• Piauí Férias de Norte a Sul
  • SOS Unimed
  • Ecotur 2019
  • Novo app Jornal O Dia

Notícias Batalha

08 de outubro de 2014

Neta de batalhense está cursando medicina na Rússia

Neta de batalhense está cursando medicina na Rússia

Para ficar mais perto do sonho, Raquel decidiu ir para longe. Ela e mais 18 brasileiros de diferentes lugares começaram os estudos na Universidade Médica Estatal de Kursky

Raquel Franco Albuquerque, 18 anos, embarcou no mês passado para a cidade russa de Kursk (a aproximadamente 550km de Moscou) para estudar medicina, noticia o Correio Brasiliense. Natural de Brasília e com raízes familiares em Batalha (PI), Raquel concluiu o 3º ano do ensino médio em 2013 e conta que, desde então, tentou garantir a vaga no curso dos sonhos nas universidades brasileiras. âTentei em vários estados do país, inclusive em instituições particulares. Aqui no Distrito Federal, tive nota para passar em qualquer curso, como direito e odontologia, mas meu sonho sempre foi cursar medicinaâ, diz.

Para ficar mais perto do sonho, Raquel decidiu ir para longe. Ela e mais 18 brasileiros de diferentes lugares começaram os estudos na Universidade Médica Estatal de Kursky na semana passada. A futura médica conta que a universidade é reconhecida como uma das 10 melhores da Rússia e que a rigidez da instituição pesou na hora da decisão. âAs turmas são bem menores do que as do Brasil e têm até 12 alunos. Temos também provas orais diárias, e as aulas são em período integral, de segunda a sábadoâ, explica.

Além da qualidade do ensino, a relação custo benefício também foi decisiva para Raquel. Ela conta que a semestralidade no curso custa aproximadamente R$ 5 mil â valor bem inferior ao que desembolsaria para cursar medicina em uma instituição particular do DF. A estudante conheceu as possibilidades de estudar no exterior por meio de uma colega de colégio, que hoje estuda em Kursk e mora no albergue onde Raquel irá passar os próximos meses. âEla já é fluente em russo e se adaptou muito bem. Hoje, está trabalhando no hospitalâ, se entusiasma.

Raquel é neta de Delzuite Franco, da localidade Grossos, zona rural de Batalha-Pi. Atualmente a vó da futura médica reside no bairro Santa Cruz, área urbana da cidade.

19 de setembro de 2014

Batalha (PI) endurece lei contra veículos com som alto

O representante do MPE citou a legislação ambiental que fala da poluição sonora considerada maléfica para a saúde e para o meio ambiente

IMG-20140918-WA0001

Na manhã desta quinta-feira, 18, Ministério Público e Polícia Militar fizeram uma audiência pública no pátio do Juizado Especial de Batalha sobre poluição sonora, presidida pelo Promotor Antonio Charles Ribeiro de Almeida.

Segundo a promotoria, a população tem reclamado do barulho excessivo pelas ruas da cidade, tanto dos carros que transmitem jingles e mensagens de candidatos, como também veículos que fazem propaganda de estabelecimentos comerciais e anúncios de festas com decibéis acima do permitido por lei.

Para tentar colocar ordem e promover o sossego reclamado pela população, o promotor convocou autoridades e donos de veículos que trabalham com propaganda volante para explicar o que diz a lei afim de que os excessos não continuem.

O representante do MPE citou a legislação ambiental que fala da poluição sonora considerada maléfica para a saúde e para o meio ambiente, sendo considerado um grave problema de saúde pública.

Na ocasião, os donos dos veículos foram informados da possibilidade de multa e apreensão dos aparelhos sonoros, caso haja emissão abusiva de ruídos.

Durante a audiência o nível sonoro emitido pelos equipamentos instalados nos veículos foi auferido pelo Comandante do GPM de Batalha, Sargento Machado Messias, através do uso de decibelímetro. O volume máximo permitido entre 7h e 22h, de acordo com a recomendação da promotoria, corresponde a 80 decibéis. Os cidadãos podem denunciar casos de poluição sonora através do telefone (86) 9809.2508.

Na ocasião, os donos dos veículos foram informados da possibilidade de multa e apreensão dos aparelhos sonoros, caso haja emissão abusiva de ruídos.

Quem não compareceu a audiência pode ter o equipamento apreendido quando for encontrado em desacordo com a norma da lei dos crimes ambientais, disse o promotor.

Fotos: Carlos Magno Filho

Fonte: Folha de Batalha

som002som003som004som005som006som007

Batalha (PI) endurece lei contra veículos com som alto

O representante do MPE citou a legislação ambiental que fala da poluição sonora considerada maléfica para a saúde e para o meio ambiente

IMG-20140918-WA0001

Na manhã desta quinta-feira, 18, Ministério Público e Polícia Militar fizeram uma audiência pública no pátio do Juizado Especial de Batalha sobre poluição sonora, presidida pelo Promotor Antonio Charles Ribeiro de Almeida.

Segundo a promotoria, a população tem reclamado do barulho excessivo pelas ruas da cidade, tanto dos carros que transmitem jingles e mensagens de candidatos, como também veículos que fazem propaganda de estabelecimentos comerciais e anúncios de festas com decibéis acima do permitido por lei.

Para tentar colocar ordem e promover o sossego reclamado pela população, o promotor convocou autoridades e donos de veículos que trabalham com propaganda volante para explicar o que diz a lei afim de que os excessos não continuem.

O representante do MPE citou a legislação ambiental que fala da poluição sonora considerada maléfica para a saúde e para o meio ambiente, sendo considerado um grave problema de saúde pública.

Na ocasião, os donos dos veículos foram informados da possibilidade de multa e apreensão dos aparelhos sonoros, caso haja emissão abusiva de ruídos.

Durante a audiência o nível sonoro emitido pelos equipamentos instalados nos veículos foi auferido pelo Comandante do GPM de Batalha, Sargento Machado Messias, através do uso de decibelímetro. O volume máximo permitido entre 7h e 22h, de acordo com a recomendação da promotoria, corresponde a 80 decibéis. Os cidadãos podem denunciar casos de poluição sonora através do telefone (86) 9809.2508.

Na ocasião, os donos dos veículos foram informados da possibilidade de multa e apreensão dos aparelhos sonoros, caso haja emissão abusiva de ruídos.

Quem não compareceu a audiência pode ter o equipamento apreendido quando for encontrado em desacordo com a norma da lei dos crimes ambientais, disse o promotor.

Fotos: Carlos Magno Filho

Fonte: Folha de Batalha

som002som003som004som005som006som007

18 de setembro de 2014

Festa do bode ou festa do bode expiatório?

Festa do bode ou festa do bode expiatório?

Confira o novo artigo do Padre Leonardo Sales!

à comum ouvir de certas pessoas e, com muita freqüência, a expressão âbode expiatórioâ, neste fim de semana acontecerá em Batalha de 19 a 21 de setembro a 9ª edição da festa do bode, ano passado escrevi sobre ela, e dizia que não sou contra a sua realização, mas sou contra os moldes na qual é feita. O contexto político do ano passado é o mesmo, quando os professores reivindicavam salários atrasados e reajuste, a cena se repete novamente, nada de novo debaixo da linha do equador, diria Caetano Veloso.

A expressão âbode expiatórioâ teve origem em um ritual anual da tradição judaica, chamado de Dia da Expiação (Iom Kippur, em hebraico), que pode ser lido no capítulo 16 do Levítico, livro da Sagrada Escritura.

Sacerdotes levavam dois bodes ao templo de Jerusalém para que um deles fosse escolhido, em sorteio, para ser sacrificado e queimado junto com um touro no altar dos sacrifícios. O sangue de ambos era colocado nas paredes do templo.

O outro animal, livrado do sacrifício, tornava-se o bode expiatório, que virava um símbolo de purificação e expiação dos pecados e culpas. O sacerdote colocava as mãos sobre a cabeça do bode para confessar todos os pecados de Israel. Em seguida, o povo também depositava os seus erros no animal, que depois era abandonado ao relento no deserto. Dessa forma, acalmava-se o demônio e o povo ficava livre dos males cometidos.

âAo longo da história, diversos bodes expiatórios surgiram, variando de acordo com o local e o período. Entre eles, os hereges, índios, negros, judeus, deficientes, homossexuais, pobres, imigrantes, comunistas, bruxas, leprosos, ciganos e nordestinos brasileiros.â

Em geral as minorias são usadas como bode expiatório, pois são grupos mais âfracosââ. Mas, se é fácil reconhecer tais elementos da antiga liturgia judaica nas suas modernas adaptações, tal como a festa do bode, às vezes eles são mal caracterizados e corre-se o risco de falsas analogias quando se analisam outros cenários como é o caso da festa do bode.

Já que não há nada de novo no nosso cenário, exceto a política estadual e nacional, que volta à cena, ouso também repetir dois longos parágrafos do texto do ano passado, que segue abaixo.

à uma festa que projeta Batalha no cenário nacional, podem dizer alguns; outros dizem por sua vez, que é uma rara oportunidade para os pequenos produtores exporem o que produzem no anonimato de seus currais, ou talvez haja quem diga que não há nada de mais nisto, pois precisamos nos divertir, já que a situação do município não está lá estas coisas, tudo bem que possa ser tudo isto, mas, também se pode dizer que: são três dias para se divertir e esquecer a situação, segunda-feira a vida voltará ao normal e de novo muitos não terão o dinheiro para pagar suas contas, que a segurança e a estabilidade que um salário justo e pago em dias pode garantir. E não me venham com o papo que esta é uma festa feita de parcerias, porque nenhuma delas são isentas de interesses politiqueiros, nestes três dias circularam políticos de todo o Piauí, bajulando eleitores, vítimas de um sistema enganador e que não lhes deu a possibilidade de ter uma consciência política formada e fundada no senso do Bem Comum.

Será muito fácil se ver nestes três dias políticos que não sorrirá, agradará; não cumprimentará, estenderá a mão; não elogiará, incensará; com as mãos cheias de dedos, encostar-se-á aos honestos para se lhe aproveitar até a sombra, quem estiver lá presente observe e depois me diga que não estou exagerando.

âHJ DIA 18 DE SETEMBRO E AINDA NÃO ME PAGARAM O MÃS DE AGOSTO, JÃ FAZ 49 DIAS QUE A PREFEITURA MUNICIPAL NÃO PAGAâ.

Este é o desabafo de um funcionário público, de cortar o coração, como e porque se calar diante disso?

Deixemos para realizar a festa do bode, quando nossos professores e demais profissionais tiverem tanta visibilidade quanto os âbodesâ nesta época do ano, deixemos para realizar a festa do bode quando as nossas famílias puderem subir para a âVila Kolpingâ, sem a presença de políticos mentirosos, e autoridades arrogantes sempre rodeados de sua corte de bajuladores de toda espécie.

Na liturgia judaica os bodes expiatórios eram mandados para o deserto para expiar a culpa e os pecados do povo, na festa do bode são as próprias pessoas que vão expiar suas dores e lamentos, regados por três dias de festa, lubridiados por falsas promessas políticas e vendo seus impostos sendo utilizados para custear shows caríssimos e patrocinar atrações de nível duvidoso, que excetuando as raras exceções, de cultural pouco ou quase nada possuem.

Padre Vieira, em São Luís do Maranhão, no sermão em homenagem à festa de santo Antônio, em 1654, indagava: âO efeito do sal é impedir a corrupção, mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção?â

A seu ver, havia duas causas principais: a contradição de quem deveria salgar e a incredulidade do povo diante de tantos atos que não correspondiam às palavras. Completando o que disse o maior orador sacro, ouço dizer: salguemos os bodes e assemo-los, e novamente nos deixemos enganar, pois na falta de horizonte o céu é o limite.

Quem puder entender que entenda, quem não entender poderá se perguntar: vendo-me por um pedaço de bode assado, por uma banda de forró, por uns goles de cerveja quente ofertada por um político qualquer, ou sou digno o suficiente ao ponto de discordar da grande faça que ai estar?

Que os bodes sacrificados nesta festa afastem de nós os maus políticos e os interesses políticos, seria esta a crença dos judeus, como sou cristão, sei que bodes não têm poder para tanto, sejam os falsos políticos mesmo a irem para o deserto da não re-eleição, do esquecimento popular, a chorar os seus pecados, dessa forma, acalma-se-a o demônio e o povo ficará livre dos males futuros a serem cometidos.

Pe. Leonardo de Sales.

Festa do bode, ou festa do bode expiatório?

Confira o novo artigo do Padre Leonardo Sales!

à comum ouvir de certas pessoas e, com muita freqüência, a expressão âbode expiatórioâ, neste fim de semana acontecerá em Batalha de 19 a 21 de setembro a 9ª edição da festa do bode, ano passado escrevi sobre ela, e dizia que não sou contra a sua realização, mas sou contra os moldes na qual é feita. O contexto político do ano passado é o mesmo, quando os professores reivindicavam salários atrasados e reajuste, a cena se repete novamente, nada de novo debaixo da linha do equador, diria Caetano Veloso.

A expressão âbode expiatórioâ teve origem em um ritual anual da tradição judaica, chamado de Dia da Expiação (Iom Kippur, em hebraico), que pode ser lido no capítulo 16 do Levítico, livro da Sagrada Escritura.

Sacerdotes levavam dois bodes ao templo de Jerusalém para que um deles fosse escolhido, em sorteio, para ser sacrificado e queimado junto com um touro no altar dos sacrifícios. O sangue de ambos era colocado nas paredes do templo.

O outro animal, livrado do sacrifício, tornava-se o bode expiatório, que virava um símbolo de purificação e expiação dos pecados e culpas. O sacerdote colocava as mãos sobre a cabeça do bode para confessar todos os pecados de Israel. Em seguida, o povo também depositava os seus erros no animal, que depois era abandonado ao relento no deserto. Dessa forma, acalmava-se o demônio e o povo ficava livre dos males cometidos.

âAo longo da história, diversos bodes expiatórios surgiram, variando de acordo com o local e o período. Entre eles, os hereges, índios, negros, judeus, deficientes, homossexuais, pobres, imigrantes, comunistas, bruxas, leprosos, ciganos e nordestinos brasileiros.â

Em geral as minorias são usadas como bode expiatório, pois são grupos mais âfracosââ. Mas, se é fácil reconhecer tais elementos da antiga liturgia judaica nas suas modernas adaptações, tal como a festa do bode, às vezes eles são mal caracterizados e corre-se o risco de falsas analogias quando se analisam outros cenários como é o caso da festa do bode.

Já que não há nada de novo no nosso cenário, exceto a política estadual e nacional, que volta à cena, ouso também repetir dois longos parágrafos do texto do ano passado, que segue abaixo.

à uma festa que projeta Batalha no cenário nacional, podem dizer alguns; outros dizem por sua vez, que é uma rara oportunidade para os pequenos produtores exporem o que produzem no anonimato de seus currais, ou talvez haja quem diga que não há nada de mais nisto, pois precisamos nos divertir, já que a situação do município não está lá estas coisas, tudo bem que possa ser tudo isto, mas, também se pode dizer que: são três dias para se divertir e esquecer a situação, segunda-feira a vida voltará ao normal e de novo muitos não terão o dinheiro para pagar suas contas, que a segurança e a estabilidade que um salário justo e pago em dias pode garantir. E não me venham com o papo que esta é uma festa feita de parcerias, porque nenhuma delas são isentas de interesses politiqueiros, nestes três dias circularam políticos de todo o Piauí, bajulando eleitores, vítimas de um sistema enganador e que não lhes deu a possibilidade de ter uma consciência política formada e fundada no senso do Bem Comum.

Será muito fácil se ver nestes três dias políticos que não sorrirá, agradará; não cumprimentará, estenderá a mão; não elogiará, incensará; com as mãos cheias de dedos, encostar-se-á aos honestos para se lhe aproveitar até a sombra, quem estiver lá presente observe e depois me diga que não estou exagerando.

âHJ DIA 18 DE SETEMBRO E AINDA NÃO ME PAGARAM O MÃS DE AGOSTO, JÃ FAZ 49 DIAS QUE A PREFEITURA MUNICIPAL NÃO PAGAâ.

Este é o desabafo de um funcionário público, de cortar o coração, como e porque se calar diante disso?

Deixemos para realizar a festa do bode, quando nossos professores e demais profissionais tiverem tanta visibilidade quanto os âbodesâ nesta época do ano, deixemos para realizar a festa do bode quando as nossas famílias puderem subir para a âVila Kolpingâ, sem a presença de políticos mentirosos, e autoridades arrogantes sempre rodeados de sua corte de bajuladores de toda espécie.

Na liturgia judaica os bodes expiatórios eram mandados para o deserto para expiar a culpa e os pecados do povo, na festa do bode são as próprias pessoas que vão expiar suas dores e lamentos, regados por três dias de festa, lubridiados por falsas promessas políticas e vendo seus impostos sendo utilizados para custear shows caríssimos e patrocinar atrações de nível duvidoso, que excetuando as raras exceções, de cultural pouco ou quase nada possuem.

Padre Vieira, em São Luís do Maranhão, no sermão em homenagem à festa de santo Antônio, em 1654, indagava: âO efeito do sal é impedir a corrupção, mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção?â

A seu ver, havia duas causas principais: a contradição de quem deveria salgar e a incredulidade do povo diante de tantos atos que não correspondiam às palavras. Completando o que disse o maior orador sacro, ouço dizer: salguemos os bodes e assemo-los, e novamente nos deixemos enganar, pois na falta de horizonte o céu é o limite.

Quem puder entender que entenda, quem não entender poderá se perguntar: vendo-me por um pedaço de bode assado, por uma banda de forró, por uns goles de cerveja quente ofertada por um político qualquer, ou sou digno o suficiente ao ponto de discordar da grande faça que ai estar?

Que os bodes sacrificados nesta festa afastem de nós os maus políticos e os interesses políticos, seria esta a crença dos judeus, como sou cristão, sei que bodes não têm poder para tanto, sejam os falsos políticos mesmo a irem para o deserto da não re-eleição, do esquecimento popular, a chorar os seus pecados, dessa forma, acalma-se-a o demônio e o povo ficará livre dos males futuros a serem cometidos.

Pe. Leonardo de Sales.

Sindicato sugere que projeto do PISAN 2014 seja devolvido a prefeitura

Sindicato sugere que projeto do PISAN 2014 seja devolvido a prefeitura

SINDICATO busca os direitos dos Professores

nonatofirme

Nesta quarta-feira, 17, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Batalha (PI), Raimundo Nonato Firme da Silva, encaminhou ofício a Câmara Municipal sugerindo que os vereadores devolvam a Prefeitura o Projeto de Lei Municipal que trata do reajuste do PISAN 2014 condicionado à alteração do § II do art. 61 da Lei 699/2010. Confira!

Venho através do presente sugerir a devolução do Projeto de Lei Municipal que trata do reajuste do PISAN 2014 condicionado à alteração do § II do art. 61 da Lei 699/2010. O reajuste do PISAN 2014 é com base na Lei Federal 11.738/2008, onde determina a remuneração mínima do professor de nível médio com jornada de 40 horas semanais. Conforme portaria do MEC publicada em janeiro de 2014, o reajuste no piso salarial do magistério será de 8,32%, de acordo com a correção da variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno, definido nacionalmente no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) do ano 2013, em relação a piso de 2012.

Com o reajuste piso salarial do magistério 8,32%, a remuneração mínima do professor de nível médio com jornada de 40 horas semanais equivalente ao Professor classe (A) MED nível I, passa de R$ 1.567,00 (Hum mil, quinhentos sessenta e sete reais) para R$ 1.697,39 (Hum mil, seiscentos noventa e sete reais e trinta e nove reais).

à alteração do § II do art. 61 da Lei 699/2010 reduz de 20% para 11% a diferença no vencimento base do professor classe âBâ nível I para o professor classe âAâ nível I.

Art. 61 O vencimento e remuneração dos profissionais da educação estão fixados em tabela em anexo, observando a qualificação exigida para cada classe e nível.

II â professor classe âBâ nível I, vencimento base de 20% (vinte por cento) sobre classe âAâ nível I para uma jornada de 40 (quarenta) horas semanais, reduzindo-se em 50% (cinqüenta por cento) para uma jornada de 20 (vinte) horas semanais.

Como já é de conhecimento de todos os Servidores em Educação que a Prefeita Municipal de Batalha implantou no contracheque dos Professores da Classe (A) MED 20H Níveis I e Professores da Classe (B) SUP 20H Níveis I, da rede municipal o reajuste de 8,32% do PISAN 2014 nos vencimentos base referente ao mês janeiro de 2014. Esta decisão do Executivo Municipal autorizou o reajuste somente para uma parcela dos Servidores em Educação, portanto a Prefeita Municipalordenou despesa sem previsão legal, podendo caracterizar crime de responsabilidade e ato de improbidade administrativa, ferindo os princípios de indisponibilidade do interesse público, da supremacia do interesse público, da isonomia salarial e do reajuste linear.

A Prefeita ordenando despesa sem ter uma previsão legal, desrespeita a independência dos poderes, ferindo de morte a autonomia do Legislativo Municipal, caracterizando crime de responsabilidade e improbidade administrativa.

O Executivo Municipal também desrespeita os princípios de indisponibilidade do interesse público, da supremacia do interesse público, da isonomia salarial e do reajuste linear por implantar o reajuste somente a uma categoria de Servidores em Educação, Professores da Classe (A) MED com cargas horárias de 20H e 40H dos Níveis I ao VIII, em detrimento das demais categorias de Servidores em Educação, Professores das Classes (B) ao (E) com cargas horárias de 20H e 40H, dos Níveis I ao VIII.

O reajuste deve ser linear respeitando as proporções existentes na lei municipal nº 699/2010, entre as classes do Magistério de âA, B, C, D e Eâ.

Batalha â PI, 17 de setembro de 2014

Atenciosamente

Raimundo Nonato Firme da Silva

Presidente Â­Â­Â­

11 de setembro de 2014

Câmara vai votar redução de salário de professores nesta sexta (12)

Câmara vai votar redução de salário de professores nesta sexta (12)

A perda salarial fica entre R$ 80 e R$ 240 no contracheque do professor dependendo da carreira

Camaradebatalha

Os professores de rede municipal de Batalha (PI) estão em campanha salarial e o sindicato da categoria denuncia que, na contramão dos outros municípios que tentam implantar o piso salarial nacional, a Prefeitura de Batalha quer reduzir vencimentos. Segundo o Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Batalha (SINDSERM), Nonato Silva, o executivo enviou projeto de lei à Câmara de Vereadores reduzindo o percentual da mudança de classe A para B, de 20% para 11%.

A perda salarial fica entre R$ 80 e R$ 240 no contracheque do professor dependendo da carreira, afirma o Sindicato.

Para Nonato Silva, o Projeto de Lei apresentado pela prefeita Teresinha Cardoso (PSB) desmotiva os educadores a se qualificarem. âSe for aprovado, professores não precisam fazer mestrado nem doutorado porque não compensa financeiramenteâ, explica Nonato.

O projeto de Lei vai ser apresentado para primeira votação na próxima sessão da Câmara Municipal de Batalha que acontece na sexta-feira (12). O sindicato está convocando os professores irem à Câmara para assistir à votação e tentar sensibilizar os vereadores.

De acordo com dados do Sindicato, o município possui 370 professores que residem em Barras, Teresina, Piracuruca e em Batalha. âQueremos toda a categoria  nesta seção. Estamos otimistas porque tem muitos vereadores que também são professores e que esperamos que sejam sensíveis a nossa causaâ, diz Nonato.

Segundo a justificativa apresentada pela prefeita Teresinha Cardoso, a medida tem objetivo reduzir a folha da Prefeitura, que estaria âinviávelâ.

O Ministério Público já se manifestou contrário a aprovação do referido projeto. Inclusive o promotor Antonio Charles promete ajuizar uma ação civil pública pedindo a inconstitucionalidade da lei, caso a mesma seja aprovada pelos parlamentares.

O certo é que os vereadores iniciarão a sessão às 19h da próxima sexta-feira. Se a votação do projeto será concluída, é outra história.

04 de setembro de 2014

Escola da Zona Rural promove atividades alusivas à semana da pátria

Existe na escola um compromisso de regatar os valores cívicos que fazem parte da história do Brasil

semanapatria01

A Unidade Escolar José Rodrigues de Melo, em Cacimbas I, zona rural de Batalha, iniciou nesta terça-feira(02) o projeto interdisciplinar da semana da pátria com o seguinte tema: âIndependência â Conquista de Cidadania que se faz a cada momento.â

Pela manhã aconteceu oficina com os alunos do 1º ao 5º ano e a tarde abertura oficial com apresentação das bandeiras do Brasil, Piauí e Batalha, bem como o histórico de cada uma delas, em seguida foram executados os hinos Nacional, Estadual e Municipal.

Após os hinos, os alunos assistiram a uma palestra riquíssima com o Prof. Bernardo, da Unidade Escolar Artur Lopes Alves, sobre os símbolos batalhenses.

Existe na escola um compromisso de regatar os valores cívicos que fazem parte da história do Brasil, conscientizando os estudantes da importância do patriotismo em nossa nação, fazendo com que os mesmo tenham conhecimento dos símbolos (nacionais, estaduais e municipais) bem como a importância de cada um, além de incentivá-los ao patriotismo através das mais variadas atividades interdisciplinares.

Durante toda essa semana, a escola estará realizando inúmeras atividades como apresentação de vídeos, palestra, estudos dirigidos sobres os hinos e símbolos, gincana cultural com perguntas relacionadas à temática, torneio inter-classe e disputas desportivas em várias modalidades esportivas, além de um concurso para escolha da bandeira da citada escola. Veja alguns registros fotográficos feitos pelo Prof. Rômulo Alves.

10687189_1499132040332234_6530860497201640137_n10666112_1499133956998709_4719100515689113572_n10653801_1499133010332137_4720388400647615678_n10625156_1499133740332064_1876233335686986438_n10612542_1499132326998872_1662923663999117955_n10530944_1499133583665413_5940036776134319879_n10533425_1499132283665543_1082399503294965050_n10603733_1499133256998779_8246810555551775061_n10376274_1499132600332178_7921264753543503895_nsemanapatria02


































Confira o cronograma de atividades:

02/09 â MANHÃ â ABERTURA â7:00 h â HASTEAMENTO DA BANDEIRA NACIONAL AO SOM DO HINO NACIONAL â DIREÃÃO
⢠TRABALHAR O HINO NACIONAL â ILUSTRAÃÃO E SIGNIFICADO DAS PALAVRAS DESCONHECIDAS;
⢠CONFECÃÃO DE MURAIS, A ESCOLA SERà ORNAMENTADA COM OS TRABALHOS DOS ALUNOS.
TARDE â ABERTURA â 13:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO NACIONAL
⢠PALESTRA: OS SÃMBOLOS BATALHENSES (PROFESSOR: BERNARDO)
⢠VÃDEO SOBRE A BATALHA DO JENIPAPO (PROFESSORES: ARNALDO E RÃMULO)
⢠DESFILE DAS BANDEIRAS (PROFESSORES: RÃMULO, BAIANA, IRACEMA E NAIANE)
BRASIL
PIAUÃ
BATALHA

03/09 â MANHÃ â ABERTURA â 7 :00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO PIAUIENSE
⢠SALA DE AULA â ELABORAÃÃO E DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES SOBRE O TEMA PÃTRIA EM SALA
TARDE â ABERTURA â 13:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO PIAUIENSE;
⢠HISTÃRICO DA ESCOLA (PROFESSORES RICARDO E BAIANA)
⢠HOMENAGENS AOS PROFESSORES QUE Jà LECIONARAM NESTA UNIDADE DE ENSINO. (PROFESSORES: BAIANA E ROSIMEIRE)
04/09- MANHÃ-ABERTURA -7:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO DE BATALHA;
⢠TORNEIO INTERCLASSE (PROFESSORES EGITO, ANDERSON, PÃNTICO, CANTIDO E GEAN)
05/09 â MANHÃ â ABERTURA â 7:00 H INTERPRETAÃÃO DO HINO DE BATALHA;
⢠SALA DE AULA â ELABORAÃÃO E DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES SOBRE O TEMA PÃTRIA EM SALA.
⢠BRINCADEIRAS EDUCATIVAS.
TARDE â ABERTURA 13:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO DE BATALHA
TAREFAS
⢠PERGUNTAS E RESPOSTAS (PROFESSORES ARNALDO, IRACEMA E AUDUÃNA)
⢠TRAVA-LÃNGUAS (PROFESSORA BAIANA)
⢠PARÃDIA (PROFESSOR RICARDO)
⢠POESIA (PROFESSORA ROSIMEIRE)
⢠CORRIDA DO SACO (PROFESSOR EGITO)
⢠CORRIDA COM O OVO NA COLHER (PROFESSOR EGITO)
⢠CASAL REPRESENTANDO A INDEPENDÃNCIA (PROFESSORA BAIANA)
⢠CONCURSO PRA ESCOLHA DA BANDEIRA DA ESCOLA (PROFESSORES RÃMULO E NAIANE)
⢠CORRIDA DOS 100 METROS (PROFESSOR EGITO)
⢠TAREFAS SURPRESAS

Escola da Zona Rural promove atividades alusivas à semana da pátria

Existe na escola um compromisso de regatar os valores cívicos que fazem parte da história do Brasil

semanapatria01

A Unidade Escolar José Rodrigues de Melo, em Cacimbas I, zona rural de Batalha, iniciou nesta terça-feira(02) o projeto interdisciplinar da semana da pátria com o seguinte tema: âIndependência â Conquista de Cidadania que se faz a cada momento.â

Pela manhã aconteceu oficina com os alunos do 1º ao 5º ano e a tarde abertura oficial com apresentação das bandeiras do Brasil, Piauí e Batalha, bem como o histórico de cada uma delas, em seguida foram executados os hinos Nacional, Estadual e Municipal.

Após os hinos, os alunos assistiram a uma palestra riquíssima com o Prof. Bernardo, da Unidade Escolar Artur Lopes Alves, sobre os símbolos batalhenses.

Existe na escola um compromisso de regatar os valores cívicos que fazem parte da história do Brasil, conscientizando os estudantes da importância do patriotismo em nossa nação, fazendo com que os mesmo tenham conhecimento dos símbolos (nacionais, estaduais e municipais) bem como a importância de cada um, além de incentivá-los ao patriotismo através das mais variadas atividades interdisciplinares.

Durante toda essa semana, a escola estará realizando inúmeras atividades como apresentação de vídeos, palestra, estudos dirigidos sobres os hinos e símbolos, gincana cultural com perguntas relacionadas à temática, torneio inter-classe e disputas desportivas em várias modalidades esportivas, além de um concurso para escolha da bandeira da citada escola. Veja alguns registros fotográficos feitos pelo Prof. Rômulo Alves.

10687189_1499132040332234_6530860497201640137_n10666112_1499133956998709_4719100515689113572_n10653801_1499133010332137_4720388400647615678_n10625156_1499133740332064_1876233335686986438_n10612542_1499132326998872_1662923663999117955_n10530944_1499133583665413_5940036776134319879_n10533425_1499132283665543_1082399503294965050_n10603733_1499133256998779_8246810555551775061_n10376274_1499132600332178_7921264753543503895_nsemanapatria02


































Confira o cronograma de atividades:

02/09 â MANHÃ â ABERTURA â7:00 h â HASTEAMENTO DA BANDEIRA NACIONAL AO SOM DO HINO NACIONAL â DIREÃÃO
⢠TRABALHAR O HINO NACIONAL â ILUSTRAÃÃO E SIGNIFICADO DAS PALAVRAS DESCONHECIDAS;
⢠CONFECÃÃO DE MURAIS, A ESCOLA SERà ORNAMENTADA COM OS TRABALHOS DOS ALUNOS.
TARDE â ABERTURA â 13:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO NACIONAL
⢠PALESTRA: OS SÃMBOLOS BATALHENSES (PROFESSOR: BERNARDO)
⢠VÃDEO SOBRE A BATALHA DO JENIPAPO (PROFESSORES: ARNALDO E RÃMULO)
⢠DESFILE DAS BANDEIRAS (PROFESSORES: RÃMULO, BAIANA, IRACEMA E NAIANE)
BRASIL
PIAUÃ
BATALHA

03/09 â MANHÃ â ABERTURA â 7 :00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO PIAUIENSE
⢠SALA DE AULA â ELABORAÃÃO E DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES SOBRE O TEMA PÃTRIA EM SALA
TARDE â ABERTURA â 13:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO PIAUIENSE;
⢠HISTÃRICO DA ESCOLA (PROFESSORES RICARDO E BAIANA)
⢠HOMENAGENS AOS PROFESSORES QUE Jà LECIONARAM NESTA UNIDADE DE ENSINO. (PROFESSORES: BAIANA E ROSIMEIRE)
04/09- MANHÃ-ABERTURA -7:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO DE BATALHA;
⢠TORNEIO INTERCLASSE (PROFESSORES EGITO, ANDERSON, PÃNTICO, CANTIDO E GEAN)
05/09 â MANHÃ â ABERTURA â 7:00 H INTERPRETAÃÃO DO HINO DE BATALHA;
⢠SALA DE AULA â ELABORAÃÃO E DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES SOBRE O TEMA PÃTRIA EM SALA.
⢠BRINCADEIRAS EDUCATIVAS.
TARDE â ABERTURA 13:00 H â INTERPRETAÃÃO DO HINO DE BATALHA
TAREFAS
⢠PERGUNTAS E RESPOSTAS (PROFESSORES ARNALDO, IRACEMA E AUDUÃNA)
⢠TRAVA-LÃNGUAS (PROFESSORA BAIANA)
⢠PARÃDIA (PROFESSOR RICARDO)
⢠POESIA (PROFESSORA ROSIMEIRE)
⢠CORRIDA DO SACO (PROFESSOR EGITO)
⢠CORRIDA COM O OVO NA COLHER (PROFESSOR EGITO)
⢠CASAL REPRESENTANDO A INDEPENDÃNCIA (PROFESSORA BAIANA)
⢠CONCURSO PRA ESCOLHA DA BANDEIRA DA ESCOLA (PROFESSORES RÃMULO E NAIANE)
⢠CORRIDA DOS 100 METROS (PROFESSOR EGITO)
⢠TAREFAS SURPRESAS

SINDSERM esclarece sobre suspensão da Contribuição Sindical dos Servidores

SINDSERM esclarece sobre suspensão da Contribuição Sindical dos Servidores

A suspensão foi feita em março de 2014, após 14 meses do inicio da atual gestão municipal

A Prefeitura Municipal de Batalha-PI, havia suspendido o recolhimento das contribuições sindicais mensais dos 600 servidores públicos filiados ao SINDICATO DOS SERVIDORES PÃBLICOS MUNICIPAIS DE BATALHA. Desde sua fundação o SINDSERM é mantido pelas contribuições mensais dos seus filiados, servidores públicos efetivos que voluntariamente se filiam ao Sindicato com o objetivo de se fortalecerem na luta pela busca de seus direitos. 

Há mais de 10 anos as contribuições mensais são recolhidas pela Prefeitura diante da ficha de filiação que o servidor assina autorizando-a, a fazer o recolhimento e depositar na conta corrente da Entidade Sindical. O rito normal que o servidor faz, tanto para se filiar ou para desfilar, é procurar a sede da Entidade para fazer por escrito. Em momento algum a Prefeitura procurou o SINDSERM para tratar sobre questões de recadastramento, sobretudo porque recadastramento se faz sempre no início de uma nova gestão o que não foi o caso em questão. 

A suspensão foi feita em março de 2014, após 14 meses do inicio da atual gestão. E só depois que havia efetuado a suspensão foi que comunicou ao Sindicato alegando falta de autorizações e documentações dos filiados. O SINDSERM/BATALHA-PI acionou o judiciário, a Juíza Drª. Lidiane Suély Marques Batista concedeu a liminar para regularização das contribuições através do Processo 0000220-12.2014.8.18.0040. 

O cumprimento da liminar foi feito sobre o contracheque de agosto, mas apenas referente ao mês de agosto. Ainda há que recolher os meses anteriores (março, abril, maio, junho e julho) e continuar daqui para frente. Vale ressaltar que o Servidor que não quiser continuar contribuindo com a entidade sindical, o mesmo tem a plena liberdade de fazer o que sempre foi feito, procurar o sindicato e solicitar sua desfiliação.

Batalha, 03 de setembro de 2014

Raimundo Nonato Firme da Silva

Presidente SINDSERM - BATALHA

23 de agosto de 2014

“Obrigado, Pe. Evandro!” - Por Pe. Leonardo Sales

“Obrigado, Pe. Evandro!” - Por Pe. Leonardo Sales

"Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo"


Estou a bordo num voo entre Lisboa e Roma, voltando das férias no Brasil e, uma vontade incontida de escrever alguma coisa me toma de assalto, não resisti, liguei o computador, com o propósito de escrever mais uma crônica, mas sobre o que escrever?

Tomado pela inspiração, e vizinho das alturas, onde creio, portanto, perto de Deus, clarearam-se as ideias, quero escrever um texto de gratidão ao querido Pe. Evandro, que se despedirá em breve de nossa Paróquia, de nossa Cidade e de nossa gente batalhense.

Após um ano e cinco meses como vigário paroquial na Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Piracuruca, chega para exercer o novo ofício de administrador paroquial da Paróquia São Gonçalo em Batalha, o jovem sacerdote Evandro Alves da Silva, o ano era 2009 e o dia o livro de tombo da velha matriz registra como sendo 07 de fevereiro.

Chegava à terra de São Gonçalo, um jovem sacerdote tímido e sem saber por onde começar, pois o campo era vasto e o trabalho imenso, consciente de seus limitese fraquezas, mas também cheio da pujança de sua juventude, o neo-levita é desafiado por todas as partes, fora nomeado para pastorear uma paróquia histórica, complicada e pobre de recursos, consola o coração do novo pastor a expressão viva da Fé do povo de Deus a ele confiado, pelo pastor dos pastores, Cristo Senhor!

Recebera o encargo de conduzir um rebanho imenso, comunidades pipocantes por todos os lados, distâncias enormes a serem percorridas, grupos, pastorais e movimentos diversos que necessitam ser revitalizados, pobreza dos meios de evangelização, veículo precário, como se deslocar para o serviço às ovelhas espalhadas pela extensão desse imenso rebanho? Perguntava-se o recém chegado padre, as perguntas eram mil, as repostas, zero! Aos poucos o Espírito Santo, vai apontando iniciativas, sugerindo caminhos e iluminando propósitos, não faltara a sua luz na condução de sua missão!

Na sua primeira missa após a sua posse leva um susto ao ver uma igreja às escuras, e com poucos fiéis, era fevereiro, pós-festejo, cidade vazia, povo cansado, ano que se iniciava. Iniciava-se também um novo tempo para a nossa Paróquia.

O dinamismo do jovem padre Evandro começa por tomar conta dos grupos e começam-se os projetos, que aqui seria impossível descrevê-los todos!

Alguns destes saltam aos olhos sem diminuir a importância dos menores, que como vaga-lumes, brilham na escuridão!

A revitalização dos festejos que se inicia aos poucos timidamente, mas anos após anos se ver os resultados que começam a surtir efeitos, a peregrinação da imagem do santo padroeiro para a capital do Estado, emplaca e atrai devotos da colônia batalhense em Teresina, evangeliza, fala de Deus e arrecada recursos para se aplicar na obra evangelizadora, entre elas chama atenção à compra de um novo veículo para a comunidade católica, no valor de quase 100 mil reais à vista, fruto do trabalho quase insistente do padre junto aos fieis.

Sua animaçãoe zelo para com as coisas de Deus, o faz perceber o quanto nosso belo templo necessitava de reparos, sejam artísticos, sejam de infraestrutura, que o leva a iniciar uma campanha pela troca do telhado e forro da igreja matriz, descaracterizada nos pós-Concilio Vaticano II, recupera peças sacras de grande valor artístico e cultural, tais como o retorno do Cristo crucificado, peça barroca, dos primórdios da construção da igreja, autoriza a restauração de imagens, como a do Sagrado Coração de Jesus, que até então se acreditava ser de gesso, o que o restaurador admirado veio a descobrir que se tratava de uma peça rara, do neoclassicismo francês, mandada importar da França pelo centenário Apostolado da Oração, se adquiriu novos vasos sagrados, paramentos e alfaias.

No campo pastoral sua figura se desenha colossal, cria novos grupos, investe maciçamente na evangelização da juventude, cria a novena perpetua de Nossa Senhorado Perpétuo Socorro, que lota o templo às terças-feiras, realiza eventos de grande porte a nível paroquial e diocesano, como por exemplo, a passagem do símbolo da JMJ (Jornada Mundial da Juventude), por Batalha, atraindojovens de todos os lados e legando para a nossa história religiosa recente um evento sem precedentes, incentiva a formação dos leigos; jovens de nossa comunidade, graças ao seu apoio, representam a nossa Paróquia no encontro da juventude com o sucessor de Pedro, naprimeira visita ao Brasil, do Papa Francisco, no Rio de Janeiro, em julho de 2013.

As comunidades rurais ganham novo impulso missionário, a missão continental, assumida no Documento de Aparecida, como uma urgência pastoral de nosso tempo, ganha neste filho de Cocal, uma força enorme, são realizadas diversas missões populares, quer seja na Paróquia ou no zonalsul 2 da diocese de Parnaíba.

A consciência de ser Igreja participativa cresce nas pessoas, que respondem com generosidade, a arrecadação do dízimo nunca cresceu tanto, como nesta gestão paroquial, conduzida pelo Pe. Evandro, a dinamização da equipe e a adesão de novos dizimistas confere novas possibilidades à comunidade, como por exemplo, a isenção de taxas que soavam simonia (venda de serviços sagrados), tais como batismo e casamento.

No campo da comunicação, nova urgência dos tempos modernos, nossa Paróquia encontrou neste pastor dedicado um grande incentivador, cria-se um blog na internet, para divulgação da vida paroquial e difusão também do Evangelho nos novos areópagos!

Apresenta-se como um zeloso sacerdote, defensor das verdades do Evangelho, e dos valores cristãos, e por vezes foi na cidade de Batalha a única voz que se levantou contra os desmandos da velha política local, feita de arranjos desmedidos e pactos espúrios, sua voz em defensa dos pobres, tão ao gosto do Jesus dos Evangelhos, se faz sentir quando as camadas de decisões se contradizem na prática de favoritismos e não fazem da política expressão do bem comum.

Quando a moral e os costumes estavam ameaçados pela falta de bom senso e respeito à fé católica, foi capaz de se indispor falando a verdade aos quatro ventos contra quem quer que fosse, sem medo, certo do apoio de seu rebanho mesmo que muitas caras se virassem contra o senhor vigário!

Durante seu pastoreio ele pode assistir a três primeiras missas de filhos da terra, ordenados sacerdotes para a Igreja de Deus: Pe. Leonardo de Sales, Frei Manoel, e por último Pe. Joaquim Trindade, que graça para um sacerdote, ver outros sacerdotes chegando e se fazendo amigo deles, e ainda encaminhou duasvocações que amadurecem no celeiro de formação, o seminário menor diocesano!

Sua fama é de pedinte, já ouvi de sua boca dizer que não pede nada para si, mais para o bem da comunidade, não se envergonha de fazê-lo, sua transparência no uso dos recursos dos fiéis gera confiança e cria possibilidades de realizar grandes projetos, tais como a restauração total da casa paroquial, totalmente reestruturada, com bom gosto, outra marca do Pe. Evandro; mobília nova sensação de bem estar, pronta para receber o novo padre e digna de acolhida a qualquer autoridade eclesiástica que passe pela Paróquia de São Gonçalo!

O projeto de conclusão do grande jubileu dos 200 anos da construção da Matriz de São Gonçalo, que foi abraçado com grande empenho, o senhor não o concluirá, seria um gesto de grande comunhão que o novo padre o permitisse em dezembro próximo ao menos a sua participação!

Seu estilo meio zangado, às vezes insinua um estilo áspero, porém, uma breve convivência com ele, se percebe a clareza das opções e a objetividade das relações humanas, que devem ser pautadas pela lógica do diálogo e pela transparência no trato com as pessoas! Não quero beatificá-lo, seus limitesos conhecemos, mas suas qualidades superam de longe, os seus defeitos!

Não pretendo nesta crônica esgotar os feitos do pastoreio do Pe. Evandro, ao longo destes cinco anos e seis meses, mas tão somente, provocar na comunidade gestos de gratidão a Deus pela passagem benfazeja deste servo de Deus entre nós, que cada um possa render graças ao Senhor por tudo o que foi feito e pedir perdão a Deus pelo que não ajudou a fazer, e aclamar o Deus das misericórdias pelo que foi capaz de colaborar e ver realizado por iniciativa, coordenação e liderança dele, pois nenhum padre faz nada sozinho, sem a colaboração de seu rebanho, pois por melhor que seja alguém, jamaisconseguirá ser tão bom e eficaz que todos juntos e unidos num só propósito: fazer a Igreja, que é de Cristo, crescer e apressar a vinda de seu Reino!

Tudo tem o seu começo, o seu meio e o seu fim. Embora, Pe. Evandro, o senhor possa dizer com o artista popular: ânão aprendi dizer adeusâ, é chegada a hora de tirar o seu time de campo e partir para outro lugar!

Lutamos junto ao bispo diocesano para que a sua presença se prolongasse por mais tempo, numa estratégia moderada, ele nos concedeu, mais alguns meses, a dom Alfredo nossa eterna gratidão, por nos ter dado um grande pastor!

Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo, sabemos, porém, dos seus limites, que sempre terminam por ter grande incidência em tudo. O senhor procurou ser bom e amigo, ofereceu a sua amizade a todos, quis ser presença em cada casa das ovelhas ao senhor confiadas, não fez aqui acepção de pessoas, (ricos e pobres, crentes e não crentes) quis enxugar cada lágrima, para todos quis ser o âpadreâ!

O que o senhor aqui em nossa Paróquia viveu, aprendeu e pode realizar nesse período de pouco mais de cinco anos, nesta cidade acolhedora, deixará marcas profundas na vida dessa comunidade. à a bagagem, feita de gratidão e saudade, que o senhor levará para a Igreja de Esperantina.

No seu coração sacerdotal não leve mágoas de ninguém. Partindo, leve a todos no coração, como gostava de dizer o apóstolo São Paulo.

Com as emoções à flor da pele não podemos deixar de olhar para o alto e dizer: obrigado, nosso Deus, obrigado por este kairós, tempo de Graça, obrigado por estes cinco anos e seis meses do Pe. Evandro entre nós, obrigado por ter-nos feito fazer parte da história dele, de termos ajudado e ensinado a Ele a ser padre, sim, pois foi aqui que aprendeu o que os livros nos seminário não ensinam, ou seja, como pastorear, segundo o coração do Bom Pastor!

 Obrigado Padre, muito obrigado, em nome de tantas pessoas que aí em nossa querida Batalhao senhor pode atender espiritualmente, batizar, interceder, visitar, assistir o matrimônio, se fazer amigo, presidir a Eucaristia, animar a Fé, conduzir belas procissões, encorajar os corações entristecidos pelas mazelas da vida, encomendar os seus entes queridos, louvar, ungir, pregar a Palavra de Deus, e fazê-los apaixonados por Jesus Cristo!

à claro que o senhor poderá voltar outras vezes a Batalha para participar de muitas celebrações,

Quando, passeando pelas ruasde nossa cidade, poderá de novo sentir o cheiro de nossa gente batalhense e batalhadora nas tardes quentes da cidade morena, tomar um cafezinho na casa dos seus mais de 10 mil amigos aqui feitos, ou mesmo notar o perfume das beatas cheirosas na época em que os festejos contagiam toda a cidade, mas nunca mais será a mesma coisa!

Sabemos que o Senhor que o assistiu aqui com o seu Santo Espírito também assistirá, o Pe. Oscar, que a nossa comunidade se prepara para acolher com muita alegria como seu legitimo pastor.

Pe. Evandro mil obrigados ao senhor, pela sua passagem por Batalha, ela deixará marcar eternas entre nós, Deus recompense seu cansaço, suas noites sem dormir, seus anos passados entre nós, seu envelhecimento, seus cabelos brancos adquiridos antes da idade, pelo trabalhão que algumas ovelhas lhe deram, abençoe sua dedicação, sua coragem, enfim tudo o que fez, e que faria novamente com certeza, pela nossa comunidade paroquial.

Seja feliz em sua nova caminhada, seu novo pastoreio, desafiador e emblemático que o aguarda, que o bem aqui feito, seja realizado redobrado na vida das pessoas que o senhor vai encontrar e pastorear, obrigado, obrigado, obrigado, infinitamente!

Sentiremos saudades de suas missas longas, de suas zangas, de seus apelos, de seu jeito, de seus gestos, de sua amizade, o que nos separa são 22 km e um rio, o Longá, e rio foi feito para atravessar, venha sempre esta casa comum, nossa paróquia, é também a sua casa! Foi isto que a nossa Câmara Municipal quis sinalizar ao conferi-lo o título de cidadão batalhense, já deve ter ouvido nas suas andanças pela nossa cidade, que quem bebe da água do velho barro, não deixará Batalha tão facilmente?

Que nosso padroeiro, São Gonçalo, que o senhor aprendeu amar conosco, seja o modelo de coração sacerdotal na nova missão, e que a Senhora de Lourdes, nossa mãe, cuja cidade está a esta hora a seus pés, no encerramento deste que é o seu ultimo festejo como pastor desta Paróquia, festejo a ela dedicado, seja sua mãe e consolo nas horas difíceis!

O meu voo está quase chegando ao fim, mas ainda resta tempo para dizê-lo: âSe não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da sementeâ.

Leve em sua bagagem, a certeza de nossa eterna gratidão! Deus o acompanhe, e seja muito feliz!

Pe. Leonardo de Sales.

“Obrigado, Pe. Evandro!” - Por Pe. Leonardo Sales

"Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo"

Estou a bordo num voo entre Lisboa e Roma, voltando das férias no Brasil e, uma vontade incontida de escrever alguma coisa me toma de assalto, não resisti, liguei o computador, com o propósito de escrever mais uma crônica, mas sobre o que escrever?

Tomado pela inspiração, e vizinho das alturas, onde creio, portanto, perto de Deus, clarearam-se as ideias, quero escrever um texto de gratidão ao querido Pe. Evandro, que se despedirá em breve de nossa Paróquia, de nossa Cidade e de nossa gente batalhense.

Após um ano e cinco meses como vigário paroquial na Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Piracuruca, chega para exercer o novo ofício de administrador paroquial da Paróquia São Gonçalo em Batalha, o jovem sacerdote Evandro Alves da Silva, o ano era 2009 e o dia o livro de tombo da velha matriz registra como sendo 07 de fevereiro.

Chegava à terra de São Gonçalo, um jovem sacerdote tímido e sem saber por onde começar, pois o campo era vasto e o trabalho imenso, consciente de seus limitese fraquezas, mas também cheio da pujança de sua juventude, o neo-levita é desafiado por todas as partes, fora nomeado para pastorear uma paróquia histórica, complicada e pobre de recursos, consola o coração do novo pastor a expressão viva da Fé do povo de Deus a ele confiado, pelo pastor dos pastores, Cristo Senhor!

Recebera o encargo de conduzir um rebanho imenso, comunidades pipocantes por todos os lados, distâncias enormes a serem percorridas, grupos, pastorais e movimentos diversos que necessitam ser revitalizados, pobreza dos meios de evangelização, veículo precário, como se deslocar para o serviço às ovelhas espalhadas pela extensão desse imenso rebanho? Perguntava-se o recém chegado padre, as perguntas eram mil, as repostas, zero! Aos poucos o Espírito Santo, vai apontando iniciativas, sugerindo caminhos e iluminando propósitos, não faltara a sua luz na condução de sua missão!

Na sua primeira missa após a sua posse leva um susto ao ver uma igreja às escuras, e com poucos fiéis, era fevereiro, pós-festejo, cidade vazia, povo cansado, ano que se iniciava. Iniciava-se também um novo tempo para a nossa Paróquia.

O dinamismo do jovem padre Evandro começa por tomar conta dos grupos e começam-se os projetos, que aqui seria impossível descrevê-los todos!

Alguns destes saltam aos olhos sem diminuir a importância dos menores, que como vaga-lumes, brilham na escuridão!

A revitalização dos festejos que se inicia aos poucos timidamente, mas anos após anos se ver os resultados que começam a surtir efeitos, a peregrinação da imagem do santo padroeiro para a capital do Estado, emplaca e atrai devotos da colônia batalhense em Teresina, evangeliza, fala de Deus e arrecada recursos para se aplicar na obra evangelizadora, entre elas chama atenção à compra de um novo veículo para a comunidade católica, no valor de quase 100 mil reais à vista, fruto do trabalho quase insistente do padre junto aos fieis.

Sua animaçãoe zelo para com as coisas de Deus, o faz perceber o quanto nosso belo templo necessitava de reparos, sejam artísticos, sejam de infraestrutura, que o leva a iniciar uma campanha pela troca do telhado e forro da igreja matriz, descaracterizada nos pós-Concilio Vaticano II, recupera peças sacras de grande valor artístico e cultural, tais como o retorno do Cristo crucificado, peça barroca, dos primórdios da construção da igreja, autoriza a restauração de imagens, como a do Sagrado Coração de Jesus, que até então se acreditava ser de gesso, o que o restaurador admirado veio a descobrir que se tratava de uma peça rara, do neoclassicismo francês, mandada importar da França pelo centenário Apostolado da Oração, se adquiriu novos vasos sagrados, paramentos e alfaias.

No campo pastoral sua figura se desenha colossal, cria novos grupos, investe maciçamente na evangelização da juventude, cria a novena perpetua de Nossa Senhorado Perpétuo Socorro, que lota o templo às terças-feiras, realiza eventos de grande porte a nível paroquial e diocesano, como por exemplo, a passagem do símbolo da JMJ (Jornada Mundial da Juventude), por Batalha, atraindojovens de todos os lados e legando para a nossa história religiosa recente um evento sem precedentes, incentiva a formação dos leigos; jovens de nossa comunidade, graças ao seu apoio, representam a nossa Paróquia no encontro da juventude com o sucessor de Pedro, naprimeira visita ao Brasil, do Papa Francisco, no Rio de Janeiro, em julho de 2013.

As comunidades rurais ganham novo impulso missionário, a missão continental, assumida no Documento de Aparecida, como uma urgência pastoral de nosso tempo, ganha neste filho de Cocal, uma força enorme, são realizadas diversas missões populares, quer seja na Paróquia ou no zonalsul 2 da diocese de Parnaíba.

A consciência de ser Igreja participativa cresce nas pessoas, que respondem com generosidade, a arrecadação do dízimo nunca cresceu tanto, como nesta gestão paroquial, conduzida pelo Pe. Evandro, a dinamização da equipe e a adesão de novos dizimistas confere novas possibilidades à comunidade, como por exemplo, a isenção de taxas que soavam simonia (venda de serviços sagrados), tais como batismo e casamento.

No campo da comunicação, nova urgência dos tempos modernos, nossa Paróquia encontrou neste pastor dedicado um grande incentivador, cria-se um blog na internet, para divulgação da vida paroquial e difusão também do Evangelho nos novos areópagos!

Apresenta-se como um zeloso sacerdote, defensor das verdades do Evangelho, e dos valores cristãos, e por vezes foi na cidade de Batalha a única voz que se levantou contra os desmandos da velha política local, feita de arranjos desmedidos e pactos espúrios, sua voz em defensa dos pobres, tão ao gosto do Jesus dos Evangelhos, se faz sentir quando as camadas de decisões se contradizem na prática de favoritismos e não fazem da política expressão do bem comum.

Quando a moral e os costumes estavam ameaçados pela falta de bom senso e respeito à fé católica, foi capaz de se indispor falando a verdade aos quatro ventos contra quem quer que fosse, sem medo, certo do apoio de seu rebanho mesmo que muitas caras se virassem contra o senhor vigário!

Durante seu pastoreio ele pode assistir a três primeiras missas de filhos da terra, ordenados sacerdotes para a Igreja de Deus: Pe. Leonardo de Sales, Frei Manoel, e por último Pe. Joaquim Trindade, que graça para um sacerdote, ver outros sacerdotes chegando e se fazendo amigo deles, e ainda encaminhou duasvocações que amadurecem no celeiro de formação, o seminário menor diocesano!

Sua fama é de pedinte, já ouvi de sua boca dizer que não pede nada para si, mais para o bem da comunidade, não se envergonha de fazê-lo, sua transparência no uso dos recursos dos fiéis gera confiança e cria possibilidades de realizar grandes projetos, tais como a restauração total da casa paroquial, totalmente reestruturada, com bom gosto, outra marca do Pe. Evandro; mobília nova sensação de bem estar, pronta para receber o novo padre e digna de acolhida a qualquer autoridade eclesiástica que passe pela Paróquia de São Gonçalo!

O projeto de conclusão do grande jubileu dos 200 anos da construção da Matriz de São Gonçalo, que foi abraçado com grande empenho, o senhor não o concluirá, seria um gesto de grande comunhão que o novo padre o permitisse em dezembro próximo ao menos a sua participação!

Seu estilo meio zangado, às vezes insinua um estilo áspero, porém, uma breve convivência com ele, se percebe a clareza das opções e a objetividade das relações humanas, que devem ser pautadas pela lógica do diálogo e pela transparência no trato com as pessoas! Não quero beatificá-lo, seus limitesos conhecemos, mas suas qualidades superam de longe, os seus defeitos!

Não pretendo nesta crônica esgotar os feitos do pastoreio do Pe. Evandro, ao longo destes cinco anos e seis meses, mas tão somente, provocar na comunidade gestos de gratidão a Deus pela passagem benfazeja deste servo de Deus entre nós, que cada um possa render graças ao Senhor por tudo o que foi feito e pedir perdão a Deus pelo que não ajudou a fazer, e aclamar o Deus das misericórdias pelo que foi capaz de colaborar e ver realizado por iniciativa, coordenação e liderança dele, pois nenhum padre faz nada sozinho, sem a colaboração de seu rebanho, pois por melhor que seja alguém, jamaisconseguirá ser tão bom e eficaz que todos juntos e unidos num só propósito: fazer a Igreja, que é de Cristo, crescer e apressar a vinda de seu Reino!

Tudo tem o seu começo, o seu meio e o seu fim. Embora, Pe. Evandro, o senhor possa dizer com o artista popular: ânão aprendi dizer adeusâ, é chegada a hora de tirar o seu time de campo e partir para outro lugar!

Lutamos junto ao bispo diocesano para que a sua presença se prolongasse por mais tempo, numa estratégia moderada, ele nos concedeu, mais alguns meses, a dom Alfredo nossa eterna gratidão, por nos ter dado um grande pastor!

Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo, sabemos, porém, dos seus limites, que sempre terminam por ter grande incidência em tudo. O senhor procurou ser bom e amigo, ofereceu a sua amizade a todos, quis ser presença em cada casa das ovelhas ao senhor confiadas, não fez aqui acepção de pessoas, (ricos e pobres, crentes e não crentes) quis enxugar cada lágrima, para todos quis ser o âpadreâ!

O que o senhor aqui em nossa Paróquia viveu, aprendeu e pode realizar nesse período de pouco mais de cinco anos, nesta cidade acolhedora, deixará marcas profundas na vida dessa comunidade. à a bagagem, feita de gratidão e saudade, que o senhor levará para a Igreja de Esperantina.

No seu coração sacerdotal não leve mágoas de ninguém. Partindo, leve a todos no coração, como gostava de dizer o apóstolo São Paulo.

Com as emoções à flor da pele não podemos deixar de olhar para o alto e dizer: obrigado, nosso Deus, obrigado por este kairós, tempo de Graça, obrigado por estes cinco anos e seis meses do Pe. Evandro entre nós, obrigado por ter-nos feito fazer parte da história dele, de termos ajudado e ensinado a Ele a ser padre, sim, pois foi aqui que aprendeu o que os livros nos seminário não ensinam, ou seja, como pastorear, segundo o coração do Bom Pastor!

 Obrigado Padre, muito obrigado, em nome de tantas pessoas que aí em nossa querida Batalhao senhor pode atender espiritualmente, batizar, interceder, visitar, assistir o matrimônio, se fazer amigo, presidir a Eucaristia, animar a Fé, conduzir belas procissões, encorajar os corações entristecidos pelas mazelas da vida, encomendar os seus entes queridos, louvar, ungir, pregar a Palavra de Deus, e fazê-los apaixonados por Jesus Cristo!

à claro que o senhor poderá voltar outras vezes a Batalha para participar de muitas celebrações,

Quando, passeando pelas ruasde nossa cidade, poderá de novo sentir o cheiro de nossa gente batalhense e batalhadora nas tardes quentes da cidade morena, tomar um cafezinho na casa dos seus mais de 10 mil amigos aqui feitos, ou mesmo notar o perfume das beatas cheirosas na época em que os festejos contagiam toda a cidade, mas nunca mais será a mesma coisa!

Sabemos que o Senhor que o assistiu aqui com o seu Santo Espírito também assistirá, o Pe. Oscar, que a nossa comunidade se prepara para acolher com muita alegria como seu legitimo pastor.

Pe. Evandro mil obrigados ao senhor, pela sua passagem por Batalha, ela deixará marcar eternas entre nós, Deus recompense seu cansaço, suas noites sem dormir, seus anos passados entre nós, seu envelhecimento, seus cabelos brancos adquiridos antes da idade, pelo trabalhão que algumas ovelhas lhe deram, abençoe sua dedicação, sua coragem, enfim tudo o que fez, e que faria novamente com certeza, pela nossa comunidade paroquial.

Seja feliz em sua nova caminhada, seu novo pastoreio, desafiador e emblemático que o aguarda, que o bem aqui feito, seja realizado redobrado na vida das pessoas que o senhor vai encontrar e pastorear, obrigado, obrigado, obrigado, infinitamente!

Sentiremos saudades de suas missas longas, de suas zangas, de seus apelos, de seu jeito, de seus gestos, de sua amizade, o que nos separa são 22 km e um rio, o Longá, e rio foi feito para atravessar, venha sempre esta casa comum, nossa paróquia, é também a sua casa! Foi isto que a nossa Câmara Municipal quis sinalizar ao conferi-lo o título de cidadão batalhense, já deve ter ouvido nas suas andanças pela nossa cidade, que quem bebe da água do velho barro, não deixará Batalha tão facilmente?

Que nosso padroeiro, São Gonçalo, que o senhor aprendeu amar conosco, seja o modelo de coração sacerdotal na nova missão, e que a Senhora de Lourdes, nossa mãe, cuja cidade está a esta hora a seus pés, no encerramento deste que é o seu ultimo festejo como pastor desta Paróquia, festejo a ela dedicado, seja sua mãe e consolo nas horas difíceis!

O meu voo está quase chegando ao fim, mas ainda resta tempo para dizê-lo: âSe não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da sementeâ.

Leve em sua bagagem, a certeza de nossa eterna gratidão! Deus o acompanhe, e seja muito feliz!

Pe. Leonardo de Sales.

“Obrigado, Pe. Evandro!” - Por Pe. Leonardo Sales

"Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo"

Estou a bordo num voo entre Lisboa e Roma, voltando das férias no Brasil e, uma vontade incontida de escrever alguma coisa me toma de assalto, não resisti, liguei o computador, com o propósito de escrever mais uma crônica, mas sobre o que escrever?

Tomado pela inspiração, e vizinho das alturas, onde creio, portanto, perto de Deus, clarearam-se as ideias, quero escrever um texto de gratidão ao querido Pe. Evandro, que se despedirá em breve de nossa Paróquia, de nossa Cidade e de nossa gente batalhense.

Após um ano e cinco meses como vigário paroquial na Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Piracuruca, chega para exercer o novo ofício de administrador paroquial da Paróquia São Gonçalo em Batalha, o jovem sacerdote Evandro Alves da Silva, o ano era 2009 e o dia o livro de tombo da velha matriz registra como sendo 07 de fevereiro.

Chegava à terra de São Gonçalo, um jovem sacerdote tímido e sem saber por onde começar, pois o campo era vasto e o trabalho imenso, consciente de seus limitese fraquezas, mas também cheio da pujança de sua juventude, o neo-levita é desafiado por todas as partes, fora nomeado para pastorear uma paróquia histórica, complicada e pobre de recursos, consola o coração do novo pastor a expressão viva da Fé do povo de Deus a ele confiado, pelo pastor dos pastores, Cristo Senhor!

Recebera o encargo de conduzir um rebanho imenso, comunidades pipocantes por todos os lados, distâncias enormes a serem percorridas, grupos, pastorais e movimentos diversos que necessitam ser revitalizados, pobreza dos meios de evangelização, veículo precário, como se deslocar para o serviço às ovelhas espalhadas pela extensão desse imenso rebanho? Perguntava-se o recém chegado padre, as perguntas eram mil, as repostas, zero! Aos poucos o Espírito Santo, vai apontando iniciativas, sugerindo caminhos e iluminando propósitos, não faltara a sua luz na condução de sua missão!

Na sua primeira missa após a sua posse leva um susto ao ver uma igreja às escuras, e com poucos fiéis, era fevereiro, pós-festejo, cidade vazia, povo cansado, ano que se iniciava. Iniciava-se também um novo tempo para a nossa Paróquia.

O dinamismo do jovem padre Evandro começa por tomar conta dos grupos e começam-se os projetos, que aqui seria impossível descrevê-los todos!

Alguns destes saltam aos olhos sem diminuir a importância dos menores, que como vaga-lumes, brilham na escuridão!

A revitalização dos festejos que se inicia aos poucos timidamente, mas anos após anos se ver os resultados que começam a surtir efeitos, a peregrinação da imagem do santo padroeiro para a capital do Estado, emplaca e atrai devotos da colônia batalhense em Teresina, evangeliza, fala de Deus e arrecada recursos para se aplicar na obra evangelizadora, entre elas chama atenção à compra de um novo veículo para a comunidade católica, no valor de quase 100 mil reais à vista, fruto do trabalho quase insistente do padre junto aos fieis.

Sua animaçãoe zelo para com as coisas de Deus, o faz perceber o quanto nosso belo templo necessitava de reparos, sejam artísticos, sejam de infraestrutura, que o leva a iniciar uma campanha pela troca do telhado e forro da igreja matriz, descaracterizada nos pós-Concilio Vaticano II, recupera peças sacras de grande valor artístico e cultural, tais como o retorno do Cristo crucificado, peça barroca, dos primórdios da construção da igreja, autoriza a restauração de imagens, como a do Sagrado Coração de Jesus, que até então se acreditava ser de gesso, o que o restaurador admirado veio a descobrir que se tratava de uma peça rara, do neoclassicismo francês, mandada importar da França pelo centenário Apostolado da Oração, se adquiriu novos vasos sagrados, paramentos e alfaias.

No campo pastoral sua figura se desenha colossal, cria novos grupos, investe maciçamente na evangelização da juventude, cria a novena perpetua de Nossa Senhorado Perpétuo Socorro, que lota o templo às terças-feiras, realiza eventos de grande porte a nível paroquial e diocesano, como por exemplo, a passagem do símbolo da JMJ (Jornada Mundial da Juventude), por Batalha, atraindojovens de todos os lados e legando para a nossa história religiosa recente um evento sem precedentes, incentiva a formação dos leigos; jovens de nossa comunidade, graças ao seu apoio, representam a nossa Paróquia no encontro da juventude com o sucessor de Pedro, naprimeira visita ao Brasil, do Papa Francisco, no Rio de Janeiro, em julho de 2013.

As comunidades rurais ganham novo impulso missionário, a missão continental, assumida no Documento de Aparecida, como uma urgência pastoral de nosso tempo, ganha neste filho de Cocal, uma força enorme, são realizadas diversas missões populares, quer seja na Paróquia ou no zonalsul 2 da diocese de Parnaíba.

A consciência de ser Igreja participativa cresce nas pessoas, que respondem com generosidade, a arrecadação do dízimo nunca cresceu tanto, como nesta gestão paroquial, conduzida pelo Pe. Evandro, a dinamização da equipe e a adesão de novos dizimistas confere novas possibilidades à comunidade, como por exemplo, a isenção de taxas que soavam simonia (venda de serviços sagrados), tais como batismo e casamento.

No campo da comunicação, nova urgência dos tempos modernos, nossa Paróquia encontrou neste pastor dedicado um grande incentivador, cria-se um blog na internet, para divulgação da vida paroquial e difusão também do Evangelho nos novos areópagos!

Apresenta-se como um zeloso sacerdote, defensor das verdades do Evangelho, e dos valores cristãos, e por vezes foi na cidade de Batalha a única voz que se levantou contra os desmandos da velha política local, feita de arranjos desmedidos e pactos espúrios, sua voz em defensa dos pobres, tão ao gosto do Jesus dos Evangelhos, se faz sentir quando as camadas de decisões se contradizem na prática de favoritismos e não fazem da política expressão do bem comum.

Quando a moral e os costumes estavam ameaçados pela falta de bom senso e respeito à fé católica, foi capaz de se indispor falando a verdade aos quatro ventos contra quem quer que fosse, sem medo, certo do apoio de seu rebanho mesmo que muitas caras se virassem contra o senhor vigário!

Durante seu pastoreio ele pode assistir a três primeiras missas de filhos da terra, ordenados sacerdotes para a Igreja de Deus: Pe. Leonardo de Sales, Frei Manoel, e por último Pe. Joaquim Trindade, que graça para um sacerdote, ver outros sacerdotes chegando e se fazendo amigo deles, e ainda encaminhou duasvocações que amadurecem no celeiro de formação, o seminário menor diocesano!

Sua fama é de pedinte, já ouvi de sua boca dizer que não pede nada para si, mais para o bem da comunidade, não se envergonha de fazê-lo, sua transparência no uso dos recursos dos fiéis gera confiança e cria possibilidades de realizar grandes projetos, tais como a restauração total da casa paroquial, totalmente reestruturada, com bom gosto, outra marca do Pe. Evandro; mobília nova sensação de bem estar, pronta para receber o novo padre e digna de acolhida a qualquer autoridade eclesiástica que passe pela Paróquia de São Gonçalo!

O projeto de conclusão do grande jubileu dos 200 anos da construção da Matriz de São Gonçalo, que foi abraçado com grande empenho, o senhor não o concluirá, seria um gesto de grande comunhão que o novo padre o permitisse em dezembro próximo ao menos a sua participação!

Seu estilo meio zangado, às vezes insinua um estilo áspero, porém, uma breve convivência com ele, se percebe a clareza das opções e a objetividade das relações humanas, que devem ser pautadas pela lógica do diálogo e pela transparência no trato com as pessoas! Não quero beatificá-lo, seus limitesos conhecemos, mas suas qualidades superam de longe, os seus defeitos!

Não pretendo nesta crônica esgotar os feitos do pastoreio do Pe. Evandro, ao longo destes cinco anos e seis meses, mas tão somente, provocar na comunidade gestos de gratidão a Deus pela passagem benfazeja deste servo de Deus entre nós, que cada um possa render graças ao Senhor por tudo o que foi feito e pedir perdão a Deus pelo que não ajudou a fazer, e aclamar o Deus das misericórdias pelo que foi capaz de colaborar e ver realizado por iniciativa, coordenação e liderança dele, pois nenhum padre faz nada sozinho, sem a colaboração de seu rebanho, pois por melhor que seja alguém, jamaisconseguirá ser tão bom e eficaz que todos juntos e unidos num só propósito: fazer a Igreja, que é de Cristo, crescer e apressar a vinda de seu Reino!

Tudo tem o seu começo, o seu meio e o seu fim. Embora, Pe. Evandro, o senhor possa dizer com o artista popular: ânão aprendi dizer adeusâ, é chegada a hora de tirar o seu time de campo e partir para outro lugar!

Lutamos junto ao bispo diocesano para que a sua presença se prolongasse por mais tempo, numa estratégia moderada, ele nos concedeu, mais alguns meses, a dom Alfredo nossa eterna gratidão, por nos ter dado um grande pastor!

Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo, sabemos, porém, dos seus limites, que sempre terminam por ter grande incidência em tudo. O senhor procurou ser bom e amigo, ofereceu a sua amizade a todos, quis ser presença em cada casa das ovelhas ao senhor confiadas, não fez aqui acepção de pessoas, (ricos e pobres, crentes e não crentes) quis enxugar cada lágrima, para todos quis ser o âpadreâ!

O que o senhor aqui em nossa Paróquia viveu, aprendeu e pode realizar nesse período de pouco mais de cinco anos, nesta cidade acolhedora, deixará marcas profundas na vida dessa comunidade. à a bagagem, feita de gratidão e saudade, que o senhor levará para a Igreja de Esperantina.

No seu coração sacerdotal não leve mágoas de ninguém. Partindo, leve a todos no coração, como gostava de dizer o apóstolo São Paulo.

Com as emoções à flor da pele não podemos deixar de olhar para o alto e dizer: obrigado, nosso Deus, obrigado por este kairós, tempo de Graça, obrigado por estes cinco anos e seis meses do Pe. Evandro entre nós, obrigado por ter-nos feito fazer parte da história dele, de termos ajudado e ensinado a Ele a ser padre, sim, pois foi aqui que aprendeu o que os livros nos seminário não ensinam, ou seja, como pastorear, segundo o coração do Bom Pastor!

 Obrigado Padre, muito obrigado, em nome de tantas pessoas que aí em nossa querida Batalhao senhor pode atender espiritualmente, batizar, interceder, visitar, assistir o matrimônio, se fazer amigo, presidir a Eucaristia, animar a Fé, conduzir belas procissões, encorajar os corações entristecidos pelas mazelas da vida, encomendar os seus entes queridos, louvar, ungir, pregar a Palavra de Deus, e fazê-los apaixonados por Jesus Cristo!

à claro que o senhor poderá voltar outras vezes a Batalha para participar de muitas celebrações,

Quando, passeando pelas ruasde nossa cidade, poderá de novo sentir o cheiro de nossa gente batalhense e batalhadora nas tardes quentes da cidade morena, tomar um cafezinho na casa dos seus mais de 10 mil amigos aqui feitos, ou mesmo notar o perfume das beatas cheirosas na época em que os festejos contagiam toda a cidade, mas nunca mais será a mesma coisa!

Sabemos que o Senhor que o assistiu aqui com o seu Santo Espírito também assistirá, o Pe. Oscar, que a nossa comunidade se prepara para acolher com muita alegria como seu legitimo pastor.

Pe. Evandro mil obrigados ao senhor, pela sua passagem por Batalha, ela deixará marcar eternas entre nós, Deus recompense seu cansaço, suas noites sem dormir, seus anos passados entre nós, seu envelhecimento, seus cabelos brancos adquiridos antes da idade, pelo trabalhão que algumas ovelhas lhe deram, abençoe sua dedicação, sua coragem, enfim tudo o que fez, e que faria novamente com certeza, pela nossa comunidade paroquial.

Seja feliz em sua nova caminhada, seu novo pastoreio, desafiador e emblemático que o aguarda, que o bem aqui feito, seja realizado redobrado na vida das pessoas que o senhor vai encontrar e pastorear, obrigado, obrigado, obrigado, infinitamente!

Sentiremos saudades de suas missas longas, de suas zangas, de seus apelos, de seu jeito, de seus gestos, de sua amizade, o que nos separa são 22 km e um rio, o Longá, e rio foi feito para atravessar, venha sempre esta casa comum, nossa paróquia, é também a sua casa! Foi isto que a nossa Câmara Municipal quis sinalizar ao conferi-lo o título de cidadão batalhense, já deve ter ouvido nas suas andanças pela nossa cidade, que quem bebe da água do velho barro, não deixará Batalha tão facilmente?

Que nosso padroeiro, São Gonçalo, que o senhor aprendeu amar conosco, seja o modelo de coração sacerdotal na nova missão, e que a Senhora de Lourdes, nossa mãe, cuja cidade está a esta hora a seus pés, no encerramento deste que é o seu ultimo festejo como pastor desta Paróquia, festejo a ela dedicado, seja sua mãe e consolo nas horas difíceis!

O meu voo está quase chegando ao fim, mas ainda resta tempo para dizê-lo: âSe não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da sementeâ.

Leve em sua bagagem, a certeza de nossa eterna gratidão! Deus o acompanhe, e seja muito feliz!

Pe. Leonardo de Sales.

“Obrigado, Pe. Evandro!” - Por Pe. Leonardo Sales

"Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo"

Estou a bordo num voo entre Lisboa e Roma, voltando das férias no Brasil e, uma vontade incontida de escrever alguma coisa me toma de assalto, não resisti, liguei o computador, com o propósito de escrever mais uma crônica, mas sobre o que escrever?

Tomado pela inspiração, e vizinho das alturas, onde creio, portanto, perto de Deus, clarearam-se as ideias, quero escrever um texto de gratidão ao querido Pe. Evandro, que se despedirá em breve de nossa Paróquia, de nossa Cidade e de nossa gente batalhense.

Após um ano e cinco meses como vigário paroquial na Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Piracuruca, chega para exercer o novo ofício de administrador paroquial da Paróquia São Gonçalo em Batalha, o jovem sacerdote Evandro Alves da Silva, o ano era 2009 e o dia o livro de tombo da velha matriz registra como sendo 07 de fevereiro.

Chegava à terra de São Gonçalo, um jovem sacerdote tímido e sem saber por onde começar, pois o campo era vasto e o trabalho imenso, consciente de seus limitese fraquezas, mas também cheio da pujança de sua juventude, o neo-levita é desafiado por todas as partes, fora nomeado para pastorear uma paróquia histórica, complicada e pobre de recursos, consola o coração do novo pastor a expressão viva da Fé do povo de Deus a ele confiado, pelo pastor dos pastores, Cristo Senhor!

Recebera o encargo de conduzir um rebanho imenso, comunidades pipocantes por todos os lados, distâncias enormes a serem percorridas, grupos, pastorais e movimentos diversos que necessitam ser revitalizados, pobreza dos meios de evangelização, veículo precário, como se deslocar para o serviço às ovelhas espalhadas pela extensão desse imenso rebanho? Perguntava-se o recém chegado padre, as perguntas eram mil, as repostas, zero! Aos poucos o Espírito Santo, vai apontando iniciativas, sugerindo caminhos e iluminando propósitos, não faltara a sua luz na condução de sua missão!

Na sua primeira missa após a sua posse leva um susto ao ver uma igreja às escuras, e com poucos fiéis, era fevereiro, pós-festejo, cidade vazia, povo cansado, ano que se iniciava. Iniciava-se também um novo tempo para a nossa Paróquia.

O dinamismo do jovem padre Evandro começa por tomar conta dos grupos e começam-se os projetos, que aqui seria impossível descrevê-los todos!

Alguns destes saltam aos olhos sem diminuir a importância dos menores, que como vaga-lumes, brilham na escuridão!

A revitalização dos festejos que se inicia aos poucos timidamente, mas anos após anos se ver os resultados que começam a surtir efeitos, a peregrinação da imagem do santo padroeiro para a capital do Estado, emplaca e atrai devotos da colônia batalhense em Teresina, evangeliza, fala de Deus e arrecada recursos para se aplicar na obra evangelizadora, entre elas chama atenção à compra de um novo veículo para a comunidade católica, no valor de quase 100 mil reais à vista, fruto do trabalho quase insistente do padre junto aos fieis.

Sua animaçãoe zelo para com as coisas de Deus, o faz perceber o quanto nosso belo templo necessitava de reparos, sejam artísticos, sejam de infraestrutura, que o leva a iniciar uma campanha pela troca do telhado e forro da igreja matriz, descaracterizada nos pós-Concilio Vaticano II, recupera peças sacras de grande valor artístico e cultural, tais como o retorno do Cristo crucificado, peça barroca, dos primórdios da construção da igreja, autoriza a restauração de imagens, como a do Sagrado Coração de Jesus, que até então se acreditava ser de gesso, o que o restaurador admirado veio a descobrir que se tratava de uma peça rara, do neoclassicismo francês, mandada importar da França pelo centenário Apostolado da Oração, se adquiriu novos vasos sagrados, paramentos e alfaias.

No campo pastoral sua figura se desenha colossal, cria novos grupos, investe maciçamente na evangelização da juventude, cria a novena perpetua de Nossa Senhorado Perpétuo Socorro, que lota o templo às terças-feiras, realiza eventos de grande porte a nível paroquial e diocesano, como por exemplo, a passagem do símbolo da JMJ (Jornada Mundial da Juventude), por Batalha, atraindojovens de todos os lados e legando para a nossa história religiosa recente um evento sem precedentes, incentiva a formação dos leigos; jovens de nossa comunidade, graças ao seu apoio, representam a nossa Paróquia no encontro da juventude com o sucessor de Pedro, naprimeira visita ao Brasil, do Papa Francisco, no Rio de Janeiro, em julho de 2013.

As comunidades rurais ganham novo impulso missionário, a missão continental, assumida no Documento de Aparecida, como uma urgência pastoral de nosso tempo, ganha neste filho de Cocal, uma força enorme, são realizadas diversas missões populares, quer seja na Paróquia ou no zonalsul 2 da diocese de Parnaíba.

A consciência de ser Igreja participativa cresce nas pessoas, que respondem com generosidade, a arrecadação do dízimo nunca cresceu tanto, como nesta gestão paroquial, conduzida pelo Pe. Evandro, a dinamização da equipe e a adesão de novos dizimistas confere novas possibilidades à comunidade, como por exemplo, a isenção de taxas que soavam simonia (venda de serviços sagrados), tais como batismo e casamento.

No campo da comunicação, nova urgência dos tempos modernos, nossa Paróquia encontrou neste pastor dedicado um grande incentivador, cria-se um blog na internet, para divulgação da vida paroquial e difusão também do Evangelho nos novos areópagos!

Apresenta-se como um zeloso sacerdote, defensor das verdades do Evangelho, e dos valores cristãos, e por vezes foi na cidade de Batalha a única voz que se levantou contra os desmandos da velha política local, feita de arranjos desmedidos e pactos espúrios, sua voz em defensa dos pobres, tão ao gosto do Jesus dos Evangelhos, se faz sentir quando as camadas de decisões se contradizem na prática de favoritismos e não fazem da política expressão do bem comum.

Quando a moral e os costumes estavam ameaçados pela falta de bom senso e respeito à fé católica, foi capaz de se indispor falando a verdade aos quatro ventos contra quem quer que fosse, sem medo, certo do apoio de seu rebanho mesmo que muitas caras se virassem contra o senhor vigário!

Durante seu pastoreio ele pode assistir a três primeiras missas de filhos da terra, ordenados sacerdotes para a Igreja de Deus: Pe. Leonardo de Sales, Frei Manoel, e por último Pe. Joaquim Trindade, que graça para um sacerdote, ver outros sacerdotes chegando e se fazendo amigo deles, e ainda encaminhou duasvocações que amadurecem no celeiro de formação, o seminário menor diocesano!

Sua fama é de pedinte, já ouvi de sua boca dizer que não pede nada para si, mais para o bem da comunidade, não se envergonha de fazê-lo, sua transparência no uso dos recursos dos fiéis gera confiança e cria possibilidades de realizar grandes projetos, tais como a restauração total da casa paroquial, totalmente reestruturada, com bom gosto, outra marca do Pe. Evandro; mobília nova sensação de bem estar, pronta para receber o novo padre e digna de acolhida a qualquer autoridade eclesiástica que passe pela Paróquia de São Gonçalo!

O projeto de conclusão do grande jubileu dos 200 anos da construção da Matriz de São Gonçalo, que foi abraçado com grande empenho, o senhor não o concluirá, seria um gesto de grande comunhão que o novo padre o permitisse em dezembro próximo ao menos a sua participação!

Seu estilo meio zangado, às vezes insinua um estilo áspero, porém, uma breve convivência com ele, se percebe a clareza das opções e a objetividade das relações humanas, que devem ser pautadas pela lógica do diálogo e pela transparência no trato com as pessoas! Não quero beatificá-lo, seus limitesos conhecemos, mas suas qualidades superam de longe, os seus defeitos!

Não pretendo nesta crônica esgotar os feitos do pastoreio do Pe. Evandro, ao longo destes cinco anos e seis meses, mas tão somente, provocar na comunidade gestos de gratidão a Deus pela passagem benfazeja deste servo de Deus entre nós, que cada um possa render graças ao Senhor por tudo o que foi feito e pedir perdão a Deus pelo que não ajudou a fazer, e aclamar o Deus das misericórdias pelo que foi capaz de colaborar e ver realizado por iniciativa, coordenação e liderança dele, pois nenhum padre faz nada sozinho, sem a colaboração de seu rebanho, pois por melhor que seja alguém, jamaisconseguirá ser tão bom e eficaz que todos juntos e unidos num só propósito: fazer a Igreja, que é de Cristo, crescer e apressar a vinda de seu Reino!

Tudo tem o seu começo, o seu meio e o seu fim. Embora, Pe. Evandro, o senhor possa dizer com o artista popular: ânão aprendi dizer adeusâ, é chegada a hora de tirar o seu time de campo e partir para outro lugar!

Lutamos junto ao bispo diocesano para que a sua presença se prolongasse por mais tempo, numa estratégia moderada, ele nos concedeu, mais alguns meses, a dom Alfredo nossa eterna gratidão, por nos ter dado um grande pastor!

Sei que o senhor poderia ter feito mais. O que estava ao alcance foi feito, sempre com muito carinho e zelo, sabemos, porém, dos seus limites, que sempre terminam por ter grande incidência em tudo. O senhor procurou ser bom e amigo, ofereceu a sua amizade a todos, quis ser presença em cada casa das ovelhas ao senhor confiadas, não fez aqui acepção de pessoas, (ricos e pobres, crentes e não crentes) quis enxugar cada lágrima, para todos quis ser o âpadreâ!

O que o senhor aqui em nossa Paróquia viveu, aprendeu e pode realizar nesse período de pouco mais de cinco anos, nesta cidade acolhedora, deixará marcas profundas na vida dessa comunidade. à a bagagem, feita de gratidão e saudade, que o senhor levará para a Igreja de Esperantina.

No seu coração sacerdotal não leve mágoas de ninguém. Partindo, leve a todos no coração, como gostava de dizer o apóstolo São Paulo.

Com as emoções à flor da pele não podemos deixar de olhar para o alto e dizer: obrigado, nosso Deus, obrigado por este kairós, tempo de Graça, obrigado por estes cinco anos e seis meses do Pe. Evandro entre nós, obrigado por ter-nos feito fazer parte da história dele, de termos ajudado e ensinado a Ele a ser padre, sim, pois foi aqui que aprendeu o que os livros nos seminário não ensinam, ou seja, como pastorear, segundo o coração do Bom Pastor!

 Obrigado Padre, muito obrigado, em nome de tantas pessoas que aí em nossa querida Batalhao senhor pode atender espiritualmente, batizar, interceder, visitar, assistir o matrimônio, se fazer amigo, presidir a Eucaristia, animar a Fé, conduzir belas procissões, encorajar os corações entristecidos pelas mazelas da vida, encomendar os seus entes queridos, louvar, ungir, pregar a Palavra de Deus, e fazê-los apaixonados por Jesus Cristo!

à claro que o senhor poderá voltar outras vezes a Batalha para participar de muitas celebrações,

Quando, passeando pelas ruasde nossa cidade, poderá de novo sentir o cheiro de nossa gente batalhense e batalhadora nas tardes quentes da cidade morena, tomar um cafezinho na casa dos seus mais de 10 mil amigos aqui feitos, ou mesmo notar o perfume das beatas cheirosas na época em que os festejos contagiam toda a cidade, mas nunca mais será a mesma coisa!

Sabemos que o Senhor que o assistiu aqui com o seu Santo Espírito também assistirá, o Pe. Oscar, que a nossa comunidade se prepara para acolher com muita alegria como seu legitimo pastor.

Pe. Evandro mil obrigados ao senhor, pela sua passagem por Batalha, ela deixará marcar eternas entre nós, Deus recompense seu cansaço, suas noites sem dormir, seus anos passados entre nós, seu envelhecimento, seus cabelos brancos adquiridos antes da idade, pelo trabalhão que algumas ovelhas lhe deram, abençoe sua dedicação, sua coragem, enfim tudo o que fez, e que faria novamente com certeza, pela nossa comunidade paroquial.

Seja feliz em sua nova caminhada, seu novo pastoreio, desafiador e emblemático que o aguarda, que o bem aqui feito, seja realizado redobrado na vida das pessoas que o senhor vai encontrar e pastorear, obrigado, obrigado, obrigado, infinitamente!

Sentiremos saudades de suas missas longas, de suas zangas, de seus apelos, de seu jeito, de seus gestos, de sua amizade, o que nos separa são 22 km e um rio, o Longá, e rio foi feito para atravessar, venha sempre esta casa comum, nossa paróquia, é também a sua casa! Foi isto que a nossa Câmara Municipal quis sinalizar ao conferi-lo o título de cidadão batalhense, já deve ter ouvido nas suas andanças pela nossa cidade, que quem bebe da água do velho barro, não deixará Batalha tão facilmente?

Que nosso padroeiro, São Gonçalo, que o senhor aprendeu amar conosco, seja o modelo de coração sacerdotal na nova missão, e que a Senhora de Lourdes, nossa mãe, cuja cidade está a esta hora a seus pés, no encerramento deste que é o seu ultimo festejo como pastor desta Paróquia, festejo a ela dedicado, seja sua mãe e consolo nas horas difíceis!

O meu voo está quase chegando ao fim, mas ainda resta tempo para dizê-lo: âSe não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da sementeâ.

Leve em sua bagagem, a certeza de nossa eterna gratidão! Deus o acompanhe, e seja muito feliz!

Pe. Leonardo de Sales.

Após cinco anos e meio Pe. Evandro se despede de Batalha

Após cinco anos e meio Pe. Evandro se despede de Batalha

Pároco leva na bagagem grandes amizades e momentos felizes nas Terras de São Gonçalo

Após cinco anos e meio de missão na Paróquia São Gonçalo, o filho da cidade de Cocal, Evandro Alves da Silva, se despediu no final da tarde desta sexta-feira (23) da Paróquia São Gonçalo de Batalha. Pe. Evandro leva na bagagem grandes amizades e momentos felizes nas Terras de São Gonçalo.

Dois ônibus e um micro-ônibus foram lotados de fiéis para a vizinha cidade de Esperantina prestigiar a posse de Padre Evandro como Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Boa Esperança.

Acompanhado da Mãe e Familiares, Pe. Evandro assumiu a Paróquia vizinha durante uma Missa realizada às 19h00 na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Esperança. A Missa foi presidida por Padre Henrique, da Paróquia da cidade de Luís Correia, que representou o bispo da diocese de Parnaíba, Dom Alfredo Schaffler, que não pôde comparecer.

No início da Santa Missa, o também padre da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Esperança, Pe. Bernardo (Que foi Pároco de Batalha, antecedendo Pe. Evandro), deu boas vindas ao novo Pároco da Cidade. O sucessor de Pe. Evandro na Paróquia de São Gonçalo, Pe. Oscar, também se fez presente na Celebração.

Abaixo você confere fotos de Mauro Robert, que acompanhou toda a despedida de Pe. Evandro, a quem deixamos nosso agradecimento pelo seu esforço em sempre buscar o melhor para a Paróquia São Gonçalo e para o município de forma geral.

19 de agosto de 2014

Pe. Evandro celebra suas últimas missas como Pároco de Batalha

Pe. Evandro celebra suas últimas missas como Pároco de Batalha

As missas ocorreram neste domingo (17), na Igreja Matriz

Com data marcada para deixar a Paróquia São Gonçalo, Pe. Evandro Alves da Silva celebrou neste domingo, 17 de agosto, suas últimas missas como administrador Paroquial. As Missas que ocorreram às 07h00, 17h00 e 19h00 estavam completamente lotadas..

Foi principalmente durante a Missa das 19h00 que diversas homenagens foram prestadas ao Ilustre Pároco. Mensagens de agradecimento das diversas pastorais e grupos da Igreja foram lidas, além da emocionante paricipação da Banda de Música Manoel Fabiano, que adentrou a Igreja executando o Hino de São Gonçalo, padroeiro da cidade.

Após a Santa Missa um coquetel foi oferecido ao Pároco no Centro Pastoral Irmã Nilva, por trás de Igreja Matriz. Durante o coquetel, novamente mensagens foram proferidas e um vídeo de produção do Batalha Show/ Portal O Dia - Batalha foi exibido mostrando alguns dos principais momentos do Pároco Evandro frente a Paróquia de São Gonçalo.

A comunidade batalhense só tem a agradecer pelos feitos do Padre que é Natural de Cocal - Pi, mas que é considerado batalhense de coração e de direito, que foi ratificado com o título de Cidadão Batalhense pela Câmara Municipal.

Pe. Evandro deixará a Paróquia São Gonçalo às 17h30min de sexta-feira, 22 de agosto, e toma posse em Esperantina às 19h00 do mesmo dia. Cinco ônibus foram contratados para que os fiéis possam acompanhar o Pároco em sua posse. Os interessados devem procurar a Secretaria Paroquial e adquirir a passagem de ida e volta no valor de R$6,00.




















































Fotos: Mauro Robert

14 de agosto de 2014

13 de agosto de 2014

10 de agosto de 2014