue até 9 de junho

Salão do Livro do Piauí começa hoje e segue até 9 de junho

A abertura do Salipi acontece nesta sexta-feira, às 19h, no Cine Teatro da Universidade Federal do Piauí

Na noite nesta sexta-feira (31), a partir das 19h, acontece no Cine Teatro da Universidade Federal do Piauí – UFPI, a solenidade que abre a 17º edição do Salão do Livro do Piauí (Salipi) e o 22º Seminário Língua Viva. A programação do evento  irá se estender até o dia 9 de junho concentrando feira de Livros, bate-papos literários, apresentações artísticas, culturais e palestras, dentro da universidade, no Complexo Cultural Rosa dos Ventos. 

Com o tema “A leitura engrandece a alma”, nesse ano, o Salipi homenageia a escritora Cecília Mendes, que estará presente durante a solenidade de abertura desta noite. Serão lembrados ainda o centenário das obras: Pandora, de Da Costa e Silva; Cidades Mortas, de Monteiro Lobato e Carnaval, de Manuel Bandeira. A cerimônia que abre o Salão do Livro será seguida de um show do Grupo Som do Piauí, que apresenta músicas de piauienses imortalizadas por grandes artistas nacionais. 

Depois de homenagear nomes como OG de Carvalho, H. Dobal, Assis Brasil, Da Costa e Silva, Torquato Neto e Mauro Faustino, em 17 edições, Cecília Mendes será a segunda mulher a receber a homenagem – dez anos depois da primeira, a escritora Alvina Gameiro, homenageada em 2009. Na edição que reverência um nome feminino, a programação do evento foi pensada para ser mais plural. 

Para Kássio Gomes, presidente da Fundação Quixote, uma das entidades organizadoras do Salipi, esta será a edição mais diversificada de todas. “Talvez essa seja a programação mais plural de todas as programações que já construímos. Teremos uma mesa de debate sobre feminismo e uma mesa de debate LGBT, que relembra os 50 anos do primeiro levante LGBT e que marca o início do grupo de pesquisa LGBT dentro da UFPI”, conta. 

Entre os nomes confirmados, e que compõe uma programação destinada a todos os públicos, estão os jornalistas Francisco José, Xico Sá; para o público jovem, destaque para as escritoras Débora Aladim e Paula Pimenta; as feministas, Djamila Ribeiro e Joice Berth; o escritor e Digital Influencer, Fred Elboni, o cordelista Bráulio Bessa, o professor e doutor em linguística, Rimar Segala, além de nomes do cenário literário piauienses. 

A programação, ao todo, será dividida entre três espaços: feira de livros, auditório e a novidade da edição, o Salipinho. As atividades, segundo Kássio, também inclui uma série de lançamentos de livros, no chamado Bate-papo Literário. “Destaco três nomes que vão participar do Bate-papo Literário, são eles o Daniel Munducucu, do Pará, o José Honório, com sua experiência de 30 anos de Livraria Cultura e o jornalista piauiense Zózimo Tavares”. 

A 17ª edição do Salão do Livro do Piauí irá reunir cerca de 80 stands, entre stands de livreiros e stands institucionais, em paralelo a uma programação de atividades até o dia 9 de junho. O encerramento acontece com uma apresentação especial do cantor Geraldo Azevedo.


Salipinho: espaço destinado a crianças 

Entre as novidades do Salipi este ano, Kássio Gomes, presidente da Fundação Quixote, destaca o Salipinho, um espaço com atividades voltadas para as crianças. O público infantil que visitar o evento poderá participar de contação de histórias, cineminhas, leituras, peças teatrais e outras atividades no espaço “Liz Medeiros”, uma homenagem a artista plástica piauiense. 

“O Salipinho surgiu de uma necessidade de minimizar custos e potencializar público. Nós temos um público muito forte dentro do evento que são as crianças, e esse é um público muito crescente. O espaço para as crianças ficou pequeno dentro do Salão do Livro, então nós decidimos ampliar esse espaço, com contação de histórias, oficinas e atividades infantis”, explica Kássio.

Outra iniciativa voltada para o público infantil é o cheque-livro. Através de uma parceria com o evento, o Governo do Estado e a Prefeitura de Teresina distribuem a alunos da rede pública um cheque-livro para a compra de livros. “Nesse ano vão circular cerca de 300 mil reais, um recurso dividido entre a Secretaria Estadual e a Secretaria Municipal de Educação. A criança compra um livro, com orientação do professor, e com isso cria um hábito. Nós queremos formar uma geração de futuros leitores”, finaliza. 

30 de maio de 2019

Suspense, documentário nacional, drama e aventura em grandes produções

Suspense, documentário nacional, drama e aventura em grandes produções

As pré-estreias da semana são os filmes nacionais: “Antártica por um Ano” e “Inferninho”. Mas os Cinemas Teresina trazem também lançamentos nacionais que incluem drama, aventura e muito mais.

“Antártica por um Ano”  tem exibição no sábado,  dia 1º, às 11h. O documentário mostra um grupo de brasileiros que, por iniciativa da Marinha do Brasil, passa um ano inteiro na Antártica, dentro da EACF (Estação Antártica Comandante Ferraz). Eles dividem a sua experiência de passar tanto tempo consecutivo neste local isolado e inóspito.

Já “Inferninho” tem pré-estreia no domingo, 2, às 10h30. No filme, Deusimar (Yuri Yamamoto), dona do Inferninho, um bar que é mais um refúgio, quer ir embora para um lugar distante. Jarbas (Démick Lopes), um marinheiro que acaba de chegar, quer ficar. Um amor começa a nascer entre os dois capaz de mudar tudo, desde suas vidas, ao bar e as pessoas em volta deles.

 “Rocketman ”, filme que conta a trajetória do tímido Reginald Dwight (Taron Egerton), que se transformou em Elton John, ícone da música pop é lançamento nacional. Desde a infância complicada, fruto do descaso do pai pela família, sua história de vida é contada através da releitura das músicas do superstar, incluindo a relação do cantor com o compositor e parceiro profissional Bernie Taupin (Jamie Bell) e o empresário e o ex-amante John Reid (Richard Madden).

Uma garota usa uma máscara do Hulk e uma corrente no tornozelo para esconder seu gênero, e ajuda o pai, um viciado atormentado, a cuidar de um campo de beisebol abandonado, onde os traficantes jogam. Um dia, o pai da menina é chamado para tocar em uma festa organizada por um traficante e ele não tem escolha senão levar sua filha junto. No dia seguinte, Hulk acorda cercada pelo caos e pela morte e precisa lutar por sua liberdade. Este é o enredo do drama mexicano “Compra-me um Revólver” mais uma estreia imperdível. O filme se passa em um lugar no futuro próximo, onde as mulheres estão desaparecendo gradativamente. 

A história de Godzilla  volta aos cinemas essa semana. Em “Godzilla II - Rei dos Monstros”, os integrantes da agência Monarch precisam lidar com a súbita aparição de vários monstros gigantescos, dentre eles o mítico Godzilla, que a todo instante brigam entre si.

Outro lançamento é o suspense “Ma ”. No filme, Maggie e seus amigos, todos menores de idade, estão tentando descolar bebidas alcóolicas em um supermercado quando conhecem Sue Ann (Octavia Spencer), uma mulher adulta que usa sua identidade para ajudá-los. Além de fornecer as bebidas, ela decide oferecer sua casa para que eles organizem uma festa com o pessoal do colégio. Os eventos acabam se tornando uma rotina do grupo, até que os jovens começam a identificar um comportamento estranho da dona da casa, que se torna cada vez mais controladora.

Salipi 2019: Atividades começam nesta sexta-feira

Salipi 2019: Atividades começam nesta sexta-feira

O evento acontece de 31 de maio a 9 de junho, no Complexo Cultural Rosa dos Ventos na UFPI.

A solenidade de abertura da 17º edição do Salão do Livro do Piauí (Salipi) e do 22º Seminário Língua Viva será realizada nesta sexta-feira (31) no Cine Teatro da Universidade Federal do Piauí (UFPI), às 19h, com o show do Grupo Som do Piauí, formado por artistas que cantam músicas de piauienses que foram imortalizadas por grandes artistas nacionais. 

De 31 de maio a 9 de junho, no Complexo Cultural Rosa dos Ventos na UFPI, o público poderá conferir uma programação diversificada com Feira de Livros, Bate-papo Literário, apresentações artísticas, culturais e diversas palestras. Dentre os nomes confirmados estão os jornalistas Francisco José, Xico Sá; para o público jovem, destaque para as escritoras Débora Aladim e Paula Pimenta; as feministas, Djamila Ribeiro e Joice Berth; o escritor e Digital Influencer, Fred Elboni, o cordelista Bráulio Bessa, o professor e doutor em linguística, Rimar Segala, além de autores piauienses. O show de encerramento no domingo, 09 de junho, será com o cantor Geraldo Azevedo.

Dentre as novidades deste ano, destaque para o Salipinho, espaço com atividades voltadas para o público infantil com contação de histórias, cineminhas, leituras, peças teatrais e muito mais. Com o tema “A leitura engrandece a alma”, o Salipi vai homenagear a escritora Cecília Mendes.  Serão lembrados ainda o centenário das obras: Pandora de Da Costa e Silva; Cidades Mortas, de Monteiro Lobato e Carnaval, de Manuel Bandeira.